Home » Posts tagged "tecnologias de informação e comunicação"

SANTOS, Airton José. Tecnologias da Informação e Comunicação na Vida Profissional do Cego Congênito. Dissertação, 2015.

Este trabalho trata das tecnologias da informação e comunicação na vida profissional do cego congênito. Tem como pergunta de pesquisa: De que forma as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) estão inseridas na vida profissional do cego congênito. O objetivo geral foi investigar a atuação do cego congênito no mercado de trabalho e sua relação com as Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). O método empregado foi do ponto de vista da abordagem do problema, qualitativa; de seus objetivos, uma pesquisa exploratória e dos procedimentos técnicos, bibliográfica e estudo de caso. Para tanto, foi realizada uma entrevista face a face contendo perguntas abertas e fechadas com os cegos congênitos associados da Associação Catarinense para a Integração do Cego (ACIC), localizada no município de Florianópolis. Os resultados encontrados indicam que a maior parte dos entrevistados é do sexo masculino, solteiros e pedagogos. Qualificam-se por meio do ensino formal e especializado. Em se tratando do mercado de trabalho, pode-se afirmar que dos 16 entrevistados, 50% ingressou jovem, na faixa etária entre 16 a 21 anos; cinco estão há mais de dez anos trabalhando; apenas um recebe entre 6-9 salários mínimos; seis chegaram ao emprego atual por interesse próprio; nove almejam atuar em ocupação conforme sua formação; oito citaram a baixa escolaridade e qualificação como principal dificuldade de inclusão profissional. Quanto às medidas consideradas necessárias para auxiliar no processo de inclusão escolar e no mercado de trabalho a maioria cita a necessidade de recursos pedagógicos adaptados para pessoas com deficiência visual. Já, quanto às medidas necessárias para auxiliar no processo de inclusão no mercado de trabalho a opção: maior disponibilidade e conhecimento (dos empregadores) sobre recursos tecnológicos adaptados ao serem utilizados no ambiente de trabalho foi a mais citada. Quanto a relação dos cegos congênitos com as Tecnologias de Informação e Comunicação, pode-se afirmar que para 13 dos entrevistados o uso do computador com seus programas auxiliares é a tecnologia mais usada no ambiente profissional. A maioria dos entrevistados garante que as tecnologias contribuíram para a sua inserção no atual emprego. Oito dos entrevistados atestaram ter sido importante a contribuição das tecnologias na preparação do ingresso no mercado de trabalho. A maioria dos cegos congênitos busca atualizações das tecnologias e acredita que as mesmas facilitam a sua vida profissional no que diz respeito a rotina diária. |Pode-se concluir que, dentre os diferentes tipos e uso das TICs para o cego congênito tem-se: computador com seus programas auxiliares, TV, teclado e impressora braile, celular, gravador, scanner, sintetizador de voz e tablet. Os entrevistados procuram capacitar-se, pois o mercado de trabalho, para eles, é muito competitivo, assim sendo, fazem curso de massagem, informática, telefonista, revisor braile e telefonia. Pode-se verificar que os entrevistados relacionam-se muito bem com as tecnologias, pois as consideram de grande importância nas suas vidas.

 

Link para Download: Airton José Santos

ROSA, Aurélio José Pelozato da. O Emprego da Realidade Virtual no Treinamento Policial para o Enfrentamento de Criminosos com Ênfase nos Chamados Encontros Mortais: Uma Abordagem Baseada na Teoria Geral de Sistemas. Dissertação, 2014.

Este trabalho discorre sobre as possibilidades da realidade virtual no treinamento policial, com ênfase nos chamados encontros mortais. A formação e o treinamento de policiais militares em Santa Catarina, como todo processo educacional, está imersa em uma realidade afetada pelas tecnologias de informação e comunicação (TICs). Não obstante a velocidade da evolução das TICs e a oferta de produtos cada vez mais modernos e de alta complexidade tecnológica, que permitem reproduzir situações enfrentadas no cotidiano do exercício da profissão, a formação e o treinamento do policial militar ainda é afetada negativamente pela exclusão digital e pela dificuldade na identificação dos recursos de TICs adequados para o efetivo treinamento. Realiza uma abordagem baseada na Teoria Geral de Sistemas, propondo um sistema de ensino-aprendizagem que inclui conceitos e tecnologias da realidade virtual, alinhados a técnicas policiais testadas, como a pirâmide de emprego da força, somadas às experiências vividas pelos profissionais responsáveis pela preservação da ordem pública. O sistema resultante permite exercícios de aprendizagem em ambientes virtuais controlados, imerso em um mundo virtual que possibilita simular situações enfrentadas pelos policiais militares, durante o atendimento de ocorrências de alto e altíssimo risco, indicando a possível redução do número de policiais militares mortos em confrontos com criminosos, os encontros mortais, mesmo diante da crescente violência dos criminosos e do progressivo aumento da criminalidade.

Link para Download: Aurélio José Pelozato da Rosa

FRANTZ, Michelle Bencciveni Franzoni. Criação e compartilhamento de conhecimento artístico e cultural em ambiente virtual interativo. Tese, 2011.

