porno
beşiktaş escort mecidiyeköy escort aksaray escort bahçeşehir escort
Home » Page 4

SOMBRIO, Graziela de Souza. O Cego e a Geometria Plana: um Desafio Piagetiano. Tese, 2019.

A inclusão de pessoas com deficiência na escola regular é garantida pela lei brasileira (Lei 13.146 de 2015). Para que a inclusão aconteça de forma efetiva, é necessário construir estratégias que, além de auxiliar no processo de aprendizagem, mantenha o aluno motivado. No caso específico dos cegos, a aprendizagem de geometria plana é prejudicada pelo fato de que figuras geométricas são utilizadas com frequência para facilitar a compreensão dos conceitos. Surge então a questão de pesquisa: como os professores podem facilitar a construção do conhecimento geométrico pelos alunos cegos, fundamentados na teoria de Piaget, utilizando as diretrizes de acessibilidade de Macedo e a gamificação como estratégia motivacional? Para responder a essa questão, é preciso considerar que as tecnologias, de forma geral, estão cada vez mais frequentes na vida das pessoas e, como consequência, são trazidas para dentro das escolas. Como tendência tecnológica para a educação tem-se a gamificação, cuja utilização tem como principal objetivo manter a motivação de quem a utiliza. A teoria construtivista de Piaget, as diretrizes de acessibilidade de Macedo e o conceito de gamificação são os aportes teóricos utilizados na construção de orientações para que os professores possam facilitar a construção do conhecimento geométrico pelos cegos. Esta é uma pesquisa aplicada e é conduzida pelas seis etapas do Design Science Research (identificação do problema, definição dos resultados esperados, projeto e desenvolvimento, demonstração e avaliação). A partir das avaliações do artefato por especialistas, tem-se como resultado, a apresentação de orientações para que professores possam auxiliar os cegos na construção o conhecimento geométrico.

Palavras-chave: Geometria plana. Cegos. Gamificação. Artefato. Inclusão.

Link para Download: Graziela de Souza Sombrio

OMAR, Omar. Gestão orçamentária corporativa: uma proposta de modelo de gestão orientado ao conhecimento. Tese, 2019.

A elaboração do orçamento em organizações que contam com diversos centros de receita e de custos constitui uma tarefa complexa que requer planejamento, negociação, projeções e simulações e, não menos importante, confiança. A relação entre os centros de custos e o comitê de gestão orçamentária é caracterizada por uma assimetria da informação e de conhecimento que cria desafios à tarefa coletiva de elaboração e execução do orçamento corporativo, que envolve a criação e compartilhamento de conhecimento a nível organizacional. A teoria da agência discorre sobre os riscos inerentes aos relacionamentos entre principal e agente, uma vez que são caracterizados por uma assimetria da informação entre as partes, e opacidade e incompletude em termos de conhecimento. A teoria da agência foi empregada como base teórica para descrever os relacionamentos entre os centros de custo e receita e o comitê de gestão orçamentária no contexto de organizações corporativas privadas. Estudos da literatura revelaram que o conhecimento passa ao largo das propostas de solução do problema de assimetria da informação decorrente dos processos de gestão orçamentária. A pesquisa é aplicada, qualitativa, exploratória e descritiva, além de contar com um estudo de caso. Através de buscas sistemáticas na literatura; e de coleta de dados na empresa objeto do estudo de caso pôde-se enumerar e descrever os principais aspectos e desafios oriundos da assimetria da informação nos processos de gestão orçamentária. A partir de uma caracterização da assimetria da teoria da agência como uma assimetria de conhecimento, a design Science Research e a metodologia CommonKADS foram empregados para construir um modelo de gestão orientado ao conhecimento de modo a reduzir a assimetria no domínio de pesquisa, o que constitui o principal objetivo deste trabalho. O modelo de gestão é composto por sistemas de conhecimento e uma reorganização dos processos de gestão orçamentária com diretrizes e orientações voltadas ao conhecimento; e foi aplicado na empresa estudo de caso. Dentre os resultados da pesquisa, o modelo pode servir de base para reorientação dos processos de gestão orçamentária em empresas corporativas. A extensão da teoria da agência, caracterizando a assimetria como de conhecimento através da proposição de uma epistemologia voltada ao conhecimento, por sua vez, revigora a própria teoria da agência e cria possibilidades de pesquisa futura que empreguem o ferramental da engenharia e gestão do conhecimento para resolver os problemas de agência em distintos contextos.  Além disso, observou-se que o emprego do conhecimento e das ferramentas de engenharia e gestão do conhecimento contribuem significativamente para redução da assimetria de informação e conhecimento no domínio de gestão orçamentária, resultando em processos de elaboração e execução de orçamentos corporativos mais assertivos e otimizados em termos de produção, alocação e utilização de recursos.

