Home » Posts tagged "Gestão do Conhecimento" (Page 4)

SILVA, Maria Emília Martins da. Gestão Sustentável da Orla Marítima: A Percepção dos Atores Sociais. Dissertação, 2013.

A gestão da sustentabilidade tem sido o foco para decisões gerenciais em praticamente todas as organizações, na busca proeminente de controlar os inúmeros impactos gerados ao meio ambiente pelas atividades antrópicas. Esta preocupação torna-se ainda mais relevante para os espaços em que a atividade socioeconômica depende de um meio minimamente preservado e equilibrado. A necessidade em preservar a zona costeira brasileira constitui uma responsabilidade iminente sobre os recursos naturais deste espaço, incluindo a orla marítima, as praias e a vegetação de restinga. No estado de Santa Catarina, a orla exerce forte influência sobre os fluxos turísticos, favorecendo positivamente o segmento do turismo de sol e praia, com usufruto do mar, da contemplação da paisagem e outros recursos adjacentes. Neste contexto, o Ministério do Meio Ambiente e a Secretaria do Patrimônio da União criaram o Projeto de Gestão Integrada da Orla Marítima (Projeto Orla), constituindo um dos instrumentos do Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, com vistas a promover o ordenamento dos espaços litorâneos sob domínio da União e, implementar um gerenciamento sustentável na costa de forma descentralizada. Diante do exposto, esta Dissertação analisa a processo de implementação do Projeto Orla e implantação do Parque Linear Calçadão (PLC) no município de Itapema (litoral norte do Estado de Santa Catarina), sob a ótica dos atores sociais envolvidos no processo. O objetivo é analisar como a percepção ambiental e o conhecimento dos atores sociais pode influenciar a tomada de decisão gerencial, com vistas à gestão sustentável da orla, a partir da implementação do Projeto Orla num município costeiro. A metodologia adotada para a investigação está pautada no paradigma interpretativista. No tocante aos métodos, estabeleceu-se o estudo de caso para o município de Itapema/SC, com a aplicação de entrevistas semiestruturadas, a observação simples e a coleta de dados visuais do campo de estudo. A técnica da entrevista foi aplicada com 28 atores sociais, sendo 12 com os moradores do bairro Meia Praia, 9 com os visitantes, 4 com as instituições governamentais e 3 com as instituições não-governamentais. A análise e interpretação dos dados qualitativos foram baseadas no método do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), que assegura a essência do pensamento e conhecimento cognitivo, por meio do discurso, mediados pela linguagem. Além desses, a revisão narrativa de literatura permeou todo o desenvolver do trabalho. Os resultados mostraram que a implantação do PLC contribuiu para a sustentabilidade da orla local, assim como gerou impactos positivos e negativos sob as dimensões sociocultural, espacial, estética, econômica e ambiental, tanto para a orla como para o município. Além disso, percebeu-se a relevância do conhecimento de uma coletividade que vivencia as transformações advindas de uma intervenção no meio natural, culminando na geração de novos conhecimentos, por meio de propostas de ações e projetos para o local. Considera-se, por fim, que o Projeto Orla e o Parque Linear calçadão contribuíram para a gestão sustentável da orla marítima, favorecendo o conforto ambiental, a qualidade paisagística do espaço costeiro, a preservação do meio ambiente e o bem estar da população local e seus visitantes.

Link para Download: Maria Emília Martins da Silva

FELICIANO, A.M. Extensão Rural: Criação, Estratégias de Uso e Retenção do Conhecimento. Tese, 2013.

As transformações econômicas e sociais e o progresso da ciência, ocorridos sobretudo a partir do século XX, elevaram o conhecimento à condição de fator basilar à competitividade organizacional. Na composição do conhecimento organizacional, o conhecimento tácito oferece substanciais contribuições à leitura do ambiente, ampliando suas possibilidades de uso e sua competitividade. As organizações de extensão rural, pelo perfil técnico e ambiente de atuação, acessam facilmente esse tipo de conhecimento. Nas atividades de campo, os técnicos extensionistas estão inseridos em complexas redes de relacionamentos e conhecimentos, estabelecidas pela interação permanente com expressiva gama de atores, cada qual com interesses e necessidades, providos de conhecimentos próprios dos seus negócios e diferentes visões de mundo. O objetivo desta tese consistiu em estabelecer diretrizes para os processos de criação, estratégias de uso e retenção do conhecimento para organizações de extensão rural. Metodologicamente, assume características de pesquisa exploratória e descritiva, tendo seu caminho percorrido com o uso de instrumentos como o grupo focal, a análise de conteúdo e o método delphi. Os resultados apresentados contribuem com as organizações por oferecerem elementos à reflexão sobre a importância do conhecimento e sua gestão para a geração de diferenciais competitivos. Permitem afirmar que as organizações de extensão rural são criadoras de conhecimentos, contudo não praticam sua adequada gestão. A modernização dessas organizações passa pela necessidade de revisar suas estratégias e seus processos, adotando o conhecimento como fator propulsor de seu desenvolvimento interno e de sua competitividade externa e as pessoas como seu mais valioso ativo. A implementação das diretrizes propostas exige mudanças no comportamento e na cultura, para as quais as organizações demonstram não estar preparadas. A gestão do conhecimento não está inserida no contexto das organizações públicas de extensão rural, sobretudo por desconhecerem suas práticas, suas estratégias e seus modelos.

