Home » Posts tagged "Criação do conhecimento"

PRADO, Maria de Lourdes. Criação e disseminação de conhecimento em empresas prestadoras de serviços na área de telecomunicações. Dissertação, 2012.

O diferencial competitivo das organizações, na era atual do conhecimento, não se baseia em mão de obra e recursos naturais abundantes e baratos, e sim no conhecimento que os colaboradores trazem consigo, nas informações que a empresa possui, recebe e precisa rapidamente transformá-las em conhecimento, e na correta e eficiente disseminação dos mesmos. A vantagem competitiva advém do fato de ser capaz de fazer algo que as outras não conseguem. O crescimento do nível de exigência dos consumidores e da concorrência em todos os setores da economia, pelo grande número de empresas atuantes no mercado, faz com que novos produtos e serviços sejam disponibilizados aos clientes quase que diariamente. Para lidar com todas essas modificações e permanecer competitiva a empresa prestadora de serviços de telecomunicações objeto deste trabalho de pesquisa, precisa estar atenta a alguns aspectos como a rotatividade de mão de obra, uma vez que sua produtividade está também ligada à quantidade e qualidade da mão de obra alocada em atendimento aos requisitos contratuais. Assim, a empresa anseia por conhecimento e sua correta e eficiente disseminação. Nesse contexto, a pesquisa apresenta como objetivo, a análise do processo de criação e disseminação do conhecimento organizacional de uma empresa prestadora de serviço na área de telecomunicações. A metodologia aplicada foi um estudo de caso em uma empresa prestadora de serviços na área de telecomunicações e desenvolvida por meio de questionário aplicado à força de vendas e realização de entrevista semi-estruturada com a gerência, coordenação e supervisão das equipes de vendas. Dessa forma foi possível identificar a necessidade, quais são e como ocorre a criação e disseminação de conhecimentos necessários para uma empresa nessa área.

 Link para download: MARIA DE LOURDES PRADO

SCHMITT, Sabrina Rebelo. Fatores críticos de sucesso à manutenção de Comunidades de Prática e suas dimensões de análise. Dissertação, 2012.

Esta pesquisa almejou identificar os fatores críticos de sucesso (FCS) à manutenção das Comunidades de Prática que estabelecem relação com as dimensões de análise das Comunidades. Para tanto, realizou-se uma busca sistemática da literatura em que emergiram 112 FCS à manutenção das CoPs. Concomitante, identificaram-se na literatura algumas dimensões de análise para Comunidades, tais como: individual, organizacional, liderança, comunidade, cognitiva, tecnológica e econômica. Em virtude das características de alguns dos fatores revelados, e pela ausência de dimensões que os contemplassem, outras três dimensões foram propostas: a relações de poder, a cultural e a operacional. Após o levantamento dos FCS e das dimensões, alocaram-se os fatores às dimensões que melhor lhes representavam, além de respeitar a indicação dos autores quando assim o fizeram, resultando em quadros de referência por dimensão e seus respectivos FCS. Em seguida, foi possível verificar que alguns fatores transitavam entre duas dimensões de análise, o que se denominou de interseção de dimensões diversas. Por fim, chegou-se aos 28 fatores críticos de sucesso à manutenção das CoPs e suas dimensões de análise, circunstância que possibilitou a criação de um quadro-síntese com tais informações. Respeitando a caracterização da pesquisa quanto aos fins, indica-se que o primeiro resultado é de origem aplicada, porquanto possui como base de motivação a resolução de problemas concretos referente à gestão das CoPs, qual seja: a identificação dos fatores críticos de sucesso à manutenção das CoPs, e suas vinculações às dimensões de análise. O segundo repousa no campo da contribuição teórica, visto que pode auxiliar como ponto de partida para investigações futuras sobre a temática.

Link para download: Sabrina Rebelo Schmitt

YAMAGUCHI, Cristina Keiko. Contabilidade ambiental nas organizações como instrumento de criação do conhecimento. Tese, 2011.

Devido à preocupação com a padronização, análise e divulgação de informações ambientais pelas organizações, a contabilidade ambiental surgiu como uma alternativa para evidenciar os fatos e eventos ambientais da organização. Entretanto, pouco se sabe como a contabilidade ambiental é utilizada para evidenciar os eventos ambientais e se possibilita criar novos conhecimentos. Diante dessas lacunas, objetivou-se com esta tese verificar como a contabilidade ambiental pode contribuir para a criação do conhecimento nas organizações. Para realizar esta pesquisa, foram desenvolvidos um estudo exploratório-descritivo e uma pesquisa-ação. Os procedimentos metodológicos realizados foram: revisão de literatura; aplicação de um questionário semiestruturado a 17 contadores e gestores de organizações situadas na região metropolitana de Lages (Santa Catarina, Brasil); e desenvolvimento de uma pesquisa-ação em uma organização florestal, no período compreendido entre outubro de 2008 e janeiro de 2011. A análise dos resultados do estudo exploratório apontou que as organizações não costumam separar os fatos e os eventos contábeis ambientais das contas tradicionais e, em decorrência disso, há uma falta de clareza e de conhecimentos sobre a aplicabilidade da contabilidade ambiental. Por meio da pesquisa de campo na organização, foi possível acompanhar os resultados do uso de um plano de contas ambiental. Esses resultados apontaram que o primeiro desafio enfrentado foi reclassificar e inserir contas ambientais na contabilidade tradicional e repassar esses procedimentos aos departamentos envolvidos. Nas entrevistas, foram apontadas a criação e as alterações de rotinas e atividades, tais como rotinas de classificação das despesas, criação de novas contas e novos conhecimentos que auxiliam o planejamento da organização, a tomada de decisões e a gestão ambiental transparente, com comprovação e divulgação de resultados para os sócios e a sociedade. Portanto, diante da necessidade de evidenciar as contas ambientais e divulgar os resultados da responsabilidade ambiental pelas organizações, a contabilidade ambiental pode ser vista como um meio que possibilita a criação de conhecimentos.