Palavras-chave: Gestão do conhecimento. Engenharia do conhecimento. Conhecimento. Gestão orçamentária. Orçamento. Assimetria da informação. Teoria da agência. Budget slack.

Link para Download: Omar Omar

FAQUETI, Marouva Fallgatter. Liderança em uma biblioteca: Compreensões sob a Perspectiva da Liderança Relacional Socioconstrucionista. Tese, 2019

Esta tese teve como objetivo compreender como emergem processos de Liderança Relacional em uma biblioteca, a partir da perspectiva Socioconstrucionista. Para tanto, foi desenvolvido um estudo de caso com abordagem qualitativa, tendo como instrumento de coleta de dados a entrevista com todos os servidores de uma biblioteca pertencente a um instituto federal de ensino (IF), que se enquadra como biblioteca mista, pois atende ao público escolar (educação básica e técnica) e acadêmico/universitário (educação superior). A relacionalidade é um dos elementos-chave para a liderança em bibliotecas que se situam no nível intermediário da estrutura organizacional macro a que pertencem. Assim, uma das linhas de pesquisa na área de liderança que se adequa a este contexto é a abordagem da liderança relacional socioconstrucionista (LRSC), que envolve estudos sobre construções sociais de liderança em meio a dinâmicas relacionais entre indivíduos engajados em atividades conjuntas. A análise temática foi baseada no modelo de Três Componentes de Endres e Weibler (mecanismo de liderança, conteúdo de liderança e manifestação de liderança) e nos referenciais da Ontologia DAC – Direção, Alinhamento e Compromisso. Os resultados revelaram como ocorrem os processos de interação e construção social com potencial para a emergência de processos de LRSC;quais os elementos facilitam e dificultam a construção de conexões relacionais positivasecomo os processos de LRSC se manifestam em atividades cotidianas de trabalho na biblioteca.Em síntese, conclui-se que processos de LRSC emergem no trabalho cotidiano de uma biblioteca quando pessoas, em atividade conjunta, estabelecem dinâmicas relacionais positivas e cocriam forças influenciadoras, capazes de gerar Direção, Alinhamentos e Compromisso. Como contribuição ao modelo de Três Componentes, foi proposta a inclusão dos referenciais da ontologia DAC para análise dos processos de manifestação de liderança e identificada a situação atípica de “interrupção do processo de liderança em curso”, que ocorre quando forças influenciadoras mediadoras não emergem nos processos de construção social, não descrita no modelo. A inclusão da ontologia DAC no processo de análise gerou um resultado inesperado ao oferecer suporte para sugerir que a produção de DAC em atividades cotidianas de trabalho em conjunto (interpessoal e / ou coletivo), na perspectiva socioconstrucionista, ocorre quando forças influenciadoras são coconstruídas em processos dinâmicos de interação relacional de alta qualidade. As contribuições científicas para o campo de liderança em bibliotecas se referem ao ineditismo quanto ao uso da perspectiva da LRSC, a indicação de que processos de LRSC, em atividades de trabalho cotidianas, favorecem o alcance dos resultados organizacionais e o fato de que problemas relacionais dificultam a emergência de processos de LRSC.

Palavras-chave: Biblioteca acadêmica. Biblioteca escolar. Liderança Relacional. Socioconstrucionismo.

Link para Download: Marouva Fallgatter Faqueti

LOPES, Luciana Dornbusch. Framework conceitual de elementos da mídia digital MOOC: tecnologia pedagógica com ênfase em videoaulas. Tese, 2019.

