Home » Posts tagged "Gestão do Conhecimento"

MARTINS, Pablo Procópio. IDENTIFICAÇÃO DE FERRAMENTAS E TÉCNICAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO PARA A PROMOÇÃO DO SUCESSO DE PROJETOS DE GOVERNO ELETRÔNICO. Dissertação, 2018.

As discussões sobre a implementação de projetos de governo eletrônico reportam muitos casos de insucesso, principalmente, em países em desenvolvimento. Nestes projetos, encontram-se atores com interesses diversos e diferentes visões de mundo. Em geral, esse contexto é pesquisado pela ótica ou dos cidadãos ou dos entes públicos e assim, poucos trabalhos buscam o viés da equipe de desenvolvimento, encarregada pelo projeto. Este trabalho busca identificar ferramentas e técnicas da Gestão do Conhecimento para apoiar o desenvolvimento e a operação de projetos de governo eletrônico. Utilizou-se de uma pesquisa qualitativa com duas fases distintas: a primeira buscou relacionar e identificar os fatores críticos de sucesso para projetos de e-gov na literatura e na perspectiva dos líderes de projetos desta natureza. Já, a segunda etapa, buscou identificar e relacionar ferramentas e técnicas de gestão do conhecimento com os fatores críticos de sucesso de projetos e-gov na literatura e junto aos líderes de projetos. Os dados desta pesquisa, no primeiro momento de cada fase, foram obtidos por meio de revisões sistemáticas em bases de dados científicas. Já, na segunda parte de cada fase, foram utilizadas entrevistas semiestruturadas com dez líderes de implementação de projetos de uma organização com notório reconhecimento no mercado da justiça brasileira. Os dados foram colhidos entre os meses de setembro e novembro de 2016, transcritos e analisados na perspectiva da análise de conteúdo. Na primeira parte foram avaliados 66 artigos sobre a temática delineada e em conjunto da visão dos líderes, verificou-se como principais FCS: aspectos de liderança, recursos humanos e financeiros, gestão da mudança e gestão da informação e do conhecimento. Este último aspecto foi analisado em mais detalhes, na última sessão, quando foram apresentadas as ferramentas e técnicas de GC mais aderentes a projetos de e-gov. Ao analisar de 35 artigos e das entrevistas com os líderes, explicitou-se como ferramentas e técnicas de GC viáveis para essa temática desenvolvidas: Comunidades de Prática, Sistemas de Conhecimento, Portais de Conhecimento e a confecção de Melhores Práticas. Emergem como temas para pesquisas futuras a construção de um modelo para temática desenvolvida, que englobe construtos em ascenção na literatura, como: o Novo Serviço Público e Commons Digital.

Link para download: Pablo Procópio Martins

DE SANTANA, Isadora Castelo Branco. UM MODELO DE PROCESSOS DE ECO-INOVAÇÃO PARA A CONCEPÇÃO DE PRODUTOS. Tese, 2018.

