Home » Posts tagged "Gestão do Conhecimento"

TORRES, Maricel Karina Lopez. TEORIA SUBSTANTIVA DA TRAJETÓRIA DE UM CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE PRODUTO, NO CONTEXTO E HISTÓRIA DE UM INSTITUTO FEDERAL. Tese, 2017.

No âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e
Tecnológica (Rede Federal), muitas instituições passaram por
significativas transformações. Em Santa Catarina, a Escola Técnica
passou para Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia e, após
seis anos passou a ser Instituto Federal. Em uma dessas transições, foram
ofertados os primeiros cursos superiores de tecnologia. O Curso Superior
de Tecnologia em Design de Produto – CSTDP foi um desses cursos. O
ensino de design, em uma instituição de caráter tecnicista e de tradição
típica industrial foi algo inovador e ao mesmo tempo singular. Frente ao
cenário apresentado, constatou-se que a crescente expansão da Rede
Federal e as transformações institucionais ocorridas, inseriram os
indivíduos em uma nova realidade e formas de interação, em contexto
dinâmico. Diante disso, esta pesquisa se propôs a desenvolver uma teoria
substantiva sobre a trajetória de um Curso Superior de Tecnologia em
Design de Produto, no contexto e história do Instituto Federal de Santa
Catarina. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que adota o método da
Grounded Theory – GT para produzir uma teoria substantiva enraizada
em dados empíricos. Foram coletados dados dos professores pioneiros
que participaram da maior parte da trajetória do curso (concepção,
criação, implantação e reestruturação). A principais técnicas de coleta de
dados consistiu na entrevista semiestruturada e análise de documentos.
Para a delimitação da teoria foram adotadas técnicas de análise típicas da
GT: etapas de codificação, comparação constante, saturação teórica e
validação. Os resultados das análises foram registrados em memorandos
e diagramas. Dentre os resultados, evidenciou-se que a trajetória do curso
registrou conquistas e dissabores, que descrevem condições vivenciadas
e que implicaram ou sujeitaram os envolvidos a: (a) lidar com as
transformações institucionais; (b) lidar com os processos de identificação;
(c) lidar com a ideia de “design mal compreendido”, (d) operacionalizar
o CSTDP; (e) lidar com a chegada de novos professores (e com a saída
de outros); (f) lidar com as diferentes motivações e expectativas; e (g)
lidar com novos sonhos e incertezas em relação ao futuro do próprio curso
e da área de conhecimento na instituição. Ainda, a análise dessa trajetória
e dos elementos implicados, resultou do desenvolvimento das categorias
que integram o esquema teórico da teoria substantiva: (a) Projeto do
CSTDP; (b) Professores; (c) Desafios Enfrentados no CSTP; e a categoria
central denominada (d) Inconstância dos Eventos. Essas categorias
encontram-se fundamentadas nos dados empíricos e estão relacionadas
aos eventos implicados na trajetória do curso, no contexto da história e
das transformações ocorridas na instituição. A teoria explica ações e
interações entre a Instituição, o CSTDP e os Professores, limitando-se à
área substantiva a que pertence. Todos esses elementos descrevem
processos de mudança em movimento, influenciados por fatores externos
à própria organização.

Link para download: Maricel Torres

SANTOS, Maria Isabel Araujo Silva dos. A Segurança do Segredo: Proposta de Framework de Aplicação dos Instrumentos de Proteção do Segredo no Ambiente de Inovação da Base Industrial de Defesa. Tese, 2017.