Link para Download: Antonio Marcos Feliciano

SILVEIRA, Roberto Martins da. Diretrizes para Implantação da Gestão do Conhecimento no Centro de Ensino da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina – CEPM. Tese, 2013.

Essa pesquisa tem por objetivos propor diretrizes para promoção da Gestão do Conhecimento numa Instituição de Ensino Público Policial Militar no Estado de Santa Catarina, localizada no bairro da Trindade, na cidade de Florianópolis, a partir da avaliação da equipe de gestores que coordenam as atividades de ensino, pesquisa, extensão e administração do referido Centro de Ensino. A partir da fundamentação da gestão do conhecimento, e de suas respectivas etapas de gestão, se constataram os principais problemas do referido Centro de Ensino da Polícia Militar no que diz respeito à implantação dos seus processos de gestão. Os resultados apresentados demonstraram: desconhecimento das práticas de gestão de conhecimento; pouco envolvimento dos dirigentes com práticas de gestão do conhecimento; fraco envolvimento do grupo de pesquisa nas ações de pesquisa em gestão do conhecimento; bem como, falta de explicitação na definição entre informações e conhecimentos, em vários de seus procedimentos operacionais. Os procedimentos metodológicos adotados tornaram possível caracterizar a compreensão dos processos de gestão do conhecimento pelos dirigentes do CEPM. Nas contribuições realizadas pelos entrevistados verificou-se que inexistem práticas de disseminação e de compartilhamento de conhecimentos, monitoramento dos tipos de conhecimentos produzidos nas diversas atividades de ensino, pesquisa e extensão pelos policiais militares. Concomitantemente, ainda persistem dificuldades em adotar práticas de controle da propriedade intelectual e de proteção do conhecimento resultantes das atividades realizadas no Centro de Ensino da Polícia Militar no Estado de Santa Catarina, a despeito das ações de capacitação em segurança pública em andamento com universidades públicas e privadas na região da grande Florianópolis, nas modalidades presenciais e a distância, bem como, de publicações de artigos em periódicos indexados. A proposição de diretrizes tornou-se um mecanismo de gestão que poderá ser utilizadas pelo Centro de Ensino da Polícia Militar no Estado de Santa Catarina para dar início a uma discussão relativa ao estabelecimento da Gestão do Conhecimento, com implicações nos campos: pedagógicos, didáticos, operacionais, gestão, ensino, pesquisa, extensão e administração.

Link para Download: Roberto Martins da Silveira

LINO, Sônia Regina Lamego. Diretrizes para a Institucionalização da Gestão do Conhecimento na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, Brasil. Tese, 2013.

A gestão do conhecimento – GC recentemente vem sendo implementada emorganizações públicas e privadas. O debate em torno desse tema ocorre de forma crescente, com estudos em vários países do mundo, natentativa de compreender e intervir na realidade organizacional por meiode uma nova proposta gerencial. As organizações públicas, especificamenteas de educação superior, apesar de tradicionais produtoras de conhecimento,iniciaram timidamente e tardiamente, em relação às organizações privadas,suas experiências na gestão do conhecimento, na perspectiva de gerir o seucapital intelectual para agregação de valor a organização. Assim, estudosiniciais têm sido realizados, atualmente, com foco nas IES. Nessa lacunade conhecimento se justifica o presente estudo, que tem por objetivoidentificar diretrizes para a institucionalização da gestão doconhecimento em Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, daRede Federal de Educação Profissional, do Brasil. Para tanto, se definiucomo objetivos específicos: 1) Identificar os modelos de gestão doconhecimento para Instituições de Ensino Superior; 2) Comparar estesmodelos quanto às etapas de processo de gestão do conhecimento; 3) Indicaretapas para o processo de gestão do conhecimento para um Instituto Federalde Educação, Ciência e Tecnologia; 4) Propor diretrizes para ainstitucionalização da gestão do conhecimento em Institutos Federais deEducação, Ciência e Tecnologia. A pesquisa possui um caráter qualitativo,mais investigativo, de cunho interpretativo, de natureza aplicada eexploratória. A base epistêmica da condução dessa pesquisa se alicerçapelo raciocínio dedutivo. Utilizou-se uma revisão sistemática daliteratura e a pesquisa bibliográfica em diferentes bases de dados, além deestudo de campo no IF-SC e entendimento de especialistas em GC na esferapública, por meio de entrevista estruturada, questionário aplicado etécnica DELPHI. Os resultados apontam para uma proposição de implementaçãoda gestão do conhecimento em Instituto Federais, sendo apresentadas emnúmero de seis diretrizes e representadas por meio de um framework.