A disputa acirrada pelo mercado consumidor leva as empresas a
procurarem diferenciais para seus produtos e serviços. Além disso, é
crescente a demanda dos consumidores por produtos ambientalmente
melhorados. Dentro desse contexto, surge o paradigma de Eco-inovação,
que aborda o desenvolvimento de inovações que proporcionam valor ao
cliente e ao negócio diminuindo o impacto ambiental e usando a questão
ambiental como principal fator de diferenciação frente à concorrência.
Esta Tese de Doutorado apresenta um modelo de processos de ecoinovação
para desenvolvimento de conceito de produtos. Após uma
extensa e sistemática revisão da literatura, concluiu-se que os modelos de
inovação encontrados não abordam eco-inovações da forma que o modelo
proposto aborda, organizando o esforço de eco-inovação em fases bem
definidas, cada uma com processos específicos e contando com o suporte
de metodologias e ferramentas para ajudar a executar as tarefas de cada
processo. A construção do modelo foi totalmente baseada na bibliografia
corrente sobre o tema, aliada a uma revisão sistemática de literatura,
identificando elementos e processos relevantes para eco-inovação de
produtos. O modelo foi concebido de forma iterativa em ciclos de:
pesquisa, montagem do design do modelo, avaliação por especialistas e
ajustes. Ao final, o modelo foi avaliado por um grupo de especialistas
utilizando o método expert panel. Resumidamente, os especialistas
concordam que a sistematização presente no modelo e o uso de seus
componentes, tem o potencial de melhorar as chances de sucesso de uma
iniciativa de eco-inovação, além disso, o detalhamento dos processos de
eco-inovação presentes no modelo é muito útil, ajudando a
operacionalizar o modelo. Finalmente, os especialistas consultados
avaliaram que o objeto de pesquisa desta tese é um tema importante para
as empresas nos próximos anos (0-5 anos). Dessa forma é possível
concluir que o modelo atende bem ao propósito do presente trabalho, que
é oferecer uma ferramenta para guiar os processos de eco-inovação dentro
das empresas, servindo como uma referência para auxiliar os gestores a
mitigarem problemas e incertezas em iniciativas de eco-inovação,
aumentando a capacidade competitiva das empresas.

Link para download: Isadora Castelo Branco

BOHN, Carla Silvanira. MODELO DE GESTÃO DA CULTURA ORGANIZACIONAL NO SETOR PÚBLICO: PESQUISA-AÇÃO EM AMBIENTE LEGISLATIVO.

Um dos maiores desafios atualmente é transformar estruturas burocráticas, hierarquizadas, e que tendem a um processo de insulamento, em organizações flexíveis e empreendedoras. Nesta tese de doutorado desenvolveu-se um modelo de gestão da cultura organizacional, denominado GCO, com objetivo de apoiar a transformação do comportamento e aprendizagem organizacional no cenário legislativo. De concepção filosófica interpretativista, com abordagem qualitativa, foi realizada uma pesquisa-ação, que teve por conduta gerar conhecimento a partir da intervenção de alteração da situação pesquisada, envolvendo um conjunto de sujeitos e mudanças, aprimorando a atuação e promovendo um relacionamento mútuo entre teoria e práxis. A unidade de análise foi a Coordenadoria de Taquigrafia do Plenário, setor pertencente à Diretoria Legislativa da Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina. A verificação do modelo foi realizada por meio de Grupo Focal, com Diretores e Coordenadores da Casa Legislativa e contou com a explanação da percepção, opinião e sentimento dos participantes. O panorama geral foi profícuo, pela possibilidade de quebra de paradigma, o que representa a otimização do tempo ao trabalho, engajamento das pessoas aos processos, trabalho colaborativo e proativo, promovendo espaços para aprendizagem, eliminando barreiras, preparando os indivíduos às mudanças, e ainda, instigando uma atmosfera inovadora ao ambiente. Alude-se com esta tese que a Gestão da Cultura Organizacional consente a transformação dos processos de trabalho, preserva a essência dos elementos culturais aderidos, potencializa a capacidade intelectual individual, logo, novos pensamentos e suposições passam a ser assumidos como verdades, atingindo o nível mais profundo da cultura organizacional. Direcionando caminhos para estudos futuros, apontam-se sugestões no que diz respeito à: implementar o modelo de GCO na organização com vistas a aprofundar as aspirações declaradas na verificação do grupo focal; estudar o desenvolvimento de parâmetros para mensurar a atuação dos “componentes influenciadores” ao modelo, avaliando como atuam, com respectivos critérios de análise; inserir a sugestão elencada na verificação quanto a “Liderança” como um componente influenciador, e seus impactos; e também, mensurar em subníveis a relação custo benefício com a implementação do modelo, administrativa e financeiramente.

Link para download: carla bohn

ZOUCAS, Alessandra Casses. LIDERANÇA COMO PRÁTICA EM INICIATIVAS DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE. Tese, 2017.