Link para download: Cristina Keiko Yamaguchi

OROFINO, Maria Augusta Rodrigues. Técnicas de criação do conhecimento no desenvolvimento de modelos de negócio. Dissertação, 2011.

Transformações organizacionais têm se beneficiado da agilidade proveniente das novas tecnologias, proporcionando o desenvolvimento de novas formas de criação de valor e de transações comerciais entre empresas que vêem suas fronteiras serem expandidas e ampliadas. Neste contexto, o desenvolvimento de modelos de negócio representa a maneira de como uma organização cria, captura e distribui valor. A gestão organizacional, a partir da era do conhecimento, associada à disseminação das tecnologias da informação e de novos métodos de avaliação dos ativos intangíveis, exige a adoção de métodos e técnicas de gestão do conhecimento. Esta dissertação tem o propósito de apresentar a evolução do conceito de modelo de negócio, suas representações, características e o seu processo de desenvolvimento bem como destacar os principais métodos e técnicas de criação do conhecimento organizacional que podem ser utilizados no processo de desenvolvimento de modelos de negócio. Os procedimentos metodológicos utilizados foram a pesquisa bibliográfica para a revisão da literatura, a utilização de desk research para o aprimoramento e complementaridade das fontes pesquisadas e consulta dirigida a especialistas através de questionário semiestruturado. O diferencial que o estudo apresenta diz respeito ao levantamento bibliográfico realizado sobre modelos de negócio e métodos e técnicas de gestão e criação do conhecimento. As limitações desta pesquisa estão na sua realização tendo em vista às restrições de acesso ao grupo de especialistas selecionados. Conclui-se que o desenvolvimento de modelos de negócio é um tema emergente, e associado à criação do conhecimento organizacional, como uma nova unidade de análise organizacional requer estudos complementares.

Link para download: Maria Augusta R. Orofino

ALMEIDA, Vera Luci de. Avaliação do desempenho ambiental de estabelecimentos de saúde, por meio da Teoria da Resposta ao Item, como incremento da criação do conhecimento organizacional. Tese, 2009.

O desafio de propor indicadores que possam medir o desempenho ambiental, de estabelecer uma forma de controle desses indicadores e de criar o conhecimento organizacional é fundamental para a gestão de estabelecimentos de saúde (ES). Para isso, esta pesquisa aborda a avaliação do desempenho ambiental de ES, quanto ao gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde (RSS), com o suporte da Teoria da Resposta ao Item (TRI), como forma de incrementar a criação do conhecimento organizacional. Neste sentido, desenvolve-se um modelo para a avaliação do desempenho ambiental dos ES, nos processos de gestão de resíduos de serviços de saúde (GRSS), criando uma medida padronizada (Medida de Desempenho Ambiental para Estabelecimentos de Saúde – MDAES), com o suporte da TRI. O instrumento de pesquisa (questionário) foi aplicado em uma amostra de 496 ES, contemplando hospitais, laboratórios estaduais de saúde pública, unidades integrantes da rede hemoterápica e postos de saúde. Uma vez criada a escala de medida, esta permite que novos ES, ou os mesmos, venham a ser avaliados ao longo do tempo. Além disso, podem ser acrescentados novos critérios de avaliação de desempenho ambiental, garantindo-se que estes estarão na mesma unidade de medida. Desta forma, depois de estabelecida a escala de medida e interpretada, cria-se um novo conhecimento, tanto para os gestores internos, como para os segmentos que interagem no processo de gerenciamento do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS). No trabalho, os estabelecimentos pesquisados foram classificados nos níveis da MDAES e estabeleceu-se uma relação entre o conjunto de itens utilizados na avaliação ambiental e os impactos produzidos na criação do conhecimento organizacional dos mesmos. Estas relações, vinculadas principalmente nos processos de criação do conhecimento, são incrementadas em cada um dos níveis da escala. Portanto, esse novo conhecimento é tanto interno quanto externo e pode facilitar o aprendizado, a disseminação do conhecimento sobre o assunto e contribuir para a evolução do sistema.

Link para download: Vera Luci de Almeida