Home » Page 46

SANTOS, Jane L. S. Processo de aprendizagem organizacional durante a implementação do planejamento estratégico na Universidade Federal de Alagoas. Dissertação, 2009.

Embora alguns estudos demonstrem a relação entre planejamento estratégico e aprendizagem organizacional, ainda percebe-se a falta de pesquisas empíricas que investiguem a existência (ou não) de processos de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico, principalmente em organizações públicas. Essa lacuna serve como motivadora para o desenvolvimento deste trabalho, que tem o objetivo de descrever e analisar se e como acontece o processo de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Para realizar este estudo, foi realizada uma pesquisa qualitativa por meio de estudo de caso na UFAL, na qual os dados foram coletados utilizando-se análise de documentos, entrevistas e observação nãoparticipante. A análise dos dados foi guiada pelo framework dos 4I (intuição, interpretação, integração e institucionalização) de aprendizagem organizacional, por meio do qual foi possível estudar tanto aspectos cognitivos como aspectos comportamentais, nos níveis de análise individual, grupal e organizacional. Os principais resultados revelam que ocorreram, durante a implementação do planejamento estratégico na UFAL, processos de assimilação e de utilização da aprendizagem organizacional, por meio dos (sub) processos de intuição, interpretação, integração e institucionalização da aprendizagem. Portanto, a utilização do framework dos 4I desenvolvido por Crossan, Lane e White (1999) foi adequada para investigar o processo de aprendizagem organizacional na fase de implementação do planejamento estratégico na UFAL. Assim, este trabalho contribui para preencher a lacuna da falta de estudos empíricos, além de criar oportunidades para futuras pesquisas sobre esta temática.

Link para download: Jane Lucia S. Santos

KRAMES, Michel. Recomendações de Acessibilidade e Usabilidade para Ambientes Virtuais de Aprendizagem Voltados para o Usuário Idoso. Dissertação, 2009.

Os idosos, na grande maioria, apresentam declínios de ordem cognitiva, sensorial e física que decorrem da idade. Apesar de nem sempre serem considerados deficientes, estes declínios podem afetar a interação destes com as tecnologias de informação e comunicação, incluindo-se nestas, os Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Esta dissertação apresenta a análise da interface de um AVA baseado no sistema MOODLE através da observação do usuário e grupo focal composto por usuários idosos. Recomendações de acessibilidade e usabilidade que facilitam a utilização dos idosos no Ambiente Virtual de Aprendizagem, tornando-os acessíveis e de fácil uso, foram traçadas a partir desta pesquisa. A intenção destas recomendações é aumentar a facilidade de acesso e uso dos AVA’s por idosos com declínios psicológicos e fisiológicos ditos normais decorrentes da idade, e conseqüentemente, gerar uma procura de cursos a distância mediados por esta tecnologia, possibilitando uma interação entre os idosos e o acesso a novos conhecimentos.

Link para download: Michel Krames

SCHONS, Claudine. Validação de critérios para material didático assíncrono em Educação a Distância. Dissertação, 2009.

A pesquisa busca aplicar uma ferramenta para testar sua funcionalidade e validade nos materiais didáticos assíncronos na EAD. Apresenta como objetivo identificar e agrupar critérios de qualidade nos materiais didáticos assíncronos. Procura também identificar os critérios de qualidade utilizados por organizações nacionais e internacionais. Como metodologia utiliza-se pesquisa bibliográfica e documental para compor a revisão de literatura e  abordagem quantitativa para criação da ferramenta LVCEAD com base em 23 critérios de conteúdo, 19 critérios de linguagem e 22 critérios de estética. Apresenta também abordagem qualitativa para verificação da conformidade nos materiais didáticos assíncronos em 5 Cursos de Licenciatura, Bacharelado e Extensão na modalidade a distância, sendo 2 online de uma Instituição Européia e com acesso livre e 3 impressos de uma IFES com 342 horas de duração das disciplinas. Os resultados da aplicação indicaram que os Cursos apresentaram 70% de conformidade nos critérios de linguagem, destacando a necessidade de uma linguagem clara, pessoal, simples, dialógica e direta para elaboração de um material assíncrono estimulante. Em relação aos critérios de estética os Cursos apresentaram 70% de conformidade, ressaltando a importância de uma boa aparência nas unidades em termos de formato, tamanho das letras, tipologia, fundos e capa da unidade. E no que tange o conteúdo constatou-se que, os Cursos apresentaram mais de 60% de conformidade, identificando que os materiais devem ser elaborados de forma que estimule os alunos a desempenhar um papel ativo em sua própria aprendizagem. Portanto, conclui-se que a ferramenta LVCEAD permite ganhos de tempo e de recursos na produção e elaboração dos materiais didáticos assíncronos em EAD.

Link para download: Claudine_Schons

JUNGE, Urbano Erich. Dificuldades na implantação do Balanced Scorecard e modelos mentais. Dissertação, 2009.