A Base Industrial de Defesa representa um conjunto de organizações
públicas e privadas, civis e militares, que participam das etapas de
pesquisa, desenvolvimento, produção, distribuição, e/ou manutenção de
produtos de Defesa. Essas organizações são intensivas em conhecimento,
pois utilizam o conhecimento como base das suas atividades, e o
incorporam aos produtos, caracterizados pela alta tecnologia agregada.
Algumas vulnerabilidades no setor, tais como: pouca participação da
sociedade brasileira nos assuntos de Defesa; a escassez de especialistas
civis; a necessidade de modernização e inovação tecnológica; gestão dos
Direitos de Propriedade Intelectual; compensação comercial, industrial e
tecnológica e outras. Aqui, a Gestão do Conhecimento ressalta a diferença
no trato do bem tangível e intangível, pois nos processos do ambiente de
inovação da Defesa, que envolvem alta tecnologia, a preocupação com a
perda de conhecimento deve pautar as atividades de compartilhamento do
conhecimento. Outra razão, o fomento à Inovação no Ambiente da BID
implica a diminuição da dependência tecnológica estrangeira, devendo-se
proteger a novidade do produto. Neste estudo, recorreu-se aos
fundamentos de Inteligência e Contra-Inteligência da Doutrina de
Inteligência de Defesa para qualificar o conhecimento de Defesa e
identificar instrumentos próprios de proteção deste conhecimento. Esta
tese elaborou um framework para representar a aplicação dos
instrumentos de proteção do segredo no Ambiente de Inovação a BID,
detalhando as dimensões de proteção do segredo e a matriz de aplicação
dos instrumentos de proteção. Para isso, foi necessário harmonizar um
conjunto de termos e definições para caracterizar o “segredo” no
Ambiente de Inovação da BID; identificar os instrumentos de proteção;
apresentar o Sistema Sociotécnico para a BID para entender as influências
entre subsistema técnico e o subsistema social, bem como as relações com
o ambiente externo; caracterizar o Ambiente de Inovação da BID,
considerando a atuação dos agentes de Ciência, Tecnologia e Inovação, e
os ciclos de vida dos produtos de Defesa de cada Força Armada.

 

Link para download: Maria Isabel Araujo

NETTO, Marinilse. Contexto e Uso das Mídias por Populações Indígenas Brasileiras: Elementos que Podem Contribuir para a Preservação e a Disseminação do Conhecimento Tradicional em Meios Digitais e Internet. Tese, 2016.

O conhecimento de populações tradicionais e indígenas constitui um “corpo complexo” de saberes e o mesmo ocorre, por extensão, com os estudos que o tem como foco. Populações tradicionais e indígenas desempenham papel chave na sustentabilidade do planeta, e sua riqueza cultural se expressa em diferentes manifestações que assumem caráter inovador tanto por sua singularidade, não se repetindo em outros lugares, quanto por seus aspectos assumidamente locais. Ainda que tenham sido reconhecidos como detentores de conhecimentos importantes para a conservação da biodiversidade e consequente futuro da vida humana, a sociedade ocidental moderna, em geral, não tem criado formas equânimes de integração entre os seus conhecimentos e o paradigma científico vigente. Atualmente, indígenas brasileiros encontram nas tecnologias novas relações com a sociedade. Criam conteúdos digitais, profissionalizam-se no uso das tecnologias e as usam como registro de memória e disseminação de seus conhecimentos. Este trabalho objetivou caracterizar o contexto de uso das mídias por populações indígenas brasileiras, identificando como as mídias digitais e a Internet podem contribuir para a preservação e disseminação de seu conhecimento. Como objetivos específicos, buscou-se compreender a origem e os contornos atuais de conteúdos digitais produzidos por grupos indígenas brasileiros, analisando a representação e participação indígena na cultura digital e identificando ações que componham e aprimorem a gestão do conhecimento tradicional indígena (CTI), direcionada à preservação deste. O estudo foi conduzido mediante pesquisas bibliográfica, documental e de campo. A pesquisa documental teve suporte na etnografia virtual, cujo percurso investigativo fez uso de um instrumento de análise e descrição dos ambientes virtuais (cibermeios) adequados às especificidades da pesquisa. Foram analisados e descritos cinco cibermeios de populações indígenas brasileiras, sendo dois deles com análise em profundidade, e, destes, 69 (sessenta e nove) conteúdos digitais foram selecionados e submetidos à técnica da Análise de Conteúdo. A pesquisa de campo constou de entrevistas com gestores, produtores de conteúdos e utilizadores destes cibermeios. Por seus títulos e temas, os conteúdos foram organizados nas categorias “disseminação do conhecimento”, “preservação do conhecimento” e “uso das mídias e Internet”, definidas a priori, tendo em vista os objetivos do trabalho. Somaram-se a essas as categorias “educação indígena” e “ativismo indígena”, emergidas durante a análise dos conteúdos. Os procedimentos permitiram a identificação de como se dá a disseminação e a preservação do CTI em formato digital, e qual o papel das mídias nestes processos. A partir das categorias e elementos analisados, e tendo as entrevistas como suporte, procedeu-se uma avaliação mais aprofundada através da aplicação do método SWOT, adaptado aos fins e condições do contexto analisado. Esta aplicação produziu uma ampla visão dos pontos fortes e fracos que cercam o uso de mídias digitais e Internet, constituindo elementos que podem auxiliar na melhoria dos processos empregados para disseminação e preservação do CTI. Os resultados obtidos no trabalho levaram à elaboração de um roteiro que apresenta as principais etapas para a gestão deste conhecimento, roteiro este que, embora voltado à situação investigada, provavelmente podem se enquadrar a realidades semelhantes. As contribuições advindas do presente trabalho podem colaborar com a rede de pesquisas brasileiras e projetos ou políticas públicas visando à preservação, proteção e disseminação do CTI, acompanhando medidas já desenvolvidas em vários países