Pesquisadores da área de melhoria de processos de software afirmam que muito já se sabe sobre o que implementar nos processos para obter as melhorias desejadas, porém, ainda falta uma estratégia eficaz para implementar com sucesso normas ou modelos de referência de processos de software. Especialistas concordam em que a Liderança é um aspecto determinante para o sucesso das iniciativas de melhoria de processos, porém, não foram encontradas pesquisas que explicassem como a liderança ocorre nesse contexto. Assim, a abordagem da Liderança como Prática, que é caracterizada por perspectivas de práticas e entende a liderança como um processo social contextualmente situado, foi considerada viável para esta pesquisa, que teve o objetivo de compreender como a liderança ocorre nas iniciativas de melhoria de processos software pela perspectiva da liderança como prática. Esta abordagem foi aplicada para apoiar na apresentação, análise e discussão dos dados coletados em estudo de caso. Para isso, foi realizada uma pesquisa qualitativa, multicasos, com três iniciativas de melhoria de processos de software concluídas e que obtiveram êxito na avaliação oficial, realizada em 2015. Os dados foram coletados por meio de 15 entrevistas semiestruturadas, em profundidade, com envolvidos nos casos estudados, além da documentação disponibilizada pelas empresas que participaram do estudo. A técnica de análise utilizada para a investigação das práticas da liderança foi a análise temática. Em cada uma das melhorias de processos de software pesquisadas foram encontradas cinco práticas distintas: Responsividade, Empoderamento, Estruturação, Engajamento e Facilitação. As práticas de liderança foram descritas com base nos elementos do 5W1H. As práticas da liderança encontradas foram analisadas sob a luz da teoria sociológica, considerando a dimensão da agência e da estrutura, para compreender seus efeitos reais. As ações de liderança identificadas foram classificadas como horizontal, vertical, formal, informal, individual e/ou colaborativa. A análise intercasos revelou pontos de convergência e divergência entre as atividades que constituem as práticas da liderança e proporcionou que fossem identificadas relações entre as práticas. Esta pesquisa mostrou que o contexto das práticas não se limita ao contexto social delas, mas é ampliado para a própria prática participando do contexto de outras práticas. Dessa forma, conclui-se que a liderança em melhoria de processos de software geralmente envolve uma rede complexa de relacionamentos, práticas e estruturas e que, em grande parte, ocorre verticalmente, formalmente e colaborativamente.

Link para download: Alessandra Zoucas

REZENDE, Maurício Seiji Cesar. A Gestão do Conhecimento em uma Organização de Software: Construção de uma Teoria Substantiva. Tese, 2017.

As organizações de software estão entre as principais responsáveis pelo crescimento econômico e pela globalização da economia. Os produtos e serviços dessas empresas, presentes no dia a dia da maioria das pessoas, estão entre os principais indicadores da importância que o conhecimento, na forma de ativo intangível, atingiu nas últimas décadas. Considerando-se essa importância e o fato de que o próprio processo de desenvolvimento de software é uma atividade de uso intensivo do conhecimento, este trabalho visa aprofundar o conhecimento científico quanto à gestão do conhecimento através de uma pesquisa realizada em uma organização de software. Para isso, foram adotados procedimentos metodológicos da grounded theory como método qualitativo de pesquisa e seguidas as orientações de Strauss e Corbin (2008). Guiados pelo método descrito pelos autores, foram realizados ciclos de coleta e análise de dados no período de 2013 a 2015 em uma organização de software da cidade de Florianópolis. O objetivo desta tese foi a criação de uma teoria substantiva composta por um conjunto de categorias e subcategorias identificadas em análises cíclicas dos dados coletados. Os resultados da pesquisa mostraram que a gestão conhecimento na organização de software é importante para a segurança e retenção do conhecimento organizacional, assim como para o planejamento e controle das atividades realizadas pelos colaboradores. Além disso, são consequências dessa gestão, na empresa estudada, o apoio ao desenvolvimento dos funcionários e a organização do conhecimento. A pesquisa revelou também que os frutos da gestão do conhecimento na organização analisada foram colhidos através da aplicação de técnicas como: criação de uma cultura de documentação e atualização dos procedimentos organizacionais; realização de reuniões periódicas e com objetivos claros dentro e entre as diferentes equipes; participação em projetos de pesquisa e utilização de ferramentas tecnológicas destinadas ao apoio da gestão do conhecimento.

