Home » Posts tagged "Aprendizagem Organizacional"

OTOWICZ, Marcelo Henrique. CAPACIDADE ABSORTIVA E DESEMPENHO INOVADOR EM PEQUENAS EMPRESAS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS. Dissertação, 2018.

Em um mercado cada vez mais competitivo e globalizado, a inovação é uma necessidade inerente para a sobrevivência das empresas. E, para a efetivação de resultados inovadores, o insumo conhecimento é tido como vital. Então, a capacidade de absorver novos conhecimentos, ou a capacidade absortiva (CA), pode representar o potencial de sucesso de uma empresa. No contexto das pequenas empresas, que exibem importante representatividade econômica no Brasil, contínuos desafios tornam essa realidade ainda mais complexa. Dessa forma, a inovação ganha ainda mais evidência como ferramenta competitiva dos pequenos negócios. Apoiado nessa conjuntura, o objetivo deste trabalho é verificar e analisar a relação entre capacidade absortiva e desempenho inovador em pequenas empresas da Grande Florianópolis, considerando a perspectiva de Agentes Locais de Inovação (ALI). Para o cumprimento deste propósito, desenvolveu-se pesquisa com abordagem quali-quantitativa tanto na coleta como na análise dos dados, que foram coletados através de questionário aplicado junto aos Agentes Locais de Inovação para a capacidade absortiva, bem como os dados do desempenho inovador foram obtidos junto ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), sendo embasados na ferramenta Radar da Inovação e em apontamentos dos mesmos ALI. Como principais resultados da pesquisa, verificou-se que a intensidade da capacidade absortiva mensurada revela potencial apenas moderado para as pequenas empresas da Grande Florianópolis, indicando oportunidades para melhor aproveitar esta habilidade. Em relação ao desempenho inovador, grande parte dos resultados indicam empresas conservadoras ou inovadoras eventuais, o que aponta que falta sistematização das práticas voltadas à inovação. Por meio da análise da correlação entre as medidas da CA com as do desempenho inovador, identificou-se que, de modo geral, maiores valores de CA acompanham maiores valores para a inovação. Além disso, a dimensão macro Processos do Radar da Inovação foi a que apresentou maiores coeficientes de correlação com as variáveis da CA nas análises realizadas, bem como o setor de serviços foi o que revelou melhores associações entre capacidade absortiva e desempenho inovador.

Link para download: Marcelo Henrique Otowicz

NEVES, Edson Oliveira. ARTICULAÇÃO ENTRE OS CONSTRUTOS APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL, CAPACIDADE ABSORTIVA E INOVAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO. Tese, 2017.

A aprendizagem organizacional e a capacidade absortiva têm sido teoricamente associadas à inovação em organizações. Empiricamente, a relação entre esses construtos tem sido investigada por linhas de pesquisas distintas, de forma isolada. O exame, de forma conjunta, da relação entre os três construtos teóricos ainda se apresenta como um hiato nesse campo de estudos. Com o propósito de melhor compreender o fenômeno da inovação, esta pesquisa teve por objetivo analisar as relações entre aprendizagem organizacional, capacidade absortiva e inovação em organizações intensivas em conhecimento. Tendo em vista o pressuposto teórico subjacente, foram estabelecidas hipóteses de relacionamento positivo entre os três construtos. Utilizou-se para este estudo um levantamento tipo survey, elegendo-se para a coleta de dados empresas do setor de tecnologia da informação, tidas como organizações intensivas em conhecimento, da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Para apreender as variáveis operacionais dos construtos aprendizagem organizacional e capacidade absortiva, foram utilizados instrumentos de mensuração já validados anteriormente no contexto brasileiro. O instrumento de inovação foi desenvolvido especificamente para esta pesquisa, tendo como fundamento teórico principal o Manual de Oslo da OECD. Procedimentos de validação de conteúdo, validação estatística e refinamento foram devidamente aplicados às escalas utilizadas no estudo. A análise das relações pontuadas e a verificação das hipóteses desenvolvidas foram realizadas por meio da modelagem de equações estruturais. Os resultados obtidos apontaram a existência de uma influência significativa e positiva da capacidade absortiva sobre os diferentes tipos de inovação (produto, processo, marketing e organizacional), mas não foram encontrados elementos que indicassem uma influência significativa da aprendizagem organizacional sobre a inovação nas empresas pesquisadas. Os resultados também apontaram uma forte correlação entre os construtos aprendizagem organizacional e capacidade absortiva. Entre as contribuições desta pesquisa está o avanço na compreensão do grau de correlação entre os construtos, e a identificação de pontos de convergência e integração entre as três abordagens estudadas.

