Home » Posts tagged "Compartilhamento do Conhecimento"

DOROW, Patrícia Fernanda. COMPREENSÃO DO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO EM ATIVIDADES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO EM ORGANIZAÇÕES DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Tese, 2017.

O compartilhamento do conhecimento é considerado um fenômeno complexo e reconhecido como o processo mais importante na espiral de conversão do conhecimento. Assim, o objetivo desta tese é compreender o compartilhamento do conhecimento em atividades intensivas em conhecimento em organizações de diagnóstico por imagem. Para tanto, realizaram-se três estudos em organizações de radiodiagnóstico com 43 radiologistas (22 novatos e 21 especialistas). As formas de investigação foram: observações, entrevistas e confirmações dos resultados. Identificados os melhores ambientes e práticas, foi possível entender as particularidades existentes nos motivadores, inibidores e aceleradores. Os resultados revelam que uma cultura de cooperação e união favorece as interações entre os profissionais que, por sua vez, desenvolvem a perícia de modo mais rápido exatamente por compartilharem de maneira intensa os conhecimentos.

 

Link para download: PATRICIA DOROW

WILBERT, Julieta Kaoru Watanabe. Características de VCoPs que Influenciam Processos de Inovação: Estudo de Caso em uma Empresa Pública Brasileira. Dissertação, 2015.

No século 21 grande parte das organizações, sejam públicas ou privadas,
buscam a inovação como fator de sobrevivência. A inovação pode decorrer
da recombinação de conhecimentos existentes, ou da criação de novos, em
situações de compartilhamento de conhecimento. Este último tem, por isso,
um papel destacado em contexto de inovação. Dentre as estratégias de
compartilhamento de conhecimento, as Comunidades de Prática (CoPs) e as
Comunidades de Prática Virtuais (VCoPs) se destacam pela possibilidade
de suas atuações como catalisadoras de processos de inovação. O objetivo
da presente pesquisa é identificar características de VCoPs que influenciam
processos de inovação em uma empresa pública brasileira. Para isso, foi
conduzida uma pesquisa qualitativa exploratória, do tipo estudo de caso, em
três VCoPs que realizaram inovações incrementais na Empresa Brasileira
de Correios e Telégrafos. Os dados foram coletados em entrevistas
semiestruturadas junto a membros das VCoPs pesquisadas. Como
resultado, ao se comparar as características identificadas no estudo de caso
com as encontradas na literatura revisada, concluiu-se que características de
VCoPs que influenciam processos de inovação podem estar relacionadas a
sua configuração estrutural, ao seu domínio, à sua dinâmica e às pessoas
que as compõem – membros e moderadores. O presente estudo mostra que
a maior parte dessas características estão associadas à presença de pessoas
abertas a compartilharem o que sabem, e a criarem algo novo. Por isso, a
temática VCoPs para inovação enseja uma abordagem antropocêntrica. A
dissertação contribui para o campo teórico a partir do estudo para a
compreensão de como VCoPs apoiaram processos de inovação em uma
empresa pública brasileira. A pesquisa pode contribuir igualmente para
aplicação prática da gestão da inovação com emprego de VCoPs em
organizações, ainda que o estudo apresente como limitação principal o fato
de os resultados não poderem ser generalizados. Contudo, os resultados
obtidos podem contribuir com elementos para futuros estudos que busquem
generalização na temática apresentada.

 

Link para Download: Julieta Kaoru Watanabe Wilbert

LENZI, Greicy Kelli Spanhol. Framework para o Compartilhamento do Conhecimento na Gestão de Tutoria de Cursos de Educação a Distância. Tese, 2014.