Link para Download: Marinilse Netto

NETO, Roseli Jenoveva. A Capacidade Absortiva no Processo de Gestão da Inovação: Análises em Empresas Consideradas Inovadoras. Tese, 2016.

A capacidade absortiva (CA) define-se pela capacidade da empresa de identificar, assimilar e explorar ou explotar comercialmente o conhecimento disponível em seu ambiente. Uma das formas de entender o processo de geração da inovação e dos elementos organizacionais viabilizadores é por meio de como a capacidade absortiva ocorre. Entende-se que, se uma empresa é capaz de identificar, reconhecer e aprimorar sua capacidade absortiva, então propicia a capacidade de renovação de sua base de conhecimentos, o que influencia a performance relacionada à inovação criando vantagem competitiva. O constructo pode ser utilizado como um direcionador da gestão de conhecimento desde o nível do indivíduo, da organização até o nível de nações inteiras. Neste contexto, o objetivo desta tese é compreender como o modelo de capacidade absortiva auxilia nos processos de gestão da inovação em empresas consideradas inovadoras. Quanto aos procedimentos metodológicos trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e aplicada quanto aos fins e quanto aos meios de investigação como bibliográfica e de campo. As unidades de análise foram três empresas industriais consideradas inovadoras, que desenvolveram e estão comercializando pelo menos um produto inovador. Os respondentes do questionário e entrevistas foram os líderes estratégicos e intermediários. O resultado da pesquisa aponta que o principal fator interno considerado de alta relevância para a inovação é a base de conhecimento prévio e a experiência. Os clientes e consumidores finais foram as fontes externas mais citadas como contribuição para o processo de inovação. A liderança, cultura e estratégias foram os direcionadores da inovação mais relevantes identificados pela literatura e pela pesquisa empírica. Com destaque para o papel das lideranças intermediárias que atuam como elos entre a liderança estratégica e as lideranças operacionais possibilitando um fluxo multidirecional de conhecimento. As inovações realizadas foram avaliadas como incrementais de produto em duas empresas e inovação estratégica na terceira empresa.

Link para download: Roseli Jenoveva Neto

FILHO, Vilson Martis. Design Thinking e a Criação de Ativos do Conhecimento na Atividade Docente. Tese, 2016.

