Home » Page 2

CUNHA, Rodrigo Rafael. Rankings e Indicadores para Smart Cities: uma proposta de cidades inteligentes autopoiéticas. Dissertação, 2019.

As Cidades Inteligentes apresentam-se como alternativas para o processo de transformação política, econômica, social e ambiental. A Cidade Inteligente adota uma abordagem sistêmica e dinâmica por meio do uso da tecnologia, mas com foco nas pessoas. Mercado e academia produziram diversos conceitos de Cidades Inteligentes, o que acarreta em certa ambiguidade e na falta de clareza do que é uma Cidade Inteligente e quais as características que as diferem das demais. Foram analisadas várias definições de cidades inteligentes presentes na literatura, resultando em um conceito que busca sintetizar os demais. Os rankings de Cidades Inteligentes pretendem verificar quais Cidades/Municípios estão se destacando dos demais em diversas dimensões, fatores ou áreas temáticas. Para tal, é necessário que os indicadores escolhidos sejam relevantes para que o retrato da Cidade seja o mais próximo da realidade. Foram analisados 10 rankings de Cidades Inteligentes ao redor do mundo, cada um com suas especificidades e metodologia próprias de coleta de dados e de apresentação dos resultados. Por se tratar de uma realidade dinâmica e de uma grande quantidade de dados e diversidade de áreas de conhecimento envolvidas, foi proposta a utilização do conceito da Autopoiese Urbana para tratar de indicadores para Cidades Inteligentes com a abordagem sistêmica de Maturana e Varela, resultando na criação de um modelo de Cidade Inteligente Autopoiética baseada em elementos do corpo humano.

Palavras-chave: Cidades Inteligentes. Rankings. Indicadores. Autopoiese Urbana. Cidade Inteligente Autopoiética.

Link para download: Rodrigo Rafael Cunha.

SOUZA, Rayse Kiane de. Compartilhamento de Conhecimento por Grupos de Pesquisa: mídias, utilização e potencialidades. Dissertação, 2019.

A área de Mídia do Conhecimento trabalha com: captura, armazenamento, seleção, sistematização, produção, resgate e distribuição do conhecimento. As mídias dependem de tecnologia, sejam ou não tecnologias específicas de informação e comunicação (TICs), para cumprir com eficiência suas funções. Por sua vez, especialmente pelo trabalho dos grupos de pesquisa científico-tecnológica, as universidades são instituições sociais que se beneficiam com a popularização e o barateamento de tecnologias específicas, como TICs, criando com isso mais possibilidades de desenvolver e compartilhar conhecimento. As mídias baseadas em TICs podem auxiliar universidades e outras instituições, reduzindo barreiras nas atividades de produção, decodificação e compartilhamento do conhecimento, inclusive alcançando uma maior parcela da sociedade. A partir dessas considerações, o objetivo da pesquisa realizada para este estudo foi analisar as mídias baseadas em tecnologias de informação e comunicação, que são utilizadas por grupos de pesquisa em Gestão do Conhecimento, considerando-se especialmente vantagens e potencialidades no compartilhamento do conhecimento com a sociedade. Primeiramente, em uma etapa exploratória, foram identificados na literatura métodos e técnicas de gestão do conhecimento baseados em TICs. Também, identificou-se mídias acessíveis e disponíveis no mercado, para o cumprimento de funções correlacionadas. Sem seguida, houve um mapeamento da utilização das mídias, com aplicação de questionário, envolvendo integrantes de 38 grupos de pesquisa em Gestão do Conhecimento. Para cada método ou técnica empregada nos grupos, foram verificadas as mídias mais utilizadas. Como resultado parcial, foi possível perceber a pouca adoção de soluções baseadas em TICs  no trabalho dos grupos pesquisados. Contudo, a mídia mais utilizada em cada método ou técnica foi selecionada e encaminhada para ser avaliada por especialistas. A fundamentação teórica foi especialmente composta com constructos das teorias Unified Theory of Acceptance and Use of Technology  e Unified Theory of Acceptance and Use of Technology  2 e NBR ISO/IEC 9126-1. Com base na teoria estudada e considerando-se os dados de utilização das mídias selecionadas, houve a construção de outro questionário, como instrumento de avaliação de potencialidade das mídias, para consulta aos especialistas. Em síntese, foram avaliadas as potencialidades de mediação, utilização e características essenciais, para o compartilhamento do conhecimento em grupos de pesquisa de Gestão do Conhecimento. A análise do processo de avaliação resultou na confirmação da pouca utilização de mídias por parte dos grupos de pesquisa, ressaltando como forma de conversão do conhecimento, a dependência da socialização (tácito para tácito), principalmente, por meio de encontros pessoais. Houve ainda percepção da carência de mecanismos no compartilhamento do conhecimento com a sociedade. A análise de potencialidade e características de mediação permitiu considerar que as mídias apresentam as características necessárias para sua utilização no ambiente organizacional e como recursos de  compartilhamento do conhecimento com a sociedade. Com os resultados do estudo, considera-se que houve o cumprimento dos objetivos propostos, cuja contribuição relevante é a apresentação do panorama de utilização das mídias em grupos de pesquisa de Gestão do Conhecimento, assinalando as mídias como recursos potenciais de compartilhamento na dinâmica interna dos grupos e na disseminação do conhecimento para a sociedade.