Link para Download: Sônia Regina Lamego Lino

FERREIRA, Marcus Vinicius A. da Silva. Framework com as Contribuições da Convergência Digital Possibilitada pela Utilização das Tecnologias Interativas da TV Digital, Associadas ao Uso dos Dispositivos Móveis Digitais, para a Evolução do Modelo Brasileiro de Governo Eletrônico. Tese, 2013.

Esta pesquisa tem como foco a concepção de um framework com as contribuições da convergência digital possibilitada pelas tecnologias interativas da TV Digital, associadas ao uso dos dispositivos móveis digitais, para a evolução do modelo de governo eletrônico no Brasil. A pesquisa utiliza como referência a validação do pressuposto do papel viabilizador desta convergência digital funcionando como canal adicional de prestação de serviços eletrônicos através da internet e da inclusão digital, como também do pressuposto do papel transformador do uso dessas tecnologias nos processos de interação e participação cidadã com os governos. A tese foi baseada em uma pesquisa bibliográfica cujo levantamento está descrito na fundamentação teórica, complementada por pesquisa de campo do modelo do governo eletrônico da Espanha, que já contempla a inclusão das tecnologias de interatividade presentes na TV Digital e nos dispositivos móveis digitais em seus modelos e aplicações de e-Gov. O framework evolutivo proposto nesta tese, com os seus respectivos artefatos relacionados, busca enfrentar os desafios colocados aos modelos mundiais de e-Gov, notadamente ao caso brasileiro. Entre os principais desafios identificados na tese e considerados no framework proposto estão: o incremento do uso das novas tecnologias, o incentivo ao aumento da demanda do uso do e-Gov por parte dos usuários, a reusabilidade de dados e informações, o incremento do uso do registro único eletrônico e da assinatura digital pelos cidadãos, a ampliação da participação cidadã e democrática pelos cidadãos, a redução dos custos da administração pública, a integração das ações pelos órgãos públicos e a expansão do governo aberto.

Link para Download: Marcus Vinícius A. da Silva Ferreira

CADORI, Aluízia Aparecida. A gestão do conhecimento aplicada ao processo de transferência de resultados de pesquisa de instituições federais de ciência e tecnologia para o setor produtivo: processo mediado pelo núcleo de inovação tecnológica. Tese, 2013.

O objetivo principal desta tese consistiu em propor um modelo para intensificar o processo de transferência de resultados de pesquisa de universidades federais para o setor produtivo via licenciamento dos direitos de propriedade intelectual. Para atender ao objetivo proposto, a estratégia de pesquisa adotada caracterizou-se quanto ao método como Estudo de Caso Único, quanto à abordagem como pesquisa qualitativa e quanto ao objetivo como pesquisa exploratória. A coleta e análise de dados e conteúdos para a pesquisa embasaram-se em categorias temáticas, previamente elaboradas, com base nas proposições iniciais do estudo/problema, objetivos e pressupostos da pesquisa. O modelo proposto com base nos resultados da pesquisa envolve, por parte da universidade e do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), ações estratégicas em distintas frentes de atuação. Não basta a universidade constituir um NIT para afirmar ter uma política de inovação implementada. Há a necessidade de a universidade elaborar sua política de inovação e que a mesma esteja em consonância com as políticas públicas federais para Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) e para a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), em nível federal e institucional respectivamente. O papel do NIT como interlocutor no processo de Transferência de Resultados de Pesquisa de Universidades Federais para o Setor Produtivo (TRP-UF-SP) foi apontando como de extrema relevância. No entanto, a pesquisa demonstrou que o NIT não cumpre integralmente esse papel. Em relação ao licenciamento dos direitos de propriedade intelectual, de acordo com o modelo proposto, o NIT possui duas frentes de atuação: o licenciamento dos resultados de pesquisa, protegidos pelos direitos de propriedade intelectual, provenientes do portfólio da universidade, e; o licenciamento dos resultados de pesquisa, protegidos pelos direitos de propriedade intelectual, provenientes da parceria para Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Em relação à equipe do NIT, os resultados da pesquisa salientaram sobre a necessidade de ações, por parte da universidade, para compor uma equipe com perfil multidisciplinar e com competência para atuar no mercado, selecionar pessoas do quadro efetivo da instituição e aumentar o número de colaboradores no NIT. No que se refere à gestão do conhecimento (GC), constatou-se que o NIT poderia utilizar-se ainda mais de práticas de GC para estimular a equipe a compartilhar o conhecimento e explicitar os procedimentos internos de gestão e as rotinas bem-sucedidas no processo de TRP-UF-SP. O modelo que emergiu dos resultados da pesquisa propõe ações para implementar práticas de GC na gestão do NIT, seguida de recomendações para inserir tais práticas no dia a dia da equipe, como: converter o conhecimento tácito em explícito; criar e aplicar o conhecimento organizacional; preservar a memória organizacional retendo o conhecimento das pessoas; compartilhar e transferir o conhecimento entre os colaboradores do NIT e que a GC seja utilizada como uma ferramenta que perpassa por todas as atividades do NIT e do processo de TRP-UF-SP.

