porno
beşiktaş escort mecidiyeköy escort aksaray escort bahçeşehir escort
Home » Page 5

SALM, Vanessa Marie. A Contribuição do Ciclo do Conhecimento para o Desenvolvimento das Redes de Coprodução dos Serviços Públicos em Meio Ambiente. Tese, 2020.

As constantes transformações pelas quais atravessa a sociedade demandam soluções de problemas e prestação de serviços que, cada vez mais, exigem o envolvimento e a participação de diversos agentes da sociedade, entre os quais se alinham as organizações sociais ou comunitárias. Essa nova realidade requer estratégias de produção diferenciadas das convencionais; entre essas estratégias está a coprodução dos serviços, constituída por uma rede da qual participam diversos agentes da sociedade. Os participantes dessa rede coproduzem serviços, orientados pelo interesse público, em benefício de parte ou do conjunto da sociedade. Na constituição e no desenvolvimento dessa rede se faz presente um conhecimento muito próprio sobre essa nova realidade que demanda estratégias específicas para a sua gestão. Existe, portanto, um elo grande entre o ciclo do conhecimento e a coprodução, devendo-se levar em conta, também, o papel do capital social como meio para alavancar a criação e o desenvolvimento dessa rede. Assim, é correto afirmar que o ciclo do conhecimento perpassa todo o desenvolvimento da rede de coprodução dos serviços, contudo não há estudos conclusivos de como o ciclo conhecimento favorece o desenvolvimento da rede de coprodução dos serviços públicos. Esta tese aborda essa questão, sob as percepções dos líderes das organizações sociais ou comunitárias da área ambiental, e leva em conta a contribuição do capital social na formação das redes de coprodução. Essa questão tornou necessário que nesta tese se utilizasse o método qualitativo, e que seus fins/objetivos fossem descritivos e explicativos, e que a sua natureza fosse aplicada. Trata-se de um estudo multicaso em que o objeto são as redes de coprodução, constituídas pelas organizações sociais ou comunitárias na área do meio ambiente; a abrangência é a Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí -AMFRI. Quanto à coleta de dados, ela foi realizada mediante a investigação dos documentos da pesquisa Capital Social e Governança Pública. Também, foi realizada uma pesquisa de campo, por meio de entrevistas semiestruturadas, realizada junto aos líderes das redes de coprodução da área ambiental. Os resultados dessas entrevistas foram apresentados nos estudos de caso e analisados por meio da análise de conteúdo. Mediante os resultados desta análise, pode-se constatar que, de fato, existe um forte elo entre o processo de desenvolvimento da rede de coprodução e o ciclo do conhecimento, contribuindo este último, para que os objetivos das etapas neste processo possam ser alcançados. Para tanto, as atividades que compõem este ciclo contribuem para que o conhecimento seja identificado e mapeado e permite, também, que ocorra a criação e a consolidação de laços entre membros da rede e por consequência a disseminação de normas, valores e objetivos entre seus integrantes e a comunidade. Essas atividades, também, favorecem a resolução de problemas e uma maior sensibilização e conscientização ambiental da comunidade.

Palavras-chave: Coprodução. Redes de Coprodução. Gestão do Conhecimento. Ciclo do Conhecimento. Capital Social.

Link para download: Vanessa Marie Salm.

KAUTNICK, Alyne Madeira. O Empreendedorismo Inovador sob uma Perspectiva de Gênero. Dissertação, 2020.