O surgimento da Era do Conhecimento estabeleceu uma nova dinâmica na forma como os indivíduos e organizações adquirem, criam, compartilham e disseminam o conhecimento. Neste sentido, os modelos educacionais precisaram evoluir e admitir flexibilidade nos seus processos e, como isso, a Educação a Distância (EAD) ganhou força como principal meio para atendimento dessa demanda. Entretanto, embora a EAD traga benefícios, ela tem tido dificuldades em promover o compartilhamento de vivências, assim como a troca de experiências por meio de observação e do aprender-fazendo. Para tentar suprir essa necessidade é utilizado o sistema de acompanhamento ao aluno, mais especificamente a tutoria, que é responsável pela interação do aluno com todas as esferas do curso. Como esse sistema é a base de apoio ao estudante, o conhecimento compartilhado sobre as práticas de trabalho e sobre o conteúdo entre os tutores é vital, uma vez que eles guiam o aluno no seu processo de aprendizagem. A partir disso, o objetivo desta tese foi desenvolver um Framework embasado na teoria da Gestão do Conhecimento, bem como nos seus métodos e técnicas buscando impulsionar o desempenho desse sistema por meio do compartilhamento do conhecimento entre os atores do processo de Gestão da Tutoria. Os procedimentos metodológicos adotados são a pesquisa aplicada, bibliográfica e documental, o estudo de caso, o emprego das planilhas da metodologia CommonKADS para a coleta de dados por meio da entrevista semiestruturada e do questionário estruturado, bem como a Análise de Conteúdo. Como resultado foi proposto um Contexto de Ação composto por 4 etapas de ação e 5 níveis de alcance, onde foram alocados os Métodos e Técnicas de Compartilhamento do Conhecimento de modo a impulsionar o compartilhamento dentro das atividades de Gestão de Tutoria para que o saber coletivo e individual fosse amplificado, possibilitando desta forma, a criação de um conhecimento baseado na coletividade e que pode ser mobilizado em prol da geração de novos conhecimentos que impactará positivamente no aprendizado do aluno.

 

Link para Download: Greicy Kelli Spanhol Lenzi

DELFINO, Nelson. Compartilhamento do conhecimento nos cursos de capacitação da Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação, 2014.

Esta dissertação tem como objetivo verificar a contribuição do compartilhamento do conhecimento por meio dos cursos de capacitação e aprimoramento ofertados na UFSC ao seu corpo administrativo. Busca-se identificar, por meio do objetivo geral, as relações de troca existentes entre os sujeitos envolvidos nas atividades de capacitação e a forma de organização, e se neste processo de capacitar pessoas ocorrem o compartilhado do conhecimento e o seu entesouramento organizacional. Para tanto, por meio dos objetivos específicos, de descrever o plano de capacitação, categorizar o obtido com entrevistas junto aos gestores e a frequência dos questionamentos feitos aos participantes dos cursos de capacitação, estruturou-se a pesquisa, na forma de identificar a ocorrência e os meios estruturais de condução das formas de processos de capacitação pela organização. Através dos dados levantados junto aos sujeitos envolvidos na pesquisa, buscou-se identificar através dos fatores “comunidade” e “pessoal”, se há o compartilhamento do conhecimento nos cursos por meio da percepção dos participantes da pesquisa. Desta forma, efetivou-se um estudo de caso, com abordagem pragmática (mista) nos cursos de capacitação da Universidade Federal de Santa Catarina, para evidenciar as relações existentes dentro de um ambiente de aprimoramento profissional. Usou-se a método de triangulação de dados, com o intuito de identificar a convergência destes para identificação, se as formas de gestão da capacitação de pessoas na Instituição geram o aprimoramento do conhecimento e se o que é gerado cria novas competências e se estas são entesouradas em um ciclo virtuoso de tácito-pessoal para explícito-organizacional. Destacaram-se, nos resultados, as formas de condução e estruturação desta comunidade de troca de conhecimento e as relações das pessoas envolvidas nos processos de capacitação. Foram identificadas as percepções dos envolvidos no processo de gestão, as visões dos participantes e as limitações existentes nos processos de troca e decisão. Concluiu-se que o compartilhamento do conhecimento acontece nos cursos, porém novas formas e meios de trocas devem ser incentivados para o constante aprimoramento do setor de gestão de pessoas da instituição.

Link para Download: Nelson Delfino

RABELO, Ricardo Alves. Análise da Relação entre Intimidade e Compartilhamento de Conhecimento em Grupos nos Processos de Desenvolvimento Organizacional. Dissertação, 2013.