Link para download: Aluízia Aparecida Cadori

SOUZA, Gabriela Mattei de. Indicações Geográficas: Práticas de Gestão do Conhecimento Aplicáveis no Processo de Organização dos Produtores para Reconhecimento de Indicações de Procedência. Dissertação, 2013.

A competitividade é fator indiscutível tanto no cenário do comércio mundial como em qualquer mercado regional, nacional ou local. Inseridos nesta realidade, os produtores procuram cada vez mais novas maneiras de se diferencias no mercado, surgindo assim um interessante cenário para as Indicações Geográficas. O presente trabalho foca seu estudo na análise de práticas de Gestão do Conhecimento que possam ser utilizadas como facilitadores durante o processo de organização dos produtores para obter o reconhecimento legal das Indicações de Procedência. A pesquisa é de cunho qualitativo com objetivo descritivo, coletando dados através de pesquisa bibliográfica e documental. Concluiu-se que as práticas de Gestão do Conhecimento que podem mais facilmente serem utilizadas na realidade das Indicações Geográficas, de acordo com os parâmetros estabelecidos no presente trabalho, são as Comunidades de Prática, Storytelling e Espaço Colaborativo, práticas estas que são apresentadas e descritas ao longo do texto. Tais práticas colaboram de forma a facilitar o processo de captura e compartilhamento do conhecimento necessário para o reconhecimento legal das Indicações geográficas.

Link para Download: Gabriela Mattei de Souza

GOMES JR, Waldoir Valentim. Gestão do Conhecimento e Mapeamento de Competências: Um Estudo de Caso. Dissertação, 2013.

A competência é compreendida como um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, do ponto de vista individual, como um saber ou saber fazer algo bem, já em termos organizacionais, é a contribuição do indivíduo para com a organização. A Gestão por Competência utiliza o Mapeamento de Competências como uma das formas de identificar as competências existentes em uma organização, potencializando sua capacidade de adaptação às novas demandas do mercado. Tais demandas referem-se à nova forma de gestão, sendo o capital intelectual primordial para a geração de estratégias e diferencial competitivo. A nova forma de gestão estabelece o uso do conhecimento como diferencial competitivo, onde o conhecimento passa a exercer um papel fundamental para os processos organizacionais. A Gestão do Conhecimento busca desenvolver e criar conhecimento como solução essencial às estratégias das empresas, sendo dessa forma, uma ferramenta empresarial, que prepara a organização, tanto em seus aspectos estruturais, como humanos. O Mapeamento de Competências oferece à Gestão do Conhecimento um entendimento da capacidade de conhecimento por conta das competências organizacionais disponíveis e necessárias, possibilitando verificar conhecimentos que possam ir além das competências. Esta dissertação tem como objetivo geral, analisar o Mapeamento de Competências como subsídio para Gestão do Conhecimento, abordando o Mapeamento de Competências como uma ferramenta gerencial para auxiliar a Gestão do Conhecimento, agregando valor estratégico frente à possibilidade de identificar a potencialidade das competências disponíveis e essenciais para atender demandas do planejamento estratégico da organização em estudo. A pesquisa classifica-se como quali-quantitativa quanto a sua abordagem, possui caráter exploratório e descritivo quanto aos fins e quanto aos meios, este estudo envolve uma pesquisa de campo, documental, bibliográfica e de estudo de caso. Os atores selecionados da organização pesquisada consistiram em quatro sujeitos alocados no setor administrativo do Escritório de Advocacia Machado, Corrêa e Silva Advogados Associados. A partir do modelo de Borges-Andrade e Lima (1983) foi desenvolvido e aplicado um modelo de mapeamento de competências, possibilitando uma análise dos dados em relação às competências existente na empresa e àquelas que necessitam ser desenvolvidas ou melhoradas. Pelos resultados obtidos, pode-se concluir que o Mapeamento de Competências é uma ferramenta essencial para a Gestão do Conhecimento, pois além de identificar o potencial de conhecimento nas competências existentes da organização, permitem identificar as competências essenciais e também as competências que podem ser realocadas na organização com o intuito de atender, da melhor maneira, as demandas estratégicas da organização.