Esta dissertação tem como objetivo compreender os desafios do empreendedorismo inovador sob uma perspectiva de gênero, usando como base o contexto do grupo Mulheres Acate, composto de 40 mulheres empreendedoras em tecnologia. Usa-se os seguintes procedimentos metodológicos: i) revisão integrativa de literatura, para mapeamento de desafios e estudos acerca do tema; ii) observação participante, para permitir à pesquisadora mais contato com a realidade do objeto de estudo; iii) questionário, para caracterizar o perfil do grupo e seus desafios; e iv) entrevista estruturada, para descrever as estratégias usadas para ultrapassá-los. O resultado indica sete desafios principais, conforme a literatura: i) o acesso a recursos financeiros é limitado; ii) o ambiente é hostil para as mulheres; iii) existe dificuldade para fazer networking; iv) existe pressão social para manter equilíbrio entre trabalho e família; v) existe poucos modelos femininos; vi) existe falta de confiança em si mesma; e vii) o acesso à educação é limitado. Todavia, o grupo pesquisado apresenta algumas discordâncias quanto aos desafios mapeados, considerando que a pressão social para manter equilíbrio entre trabalho e família é o desafio mais crítico e dificuldade para fazer networking é o desafio menos crítico; o grupo também apresenta um grau elevado de escolaridade, visto que 62,8% tem pós-graduação. Estratégias usadas para superar os desafios incluem o uso de recursos financeiros próprios e participação em competições, associativismo e participação em eventos como facilitadores para o networking, divisão de tempo específico para trabalho e família e conscientização quanto às situações de preconceito.

Palavras-chave: Empreendedorismo. Empreendedorismo Inovador. Tecnologia. Gênero.

Link para download: Alyne Madeira Kautnick.

CAMPOS, João Geraldo Cardoso. Modelo para o Compartilhamento do Conhecimento em Coworking Spaces. Tese, 2020.

Esta pesquisa tem por objetivo propor um modelo para o compartilhamento do conhecimento a gestores de coworking spaces, caracterizando-se como uma pesquisa qualitativa, funcionalista, tratando o conhecimento de forma conexionista. A pesquisa bibliográfica e/ou documental foi composta pelos temas: compartilhamento do conhecimento; transformação dos ambientes e do mundo do trabalho; e coworking spaces; e, possibilitou a elaboração de um modelo preliminar. Já a pesquisa de campo foi realizada com gestores de coworking spaces brasileiros em 2019, por meio de entrevistas para identificar estratégias e ações de compartilhamento do conhecimento. Desenvolveu-se um modelo para o compartilhamento do conhecimento, sendo aplicado no Connect Coworking. Após a aplicação reuniu-se um grupo de especialistas para o processo de verificação, contribuindo assim para a elaboração do modelo final, com 6 elementos, sendo: ecossistema, coworking spaces e gestores; atores; estratégias, oportunidades e barreiras para compartilhamento do conhecimento; ciclos de compartilhamento do conhecimento; e, serendipity knowledge, que apresentam o fluxo de interações e estratégias para o compartilhamento do conhecimento. Para auxiliar os gestores na aplicação do modelo proposto foram criados 9 direcionadores que contribuem para o desenvolvimento da gestão do conhecimento. As considerações finais apresentam os resultados a partir dos objetivos específicos e sugerem novos estudos sobre o tema.

Palavras-chave: Compartilhamento do Conhecimento. Coworking Spaces: Modelo.

Link para download: João Geraldo Cardoso Campos.

SCANDOLARA, Daniel Henrique. Ícones em língua de Sinais como Referência na Linguagem Visual em Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAS). Dissertação, 2020.