O que é inovação em Educação? Poderia residir no Design Thinking a
base de um modelo de pensamento que auxilie nos paradigmas
educacionais? A partir dos paradigmas da sociedade do conhecimento
na perspectiva da Educação, o presente estudo investigou a construção
de práticas docentes favoráveis a inovação por uma abordagem criativa
baseada em Design Thinking. Tal abordagem tem como objetivo a
criação de ativos do conhecimento com aplicações em mídias do
conhecimento para o processo de ensino e aprendizagem. A proposta
apresentada é constituída por três elementos principais:
Um diagnóstico de contexto institucional baseado nas práticas
inovadoras em Educação de três relatórios internacionais (UNESCO,
2014; LUCKIN et al., 2012; JOHNSON et al., 2014), suas correlações
com as Premissas Fundamentais da Lógica Dominante de Serviços,
(VARGO; LUSCH, 2008)Em paralelo configurou-se um modelo de
autodiagnostico docente baseado nas competências docente (UNESCO,
2009; ISTE, 2015) para observação de ancoragens pessoais. Ainda em
paralelo a estes dois diagnósticos, concebeu-se um Modelo de
Taxonomia Abdutiva para a orientação do raciocínio de lógica abdutiva
para a composição de atividades de ensino e aprendizagem permeadas
por mídias do conhecimento. Os modelos constituídos tiveram sua
verificação observada em um estudo de caso com dois grupos de 20
professores em duas diferentes instituições de ensino não pública. O
estudo de caso observou a conversão do conhecimento em arquiteturas
SECI e BA na forma de um programa de capacitação de Ativos de
Conhecimento (NONAKA; TOYAMA; KONNO, 2000) na forma de um
programa de capacitação docente. Para análise de dados do
experimento proposto, utilizou-se uma abordagem mista de análise de
dados qualitativos e qualitativos. A coleta e análise dos dados
qualitativos foram realizadas através de questionários e o uso de um
balanced scorecard para a verificação dos ativos do conhecimento. Para
coleta e análise dos dados qualitativos, utilizou-se a observação
participante (TAYLOR; BOGDAN; DEVAULT, 2015) em conjunto
com ferramentas de computação cognitiva de análise preditiva IBM
Watson Analytics. Os resultados obtidos a partir dos três diagnosticos
e dos indicadores objetivos de ativos do conhecimento validaram a boa
aplicabilidade o Modelo de Taxonomia Abdutiva. Observou-se também
os impactos positivos que um autodiagnóstico docente realiza em
esforços institucionais que buscam a inovação em Educação do Ensino
Superior. A pesquisa concluiu que o Design Thinking precisa de uma
abordagem focada no contexto institucional e nas ancoragens docentes
quanto a inovação em Educação para fomentar atividades coletivas de
nós-ação. A proposta construída neste estudo, auxiliam o caminho de
sucesso para inovação em instituições de Ensino Superior. O
experimento apontou também que as atividades de fomento a inovação
em Educação são melhor sucedidas quando a gestão destas
instituições assume a definição de inovação como atividade humana
coletiva, superando resultados de perspectivas de inovação como
tecnologia e processo. Ao final, a pesquisa conclui com o refinamento
do modelo de taxonomia abdutiva acrescentando o verbo “acompanhar”
em paralelo com o verbo “criar” em atividades de Internalização do
conhecimento. Ao final o estudo elenca recomendações para futuras
aplicação dos modelos desenvolvidos e acompanhamento das atividades
e propostas inovadoras geradas pelos docentes. O estudo elenca ainda a
importância de participação das lideranças institucionais na aplicação
do modelo de taxonomia abdutiva.

Link para download: vilson-martins-filho

NETO, Emílio da Silva. Compartilhamento do Conhecimento Tácito no Processo de Sucessão Empresarial Familiar. Tese, 2016.

A presente tese tem como objetivo geral identificar práticas de compartilhamento do conhecimento tácito, desenvolvidas e aplicadas, durante o processo de sucessão da gestão empresarial, em quatro grandes empresas familiares da cidade de Jaraguá do Sul, no Estado de Santa Catarina, com ênfase nas barreiras e facilitadores, evidenciados durante o processo sucessório nessas empresas. Para alcançar este objetivo da tese foi realizada uma análise sistemática e integrativa da literatura, sobre compartilhamento de conhecimento tácito em empresas familiares, assegurando uma fundamentação teórica consistente sobre o tema abordado, que norteou o desenvolvimento da pesquisa de campo. Os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa de campo nos permitem caracterizá-la como uma pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo exploratório-descritiva, que estuda o que as pessoas estão fazendo em seu contexto natural. De fato, do ponto de vista metodológico, a tese contempla um caráter exploratório, pois foi baseada em entrevistas semi-estruturadas, conduzidas na forma de narrativas, cujas questões foram elaboradas a partir da fundamentação teórica. Da mesma forma, a tese pode ser considerada, também, como um estudo descritivo, pois procura identificar, descrever e analisar as principais indicações teóricas e as práticas do compartilhamento do conhecimento tácito, desenvolvidas no processo da sucessão empresarial familiar. As conclusões da tese permitem a definição de diretrizes e melhores práticas, que oriente os processos de compartilhamento sinergético de conhecimentos na sucessão empresarial familiar, a partir dos resultados e das evidências empírico-exploratórias encontradas na pesquisa de campo, apresentando os fatores críticos de sucesso que facilitam a socialização do conhecimento tácito entre o sucedido e o sucessor, no contexto do seu entorno: família, empresa, sociedade e mercado.