Link para download: Edson Neves

FORNASIER, Cleuza Bittencourt Ribas. Sistema de integração do conhecimento organizacional pelo design thinker. Tese, 2011.

Após a aplicação do Modelo Organizacional de Autogestão, desenvolvido para organizar administrativa e produtivamente grupos que desejassem promover a autogestão (FORNASIER, 2005), verificou-se a dificuldade para incorporá-la, ocasionada principalmente pela forma de constituição do grupo, pela falta de aprendizagem dos integrantes para formar uma organização e para assumir a autogestão o que resultou na fragmentação do grupo quando do afastamento da academia. Diante disto, o objetivo desta tese é desenvolver um Sistema de Integração do Conhecimento para ser utilizado por organizações colaborativas que desejam promover o perfil de agente de aprendizagem nos seus gestores. O sistema será realizado a partir da pesquisa do Conhecimento Organizacional preestabelecido, das organizações colaborativas referenciais da vitivinicultura, ao ser inserida a inovação, a qual o gestor deve prover a aprendizagem e a integração do conhecimento. Tem-se como premissa da pesquisa analisar quais são: os repositórios de conhecimento dessas organizações; como estes inserem a inovação na organização, da qual origina o Conhecimento Organizacional Distribuído; de que maneira ocorre a integração do conhecimento nos grupos. A pesquisa está fundamentada na metodologia de natureza descritiva e seu delineamento apoia-se em pesquisa bibliográfica, que estuda primeiramente a relação das Teorias de Aprendizagem com a Aprendizagem Organizacional e desta com a Gestão do Conhecimento, de McElroy (2003). Coloca-se, em paralelo a última, o pensamento do designer de Jones (1978), justificado pelo estudo do sistema de conhecimento pessoal do design thinker de Martin (2009). Utiliza-se a metodologia etnográfica pela abordagem mista de Milies e Huberman (1994), para a realização da pesquisa de campo, que tem na sua essência a fusão da etnografia e da teoria enraizada, reforçando o perfil analítico e sintético do designer, como instrumento para aplicação dos procedimentos gerais da pesquisa de campo. Tem-se como resultado da tese o desenvolvimento de um Sistema de Integração do Conhecimento, baseado na observação dos conhecimentos, habilidades e atitudes utilizados pelos gestores das organizações colaborativas referenciais, ao inserirem a inovação e integrá-la, relacionando-os com os conhecimentos, habilidades e atitudes dos gestores de design apresentadas por Brown (2009); Mozota (2003); Martin (2009) e Cross (2007).

Link para download: Cleuza B. R. Fornasier

IGARASHI, Wagner. Aprendizagem organizacional: proposta de um modelo de avaliação. Tese, 2009.