Palavras-chave: Compartilhamento de conhecimento. Conhecimento científico. Mídias do conhecimento.

Link para download: Rayse Kiane de Souza.

POTRICH, Lídia Neumann. Riscos da Perda de Conhecimento vinculado a Fatores Humanos em Empresas Intensivas em Conhecimento. Dissertação, 2019.

Para as organizações contemporâneas, os ativos intangíveis são recursos fundamentais à criação de valor e a garantia de vantagem competitiva sustentável. O conhecimento é fator determinante para o sucesso e sustentabilidade organizacional, especialmente para as organizações de tecnologia, caracterizadas como Intensivas em Conhecimento. Devido a mudança demográfica da força de trabalho, as empresas correm alguns riscos, como a perda de conhecimento. Pois profissionais com acúmulo de conhecimentos estão se aposentando, sendo substituídos por novos, mais suscetíveis a mudanças. Reter e captar estes profissionais é uma necessidade às organizações, as quais precisam atuar de forma proativa e preditiva, revendo sua postura frente estes novos desafios. Ou seja, mitigar a perda de conhecimento e gerenciar estas necessidades é fundamental para sobrevivência das mesmas. Desta forma, o objetivo desta pesquisa é compreender os riscos da perda de conhecimento para empresas de tecnologia, relacionado aos fatores humanos. Para tanto, realizou-se análise da literatura correspondente e, através de estudo de caso múltiplos, buscou-se identificar as causas da perda de conhecimento, classificar os impactos e apresentar as estratégias de mitigação. Os resultados indicam que, nas empresas de tecnologia estudadas, o principal fator gerador de perda de conhecimento é a rotatividade. Impactos no capital relacional, produtividade e fatores psicológicos – como estresse, pressão e segurança – foram identificados. Para tanto, as principais estratégias de mitigação à perda estão no fortalecimento do relacionamento interno, investimento em repositórios de conhecimento e, principalmente, na retenção de pessoas. A identificação destes impactos traz importantes benefícios às organizações de tecnologia, uma vez que os resultados indicam implicações ao capital relacional e estrutural das mesmas. Assim, mais estudos e correlações podem ser feitas, uma vez que alguns dos fatores apresentados são inevitáveis e nem todas as empresas mostraram-se estar atentas à esta problemática.

Palavras-chave: Perda de conhecimento; Fatores Humanos; Mitigação da Perda de Conhecimento; Empresas Intensivas em Conhecimento.

Link para download: Lídia Neumann Potrich.

QUINGERSKI, Leandro. KE-IOT: Uma proposta de modelo de sistema baseado em conhecimento para ambientes de Internet das Coisas (IoT). Dissertação, 2019.

