Home » Posts tagged "Inclusão Digital"

AMORIM, João Schorne de. O Perfil do Aluno na Educação a Distância: Um Estudo Sobre a Inclusão Digital na Polícia Militar de Santa Catarina. Dissertação, 2012.

As tecnologias da informação e comunicação deram um novo patamar aos processos da educação a distância. As várias possibilidades de aplicação dessas ferramentas, valendo-se dos ambientes virtuais de aprendizagem, requerem cada vez mais que o corpo discente esteja preparado para utilizá-las visando a eficácia no processo ensino-aprendizagem. Esta pesquisa, como Dissertação de Mestrado, discorre sobre o perfil dos alunos do Curso de Formação de Cabos da Polícia Militar de Santa Catarina, no ano de 2012, e sua relação com o universo digital. Foi aplicado um questionário fechado para uma população de 525 alunos, restando 424 questionários válidos. Os dados, caracterizados como números absolutos e percentuais, foram analisados estatisticamente de forma univariada e bivariada. Como resultado, a pesquisa demonstra a relação dos alunos com a inclusão digital, tão necessária para as atividades na modalidade da educação a distância. Ao final, a pesquisa apresenta sugestões para que a Polícia Militar de Santa Catarina melhore seus processos produtivos referentes a futuros cursos que empreguem essa modalidade de ensino.

Link para download: João Schorne de Amorim

MESQUITA, D. S. C. T. UM ESTUDO TEÓRICO SOBRE A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A INCLUSÃO DIGITAL NO BRASIL: apresentação dos casos Rede Piá e Navegapará como exemplos de aplicação. Dissertação, 2011.

O presente trabalho objetiva analisar como os programas de inclusão digital Rede Piá e Navegapará contribuem para que a socialização da informação seja uma realidade nas práticas e tecnologias da gestão do conhecimento, proporcionando uma análise teórica acerca dos benefícios gerados por esses programas e estabelecendo uma relação sistêmica com a gestão do conhecimento a partir da socialização de informação. A metodologia utilizada no estudo se caracterizou como uma pesquisa de caráter descritiva exploratória do tipo bibliográfica, com o levantamento de teorias que servem de base para responder à problemática do estudo. Os programas Rede Piá e Navegapará possuem a mesma finalidade, porém com dimensões distintas, pois enquanto um é voltado apenas para a inclusão digital em escolas públicas, o outro facilita o acesso à informação no denominado governo eletrônico. Assim, percebe-se a contribuição de ambos nas regiões onde estão sendo executados.

Link para Download: Denise do Socorro Costa Tavares Mesquita

FELICIANO, Antonio M. Contribuição da Gestão do Conhecimento para Ações Empreendedoras de Inclusão Digital. Dissertação, 2008.

O presente trabalho tem por objetivo analisar as contribuições das práticas de gestão do conhecimento no desenvolvimento de projetos de inclusão digital. Para sua construção, a fundamentação teórica procurou abordar a inclusão digital na perspectiva de um ambiente favorável à produção, registro e compartilhamento do conhecimento, além de se constituir num eficiente canal de comunicação entre organizações e disseminador de ações de políticas públicas. Um projeto de inclusão digital deve ser encarado como algo mais amplo e complexo do que simplesmente se disponibilizar recursos de hardware e software para usuários pouco familiarizados com esse tipo de tecnologia. Incluir pessoas comuns num mundo onde a dinâmica das informações atinge velocidades humanamente difíceis de acompanhar exige a implementação de processos de gestão do conhecimento, visão e atitudes empreendedoras. No caso catarinense, a atuação se dá em locais comuns, o meio rural, onde as carências sociais são semelhantes, o distanciamento geográfico implica necessariamente na atuação em rede, além de os usuários fazerem parte de origens culturais diferentes. Sob o ponto de vista da administração do conteúdo diariamente produzido nas unidades de inclusão digital, à luz da perfeita interação entre, tecnologias da informação e comunicação (TICs), conteúdos e usuários, se pretendeu analisar em que medida as práticas de gestão do conhecimento podem contribuir e permitem, eficazmente, o desenvolvimento de diferentes ações, de variadas organizações num único espaço. Dentre as ações de inclusão digital levantadas, e também o Programa de Inclusão Digital Beija-Flor apresentou características suficientes para ser selecionado como objeto de pesquisa de campo. Entre outras, as unidades de inclusão digital ou telecentros estão instalados no meio rural catarinense. Observou-se uma significativa capilaridade, apoio interinstitucional, e também da disponibilidade de informações necessárias ao estudo. Nesse contexto procurou-se destacar também as características empreendedoras dessa iniciativa, além de apresentar elementos da gestão do conhecimento que contribuem para com o desenvolvimento de suas atividades.