Link para download: Mauricio Seiji Cesar Rezende

SAMPAIO, Thali Leal. MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO NOS PROCESSOS DE ROTINA DE LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Dissertação, 2017.

A presente dissertação aborda o Mapeamento do Conhecimento como ferramenta de descrição do Fluxo do Conhecimento existente nos processos de rotina do Setor de Microbiologia Clínica, a partir de um estudo de caso em um Laboratório Clínico. Esta estrutura prestadora de serviço especializado, está presente na grande maioria das instituições de assistência médica, e tem a finalidade de fornecer recursos diagnósticos complementares. O Setor de Microbiologia Clínica desempenha um importante papel na prevenção, diagnóstico, controle e terapia de doenças infecciosas, bem como para a epidemiologia em saúde pública. O estudo apresenta uma revisão da literatura, ressaltando o Mapeamento do Conhecimento, e teve como objetivo geral mapear o Conhecimento nos processos de rotinas organizacionais do Setor de Microbiologia Clínica com foco nos fatores ‘processos’, ‘pessoas’ e ‘tecnologia’, visando sua otimização, qualidade e sustentabilidade. Os objetivos específicos da análise se concentram nas práticas dos processos do Setor, na identificação do Fluxo do Conhecimento relacionado à etapas dos processos de rotinas organizacionais do Setor, na avaliação da influência do Fluxo do Conhecimento sobre a otimização dos processos de rotina, na descrição do processo de rotina mais realizado e na sugestão de um fluxograma e layout de processo como ferramenta de Mapeamento do Conhecimento. A técnica da coleta de dados utilizada foi o estudo de caso, tendo como unidade de análise o Setor de Microbiologia Clínica de um Laboratório de apoio ao diagnóstico de grande porte. O estudo de caso abordou uma descrição detalhada do cenário e das pessoas no ambiente pesquisado, seguida pela análise de dados. Na observação da sistematização da rotina da Organização estudada, foi realizado o mapeamento do processo de Urocultura, onde observou-se o fluxo, demonstrado no formato de Fluxograma e Layout de Processo. Para o diagnóstico das etapas do processo foi sugerida e desenvolvida a ferramenta ‘Folha de Verificação de Processo’, no formato de formulário, onde questões seriam respondidas sempre que se evidenciou etapa não conforme. Para o formulário respondido, ao final, deveria ser preenchido um ‘Relatório de Rastreabilidade’, comum a Folha de Verificação, com a conclusão das respostas obtidas. As ferramentas não foram aplicadas devido a questões internas do Laboratório estudado. Inicialmente, a hipótese deste estudo mapear o Conhecimento incorporado nos processos de rotina organizacional do Setor, com foco nos fatores ‘processos’, ‘pessoas’ e ‘tecnologia’. Porém, após coleta dos dados e suas respectivas análises, observou-se que, o fator ‘pessoas’ era o relevante, não se distinguindo o Conhecimento tácito e explícito, tradicional e científico. A ferramenta apresentou grande potencial na sustentabilidade do Conhecimento sobre os processos de rotina. Portanto, determinou sua grande influência positiva na otimização dos processos, sua qualidade e sustentabilidade, mapeando as etapas de cada processo e o Conhecimento tácito e explícito envolvido, respondendo a questão de pesquisa. A ferramenta ‘Folha de Verificação de Processo’ desenvolvida e seu ‘Relatório de Rastreabilidade’ auxiliam na rastreabilidade de não conformidades de cada processo e seus subprocessos e, mesmo sem aplicação no presente estudo, as ferramentas são capazes de indicar, localizar e confirmar as não conformidades e suas origens.