A expansão da quantidade e variedade de dispositivos conectados à internet já ultrapassou o número de habitantes do planeta e continua a crescer em grande escala, diante deste cenário surge a área da Internet das Coisas e com isso uma série de novas aplicações e inovações começam a emergir, em âmbito social, organizacional e governamental, tendo aplicações em diversas áreas, como: saúde, transporte, agricultura, energia, indústria, entre outras. Diante desta revolução tecnológica gerada pela IoT, uma série de desafios necessitam ser superados, entre eles, a garantia de interoperabilidade é um dos pontos principais, pois com o imenso volume de dados gerados, e dos diversos protocolos, redes de comunicação e formatos utilizados é necessário que a interoperabilidade seja trabalhada para permitir que a IoT aconteça. O uso de ontologias e tecnologias da web semântica permite gerar a interoperabilidade necessária para atender a esta demanda latente da IoT e tem tido papel chave nas iniciativas dadas neste sentido, além disso, também possibilita criar maior significado aos dados brutos gerados pelos dispositivos conectados, permitindo gerar informações e inferir novos conhecimentos a partir da geração de uma base de conhecimento deste contexto. Neste sentido, este estudo propõe um modelo que aborda o cenário da IoT com uma ótica da Engenharia do Conhecimento (EC), propondo um modelo de sistema baseado em conhecimento para ambientes de IoT apoiado principalmente no uso de ontologias e web semântica, porém, expandindo para possibilidades de utilização de outras técnicas da EC. E a partir do desenvolvimento de um ambiente simulado de IoT, foi possível validar conceitos, fluxos e alguns dos principais requisitos que compõem o modelo proposto, sendo gerada uma base de conhecimento com os dados de dispositivos conectados (agente simulado). Durante o processo de desenvolvimento do modelo proposto e do ambiente simulado, foi possível coletar resultados experimentais que permitem a evolução dos mesmos e a expansão para diversas áreas de aplicação, pois o modelo foi elaborado com uma abordagem generalizada, o que permite realizar especializações de acordo com as aplicações a serem implementadas.

Palavras-chave: Engenharia do Conhecimento. Sistemas de Conhecimento.  Ontologias. Web semântica. Internet das Coisas. IoT. Web das coisas. Web Semântica das Coisas.

Link para download: Leandro Quingerski.

FLORES, Heriberto Alzerino. Maturidade em gestão do conhecimento na administração pública: um estudo na Prefeitura Municipal de São José/SC. Dissertação, 2019.

Esta dissertação trata da gestão do conhecimento em nível municipal. O gestor público municipal, assim como nas demais esferas precisa dispor de metodologias e ferramentas que permitam atender suas demandas locais de forma eficiente e eficaz. A inserção de modelos de Gestão do Conhecimento permite aos municípios promover a inovação na prestação dos serviços aos cidadãos/usuários. Para tanto, a pergunta norteadora do estudo é: Qual o grau da maturidade em gestão do conhecimento na Secretaria de Administração da Prefeitura Municipal de São José? O objetivo foi diagnosticar o grau de maturidade em gestão do conhecimento na Secretaria de Administração da Prefeitura Municipal de São José. Quanto a metodologia empregada é uma pesquisa aplicada, qualitativa, bibliográfica, caracterizada como um estudo de natureza descritiva e exploratória. Para a obtenção dos dados aplicou-se o Instrumento para Avaliação da Gestão do Conhecimento na Administração Pública Brasileira, concebido por Helou (2015). O estudo permitiu concluir que a organização está no segundo nível de maturidade em GC, ou seja, no nível “constatando” onde há a presença de ações de GC, mas estas são mal realizadas. Além disso, identificou-se pontos fortes e oportunidades de melhoria em GC, dentre os quais pode-se destacar como fortes o reconhecimento por parte da liderança e dos colaboradores que o conhecimento seja um recurso organizacional estratégico e contribua de forma significativa no processo de tomada de decisão, e que o clima organizacional é favorável para o compartilhamento do conhecimento entre os servidores. Como oportunidade de melhoria, verificou-se que os resultados indicaram que a organização deve empreender esforços na busca pela valorização das pessoas e na adequada alocação de seus recursos, além de promover ações que visem a capacitação dos servidores para a implementação de uma GC mais eficiente e eficaz. Com o conhecimento do grau de maturidade em GC da organização, bem como dos pontos fortes e das oportunidades de melhoria, foi elaborado um Business Case com o objetivo de nortear e justificar a importância das ações da organização para a implementação da GC em seu ambiente organizacional, levando em consideração os objetivos propostos, a descrição do projeto, as possíveis contribuições do projeto à organização, os fatores críticos de sucesso e a relação dos custo-benefício.

Palavras-chave: Administração pública. Gestão do conhecimento. Maturidade em Gestão do conhecimento.  

Link para download: Heriberto Alzerino Flores.

FILÉTI, Giovana de Souza. Iniciativas de Ação Social de Cooperativas à Luz da Inovação Social. Dissertação, 2019.