Este é um estudo dos cursos abertos online (Massive Open Online Course– MOOC) no processo de ensino-aprendizagem da modelagem de vestuário. A caracterização desta pesquisa foi de abordagem qualitativa do problema e natureza aplicada do conhecimento investigado e sistematizado na constituição de um framework conceitual. As etapas de pesquisa se deram por investigação exploratória, descritiva, aplicada e de campo, com procedimentos técnicos metodológicos de pesquisa em fontes bibliográficas e documentais. O objetivo inicial foi organizar graficamente os recursos didático-tecnológicos da mídia digital massiva e aberta (MOOC), para serem aplicados no ensino-aprendizagem de modelagem de vestuário. Após a identificação e a planificação gráfica dos recursos didático-tecnológicos, houve a percepção das videoaulas, como os recursos mediadores mais completos e recorrentes no ensino-aprendizagem da modelagem de peças básicas de vestuário. Observou-se que os audiovisuais são recursos multimídia didaticamente eficientes, que podem ser postados na plataforma MOOC e assistidos por meio do acesso à rede digital Internet. Isso definiu a continuidade da pesquisa de doutoramento, sendo essa principalmente dedicada à indicação de elementos e aspectos da linguagem audiovisual, que foram considerados relevantes na produção de videoaulas. Para tanto, considerou-se também a necessidade de descrever e estudar os recursos de linguagem das videoaulas. Para cumprimento do objetivo geral de propor um framework conceitual da mídia digital MOOC, com ênfase nas videoaulas, como recursos audiovisuais dinâmicos mais completos e recorrentes, o desenvolvimento do estudo, foi realizado pelas seguintes etapas de pesquisa: (1) primeiramente, houve estudos exploratórios nas bases de dados digitais Scopus, Web of Knowledge e ERIC, para identificar e selecionar fontes e conceitos relacionados com ensino-aprendizagem de modelagem de vestuário em MOOCs; (2) em seguida, houve estudos teóricos continuados e também pesquisas a partir da ferramenta de busca Google, para identificar e selecionar fontes de pesquisa, incluindo exemplos práticos e abertos de ensino-aprendizagem de modelagem de vestuário online; (3) houve a observação detalhada do curso Bare Fashion MOOC, na plataforma digital The Fold; (4) foram também identificados e selecionados tutoriais e videoaulas a distância e de livre acesso, na plataforma digital Youtube e feitas observações e descrições de videoaulas, como o recurso mais completo e recorrente nos processos de ensino-aprendizagem da modelagem de vestuário. Como resultados do estudo, os elementos e aspectos identificados foram organizados de maneira gráfica e hierárquica, compondo o framework conceitual, com três dimensões ou elementos básicos e seus subitens: (I) “Comunicação Didática; (II) “Mídia Massiva”, e (III) “Educação Aberta”. Também foram indicadas as articulações entre essas dimensões, caracterizando os elementos articulados: (A) “Projeto Pedagógico”; (B) “Conteúdos e Práticas Pedagógicas”, e (C) “Recursos Tecnológicos”, acrescidos de detalhamento dos subitens dos audiovisuais. No estudo foram produzidas quatro pranchas gráficas: (1) a primeira com itens e subitens das dimensões ou dos elementos básicos; (2) a segunda com os itens e subitens das articulações ou dos elementos articulados; (3) a terceira prancha apresenta a estrutura geral do framework conceitual, e (4) a quarta enfatiza os elementos e aspectos das videoaulas, sendo que, no seu todo, o framework foi concebido considerando-se a plataforma MOOC-institucional TIM Tec.

Palavras-chave: Educação Aberta. Comunicação Didática. Mídia do Conhecimento. Linguagem Audiovisual. Plataforma MOOC TIMTec.

Link para Download: Luciana Dornbusch Lopes

FREITAS FILHO, Fernando Luiz. Relação entre a Gestão e o Desempenho da Inovação em Organizações Inovadoras Brasileiras. Tese, 2019.