Partindo da complexidade que a língua oral impõe às pessoas surdas ao acesso de conteúdos de cursos e a navegação em Ambientes Virtuais de Ensino e Aprendizagem (AVEAs), observou-se, com base em uma revisão integrativa da literatura, que não havia, até o momento, a utilização de ícones em língua de sinais no Moodle com a finalidade de proporcionar acessibilidade e acesso a recursos para uma educação inclusiva. Com isso, o objetivo desse trabalho foi auxiliar na criação de um artefato com ícones em língua brasileira de sinais aliados ao texto escrito para favorecer o acesso de pessoas surdas a cursos e recursos presentes em um ambiente virtual de ensino e aprendizagem. Elegeu-se como metodologia a pesquisa qualitativa de natureza tecnológica. Com os resultados das buscas nas bases e com o acréscimo de trabalhos pertinentes relacionados, foi viável fundamentar a teoria, em que se relacionaram temas e pesquisas das áreas de ambientes virtuais de ensino e aprendizagem acessíveis, práticas de visualidade por meio da língua de sinais e tecnologias assistivas. Com isso, os ícones foram desenhados e criados com o auxílio de profissionais do Instituto Federal de Santa Catarina – Campus Palhoça Bilíngue, sendo, em seguida, incorporados ao artefato e avaliados por professores e alunos surdos voluntários. Para validação do objeto proposto ao público surdo, a coleta de dados deu-se a partir de uma entrevista semiestruturada e com a realização de cinco tarefas durante a apresentação do artefato. Ocorreu nesta etapa a observação do sujeito surdo na utilização do AVEA e foi realizado o registro em vídeo. A conclusão possibilitou a implementação dos ícones em língua de sinais aliados ao português na modalidade escrita em um AVEA, além da validação por alunos e professores surdos, mostrando-se uma ferramenta eficiente e acessível. Utilizar a imagem e o texto em uma única perspectiva constrói-se uma teoria bilíngue que colabora para que os usuários de um AVEA possam entender melhor a estrutura e organização da informação do mesmo. A pesquisa realizada permitiu apontar áreas para trabalhos futuros no que tange outras barreiras comunicacionais que os surdos encontram em AVEAs.

Palavras-chave: Acessibilidade digital. Surdo. Letramento visual. Tecnologia educacional. Ambiente virtual de aprendizagem.

Link para Download: Daniel Henrique Scandolara

AMARAL, Melissa Ribeiro do. Empoderamento da Mulher Empreendedora: Uma Abordagem Visando o Enfrentamento de Barreiras. Dissertação, 2020.

A literatura evidencia que as conquistas obtidas pelas mulheres não são capazes de promover a equidade entre os gêneros. No âmbito do empreendedorismo, a mulher empreendedora enfrenta, além dos obstáculos que fazem parte da vida de um empreendedor, barreiras invisíveis em função do gênero. O objetivo dessa dissertação consiste em compreender o empoderamento da mulher como contribuição ao enfrentamento das barreiras que dificultam o empreendedorismo. Para que o objetivo proposto fosse atingido, a pesquisa foi conduzida por uma abordagem qualitativa, de cunho exploratório e descritiva. Os dados foram coletados por meio de enquete e questionário de competência empreendedora, com duas perguntas descritivas que permitiram a melhor seleção das entrevistadas. Foi feita a análise temática da entrevista semiestruturada com foco em incidentes críticos, aplicada em vinte empreendedoras de cinco cidades de Santa Catarina. Os resultados desta pesquisa identificaram que as barreiras do preconceito, da discriminação, do teto de vidro e da falta de empoderamento, autoconhecimento e autoconfiança permeiam as barreiras da dupla jornada ou conflito trabalho-família, barreiras socioculturais e a obstrução masculina. Também foi possível identificar que as mulheres empreendedoras conquistam o espaço no âmbito do empreendedorismo a custa de mais esforço e dedicação que seus pares masculinos. Para se inserirem nesse ambiente, elas têm atitude e lançam mão de características femininas como a calma, paciência e persistência, marcam posição, mostram competência, adquirem autoconfiança e enfrentam suas barreiras internas. Nesse sentido, o empoderamento da mulher aparece como um caminho a ser trilhado pelas empreendedoras no enfrentamento das barreiras ao empreendedorismo.

Palavras-chave: Empoderamento da mulher. Mulher empreendedora. Barreiras ao empreendedorismo.

Link para download: Melissa Ribeiro do Amaral

WILBERT, Julieta Kaoru Watanabe. Aprendizagem de uma rede global transnacional à luz da aprendizagem multinível: estudo de caso no setor postal internacional. Tese, 2019.