 

Link para download: Thali Leal Sampaio

TORRES, Maricel Karina Lopez. TEORIA SUBSTANTIVA DA TRAJETÓRIA DE UM CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE PRODUTO, NO CONTEXTO E HISTÓRIA DE UM INSTITUTO FEDERAL. Tese, 2017.

No âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e
Tecnológica (Rede Federal), muitas instituições passaram por
significativas transformações. Em Santa Catarina, a Escola Técnica
passou para Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia e, após
seis anos passou a ser Instituto Federal. Em uma dessas transições, foram
ofertados os primeiros cursos superiores de tecnologia. O Curso Superior
de Tecnologia em Design de Produto – CSTDP foi um desses cursos. O
ensino de design, em uma instituição de caráter tecnicista e de tradição
típica industrial foi algo inovador e ao mesmo tempo singular. Frente ao
cenário apresentado, constatou-se que a crescente expansão da Rede
Federal e as transformações institucionais ocorridas, inseriram os
indivíduos em uma nova realidade e formas de interação, em contexto
dinâmico. Diante disso, esta pesquisa se propôs a desenvolver uma teoria
substantiva sobre a trajetória de um Curso Superior de Tecnologia em
Design de Produto, no contexto e história do Instituto Federal de Santa
Catarina. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que adota o método da
Grounded Theory – GT para produzir uma teoria substantiva enraizada
em dados empíricos. Foram coletados dados dos professores pioneiros
que participaram da maior parte da trajetória do curso (concepção,
criação, implantação e reestruturação). A principais técnicas de coleta de
dados consistiu na entrevista semiestruturada e análise de documentos.
Para a delimitação da teoria foram adotadas técnicas de análise típicas da
GT: etapas de codificação, comparação constante, saturação teórica e
validação. Os resultados das análises foram registrados em memorandos
e diagramas. Dentre os resultados, evidenciou-se que a trajetória do curso
registrou conquistas e dissabores, que descrevem condições vivenciadas
e que implicaram ou sujeitaram os envolvidos a: (a) lidar com as
transformações institucionais; (b) lidar com os processos de identificação;
(c) lidar com a ideia de “design mal compreendido”, (d) operacionalizar
o CSTDP; (e) lidar com a chegada de novos professores (e com a saída
de outros); (f) lidar com as diferentes motivações e expectativas; e (g)
lidar com novos sonhos e incertezas em relação ao futuro do próprio curso
e da área de conhecimento na instituição. Ainda, a análise dessa trajetória
e dos elementos implicados, resultou do desenvolvimento das categorias
que integram o esquema teórico da teoria substantiva: (a) Projeto do
CSTDP; (b) Professores; (c) Desafios Enfrentados no CSTP; e a categoria
central denominada (d) Inconstância dos Eventos. Essas categorias
encontram-se fundamentadas nos dados empíricos e estão relacionadas
aos eventos implicados na trajetória do curso, no contexto da história e
das transformações ocorridas na instituição. A teoria explica ações e
interações entre a Instituição, o CSTDP e os Professores, limitando-se à
área substantiva a que pertence. Todos esses elementos descrevem
processos de mudança em movimento, influenciados por fatores externos
à própria organização.

Link para download: Maricel Torres

SANTOS, Maria Isabel Araujo Silva dos. A Segurança do Segredo: Proposta de Framework de Aplicação dos Instrumentos de Proteção do Segredo no Ambiente de Inovação da Base Industrial de Defesa. Tese, 2017.