Link para download: Antonio Marcos Feliciano

FERREIRA, Vania Regina Barcellos. A utilização de práticas de gestão do conhecimento em organizações da sociedade civil que trabalham com projetos de inclusão digital – Um estudo de caso. Dissertação, 2007.

Esta pesquisa tem por objetivo identificar e estabelecer as práticas de gestão do conhecimento que possam apoiar as Organizações da Sociedade Civil que trabalham com projetos de inclusão digital e que visam os processos de reconstrução, inserção e fortalecimento da cidadania. Para alcançar esse objetivo, estruturou-se a fundamentação teórica de tal forma que para estudar a inclusão digital tornou-se imprescindível apresentar o ciberespaço. Dentro desse mundo virtual, surge a figura do ‘Novo Estado’, cuja principal característica é a implantação do programa de governo eletrônico (e-Gov). Um dos objetivos estratégicos do programa de e-Gov brasileiro é promover a cidadania através da inclusão social e digital, possibilitando o acesso a serviços, informações e controle social dos agora inseridos cidadãos. Nesse contexto, juntam-se ao Estado as iniciativas das Organizações do Terceiro Setor que para cumprir sua função social procuram o apoio e estabelecem parcerias com as Organizações do Segundo Setor, cujas iniciativas são reconhecidas pela sociedade como ‘Responsabilidade Social’. Dessa maneira, são criadas as ‘Redes Sociais’, em que o Estado e as organizações com ou sem fins lucrativos trabalham unidas em prol da cidadania. Através da metasinapse tecnológica, utilizando os instrumentos das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), as práticas de gestão do conhecimento surgem nesse arcabouço como uma solução para armazenar, disseminar e transferir conhecimentos para o universo social. Esta pesquisa caracteriza-se como exploratória e descritiva. Quanto aos procedimentos metodológicos para obtenção dos dados, foram utilizados: pesquisa documental, bibliográfica e contatos diretos. Foram empregadas as técnicas de observação direta não participante, questionário e entrevista. O método de estudo de caso foi utilizado na análise qualitativa da organização estudada: a Associação Meninos do Morumbi. Esta desenvolve projetos de inclusão digital que abrange o universo pesquisado. A metodologia utilizada se justifica pelo fundamento de que a associação investigada é um caso representativo de organização sem fim lucrativo e com fins sociais, o que possibilitou testar a os fundamentos propostos pela revisão da literatura, qual seja: elaborar uma estrutura teórica cujos resultados possam servir de modelo a Organizações da Sociedade Civil afins. Os resultados deste estudo sugerem que a fundamentação teórica apresentada demonstra que os elementos deste arcabouço (indivíduo, comunidade, Primeiro, Segundo e Terceiros Setores, responsabilidade social, inclusão digital, e-Gov, práticas de gestão do conhecimento, educação e ciberespaço) possuem relações empíricas intrínsecas, podendo, dessa maneira, haver uma evolução teórica e prática do conjunto estudado. Concluiu-se que, com a devida interação entre todos os atores envolvidos nesta pesquisa, incluindo nesse universo as idéias e teorias, as ações sociais realizadas por organizações, como a Associação Meninos do Morumbi, obterão sucesso e tornar-se-ão perenes, verdadeiras organizações do conhecimento.

Link para download: Vania Regina Barcellos Ferreira