A aprendizagem transforma o aprendiz. Assim como organizações podem aprender, uma rede interorganizacional também pode se transformar ao vivenciar um processo de aprendizagem. É sobre esse processo que trata esta tese. O construto que revela o processo de aprendizagem de uma rede denomina-se network learning – que nesta pesquisa se traduziu por “aprendizagem da rede” (ADR). Uma revisão integrativa realizada revelou que estudos sobre ADR são escassos e pouco se sabe como o processo de aprendizagem de uma rede ocorre. Assim, o objetivo da presente tese é compreender como ocorre o processo de aprendizagem de uma rede (ADR) composta por organizações de diferentes países. O fenômeno foi investigado sob as lentes teóricas da aprendizagem multinível. A estratégia empregada foi um estudo de caso na rede EMS, pertencente ao setor postal internacional, na qual foi possível identificar a ocorrência de ADR. Os dados foram coletados por meio de entrevistas e consulta a documentos, e submetidos à análise temática. Os resultados mostraram que o processo de aprendizagem da rede EMS (ADR-EMS) apresentou quatro dinâmicas e oito subprocessos, que geraram as transformações da rede evidenciando o seu aprendizado. O fenômeno da ADR pode ser influenciado por características da própria rede, por fatores ambientais, relacionais, organizacionais e por indivíduos que representam suas organizações na rede. A existência de uma unidade de coordenação para gestão executiva e operacional do processo de ADR-EMS mostrou-se essencial para seu processo de aprendizagem. A ADR-EMS evidenciou que é possível uma rede aprender, mesmo com uma dimensão de mais de uma centena de membros, de nacionalidades diversas, com diferentes realidades em matéria de nível de desenvolvimento. A tese contribui com a academia ao lhe acrescentar uma pesquisa sobre uma temática ainda recente e propor novas investigações sobre o construto. O trabalho contribui igualmente com o campo da gestão corporativa, ao fornecer elementos que poderão auxiliar no suporte de gestão de redes interorganizacionais que visam a transformações estratégicas de um setor de atuação.

Palavras-chave: Aprendizagem da rede. Aprendizagem interorganizacional. Aprendizagem multinível. Redes interorganizacionais. Setor postal. Transformações estratégicas.

Link para download: Julieta Kaoru Watanabe Wilbert

BATISTA, Alessandra Duarte. Sistemática para Adoção de Observatórios Tecnológicos de Conhecimento como Práticas de Gestão do Conhecimento Organizacional. Dissertação, 2019.

Observatórios de conhecimento, na forma tecnológica, são instrumentos de apoio ao planejamento e à gestão em diversos domínios de atividade socioeconômica. Este estudo tem como objetivo estabelecer uma sistemática para a adoção de Observatórios Tecnológicos de Conhecimento (OTCs) como prática de Gestão do Conhecimento Organizacional (GCO). A partir da compreensão do contexto organizacional, propõe-se uma sistemática de apoio à definição e implantação de OTCs em ambientes de inovação. Reconhecendo a falta de consenso na literatura para o conceito de “Observatórios”, este trabalho partiu da caracterização desses instrumentos e da identificação e classificação de seus benefícios no apoio em processos de tomada de decisão estratégicos a uma organização, em diferentes áreas de geração de valor. Entre esses, um dos mais relevantes é o apoio à gestão organizacional, principal protagonista na geração de valor baseado em conhecimentos. Neste trabalho, OTCs são compreendidos como instrumentos tecnológicos de apoio à criação e gestão de competências em redes de indivíduos, grupos, organizações ou regiões, em diferentes domínios socioeconômicos. A partir da aplicação da Metodologia CommonKADS, modelo da organização e do método Design Science Research (DSR), foi desenvolvida e aplicada uma sistemática para desenvolvimento de OTCs. A sistemática foi aplicada em um Projeto de Referência no setor de energia. Como resultados, obteve-se o apoio às etapas de concepção, especificação, desenvolvimento e implantação do Observatório, com inclusão de atributos que o potencializam a se transformar em prática de gestão do conhecimento na organização.