A Base Industrial de Defesa representa um conjunto de organizações
públicas e privadas, civis e militares, que participam das etapas de
pesquisa, desenvolvimento, produção, distribuição, e/ou manutenção de
produtos de Defesa. Essas organizações são intensivas em conhecimento,
pois utilizam o conhecimento como base das suas atividades, e o
incorporam aos produtos, caracterizados pela alta tecnologia agregada.
Algumas vulnerabilidades no setor, tais como: pouca participação da
sociedade brasileira nos assuntos de Defesa; a escassez de especialistas
civis; a necessidade de modernização e inovação tecnológica; gestão dos
Direitos de Propriedade Intelectual; compensação comercial, industrial e
tecnológica e outras. Aqui, a Gestão do Conhecimento ressalta a diferença
no trato do bem tangível e intangível, pois nos processos do ambiente de
inovação da Defesa, que envolvem alta tecnologia, a preocupação com a
perda de conhecimento deve pautar as atividades de compartilhamento do
conhecimento. Outra razão, o fomento à Inovação no Ambiente da BID
implica a diminuição da dependência tecnológica estrangeira, devendo-se
proteger a novidade do produto. Neste estudo, recorreu-se aos
fundamentos de Inteligência e Contra-Inteligência da Doutrina de
Inteligência de Defesa para qualificar o conhecimento de Defesa e
identificar instrumentos próprios de proteção deste conhecimento. Esta
tese elaborou um framework para representar a aplicação dos
instrumentos de proteção do segredo no Ambiente de Inovação a BID,
detalhando as dimensões de proteção do segredo e a matriz de aplicação
dos instrumentos de proteção. Para isso, foi necessário harmonizar um
conjunto de termos e definições para caracterizar o “segredo” no
Ambiente de Inovação da BID; identificar os instrumentos de proteção;
apresentar o Sistema Sociotécnico para a BID para entender as influências
entre subsistema técnico e o subsistema social, bem como as relações com
o ambiente externo; caracterizar o Ambiente de Inovação da BID,
considerando a atuação dos agentes de Ciência, Tecnologia e Inovação, e
os ciclos de vida dos produtos de Defesa de cada Força Armada.

 

Link para download: Maria Isabel Araujo

NETTO, Marinilse. Contexto e Uso das Mídias por Populações Indígenas Brasileiras: Elementos que Podem Contribuir para a Preservação e a Disseminação do Conhecimento Tradicional em Meios Digitais e Internet. Tese, 2016.