 

Link para download: Emílio da Silva

RAMOS, Tais Leite. Comunicação da Marca na Gestão do Conhecimento nos Institutos Federais: Estudo de Caso. Dissertação, 2016.

As transformações ocorridas nos últimos anos decorrentes de uma nova política nacional de expansão da Educação Profissional no Brasil implicaram mudanças na forma de gestão e no posicionamento dos institutos federais (IF). No âmbito do estado de Santa Catarina, isso acarretou a alteração na identidade do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC) com modificações relevantes em seus objetivos e metas, de forma a atender o reposicionamento corporativo em nível federal. Inclusive houve a substituição do nome oficial e da marca gráfica que até então representavam a Instituição. Isso implicou a necessidade de reposicionamento de suas unidades de atendimento frente às novas demandas de comunicação e integração com públicos de interesse e a sociedade em geral. Este trabalho trata de estratégias e ações de mediação e comunicação usadas para promover, em consonância com o perfil nacional, o conhecimento e o posicionamento da nova marca institucional representada pela sigla IFSC. A pesquisa, realizada em parte das dependências da instituição e da documentação produzida no âmbito estadual e federal, é de natureza exploratória, descritiva e qualitativa, servindo para identificar e descrever estratégias, procedimentos e instrumentos de informação e comunicação que foram usados no processo de gestão do conhecimento da nova marca institucional. Trata-se de um estudo de caso, cujos resultados ressaltam as implicações de um processo de gestão direcionado ao conhecimento e à comunicação necessários ao reposicionamento e à adequação estratégica da identidade institucional, visando o alinhamento interno, a apresentação pública e a atuação externa do IFSC de maneira coerente com o perfil federal. Considera-se que a pesquisa realizada, além de refletir os objetivos do estudo de caso, reúne subsídios que futuramente, podem contribuir na configuração de um modelo de Gestão do Conhecimento para a adequação da identidade e do posicionamento de organizações regionais ou setoriais ao perfil de sua marca gestora.

 

Link para download: Tais Leite Ramos

PACHECO, Daniela Chagas. Maturidade em Gestão do Conhecimento da Prefeitura Municipal de Criciúma: O Caso dos Setores de Convênios. Dissertação, 2016.

Práticas de compartilhamento, transferência e gestão do conhecimento são pouco discutidas e utilizadas pelo setor público brasileiro, consequentemente há escassez de estudos publicados. Assim, são necessários estudos que auxiliem os municípios na adoção de modelos de gestão, ferramentas e métodos que viabilizem melhores práticas para atender suas necessidades regionais, como é o caso da Gestão do Conhecimento (GC) na administração pública.AGestão do Conhecimento, para ocorrer, requer uma avaliação inicial do grau de maturidade da estrutura envolvida, seja ela a organização como um todo ou um determinado departamento e/ou setor.Dessa forma, esta pesquisa tem como objetivo diagnosticar o grau de maturidade em Gestão do Conhecimento nos setores de convênios da Prefeitura Municipal de Criciúma (PMC). Para tanto, foram identificados os agentes envolvidos nos setores de convênios; aplicado o “Instrumento para Avaliação da Gestão do Conhecimento na Administração Pública” concebido por Batista (2012), identificadosos pontos fortes e as oportunidades de melhoria da Gestão do Conhecimento desses setores, bem como, criado um Business Case com a finalidade de justificar a importância da Gestão do Conhecimento para o setor envolvido. Do ponto de vista de sua natureza esta pesquisa é classificada como aplicada; quanto aos objetivos, como descritiva e exploratória.O público de respondentes é composto porservidores que estão lotados nos diversos setores ou secretarias da PMC e ocupam os cargos que compõe os setores de convênios. Os dados foram obtidos por meio de pesquisa bibliográfica e documental, bem como por meio do Instrumento para Avaliação da Gestão do Conhecimento na Administração Pública. Concluiu-se que o grau de maturidade em Gestão do Conhecimento dos setores de convênios encontra-se no nível 2,o que corresponde a um nível de iniciação. Assim como, a pesquisa concluiu que a realização da avaliação da maturidadeem Gestão do Conhecimento exaltou nos setores de convênios a importância do gerenciamento do conhecimento, eo reconhecimento de que é um processo que precisa ser incorporado no âmbito da gestão de convênios e da administração pública municipal para contribuir com melhores resultados.