As inovações sociais tornaram-se importantes na resolução de problemas sociais em diversos níveis. Para que uma inovação possa ser considerada de cunho social, deverá apresentar uma nova solução, criada ou modificada, para resolver problemas e atender às necessidades sociais que até então não foram resolvidas com as ferramentas e soluções existentes, causando impacto social. Princípios relacionados às transformações sociais, econômicas e ambientais, fazem parte de organizações coletivas chamadas de cooperativas. O objetivo deste estudo é analisar de que forma as iniciativas de ação social das cooperativas agropecuárias da região da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense – AMESC, podem fomentar a inovação social. Para tal, foi realizada uma pesquisa de abordagem qualitativa e descritiva, com entrevistas semiestruturadas. Como resultado, entende-se que as cooperativas em questão atendem ao preceito da inovação social, uma vez que os projetos realizados por elas evidenciam os elementos característicos estudados na literatura. Isto significa que, após a identificação do problema, unem-se atores (associados, colaboradores, parceiros e beneficiários), que, por meio de atividades planejadas e com foco em resoluções coletivas, buscam, após a implementação, expandi-las e difundi-las. Observa-se também que os objetivos destas ações estão relacionados ao empoderamento e à participação cada vez mais atuante de mulheres e jovens nas cooperativas; à formação de empreendedores cada vez mais conscientes e sustentáveis; ao combate à desigualdade e melhores condições de vida, e também, à educação das crianças na cultura do cooperativismo. Por conseguinte, esta dissertação contribui para a academia no momento em que aproxima o saber acadêmico do saber popular, por meio de uma pesquisa empírica. Além disso, almeja-se que as cooperativas possam aplicar as contribuições dessa pesquisa em suas atividades diárias de forma sistêmica.

Palavras-chave: 1. Inovação Social. 2. Cooperativas. 3. Iniciativas sociais. 4. Impacto Social. 5. AMESC.

Link para download: Giovana de Souza Filéti.

ZANUZZI, Cinthya Mônica da Silva. Avaliação da Maturidade da Gestão do Conhecimento das Unidades Produtoras Integradas da Agroindústria Avícola. Dissertação, 2019.

O agronegócio brasileiro é um exemplo de como o conhecimento e a inovação transformam um setor produtivo. No Brasil, a cadeia da avicultura de corte é a segunda maior produtora e a maior exportadora mundial de carne de frango. Apesar dos números expressivos, atualmente existe um grande desafio de aumentar a produção de alimentos seguros de forma sustentável. Diante do contexto, o presente estudo aborda as contribuições que a Gestão do Conhecimento (GC) pode fornecer para o setor, ao analisar o conhecimento como um ativo organizacional valioso que pode ser utilizado no apoio à decisão e na elaboração de novas estratégias. Um importante fator para o sucesso da GC é a capacidade de definir algumas medidas para avaliar sua efetividade, assim diferentes modelos para a avaliação de maturidade de GC são propostos na literatura.  O presente trabalho tem como objetivo avaliar o grau de maturidade de gestão do conhecimento das unidades produtoras integradas da agroindústria avícola. Para tanto, foi realizada uma busca bibliográfica e  uma revisão sistemática da literatura, em seguida, foram selecionados como referência dois modelos de avaliação da maturidade da gestão do conhecimento: o método APO (2009) e o método Erpen (2016). Esses modelos foram adaptados ao setor avícola para realização de uma pesquisa quantitativa, por meio da aplicação de um questionário em 240 unidades produtoras integradas de três agroindústrias avícolas catarinenses. A análise descritiva dos dados permitiu, na primeira parte, a caracterização dos avicultores, pois mostrou o baixo nível de escolaridade dos pesquisados, já que aproximadamente 56% possuem nível fundamental e idade média de 47 anos. Na segunda parte, a caracterização da atividade, a avicultura é apontada como principal atividade econômica para 73,33% dos respondentes. Por fim, a terceira parte do questionário trata do grau de maturidade de gestão do conhecimento das unidades produtoras  integradas, cujo nível é Externalização Experimental (51,65 pontos). Na percepção dos avicultores, as dimensões com melhor desempenho são respectivamente: Processos, Liderança, Tecnologia e Pessoas. Percebe-se que a gestão do conhecimento nas unidades produtoras avícolas é insipiente, podendo ser aprimorada por meio da adoção de práticas de gestão do conhecimento e do uso intensivo de tecnologias, como robótica, inteligência artificial, big data, entre outras.

Palavras-chave: Gestão do Conhecimento. Maturidade de Gestão do Conhecimento.  Sistema de coordenação agroindustrial.  Avicultura.

Link para download: Cinthya Mônica da Silva Zanuzzi.

SILVA, Alix Ribeiro da. Uso de Elementos da Linguagem Visual e Ensino de Desenho Pictográfico para Surdos: Desenvolvendo uma Comunicação Alternativa. Dissertação, 2019.

