Home » Posts tagged "Raciocínio Abdutivo"

HEINZLE, Roberto. Um Modelo de Engenharia do Conhecimento para Sistemas de Apoio a Decisão com Recursos para Raciocínio Abdutivo. Tese, 2011.

Esta Tese tem por objetivo a construção de um modelo de engenharia do conhecimento para integrar o raciocínio não-monotônico aos Sistemas de Apoio a Decisão-SAD, e assim oferecer um instrumento mais efetivo no auxílio aos processos cognitivos desenvolvidos pelo gestor no âmbito de uma tomada de decisão organizacional. Para identificar os princípios e as alternativas a serem considerados na construção do modelo foi feita uma revisão da literatura sobre as diferentes abordagens dos pesquisadores das áreas de teoria da decisão, teoria do raciocínio, lógica e raciocínio computacional. Desta forma, percebeu-se que os princípios que fundamentam a Teoria do Raciocínio de Peirce, somada à representação do conhecimento com o uso de uma ontologia, poderiam ser aplicados para embasar a criação do modelo que permite aos Sistemas de Apoio a Decisão oferecer o suporte necessário ao gestor, inclusive com recursos para desenvolvimento do raciocínio não-monotônico. O modelo foi então formulado e, posteriormente, submetido à validação por meio  de uma aplicação experimental realizada junto à Universidade Regional de Blumenau e relacionada à gestão dos cursos de pós-graduação stricto sensu oferecidos pela instituição. Entre as conclusões a que se chegou, merecem destaque a viabilidade da integração do raciocínio não-monotônico às funcionalidades analíticas dos Sistemas de Apoio a Decisão e  que ele é instrumento atenuante dos fatores indicados pelos modelos de tomada de decisão como restritivos à racionalidade nos processos decisórios.

Link para download: Roberto Heinzle

PEREIRA, Kariston. O raciocínio abdutivo no jogo de xadrez: a contribuição do conhecimento, intuição e consciência da situação para o processo criativo. Tese, 2010.

O jogo de xadrez se apresenta como conceituado e tradicional sistema de mediação e expressão do conhecimento, porque sua materialidade e sua dinâmica configuram visualmente os procedimentos e, por via de consequência, os conhecimentos e os raciocínios dos jogadores. As ferramentas e a mecânica do jogo compõem um modelo exemplar de engenharia. Entretanto, esse modelo atua como mídia interativa entre dois competidores e, ao longo dos séculos, os processos de mediação foram sendo criados, consolidados e registrados, de maneira que há uma cultura ou conhecimento especializado, que se apresenta como um amplo conjunto de conceitos, teorias, estratégias e procedimentos. Aos enxadristas cabe a gestão do conhecimento já explicitado, na escolha e interação das estratégias competitivas já conhecidas e, também, cabe a invenção circunstancial de soluções estratégico-criativas, que emergem imediatamente da intuição do jogador. As inovações intuitivas emergentes de processos predominantemente tácitos são, posteriormente, consideradas de modo consciente e explicitadas como novas estratégias possíveis dentro do conhecimento disponível na cultura enxadrística. O trabalho aqui apresentado observa o jogo de xadrez para considerar o raciocínio abdutivo, como proposto na teoria da Abdução de Charles Sanders Peirce, visando reconciliar os conceitos de “conhecimento” e “criatividade”, no contexto mental tradicionalmente reconhecido como “intuição.” Atualizando-se as indicações e revendo as contradições entre as ideias de Descartes (1596-1650) e Peirce (1839-1914), são discutidas neste trabalho duas correntes de estudos, denominadas: “foundation view” e “tension view”, que se antagonizam propondo diferentes visões sobre a participação do conhecimento especializado como fator de promoção da criatividade. A contradição entre estas duas correntes, que se configuram sobre base experimental, suscita a tradicional questão do “dogmatismo” com relação ao conhecimento constituído. Depois dos estudos desenvolvidos e aqui apresentados, pode-se considerar a tese de que o conhecimento não impede a criatividade, servindo, inclusive, para promovê-la. Pois, como demonstrado por meio da análise de entrevistas, protocolos verbais e partidas comentadas de conceituados enxadristas, o conhecimento possibilita a maior eficiência do raciocínio abdutivo, desde que não seja tratado de maneira dogmática. Como resultado de pesquisa é apresentado um framework conceitual contextualizado, que serve de suporte ao entendimento sobre como o conhecimento favorece a eficiência do raciocínio abdutivo nos processos de criação. O jogo de xadrez é, portanto, apresentado como domínio decorrente de um campo interdisciplinar de pesquisa que considera, especialmente, a criatividade e o conhecimento, configurando um objeto de estudo privilegiado para a produção de conhecimentos sobre esses temas, que são necessários para diferentes áreas de estudo e aplicação científica.

Link para download: Kariston Pereira