Para a avaliação do processo de inovação de uma organização não basta analisar o seu resultado final, pois um bom desempenho hoje não significa a sustentabilidade dos resultados em longo prazo. Faz-se necessário analisar a relação dos fatores relacionados à gestão da inovação (GI), no desempenho da inovação (DI). Dentro deste contexto, esta tese tem como objetivo analisar a relação entre a gestão e o desempenho da inovação em organizações inovadoras brasileiras. A pesquisa possui concepção pragmática e quantitativa, centrada na análise da relação entre a GI e o DI. A mesma está inserida na linha de pesquisa do Núcleo de Estudos em Inteligência, Gestão e Tecnologias para Inovação (IGTI) do departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em uma primeira etapa foi feita uma revisão da literatura que permitiu a identificação dos fatores relacionados à GI que influenciam o DI. Esses fatores foram corroborados por especialistas em inovação, com experiência na GI de indústrias inovadoras, por meio de entrevistas em profundidade. Na sequência, foi desenvolvido o instrumento de pesquisa, que é um questionário, que foi aplicado a gestores de inovação ou de áreas afins de organizações inovadoras de médio e grande porte, do setor industrial brasileiro. O critério de seleção das organizações participantes foi estar presente em rankings de inovação ou ter recebido algum prêmio relevante nessa área. Foram identificadas 154 organizações dentro desse perfil. Ao final, 54 gestores de 50 organizações diferentes responderam à pesquisa. A análise dos resultados foi feita por meio de correlação e por redes Bayesianas. Como resultado da pesquisa, destaca-se o desenvolvimento do instrumento de pesquisa, que pode ser utilizado em trabalhos futuros para a análise da relação entre a GI e o DI, considerando populações diferentes. Além disso, identificou-se que, no contexto pesquisado, que os fatores mais relevantes no DI são a Estrutura organizacional, a Aquisição de tecnologia e a Cultura de inovação. Outra contribuição foi a análise por meio das redes Bayesianas, que apresenta a relação entre os fatores da GI e o DI, bem como um modelo de previsão do DI, considerando a influência dos fatores organizacionais.

Palavras-chave: Inovação. Gestão da Inovação. Antecedentes do Desempenho da Inovação. Desempenho da Inovação.

Link para Download: Fernando Luiz Freitas Filho

SILVA, Talita Caetano. Framework Ponte Tap: gestão da curva de aprendizagem para a efetivação da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. Tese, 2019.