A humanidade está atravessando um período de transformações econômicas, políticas, sociais, culturais e tecnológicas, denominado Sociedade do Conhecimento. Essa nova época tem como fator dominante o indivíduo, sendo o capital humano o bem mais apreciado e valorizado. Nesse contexto, o conceito de comunidade é resgatado, levando a uma organização social em redes. A cultura do meio familiar e comunita?rio aparece como vital para a formac?a?o do indivi?duo. Nessa sociedade, a arte deixa de ser considerada apenas um resultado dos seus condicionamentos e ganha caráter transformador, focado na criatividade e iniciativa social, expandindo suas fronteiras, de forma que se torna inevitável a junção homem-máquina, tornando a arte reflexo de uma sociedade tecnológica. Nesse contexto, a presente tese tem como objetivo geral estabelecer diretrizes que promovam a criação e o compartilhamento do conhecimento artístico e cultural de uma comunidade utilizando ferramentas de tecnologia de informação e comunicação. A pesquisa é considerada aplicada, quali-quantitativa e exploratória. Com a finalidade de atender aos objetivos propostos desta tese, o procedimento metodológico adotado contempla as seguintes etapas: fundamentação teórica sobre conhecimento, considerações sobre o conhecimento artístico e cultural, além das aplicações das tecnologias de informação e comunicação baseadas na interatividade; desenvolvimento de um ambiente virtual interativo, denominado Groupart, que propicie a criação e o compartilhamento de conhecimento sobre artes visuais em uma comunidade; aplicação do ambiente proposto; análise do ambiente proposto; elaboração das diretrizes para plataformas de criação e compartilhamento de conhecimento artístico e cultural. Dentre as diretrizes, destaca-se a necessidade do ambiente virtual apresentar dinamismo, oferecer requisitos variados de disponibilização das informações, respeitar a individualidade do usuário, ser de fácil utilização, apresentar-se esteticamente agradável; o espaço deve possibilitar o crescimento da comunidade e a sua integração com outros universos. Ainda, para que o ambiente virtual tenha como foco a criação e o compartilhamento do conhecimento é fundamental que ele seja pautado nas relações humanas, de modo interativo, com princípios de igualdade e autonomia. O modelo de ambiente virtual interativo sugerido, ao promover discussões e troca de experiências sobre as artes visuais do estado de Santa Catarina, fomenta diretamente a memória do patrimônio artístico e cultural da população. A presente tese contribui para o desenvolvimento de pesquisas na área da gestão do conhecimento e das artes, particularmente as que articulam criação e compartilhamento do conhecimento e patrimônio artístico e cultural, uma vez que, como se poderá verificar, nenhum estudo aborda modelos que vise à criação e o compartilhamento do conhecimento artístico e cultural através de um ambiente virtual interativo.

Link para download: Michelle B. F. Frantz

GULARTE, Delmar dos Santos. Formação de professores em educação a distância: as lições do curso UNIVIMA/UFSC. Dissertação, 2007.

Esta dissertação é um estudo instrumental sobre o curso ‘Formação em Educação a Distância’, uma parceria da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC – e da Universidade Virtual do Estado do Maranhão – UNIVIMA – que capacitou 404 professores da rede pública maranhense – praticamente todos de nível superior – para trabalhar com EaD. Um curso sobre educação a distância concebido na própria modalidade. O estudo de caráter quantitativo e qualitativo utilizou as avaliações subjetivas realizadas pelos educandos no ambiente virtual, assim como a pesquisa que mensurou suas opiniões sobre os elementos principais do curso: o material didático, o próprio ambiente virtual, as videoconferências, a tutoria, a coordenação e a estrutura dos pólos da UNIVIMA, o curso em sua totalidade e o desempenho de cada educando como estudante a distância. A coleta, a análise, a descrição e a interpretação dos dados seguiram os princípios da técnica de avaliação de conteúdo. O processo foi orientado pelo objetivo que norteou a investigação: a sugestão de mudanças que possam aprimorar ações futuras em EaD direcionadas aos docentes de nível superior. Para se conseguir maior objetividade dos indicadores na avaliação subjetiva, se procurou valorizar as declarações mais recorrentes. Assim, os dados quantitativos se complementaram por explicações que foram além do simplesmente numérico e abrangeram questões referentes a valores, percepções, motivações e intenções. A contribuição do trabalho para sua área de concentração, não se limita à elaboração de estratégias direcionadas a uma instituição apenas. A confiabilidade dos resultados advém da observação direta e da análise mais qualitativa do processo que considerou principalmente as atitudes na utilização da tecnologia, a eficácia das exposições do professor e o nível das discussões, a quantidade e a qualidade das interações, a apresentação do conteúdo, as atividades, a estrutura de suporte, o envolvimento dos próprios estudantes com o curso e a contribuição do corpo docente. A conclusão apresenta sugestões para o aperfeiçoamento do sistema, ao confrontar os dados obtidos e os pressupostos teóricos. Com este trabalho, espera-se atender a uma demanda cada vez maior de formação de profissionais qualificados para implantar novas formas de educação.

Link para Download: Delmar Gularte

URIARTE, Flavia Maia da Nova. Portal Corporativo como canal para Gestão do Conhecimento. Dissertação, 2006.

A Era da Informação traz um novo contexto ao mundo empresarial, no qual o conhecimento passa a ser visto como fonte de riqueza. A partir daí, a Gestão do Conhecimento torna-se um dos recursos utilizados por empresas que buscam potencializar seu capital intelectual via integração interna e colaboração de seus funcionários e, principalmente, compartilhamento e disseminação de informação e conhecimento. Para tanto, são necessários canais de comunicação e de  informação para esta gestão e o portal virtual, com suas ferramentas tecnológicas, é uma das opções utilizadas por empresas que visam à Gestão do Conhecimento. Este trabalho apresenta os elementos e características que um portal deve ter para ser um eficiente canal de comunicação e de informação da Gestão do Conhecimento. Para tanto, é realizado um levantamento bibliográfico acerca do tema e assuntos afins, além de entrevista semi-estruturada com uma empresa renomada em desenvolvimento de softwares corporativos. São também citados alguns exemplos de portais brasileiros. As informações, extraídas tanto da literatura quanto do mercado, são cruzadas e geram duas listas finais, com elementos e características que um portal deve ter para ser um canal da Gestão do Conhecimento.

Link para download: Flavia Maia da Nova Uriarte