Link para Download: Waldoir Valentim Gomes Jr.

RABELO, Ricardo Alves. Análise da Relação entre Intimidade e Compartilhamento de Conhecimento em Grupos nos Processos de Desenvolvimento Organizacional. Dissertação, 2013.

A introdução da Gestão do Conhecimento no ambiente organizacional tem sido responsável por transformações nos processos, relações e resultados das organizações. Essas transformações têm como base o fato de que o conhecimento, quando compartilhado, aumenta e sustenta o novo paradigma construído. Entretanto o processo de compartilhamento tem uma série de nuances que devem ser exploradas. O objetivo do presente trabalho é explorar uma destas nuances, a intimidade, a fim de verificar como o compartilhamento do conhecimento se relaciona com o desenvolvimento da intimidade de um grupo. A metodologia adotada foi, a partir da identificação de constructos que poderiam suportar as variáveis de estudo, analisar a evolução dos mesmos em um processo de desenvolvimento organizacional em uma organização prestadora de serviços por quatro anos, durante os quais seus líderes são submetidos a diversas práticas de Gestão de Conhecimento. Os resultados obtidos demonstraram que quanto maior a intimidade, melhor é o aproveitamento das práticas de Gestão do Conhecimento e que o desenvolvimento de intimidade gera mudanças de comportamento e de ambiente que fortalecem as razões para o compartilhamento de conhecimento, o que amplia o fluxo de conhecimento e a aprendizagem de grupo.

Link para Download: Ricardo Alves Rabelo

DIAS, Adriano Júnior. Relações entre a Estrutura Organizacional, a Gestão do Conhecimento e a Inovação, em Empresas de Base Tecnológica. Dissertação, 2012.

O presente trabalho evidencia como se relacionam a Estrutura Organizacional, a Gestão do Conhecimento e a Inovação, em empresas de base tecnológica, por intermédio de um estudo de caso numa empresa deste segmento econômico. Seus objetivos foram alcançados por meio de pesquisa que adotou abordagem qualitativa, indutiva, como meio de alcançar os pressupostos, num primeiro ciclo, cabendo ao segundo ciclo, a coleta de dados primários e sua confrontação com os aludidos pressupostos para obtenção das conclusões finais. O trabalho traz, em sua estrutura, o contexto em que se desenvolveu a pesquisa, já em seu intróito, como fruto de levantamentos de dados feitos em documentos, de onde nasceram o título funcional e a pergunta de pesquisa, deixando a revisão sistemática de literatura como fonte de validação desses importantes itens, e como base para a obtenção dos autores que foram adotados, por primeiro, durante a revisão bibliográfica. A análise e interpretação dos dados primários coletados se deram por intermédio do procedimento sistêmico de redução da realidade. Os resultados foram suficientes para extrair da realidade estudada, os insumos necessários para a realização do seu batimento com os pressupostos nascidos da análise e interpretação dos dados secundários coletados. Diversas foram as conclusões, dentre as quais: a) a Estrutura Organizacional orienta as empresas para a economia da Inovação, desde que alinhada a uma cadeia de valor também orientada neste sentido; b) a Gestão do Conhecimento relaciona-se com a Inovação como fonte e meio pelo qual são gerados novos conhecimentos necessários à sua materialização; e c) a Estrutura Organizacional relaciona-se com a Gestão do Conhecimento, especialmente no nível da empresa, pela facilitação das interações multidisciplinares entre os indivíduos durante o processo de desenvolvimento e de implementação da Inovação. O sucesso das empresas de base tecnológica inovadoras está no elevado grau de adaptabilidade do seu portfólio à realidade de cada cliente, como meio de ser efetiva para os mesmos.

Link para download: Adriano Junior Dias