“Como uma Universidade Corporativa em Rede pode gerenciar a curva de aprendizagem, efetivando a transferência de aprendizagem para a prática do trabalho?”. Tal problematização provocou o gatilho necessário para constituir o objetivo geral desta tese: propor um Framework para a gestão da curva de aprendizagem efetivando a transferência da aprendizagem para a prática do trabalho. A literatura mapeada sobre o tema e suas interrelações não evidenciam como a aceleração da curva de aprendizagem pode efetivar a aplicabilidade de um conhecimento (conceito da transferência de aprendizagem) após ações de TD&E. Além disso, focam suas ações unilateralmente em treinamento, não avançando para ações de desenvolvimento e educação). Sabe-se que, para gerenciar a curva e possibilitar a transferência, é importante compreender o processo de desempenho competente, o qual abrange condições externas e internas, os próprios CHAs, e as motivações dos colaboradores. Os elementos supracitados traduziram-se nos objetivos específicos deste estudo: a) identificar os elementos constitutivos e agentes envolvidos para se processar o desempenho competente; b) compreender o Modelo de Universidade Corporativa em Rede e seus processos estruturantes; c) identificar ações de aprendizagem que possibilitam a gestão da curva de aprendizagem; d) identificar o processo de avaliação multinível e a sua relação com a efetivação da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho; e) validar o framework de gestão da curva de aprendizagem efetivando a transferência da aprendizagem para a prática do trabalho em uma organização brasileira. Para responder à pergunta-chave evidenciada na primeira frase deste resumo, foi necessário debruçar-se sobre as teorias que alicerçam os estágios de evolução de um Sistema de Educação Corporativa, o qual dá à luz o Modelo de Universidade Corporativa em Rede. Este último, o mais recente, contemporâneo e emergente da Sociedade do Conhecimento. Além disso, foi necessário buscar em teorias de ensino e aprendizagem, premissas importantes na educação de alunos profissionais adultos, dando destaque aos conceitos de curva de aprendizagem e transferência de aprendizagem para a prática de trabalho. Ao se deparar com novas funções e responsabilidades, há a necessidade de desenvolver novas competências, habilidades e atitudes (CHAs) para alcançar o desempenho competente na nova tarefa. Essa problemática foi resolvida por meio do Framework Ponte TAP. Isto é, ao desenvolver CHAs, foi preciso gerenciar a amplitude e a profundidade da curva dos profissionais, antes durante e depois das ações educacionais, até que a aprendizagem seja processada a partir da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. O Framework Ponte TAP foi constituído por quatro camadas essenciais para o planejamento, execução e gestão das ações educacionais, a saber: a) desenvolvimento humano e organizacional e o processo “desempenho competente”; b) Universidade Corporativa em Rede e seus processos estruturantes; c) gestão da curva de aprendizagem por meio de ações de aprendizagem; d) processo de avaliação multinível e a transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. O framework foi validado em uma organização brasileira de tecnologia e demonstrou ser efetivo, alcançando resultados que confirmam a aceleração da curva de aprendizagem e efetivação da transferência de aprendizagem para a prática de trabalho. Pode-se destacar três vieses contributivos do framework: a) contribuição teórica, que ficou evidente a partir do diálogo teórico-empírico entre universidade acadêmica e universidade corporativa, com discussões colaborativas, integrando conhecimentos estruturados aos conhecimentos embasados na experiência, o que, segundo David Kolb, resulta no real percurso de desenvolvimento profissional; b) contribuição para a ação, a partir da continuidade do Programa de Integração na organização e também pela rede colaborativa, que se estabeleceu entre mais de 20 stakeholders, os quais atuaram, de forma ativa, em cada uma das camadas de aplicação. Além da própria aceleração da curva de 12 meses para 3 meses; e) e contribuições práticas, uma vez que o framework é compatível com quaisquer análises que envolvam gestão da curva de aprendizagem e transferência de aprendizagem para a prática do trabalho, não sendo único e exclusivo do público e ambiente em que foi aplicado. Além disso, esse framework pode ser aplicado em redes internas e externas de aprendizagem, sendo uma importante ferramenta para profissionais e pesquisadores da área.

Palavras-chave: Transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. Universidade Corporativa em Rede. Desempenho competente. Curva de aprendizagem.

Link para Download: Talita Caetano Silva.

CARNEIRO, Neusa de Oliveira. Apropriação das Características da Web no Livro Didático Digital: Um Instrumento Avaliativo. Tese, 2019.

Este trabalho visa analisar a apropriação das características da Web no livro didático digital. O problema aqui apresentado insere-se no âmbito interdisciplinar, visto que tanto o desenvolvimento da Web quanto o do livro didático digital envolvem diferentes áreas do conhecimento. O surgimento do livro digital altera o aspecto material do livro, as formas de leitura, a produção de textos e adiciona novas possibilidades interativas, hipertextuais, multimidiáticas e de personalização, as quais podem estar presentes no livro didático digital. Este estudo parte de um breve histórico sobre o livro didático no Brasil, discute as particularidades da geração digital, do livro digital e do aparecimento do livro didático digital. São identificadas as características da Web presentes na literatura. Para atingir o objetivo, realizou-se uma pesquisa qualitativa em que foram utilizados procedimentos bibliográficos para a coleta de dados, que incluem a revisão integrativa da literatura, na qual foram detectadas as lacunas do assunto. Os artigos foram coletados nas bases de dados Eric, Scopus e Web of Science. Após a leitura do resumo, os estudos foram categorizados e os que atendiam aos critérios previamente definidos foram analisados. Os resultados da revisão integrativa apontam que as limitações do livro didático digital estão atreladas a problemas de usabilidade, design e dificuldade de uso. O estudo de campo consistiu na análise de livros didáticos digitais destinados ao Ensino Médio, para verificar como esses se apropriam da hipertextualidade, multimidialidade, interatividade, personalização e tactilidade. A partir dessas características, foram elaboradas categorias para verificar e discutir como são empregadas nos exemplares estudados. Para isso, desenvolveu-se um instrumento de avaliação para o livro didático digital. Os resultados do estudo são o instrumento de avaliação e a verificação de que os exemplares analisados se apropriaram dessas características de maneira incipiente. Há uma separação entre o conteúdo do livro e os objetos de aprendizagem, sendo que a literatura mostra que o ideal é a integração entre ambos, para aproveitar o potencial pedagógico da tecnologia. Também foram identificadas abordagens e fontes de pesquisa que versam sobre o livro didático digital. Emerge a necessidade de atualização dos processos e metodologias de trabalho do setor editorial e dos professores, para usufruir de novas formas de interação, colaboração e de aprendizagem possibilitadas pelas tecnologias disponíveis. Assim, esta pesquisa colabora para compreender como as características da Web são apresentadas no livro didático digital utilizado no Brasil e oferece um instrumento de avaliação que pode subsidiar outras análises com a finalidade de melhorá-los e aproveitá-los de maneira mais plena. Tal contribuição pode ser útil para as organizações que atuam na área e, de modo especial, para os estudantes e professores que utilizam o livro didático em suas atividades diárias.