O conhecimento de populações tradicionais e indígenas constitui um “corpo complexo” de saberes e o mesmo ocorre, por extensão, com os estudos que o tem como foco. Populações tradicionais e indígenas desempenham papel chave na sustentabilidade do planeta, e sua riqueza cultural se expressa em diferentes manifestações que assumem caráter inovador tanto por sua singularidade, não se repetindo em outros lugares, quanto por seus aspectos assumidamente locais. Ainda que tenham sido reconhecidos como detentores de conhecimentos importantes para a conservação da biodiversidade e consequente futuro da vida humana, a sociedade ocidental moderna, em geral, não tem criado formas equânimes de integração entre os seus conhecimentos e o paradigma científico vigente. Atualmente, indígenas brasileiros encontram nas tecnologias novas relações com a sociedade. Criam conteúdos digitais, profissionalizam-se no uso das tecnologias e as usam como registro de memória e disseminação de seus conhecimentos. Este trabalho objetivou caracterizar o contexto de uso das mídias por populações indígenas brasileiras, identificando como as mídias digitais e a Internet podem contribuir para a preservação e disseminação de seu conhecimento. Como objetivos específicos, buscou-se compreender a origem e os contornos atuais de conteúdos digitais produzidos por grupos indígenas brasileiros, analisando a representação e participação indígena na cultura digital e identificando ações que componham e aprimorem a gestão do conhecimento tradicional indígena (CTI), direcionada à preservação deste. O estudo foi conduzido mediante pesquisas bibliográfica, documental e de campo. A pesquisa documental teve suporte na etnografia virtual, cujo percurso investigativo fez uso de um instrumento de análise e descrição dos ambientes virtuais (cibermeios) adequados às especificidades da pesquisa. Foram analisados e descritos cinco cibermeios de populações indígenas brasileiras, sendo dois deles com análise em profundidade, e, destes, 69 (sessenta e nove) conteúdos digitais foram selecionados e submetidos à técnica da Análise de Conteúdo. A pesquisa de campo constou de entrevistas com gestores, produtores de conteúdos e utilizadores destes cibermeios. Por seus títulos e temas, os conteúdos foram organizados nas categorias “disseminação do conhecimento”, “preservação do conhecimento” e “uso das mídias e Internet”, definidas a priori, tendo em vista os objetivos do trabalho. Somaram-se a essas as categorias “educação indígena” e “ativismo indígena”, emergidas durante a análise dos conteúdos. Os procedimentos permitiram a identificação de como se dá a disseminação e a preservação do CTI em formato digital, e qual o papel das mídias nestes processos. A partir das categorias e elementos analisados, e tendo as entrevistas como suporte, procedeu-se uma avaliação mais aprofundada através da aplicação do método SWOT, adaptado aos fins e condições do contexto analisado. Esta aplicação produziu uma ampla visão dos pontos fortes e fracos que cercam o uso de mídias digitais e Internet, constituindo elementos que podem auxiliar na melhoria dos processos empregados para disseminação e preservação do CTI. Os resultados obtidos no trabalho levaram à elaboração de um roteiro que apresenta as principais etapas para a gestão deste conhecimento, roteiro este que, embora voltado à situação investigada, provavelmente podem se enquadrar a realidades semelhantes. As contribuições advindas do presente trabalho podem colaborar com a rede de pesquisas brasileiras e projetos ou políticas públicas visando à preservação, proteção e disseminação do CTI, acompanhando medidas já desenvolvidas em vários países

Link para Download: Marinilse Netto

NETO, Roseli Jenoveva. A Capacidade Absortiva no Processo de Gestão da Inovação: Análises em Empresas Consideradas Inovadoras. Tese, 2016.

A capacidade absortiva (CA) define-se pela capacidade da empresa de identificar, assimilar e explorar ou explotar comercialmente o conhecimento disponível em seu ambiente. Uma das formas de entender o processo de geração da inovação e dos elementos organizacionais viabilizadores é por meio de como a capacidade absortiva ocorre. Entende-se que, se uma empresa é capaz de identificar, reconhecer e aprimorar sua capacidade absortiva, então propicia a capacidade de renovação de sua base de conhecimentos, o que influencia a performance relacionada à inovação criando vantagem competitiva. O constructo pode ser utilizado como um direcionador da gestão de conhecimento desde o nível do indivíduo, da organização até o nível de nações inteiras. Neste contexto, o objetivo desta tese é compreender como o modelo de capacidade absortiva auxilia nos processos de gestão da inovação em empresas consideradas inovadoras. Quanto aos procedimentos metodológicos trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e aplicada quanto aos fins e quanto aos meios de investigação como bibliográfica e de campo. As unidades de análise foram três empresas industriais consideradas inovadoras, que desenvolveram e estão comercializando pelo menos um produto inovador. Os respondentes do questionário e entrevistas foram os líderes estratégicos e intermediários. O resultado da pesquisa aponta que o principal fator interno considerado de alta relevância para a inovação é a base de conhecimento prévio e a experiência. Os clientes e consumidores finais foram as fontes externas mais citadas como contribuição para o processo de inovação. A liderança, cultura e estratégias foram os direcionadores da inovação mais relevantes identificados pela literatura e pela pesquisa empírica. Com destaque para o papel das lideranças intermediárias que atuam como elos entre a liderança estratégica e as lideranças operacionais possibilitando um fluxo multidirecional de conhecimento. As inovações realizadas foram avaliadas como incrementais de produto em duas empresas e inovação estratégica na terceira empresa.

Link para download: Roseli Jenoveva Neto