A introdução da Gestão do Conhecimento no ambiente organizacional tem sido responsável por transformações nos processos, relações e resultados das organizações. Essas transformações têm como base o fato de que o conhecimento, quando compartilhado, aumenta e sustenta o novo paradigma construído. Entretanto o processo de compartilhamento tem uma série de nuances que devem ser exploradas. O objetivo do presente trabalho é explorar uma destas nuances, a intimidade, a fim de verificar como o compartilhamento do conhecimento se relaciona com o desenvolvimento da intimidade de um grupo. A metodologia adotada foi, a partir da identificação de constructos que poderiam suportar as variáveis de estudo, analisar a evolução dos mesmos em um processo de desenvolvimento organizacional em uma organização prestadora de serviços por quatro anos, durante os quais seus líderes são submetidos a diversas práticas de Gestão de Conhecimento. Os resultados obtidos demonstraram que quanto maior a intimidade, melhor é o aproveitamento das práticas de Gestão do Conhecimento e que o desenvolvimento de intimidade gera mudanças de comportamento e de ambiente que fortalecem as razões para o compartilhamento de conhecimento, o que amplia o fluxo de conhecimento e a aprendizagem de grupo.

Link para Download: Ricardo Alves Rabelo

SCHMITT, Sabrina Rebelo. Fatores críticos de sucesso à manutenção de Comunidades de Prática e suas dimensões de análise. Dissertação, 2012.

Esta pesquisa almejou identificar os fatores críticos de sucesso (FCS) à manutenção das Comunidades de Prática que estabelecem relação com as dimensões de análise das Comunidades. Para tanto, realizou-se uma busca sistemática da literatura em que emergiram 112 FCS à manutenção das CoPs. Concomitante, identificaram-se na literatura algumas dimensões de análise para Comunidades, tais como: individual, organizacional, liderança, comunidade, cognitiva, tecnológica e econômica. Em virtude das características de alguns dos fatores revelados, e pela ausência de dimensões que os contemplassem, outras três dimensões foram propostas: a relações de poder, a cultural e a operacional. Após o levantamento dos FCS e das dimensões, alocaram-se os fatores às dimensões que melhor lhes representavam, além de respeitar a indicação dos autores quando assim o fizeram, resultando em quadros de referência por dimensão e seus respectivos FCS. Em seguida, foi possível verificar que alguns fatores transitavam entre duas dimensões de análise, o que se denominou de interseção de dimensões diversas. Por fim, chegou-se aos 28 fatores críticos de sucesso à manutenção das CoPs e suas dimensões de análise, circunstância que possibilitou a criação de um quadro-síntese com tais informações. Respeitando a caracterização da pesquisa quanto aos fins, indica-se que o primeiro resultado é de origem aplicada, porquanto possui como base de motivação a resolução de problemas concretos referente à gestão das CoPs, qual seja: a identificação dos fatores críticos de sucesso à manutenção das CoPs, e suas vinculações às dimensões de análise. O segundo repousa no campo da contribuição teórica, visto que pode auxiliar como ponto de partida para investigações futuras sobre a temática.

Link para download: Sabrina Rebelo Schmitt

MORETTO, Luís Augusto Machado. Uma arquitetura multiagentes para o compartilhamento do conhecimento em sistemas sociotecnológicos de engenharia de requisito. Dissertação, 2011.

A engenharia de requisitos, etapa inicial da construção de sistemas deinformação, requer intenso compartilhamento de informações econhecimento entre profissionais de tecnologias da informação e dacomunicação e entre peritos no negócio. A teoria e a prática comum daengenharia de requisitos, no entanto, são tecnocêntricas e caracterizadaspor dificuldade de compartilhar informações e conhecimento. A literatura recente aborda a concepção de sistemas sociotecnológicos, cujas propriedades emergem por meio da colaboração dinâmica entre pessoas e agentes tecnológicos. Esta dissertação pesquisa uma arquitetura multiagentes para o compartilhamento do conhecimento na engenharia de requisitos, com base no modelo CESM de Mario Bunge, segundo o qual todo sistema concreto pode ser representado por sua composição, ambiente, estrutura e mecanismo. A composição inclui peritos no negócio, profissionais de Tecnologia da Informação e da Comunicação – TIC, agentes tecnológicos e o documento de requisitos – objeto da colaboração dinâmica. O mecanismo é essencialmente um processo de compartilhamento de informações e do conhecimento. O resultado é uma arquitetura multiagentes que apoia o compartilhamento de informações e do conhecimento na engenharia de requisitos sociotecnológica.

Link para download: Luis Augusto Moretto

FREIRE, Patrícia de Sá. Compartilhamento do Conhecimento Interor-ganizacional: Causas Essenciaos dos Problemas de Integração em Fusões e Aquisições (F&A). Dissertação, 2010.