Palavras-chave: Livro didático digital. Livro digital. Características Web. Hipertextualidade. Multimidialidade. Interatividade. Personalização. Tactilidade.

Link para Download: Neusa de Oliveira Carneiro.

HINNIG, Marcus Phoebe Farias. Proposta de Métodos, Técnicas e Ferramentas de Gestão do Conhecimento para a Prática de Lições Aprendidas em Projeto de Licenciamento Ambiental. Dissertação, 2019.

A prática de Lições Aprendidas (Lessons Learned – LL) é abordada nas disciplinas de Gerenciamento de Projetos (GP) e de Gestão do Conhecimento (GC) com o objetivo de evitar que falhas se repitam, mas são comuns os relatos de problemas em sua execução. Diversos autores propuseram instrumentos para a adequada implementação da prática de LL, como frameworks e modelos, mas não desperdiçar o conhecimento pré-existente continua sendo um desafio para as organizações. Dentre estas propostas, foi escolhido o Modelo Syllk de LL para ser estudado nesta dissertação. Uma LL é um conhecimento novo na organização e deve ser regida por um processo de GC. Neste trabalho, as etapas do processo de GC foram divididas em Adquirir, Armazenar, Disseminar e Utilizar conhecimento. Para operacionalizar este processo, é necessário o uso de Métodos, Técnicas e Ferramentas (MTF’s) a exemplo de Brainstorming, Storytelling e Cafés do Conhecimento. A prescrição do uso de MTF’s é justamente um dos diferenciais do Modelo Syllk para melhorar o desempenho dos projetos. Dentre os projetos que mais crescem no Brasil, está a implantação de Complexos Eólicos. Estes, demandam a realização de Licenciamento Ambiental que pode ser considerado como um projeto por si só, por possuir escopo, prazo, recursos e entregas definidas. Neste contexto, a prática de LL emerge como uma solução para tornar o Licenciamento Ambiental mais eficiente pelas equipes de meio ambiente no intuito de replicar boas práticas e diminuir falhas. Com isso, o problema de pesquisa está associado ao desempenho da prática de LL no licenciamento ambiental devido a dificuldades para a sua operacionalização. Nesta pesquisa buscou-se responder, à luz do Modelo Syllk, quais MTF’s de GC podem ser aplicados para a prática de LL em projeto de licenciamento ambiental? Foi elaborada revisão sistemática abrangendo os termos GP, GC e LL. Em seguida foi elaborada revisão narrativa para Energia Eólica e Licenciamento Ambiental. Após a descrição da inter-relação entre os constructos, buscou-se um estudo de caso com o objetivo de propor MTF’s de GC para a prática de LL, à luz do Modelo Syllk, em um projeto de licenciamento ambiental. Neste estudo de caso foi possível verificar a existência e os impactos das principais barreiras para a prática de LL identificadas na literatura. Foi possível também verificar como se dá a operacionalização do processo Adquirir, Armazenar, Disseminar e Utilizar conhecimento a partir do uso de MTF’s de GC. O resultado da pesquisa confirmou que MTF’s de            GC são possíveis de uso para a operacionalização de LL em projeto de Licenciamento Ambiental. Por último, foi verificado que a associação das etapas do processo de GC com os elementos do Modelo Syllk trouxeram resultados positivos para a escolha de MTF’s que dissiparão as barreiras para a prática de LL. Por isso, adicionalmente, apresentou-se o Framework Syllk-Phoebede MTF’s de GC para a prática de LL. Como limitação, esta pesquisa carece de aplicação prática e avaliação de resultados da implantação dos MTF’s no estudo de caso, mesmo que os processos de verificação de consistência prévia, interna e externa tenham sido realizados.