Esta pesquisa teve como objetivo geral estudar as implicações dos modelos mentais e sua possibilidade de alteração no grupo de trabalho Balanced Scorecard para que os problemas na implantação do método sejam minimizados. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre as dificuldades na aplicação do BSC. Foram visitadas organizações que atuam com o Balanced Scorecard para verificar, na região de Florianópolis, a incidência dessas dificuldades. Para a coleta de dados foram utilizados entrevistas, questionários e pesquisa bibliográfica. Trata-se de um estudo de natureza exploratória, que não busca estabelecer uma regra única, mas caminhos desenhados com a junção de conhecimentos da psicologia e as concretas dificuldades na implantação do Balanced Scorecard. Como base teórica de sustentação foi feito um estudo das metodologias de gestão de conhecimento e o detalhamento do BSC, sua implantação e dinâmica de grupos de trabalho para sua construção. Dentre muitas teorias pesquisadas, tais como Neuróbica, Inventario de Habilidades Sociais, Resiliência, Inteligência Multifocal, Pensamento Lateral, optou-se pelo aprofundamento dos princípios que regem os Modelos Mentais dos integrantes do grupo de trabalho BSC, sua possibilidade de alteração, para, a partir de técnicas e conhecimento do conteúdo, os problemas apontados possam ser minimizados, aumentando a eficácia do BSC. Como resultado deste trabalho apresentam-se propostas de interferências no grupo de pessoas que criará a mecânica do BSC, antes mesmo do inicio dos trabalhos, utilizando instrumentos da psicologia que visam melhorar a comunicação e o sentido das palavras no grupo, alterando os modelos mentais impeditivos ao bom andamento dos trabalhos, a fim de reduzir algumas dificuldades encontradas na pesquisa bibliográfica e verificadas em organizações através da pesquisa de campo.

Link para download: Urbano Erich Junge

CRUZ, Tércia Maria Ferreira da. A influência da mídia na percepção da violência: as comunicações e denúncias à Central de Emergência 190. Dissertação, 2009.

Apresenta-se por meio desta dissertação uma contextualização do papel da mídia na divulgação de notícias de crimes e violência, e a sua repercussão no sistema de Segurança Pública. Análise da possibilidade de interação entre a Mídia, Segurança Pública e Sociedade. Aplicação da teoria do agendamento (agenda-setting), que a partir das notícias veiculadas, influencia as pessoas a se engajar na resolução dos problemas relacionados com a criminalidade e a violência. A investigação de uma amostra do referencial empírico do banco de dados da Central de Emergência 190 da Polícia Militar, abrangendo os municípios de Biguaçu, Florianópolis, Palhoça e São José, no estado de Santa Catarina, permitiu constatar que os telejornais, ao apresentarem notícias de crime e violência influenciam as pessoas na percepção da violência, motivando-as a denunciarem ou comunicarem fatos que tenham conhecimento, e que foram objetos de veiculação na mídia.

Link para download: Tercia M. F. da Cruz

CASTILHO, Carlos A. V. O Processo Colaborativo na Produção de Informações: Gênese, Sistemas e Possíveis aplicações no Jornalismo Comunitário. Dissertação, 2009.

Esta dissertação de mestrado procura mostrar, com base na pesquisa bibliográfica e no monitoramento fenomenológico, a importância crescente da produção colaborativa de conteúdos em comunidades sociais como instrumento para suprir o déficit informativo local e hiper-local, provocado pela crise no modelo de negócios da imprensa mundial.

Link para download: Carlos Albano V. Castilho

BEZERRA, Wesley dos Reis. Compartilhamento do Conhecimento em Processos Produtivos com Terceirização em TI. Dissertação, 2007.

Este documento trata da terceirização sobre o ponto de vista da gestão do conhecimento, envolvendo os aspectos da criação, disseminação e compartilhamento de conhecimento. A pesquisa teve como objetivo conhecer em algumas empresas em Florianópolis, Santa Catarina em empresas que trabalham com tecnologia da informação, para conhecimento dos problemas enfrentados durante a terceirização. Após a entrevista foi proposta um ferramenta na qual é possível captar conhecimento de maneira rastreável, versionada e de fácil acesso. Esta visa permitir um fácil compartilhamento e disseminação do conhecimento entre os envolvidos no processo de terceirização.

Link para download: Wesley dos R. Bezerra

WEINZIERL, Greici. Comissão de Humanização – Dificuldades e Barreiras Quanto a Adequação à Política Nacional de Humanização do SUS. Dissertação, 2009.