Este estudo objetiva analisar as causas essenciais dos problemas de integração vivenciados pelas empresas participantes de operações de fusões e aquisições (F&A). As F&A são um dos caminhos utilizados como alavancas de rápido crescimento em mercados hipercompetitivos, porém, têm incluído dificuldades pós-operatórias na consolidação dos planos que lhes deram origem. Partiu-se de três estudos exploratórios: (1) Metapesquisa a partir dos estudos de consultorias internacionais; (2) Estudo bibliográfico sistemático na base de dados Scopus; (3) Estudo de múltiplos casos abrangendo sete processos de integração ainda em cur-so, originados de F&A realizadas por empresa brasileira de tecnologia da informação. Os problemas de integração foram identificados com base nos princípios decisórios definidos por Harding e Rovit (2005). Seguiu-se Pesquisa Diagnóstica visando especificar as causas essenciais dos problemas. Seguiu-se Pesquisa Diagnóstica visando especificar as causas essenciais dos problemas, utilizando o Princípio de Pareto. Esta pesquisa pode ser apontada como qualitativa, feita mediante entrevistas, análise documental e estudo de múltiplos casos; e de tipo quantitativa, utilizando-se de questionários. A análise dos dados caracteriza-se, pre-dominantemente como qualitativa descritiva. Identificou-se que 81% dos problemas de integração são causados por deficiência nos processos de criação e compartilhamento de conhecimentos, concluindo-se que a mpresa deve concentrar esforços no desenvolvimento de um sistema de gestão do conhecimento visando à aquisição, compartilhamento e is-seminação de conhecimentos entre suas áreas internas, e destas com as áreas similares das empresas adquiridas. Os resultados alcançados por esta pesquisa têm sua aplicabilidade conferida ao contexto organizacio-nal estudado.

Link para download: Patricia de Sa Freire

GIRARDI, Dante Marciano. O Compartilhamento dos Processos de Recursos Humanos: uma contribuição para a gestão do conhecimento organizacional. Tese, 2009.

O conhecimento é, cada vez mais, essencial ao desenvolvimento e é ele que torna as organizações mais competitivas. O ambiente organizacional vem aprendendo continuadamente a gerar conhecimento, transformando-o em inovação, novas tecnologias, sistemas, produtos e serviços. Assim, as pessoas (colaboradores) passam a ser cada vez mais importantes para a estratégia das organizações. O valor da Área de Recursos Humanos (RH), atualmente, está na otimização dos processos de gestão de pessoas no sentido de torná-los uma vantagem competitiva, gerando competências críticas. A melhor forma encontrada para a gestão de pessoas é um processo mais participativo, descentralizado, de parceria, de compartilhamento com os demais gestores da empresa. Então, torna-se preponderante verificar o estágio atual desse compartilhamento e sua contribuição para as  organizações, mormente as grandes empresas catarinenses, universo deste estudo. O objetivo da pesquisa foi demonstrar a contribuição da Consultoria Interna de Recursos Humanos para a Gestão do Conhecimento, a partir de práticas de gestão de pessoas, adotadas nas maiores indústrias catarinenses. Para os fins a que se propõe este estudo, os procedimentos metodológicos seguiram a linha da pesquisa qualitativa, por meio das técnicas de pesquisa descritiva e aplicada. A pesquisa de campo, cujo universo foram as empresas catarinenses e a amostra envolveu as sete maiores em número de colaboradores, sendo que as unidades de análise foram os gestores de pessoas (RH) dessas empresas. Para análise dos dados, utilizou-se análise documental e de conteúdo. Quanto aos resultados, empreendendo sob a ótica da criação do conhecimento proposta por Nonaka e Takeuchi (1997), a consultoria interna auxilia principalmente nas etapas de socialização e externalização do conhecimento. Além disso, permite uma maior interação nos três níveis descritos por Sabbag (2007), individual, grupal e organizacional, desde que sejam implementadas em sua totalidade e os consultores possuam autonomia nos processos. Assim, analisando a contribuição da consultoria interna de Recursos Humanos para a Gestão do Conhecimento, pode-se perceber que as empresas que possuem maior grau de autonomia e maior nível de implementação, são aquelas em que os processos são mais compartilhados, socializados e internalizados pelos colaboradores. Dessa forma, pode-se afirmar que nas empresas analisadas o desenvolvimento dos processos de consultoria interna de RH catalisa os resultados da Gestão do Conhecimento nas mesmas.

Link para download: Dante Girardi