Palavras-Chave: Gestão do Conhecimento, Gerenciamento de Projetos, Lições Aprendidas, Licenciamento Ambiental, Syllk Model.

Link para Download: Marcus Phoebe Farias Hinnig.

KUNTZ, Viviane Helena. A colaboração e inclusão de Cursos On-line Abertos e Massivos (MOOCs). Tese, 2019.

A tecnologia está em constante mudança para atender às demandas de necessidades informacionais. Esse avanço tem impacto direto na área educacional, principalmente quando se trata de aprendizagem on-line. Os Massive Open On-line Courses (MOOCs) surgem como um formato de inovação na Educação a Distância (EaD), com a proposta de serem on-line, abertos e massivos. Além disso, os MOOCs são cunhados a partir da teoria do conectivismo que, por meio de cMOOCs[1], visam propiciar um ambiente em que participantes sejam, além de aprendizes, produtores de conhecimento, de forma colaborativa, e compartilhando-o em rede. Tendo a característica de ser “aberto” e “massivo”, um MOOC tem, por compromisso, o de atender a sociedade do conhecimento, possibilitando acesso a todas as pessoas, independentemente de suas diferenças. Nesse cenário, torna-se essencial que cMOOCs possibilitem o compartilhamento do conhecimento de forma colaborativa e propicie a inclusão. No entanto, ao pesquisar pelas palavras-chaves: conhecimento, Massive Open On-line Courses, acessibilidade/inclusão e colaboração, identificou-se uma lacuna na teoria, dentro das bases de dados científicas selecionadas neste estudo (Periódicos CAPES, ScienceDirect, Scopus e Scielo). Nesse sentido, esta proposta tem por objetivo propor requisitos e especificações para facilitar a colaboração de forma inclusiva entre alunos em cMOOCs. Para tanto, tem-se como aporte teórico: “Aprendizagem na sociedade do conhecimento”; “MOOC como sistema colaborativo” e “Acessibilidade em MOOCs”. Esta pesquisa é de natureza qualitativa e exploratória quanto a abordagem do problema, e se utiliza de quatro etapas: descoberta, análises, verificação e requisitos e especificações. Na etapa de descoberta utilizou-se da Revisão Sistemática de Literatura (RSL) para aporte teórico e subsídio para a fase de análise (na escolha do MOOC Acessível e dos cMOOCs). Ainda nesta etapa, por meio de análise de documentos, buscou-se identificar o panorama dos dados nacionais de inclusão no Educação Superior, e em específico, na esfera privada. Na etapa de análises, por meio da observação, avaliou-se MOOC acessível e a colaboração em cMOOCs. Na etapa de verificação, por meio de um questionário on-line, verificou-se a participação e a experiência dos alunos em cursos on-line sob a ótica da colaboração e da inclusão, e com estes dados, posteriormente propôs-se um grupo focal para verificar dificuldades e necessidades dos alunos na prática de uma atividade colaborativa com o viés da inclusão. Em um terceiro momento, por meio de questionário on-line, buscou-se verificar dificuldades e necessidades de atividades colaborativas com o viés da inclusão sob a ótica do professor. Considerando-se a literatura pertinente, as análises de MOOC acessível e cMOOCs, bem como a compilação dos resultados com os alunos e professores, este trabalho possibilitou, conforme a etapa de requisitos e especificações, relacionados a definições, terminologia, design universal ou interface adaptativa, uso de ferramentas, sensibilização e socialização, comprometimento ou questão cultural e engajamento. Além de detalhar as dificuldades encontradas, propôs-se como desdobramento futuro, uma etapa de experimentação, levando em consideração requisitos e especificações para facilitar a colaboração de forma inclusiva entre alunos em cMOOCs.

Palavras-chave: sociedade do conhecimento, Cursos On-line Abertos e Massivos (MOOCs), inclusão e colaboração.