Palavras-chave: Conhecimento. Construção do conhecimento. Observatório. Observatórios de conhecimento tecnológicos. Coprodução.

Link para Download: Alessandra Duarte Batista

LUMINI, Milena. A Produção de Conhecimento sobre Sustentabilidade e o Incentivo ao Comportamento Pró-ambiental: um Estudo em blogs sobre Lixo Zero. Dissertação, 2019.

Esta pesquisa investiga como ocorre a produção de conhecimento sobre sustentabilidade em blogs e o seu incentivo ao comportamento pró-ambiental. O estudo se insere no contexto da necessidade de mudanças comportamentais dos indivíduos e da sociedade para se atingir um futuro sustentável. Mudança de comportamento requer novos conhecimentos, valores, atitudes e normas que podem ser conquistados a partir de novas informações. Nesse sentido, a pesquisa tem como objetivo analisar se blogs com a temática Lixo Zero apresentam informações capazes de produzir o conhecimento necessário para a adoção de comportamentos pró-ambientais.  A gestão dos resíduos é um dos principais desafios à sustentabilidade e o conceito de Lixo Zero é colocado como uma forma de resolver este problema. A pesquisa utiliza o método da análise de conteúdo, com a técnica da análise categorial temática. O objeto de pesquisa é o conjunto de 32 postagens de quatro blogs. A análise é baseada na literatura sobre os domínios do conhecimento, que afirma haver maior probabilidade de influenciar um comportamento pró-ambiental quando quatro tipos de conhecimento (declarativo, processual, de efetividade e social) são abordados de maneira conjunta e convergente, com ênfase para os conhecimentos de efetividade e social.  Os resultados encontrados demonstram que embora os blogs apresentem todos os domínios do conhecimento, eles não aparecem maneira convergente. Em todos os blogs, pelo menos um dos posts deixou de apresentar um dos domínios. Além disso, identificou-se uma predominância do domínio do conhecimento processual, referente às informações sobre processos e como agir, em todos os blogs, com destaque para a ação individual. Embora isso seja considerado um avanço da comunicação sobre sustentabilidade, os conhecimentos mais relevantes para influenciar o comportamento (de efetividade e o social) foram os menos abordados. Assim, conclui-se que há espaço para aprimorar a comunicação sobre sustentabilidade a partir da exploração do conhecimento de efetividade e social. Entende-se que esses domínios são mais difíceis de se comunicar, seja por serem menos óbvios para o cidadão comum ou por envolverem noções que não são facilmente explicitadas. Ressalta-se, ainda, a necessidade de incentivar comportamentos que tragam mudanças sistêmicas, como a exigência de regulamentações em favor da sustentabilidade.

Palavras-chave: Domínio do conhecimento. Sustentabilidade. Blogs. Comportamento Pró-Ambiental. Lixo Zero. 

Link para Download: Milena Lumini

SOMBRIO, Graziela de Souza. O Cego e a Geometria Plana: um Desafio Piagetiano. Tese, 2019.

A inclusão de pessoas com deficiência na escola regular é garantida pela lei brasileira (Lei 13.146 de 2015). Para que a inclusão aconteça de forma efetiva, é necessário construir estratégias que, além de auxiliar no processo de aprendizagem, mantenha o aluno motivado. No caso específico dos cegos, a aprendizagem de geometria plana é prejudicada pelo fato de que figuras geométricas são utilizadas com frequência para facilitar a compreensão dos conceitos. Surge então a questão de pesquisa: como os professores podem facilitar a construção do conhecimento geométrico pelos alunos cegos, fundamentados na teoria de Piaget, utilizando as diretrizes de acessibilidade de Macedo e a gamificação como estratégia motivacional? Para responder a essa questão, é preciso considerar que as tecnologias, de forma geral, estão cada vez mais frequentes na vida das pessoas e, como consequência, são trazidas para dentro das escolas. Como tendência tecnológica para a educação tem-se a gamificação, cuja utilização tem como principal objetivo manter a motivação de quem a utiliza. A teoria construtivista de Piaget, as diretrizes de acessibilidade de Macedo e o conceito de gamificação são os aportes teóricos utilizados na construção de orientações para que os professores possam facilitar a construção do conhecimento geométrico pelos cegos. Esta é uma pesquisa aplicada e é conduzida pelas seis etapas do Design Science Research (identificação do problema, definição dos resultados esperados, projeto e desenvolvimento, demonstração e avaliação). A partir das avaliações do artefato por especialistas, tem-se como resultado, a apresentação de orientações para que professores possam auxiliar os cegos na construção o conhecimento geométrico.