Este estudo tem como objetivo principal identificar as dificuldades e barreiras da Comissão de Humanização quanto a adequação à Política Nacional de Humanização do SUS. A pesquisa foi desenvolvida no Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina sob gestão do Governo Federal, situada no Município de Florianópolis-SC. A Comissão de Humanização do HU foi escolhida como amostra para realização da pesquisa por ser a protagonista da PNH estando diretamente envolvida com o tema e, também, ser a representante oficial perante o Ministério da Saúde e Governo Federal para a disseminação da Política Nacional de Humanização – PNH no referido hospital. O grupo tem registrado em portaria oficialmente 8 (oito) membros. De acordo com a Política Nacional de Humanização, entende-se por “humanização” a valorização dos diferentes sujeitos implicados no processo de produção de saúde: usuários, trabalhadores e gestores. Como estratégia de mudanças, a humanização orienta-se por três princípios: a transversalidade; a estreita vinculação entre a atenção e a gestão em saúde; e a autonomia e protagonismo dos sujeitos nos processos de trabalho.A pesquisa foi desenvolvida na forma de estudo de caso, e adotou como técnica para a coleta dos dados a análise documental, observação participante e realização de entrevista aberta com o grupo da Comissão de Humanização. Sendo utilizado o método hermenêutico para a interpretação dos resultados. A análise dos dados revelou a existência de muitas dificuldades e barreiras a serem transpostas para a institucionalização da política. Entre estes, foram apontados pelos entrevistados: a fragilidade da política de humanização e a própria cultura organizacional instituída. As dificuldades e barreiras ainda fazem com que a implementação integral da PNH seja lenta, porém, existe boa vontade da nova gestão da Comissão de Humanização em resgatar valores esquecidos na instituição e também dar continuidade ao processo de disseminação da política a fim de tornar o HU um exemplo de humanização. O SUS ainda está incompleto, falta implantar atividades que melhorem o sistema e dentre elas muitas ações humanizadoras que ainda não estão em execução nos hospitais públicos. O SUS é um sistema que abrange a todos os Estados do Brasil, e existem diferenças culturais e sociais significativas entre um Estado e outro, principalmente em relação aos recursos disponibilizados para cada região, dificultando a integralidade e universalidade deste sistema. Pela complexidade do SUS também é muito difícil conseguir a implantação de todas as diretrizes da PNH. A equipe de referência disseminadora das ações de humanização precisa ser de alto nível e conhecer bem a legislação, como os direitos e deveres do usuários, estrutura do SUS e a PNH. A humanização não deve ser encarada apenas como um diferencial às organizações de saúde, mas sim como uma necessidade de união de todas as pessoas a fim de atingir o bem estar de todos os envolvidos.

Link para download: Greici Weinzierl

REMOR, Lourdes de Costa. Auditoria de conhecimento em saúde. Tese, 2009.

Esta pesquisa apresenta uma proposta de utilização do relatório de auditoria no apoio à gestão. O propósito é que esteja construído para a tomada de decisão o que requer embasamento e critérios. Essas duas sustentações podem ser pensadas como agregação de valor. Os serviços, no setor de saúde, objeto da auditoria, estão estabelecidos imprecisamente no que concerne ao seu conceito e características. É dado destaque ao método da pesquisa, baseado, por um lado na hermenêutica de Habermas e Thompson e, por outro, em alguns princípios da psicanálise, que coincidam com a função de escuta e interpretação do auditor. Descreve a auditoria do Sistema Único de Saúde do Brasil, apresentando resultados generalizáveis para auditorias de serviços em geral. Contextualiza a auditoria na perspectiva da gestão de serviços de saúde e não da assistência. A partir das características, envolvidas pelo conceito de serviço e das peculiaridades da auditoria, conclui-se que a auditoria não pode ser padronizada, considerando que o seu principal objeto (serviço) também não o é.

Link para dowload: Lourdes de Costa Remor

VALENTIM, Celso S. Modelagem de Conhecimento Estratégico nos Processos de Negócio: Proposta de um Modelo Suportado pela Metodologia CommonKADS. Dissertação, 2008.

Resumo:
Os processos de negócio abrigam conhecimento em diversos formatos e níveis de importância. Esse conhecimento necessita ser mapeado de acordo com as diretrizes estratégicas da organização. Desta forma, este estudo pretende resolver, através da Engenharia do Conhecimento, o seguinte problema: Como modelar o conhecimento estratégico presente nos processos de negócio? O objetivo geral é propor um modelo organizacional que permita priorizar o conhecimento estratégico presente nos processos de negócio, representando-o de forma a obter diretrizes que orientem os software a suportar a gestão do conhecimento, ampliando a performance organizacional. Os objetivos específicos são: identificar e definir critérios para determinar o que é conhecimento estratégico nos processos de negócio; alinhar a visão estratégica à formalização do conhecimento estratégico presente nos processos de negócio; estabelecer indicadores para a avaliação da aderência da modelagem do conhecimento estratégico com os sistemas de apoio às práticas de GC; estabelecer a aplicação da metodologia CommonKADS para verificação do modelo proposto. Este estudo classificasse como uma pesquisa exploratória, com a aplicação do modelo criado através de estudos de caso nas empresas Docol Metais Sanitários e Claris Portas e Janelas. Como resultados alcançados têm-se a formulação de um modelo com orientação estratégica, estruturado para modelagem de conhecimento nos processos de negócio; a aplicação do modelo através de estudo de caso e a contribuição para o desenvolvimento de propostas de modelos que   auxiliem as organizações a sustentar suas estratégias de Gestão do Conhecimento através de técnicas de Engenharia do Conhecimento.

Link para download: Celso Salazar Valentim