Link para download: Viviane Helena Kuntz.

NEVES, Maria Lúcia Corrêa. Modelo de Desenvolvimento da Capacidade de Criar Valor Compartilhado, Com Base na Mudança da Qualidade do Capital Intelectual Criado e Incorporado. Tese, 2019.

Esta pesquisa tem como objetivo principal, avançar o conhecimento teórico sobre as relações entre os construtos ‘criação de valor compartilhado’ e ‘capital intelectual’, por meio do delineamento de um modelo. Partiu-se da constatação de que as organizações mais tradicionais, (com ou sem fins lucrativos) experimentam uma crise derivada, principalmente, do atrofiamento da capacidade de criar valor, movimento que fragilizou a reputação, o desempenho de longo prazo e a capacidade de inovação (capacidade de criar e incorporar capital intelectual) destes agentes sociais. Nesta direção, esta tese integra o conjunto de pesquisas que busca identificar alternativas para o futuro das organizações. Especificamente, o estudo investiga as características do capital intelectual capazes de assegurar a criação de ‘valor compartilhado’, definido na pesquisa, como o valor que assegura à organização e sociedade, um destino comum favorável e sustentável. Não tendo sido identificados na literatura cientifica, estudos relacionando os dois construtos com a perspectiva proposta, o preenchimento desta lacuna se configurou como uma oportunidade. No modelo delineado, foi proposto um conjunto de cinco áreas de política, identificado como promotor da criação e incorporação do capital intelectual com as características necessárias para a prática da criação de valor compartilhado. As áreas de política são: 1) de aprendizagem; 2) de processamento do conhecimento; 3) de conectividade (capital intrasocial e intersocial); 4) de ethosdiversidade; e 5) de comprometimentos comuns. A pesquisa, predominantemente qualitativa, foi desenvolvida em três etapas. Na primeira etapa, o modelo teórico foi delineado, a partir do procedimento técnico da reunião de conceitos e ideias sobre os dois construtos da tese. Na segunda etapa, foram reunidos conceitos e ideias necessários ao delineamento de um método geral para aplicar o modelo teórico desenvolvido. Na terceira etapa, foi feita uma pesquisa de campo para verificar a aplicabilidade do modelo e método propostos: ambos foram utilizados, efetivamente, para amparar um processo de mudança em uma organização social (privada e sem fins lucrativos). Nesta etapa, utilizou-se a técnica de triangulação de dados primários e secundários. Os resultados desta terceira etapa da pesquisa, foram analisados e discutidos conjuntamente, permitindo considerar que: a) o modelo delineado facilita a compreensão do processo macro e integrativo que habilita uma organização à criar valor com o propósito compartilhado; b) o método proposto para aplicar o modelo, nesta primeira experiência, se mostrou adequado; c) a experiência de intervir em uma organização com base no modelo e método propostos, foi considerada bem sucedida, no que diz respeito ao potencial de desenvolver a capacidade da organização criar valor compartilhado; e d) as cinco áreas de políticas propostas para serem, sincronizadamente, ajustadas, se apresentaram como indutoras do potencial de criação e incorporação do capital intelectual gerador de valor compartilhado. Pode se considerar como principal contribuição desta pesquisa, a identificação das características do capital intelectual que, incorporado pelas organizações públicas ou privadas, com ou sem fins lucrativos, habilita a criação de valor compartilhado: o conhecimento intensivo, abundante em tecnologias transformacionais e sustentáveis, e derivado de intercâmbios e combinações de conhecimentos oriundos de diversas disciplinas, mas, principalmente, do diálogo interdisciplinar que inclui as ciências humanas e sociopolíticas. Se, antes da concepção valor compartilhado, o conhecimento organizacional considerado estratégico, era o ‘conhecimento sobre o conhecimento’, pode se considerar que, no contexto atual, o futuro das organizações depende da posse do ‘conhecimento sobre o conhecimento que assegura identidade, relações e práticas mais benéficas’.

Palavras-chave: Criação de valor compartilhado. Capital Intelectual. Inovação. Capital social para inovação. Desenvolvimento.

Link para download: Maria Lúcia Corrêa Neves.