Palavras-chave: Geometria plana. Cegos. Gamificação. Artefato. Inclusão.

Link para Download: Graziela de Souza Sombrio

OMAR, Omar. Gestão orçamentária corporativa: uma proposta de modelo de gestão orientado ao conhecimento. Tese, 2019.

A elaboração do orçamento em organizações que contam com diversos centros de receita e de custos constitui uma tarefa complexa que requer planejamento, negociação, projeções e simulações e, não menos importante, confiança. A relação entre os centros de custos e o comitê de gestão orçamentária é caracterizada por uma assimetria da informação e de conhecimento que cria desafios à tarefa coletiva de elaboração e execução do orçamento corporativo, que envolve a criação e compartilhamento de conhecimento a nível organizacional. A teoria da agência discorre sobre os riscos inerentes aos relacionamentos entre principal e agente, uma vez que são caracterizados por uma assimetria da informação entre as partes, e opacidade e incompletude em termos de conhecimento. A teoria da agência foi empregada como base teórica para descrever os relacionamentos entre os centros de custo e receita e o comitê de gestão orçamentária no contexto de organizações corporativas privadas. Estudos da literatura revelaram que o conhecimento passa ao largo das propostas de solução do problema de assimetria da informação decorrente dos processos de gestão orçamentária. A pesquisa é aplicada, qualitativa, exploratória e descritiva, além de contar com um estudo de caso. Através de buscas sistemáticas na literatura; e de coleta de dados na empresa objeto do estudo de caso pôde-se enumerar e descrever os principais aspectos e desafios oriundos da assimetria da informação nos processos de gestão orçamentária. A partir de uma caracterização da assimetria da teoria da agência como uma assimetria de conhecimento, a design Science Research e a metodologia CommonKADS foram empregados para construir um modelo de gestão orientado ao conhecimento de modo a reduzir a assimetria no domínio de pesquisa, o que constitui o principal objetivo deste trabalho. O modelo de gestão é composto por sistemas de conhecimento e uma reorganização dos processos de gestão orçamentária com diretrizes e orientações voltadas ao conhecimento; e foi aplicado na empresa estudo de caso. Dentre os resultados da pesquisa, o modelo pode servir de base para reorientação dos processos de gestão orçamentária em empresas corporativas. A extensão da teoria da agência, caracterizando a assimetria como de conhecimento através da proposição de uma epistemologia voltada ao conhecimento, por sua vez, revigora a própria teoria da agência e cria possibilidades de pesquisa futura que empreguem o ferramental da engenharia e gestão do conhecimento para resolver os problemas de agência em distintos contextos.  Além disso, observou-se que o emprego do conhecimento e das ferramentas de engenharia e gestão do conhecimento contribuem significativamente para redução da assimetria de informação e conhecimento no domínio de gestão orçamentária, resultando em processos de elaboração e execução de orçamentos corporativos mais assertivos e otimizados em termos de produção, alocação e utilização de recursos.

Palavras-chave: Gestão do conhecimento. Engenharia do conhecimento. Conhecimento. Gestão orçamentária. Orçamento. Assimetria da informação. Teoria da agência. Budget slack.

Link para Download: Omar Omar