As pesquisas que estão sendo desenvolvidas na área de aprendizagem organizacional, a partir dos anos 90, buscam gerar subsídios aos envolvidos com o tema. Estes subsídios podem enfocar tanto a identificação dos elementos que devem ser observados ao se proceder a avaliação da aprendizagem organizacional, quanto os aspectos vinculados aos elementos que apoiem a estruturação de processos destinados à avaliação; bem como aspectos que têm relação com as ações geradas, a fim de se obter melhoria de desempenho. Nesse sentido, este estudo busca responder ao seguinte questionamento: como desenvolver um modelo de avaliação direcionado à aprendizagem organizacional, a partir de perspectivas teóricas, que permitam visualizar as possibilidades de melhoria de desempenho? Alinhado a este questionamento, este estudo tem como objetivo estruturar um modelo de avaliação direcionado à aprendizagem organizacional. Para o desenvolvimento do modelo foram utilizadas duas plataformas (teórica e empírica). Em relação aos resultados obtidos quanto à pesquisa teórica, no contexto nacional a partir da base SciELO e no contexto internacional a partir do Portal de Periódicos da Capes, considera-se que a pesquisa teórica gera subsídios ao estudo em relação à identificação das percepções sobre a aprendizagem organizacional; ao processo de avaliação e aos indicadores de desempenho. Ainda em relação às concepções teóricas foram analisados estudos que apresentam proposições direcionadas à aprendizagem organizacional. A análise teórica possibilitou identificar elementos que auxiliam na estruturação do modelo, dentre os quais se destacam: (a) a estratégia organizacional, (b) a cultura organizacional, (c) a infraestrutura organizacional, (d) os recursos humanos internos e (e) as relações externas. A partir destas percepções, foi estruturado um processo composto por três fases (Estruturação, Operacionalização e Gerenciamento do desempenho), as quais permitem passar aos resultados obtidos no segundo momento da pesquisa, vinculados aos aspectos empíricos. Para isso, o modelo de avaliação proposto neste estudo foi aplicado, a título de análise de viabilidade, em duas organizações. A partir das aplicações considera-se que um modelo, nos moldes propostos, possibilita a análise das estratégias adotadas no processo de gestão, em diversos níveis, ou seja, pode-se verificar o desempenho da organização, quer seja em nível local (indicadores), em níveis intermediários (percepções, ações estratégicas e preocupações macro), ou ainda em termos globais. A partir dos resultados obtidos com as aplicações realizadas, o modelo proposto demonstrou apoiar as organizações estudadas, por gerar compreensão dos elementos que podem alavancar a aprendizagem organizacional, por permitir que seja visualizado o perfil de desempenho e por possibilitar aos gestores planejar ações de gerenciamento.

Link para download:
Wagner Igarashi

SANTOS, Jane L. S. Processo de aprendizagem organizacional durante a implementação do planejamento estratégico na Universidade Federal de Alagoas. Dissertação, 2009.

Embora alguns estudos demonstrem a relação entre planejamento estratégico e aprendizagem organizacional, ainda percebe-se a falta de pesquisas empíricas que investiguem a existência (ou não) de processos de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico, principalmente em organizações públicas. Essa lacuna serve como motivadora para o desenvolvimento deste trabalho, que tem o objetivo de descrever e analisar se e como acontece o processo de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Para realizar este estudo, foi realizada uma pesquisa qualitativa por meio de estudo de caso na UFAL, na qual os dados foram coletados utilizando-se análise de documentos, entrevistas e observação nãoparticipante. A análise dos dados foi guiada pelo framework dos 4I (intuição, interpretação, integração e institucionalização) de aprendizagem organizacional, por meio do qual foi possível estudar tanto aspectos cognitivos como aspectos comportamentais, nos níveis de análise individual, grupal e organizacional. Os principais resultados revelam que ocorreram, durante a implementação do planejamento estratégico na UFAL, processos de assimilação e de utilização da aprendizagem organizacional, por meio dos (sub) processos de intuição, interpretação, integração e institucionalização da aprendizagem. Portanto, a utilização do framework dos 4I desenvolvido por Crossan, Lane e White (1999) foi adequada para investigar o processo de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico na UFAL. Assim, este trabalho contribui para preencher a lacuna da falta de estudos empíricos, além de criar oportunidades para futuras pesquisas sobre esta temática.

Link para download: Jane Lucia S. Santos