 

Link para download: Daniela Chagas Pacheco

WILLERDING, Inara Antunes Vieira. Arquétipo para o Compartilhamento do Conhecimento à Luz da Estética Organizacional e da Gestão Empreendedora. Tese, 2015.

Em face de um ambiente cada vez mais turbulento, o cenário mercadológico requer dinamismo e tomada de decisão com presteza e eficiência, provocando a necessidade de constantes modificações estratégicas e de gestão. Nessa nova configuração, as empresas precisam de gestores com percepções voltadas para a sensibilidade e flexibilidade alinhadas com os objetivos organizacionais, considerando o valor do colaborador, suas habilidades e capacidades de adaptação perante suas vivências; abrindo, assim, espaço para a criação e o compartilhamento do conhecimento, rumo a novas oportunidades e novos processos de inovação, tornando-as organizações empreendedoras, que as fazem ter no seu alicerce organizacional seus colaboradores e seu capital intelectual, movidos pelo conhecimento cognitivo, apoiados pela percepção sensorial, em conjunto com seu juízo estético, gerando conhecimento e diferencial competitivo para a empresa. O objetivo desta tese consistiu em desenvolver um arquétipo para o compartilhamento do conhecimento à luz da estética organizacional como contribuição para a implantação da gestão do conhecimento em organizações empreendedoras. Para atingir o objetivo proposto, metodologicamente assumiu características de pesquisa exploratória e descritiva, aplicada e bibliográfica, tendo em sua trajetória o uso de instrumentos, como a análise de conteúdo categorial. Os dados foram coletados por meio de estudo empírico em uma organização empreendedora, mediante pesquisa documental e entrevista semiestruturada. Como resultado desta pesquisa, tem-se o desenvolvimento do arquétipo pautado em fatores idiossincráticos e organizacionais sob a lente da estética organizacional, sendo este validado em uma organização empreendedora, refletida nesta tese pelo Grupo SCC, regido por nove unidades de negócio e uma fundação.

Link para download: Inara Antunes Vieira Willerding

TRIERVEILER, Heron Jader. Orientações para a Aplicação do Conhecimento Organizacional no Contexto de Iniciativas de Inovação no Modelo de Negócio. Dissertação, 2015.

As discussões acadêmicas publicadas recentemente nos campos da gestão estratégica, da inovação, do empreendedorismo e da teoria econômica incorporaram o conceito de modelo de negócio. Ainda que não tenham chegado a um entendimento comum quanto à sua definição, grande parte dos trabalhos relaciona modelos de negócios à lógica fundamental de uma empresa para criação e captura de valor. Não só a academia, mas também o universo empresarial têm levantado discussões sobre modelo de negócio e esta realidade já foi comprovada por pesquisas recentes que indicaram que 30% dos esforços que as empresas consultadas dispenderão em inovação nos próximos anos serão direcionados à inovação no modelo de negócio. Ainda que pareça evidente a estreita relação entre conhecimento organizacional e inovação no modelo de negócio, poucos autores estabelecerem e trataram explicitamente desta relação. Ao trabalhar na intersecção entre as duas disciplinas, esta pesquisa, de cunho teórico, tem como resultado a proposição de um conjunto de orientações para a aplicação do conhecimento organizacional no contexto de iniciativas de inovação no modelo de negócio das organizações. Por meio de uma revisão integrativa da literatura que combinou temas como conhecimento organizacional, modelo de negócio e disciplinas adjacentes a ambos, identificou-se um conjunto de quatro fatores relacionados ao conhecimento organizacional que, quando considerados, potencializam as chances de sucesso das iniciativas de inovação no modelo de negócio. Este trabalho detalha, ainda, os aspectos teóricos e práticos de cada um dos fatores e organiza-os na forma de orientações que podem ser incorporadas por aqueles que estão envolvidos em iniciativas de inovação no modelo de negócio. Por fim, apresenta a sumarização dos resultados em um esquema que pode ser tomado como referência para pesquisas futuras ou por gestores que desejam se beneficiar pelas oportunidades proporcionadas pela inovação no modelo de negócio.

 

Link para download: Heron Jader Trierveiler