O presente trabalho foi desenvolvido a partir de estudo de caso realizado com sete alunos surdos pertencentes ao Atendimento Educacional Especializado da Escola de Educação Básica Nossa Senhora da Conceição, município de São José – SC. Possuiu o objetivo de desenvolver, a partir do ensino de desenho pictográfico com uso de elementos da linguagem visual, uma comunicação alternativa para abordar a Educação Ambiental para pessoas surdas. Como métodos, empregou-se a Revisão Sistemática de Literatura, a fim de se ter clareza e firmeza do objetivo da pesquisa, além de servir de fundamentação teórica. Também realizou-se investigação bibliográfica de forma integrativa, para conhecer o público da pesquisa, ter-se subsídio para o ensino de desenho pictográfico com uso de elementos da linguagem visual, em especial a forma, ponto, linha e cor; a fim de contribuir com uma comunicação alternativa voltada a Educação Ambiental. A pesquisa desenvolveu-se em três etapas: inicialmente, trabalhou-se com Educação Ambiental, considerando o conhecimento dos alunos e oportunizando novos conhecimentos por meio de atividades realizadas por meio de sete intervenções. Na segunda parte da pesquisa, trabalhou-se o ensino de desenho com uso dos elementos da linguagem visual, a partir das palavras-chave sobre Educação Ambiental identificadas na primeira etapa. Em seguida, utilizaram-se os pictogramas gráficos desenvolvidos a partir dos desenhos dos alunos. Os resultados alcançados a partir do estudo demonstraram-se satisfatórios, visto que responderam à questão norteadora proposta, consolidando-se com a criação de pictogramas (preto e branco e coloridos – visualmente mais atraentes para os surdos) que favoreceram a comunicação alternativa, uma estratégia de acessibilidade e inclusão.

Palavras-chave: Pictogramas; Linguagem Visual; Ensino de Desenho; Pessoas Surdas; Educação Ambiental.

Link para download: Alix Ribeiro da Silva.

ZIMMER, Paloma. Framework para a gestão de consórcios de pesquisa pré-competitiva com múltiplos stakeholders. Tese, 2018.

Apesar de o tema “relação governo, universidade e empresa para pesquisa e desenvolvimento colaborativa” ter recebido relativa importância nas últimas décadas, as alianças estratégicas envolvendo esses três atores para a realização de pesquisa pré-competitiva têm sido pouco exploradas pela literatura. Nesse cenário esta tese propõe um framework, fundamentado em boas práticas, que sintetiza e formaliza a base de conceitos e recomendações práticas para a interação colaborativa entre governo, universidade e empresa nas atividades de pesquisa pré-competitiva. O framework proposto foi construído a partir de uma revisão sistemática da literatura em periódicos indexados na Scopus, Web of Science, e EBSCO, e por meio de um estudo de caso no Southern Ontario Smart Computing Innovation Platform – SOSCIP. Com sede em Ontário, o SOSCIP é único consórcio de pesquisa e desenvolvimento do Canadá que utiliza a computação avançada para impulsionar a inovação. Durante o estudo de caso foram realizadas observações participante, análise documental, e entrevistas em profundidade. Este estudo de caso foi subsidiado com recursos disponibilizados pela CAPES. A versão final do framework foi apresentada a especialistas no assunto, que verificaram a consistência das práticas propostas. A partir das premissas deste estudo, constatou-se que as ações promovidas pelo ecossistema de inovação estimulam a atividade colaborativa entre universidade e indústria para pesquisa pré-competitiva. As alianças para pesquisa colaborativa envolvendo universidade, indústria e governo precisam ser gerenciadas por uma estrutura de governança bem-definida. A execução de projetos colaborativos bem-sucedidos é reflexo das práticas adotadas (i) no âmbito do projeto, pela própria equipe do projeto, (ii) das ações promovidas pela aliança e das (iii) ações desencadeadas pelos agentes do ecossistema de inovação. Palavras-chave: consórcio de pesquisa; aliança estratégica; pesquisa pré-competitiva; colaboração universidade-empresa-governo.

Palavras-chave: consórcio de pesquisa; aliança estratégica; pesquisa pré-competitiva; colaboração universidade-empresa-governo.

Link: Paloma Zimmer

FOSSARI, Ivana Maria. Estratégias para o Compartilhamento do Conhecimento nos Processos de Hospitalização Pediátrica visando o Cuidado Resolutivo. Tese, 2018.

A sociedade do conhecimento vê o capital intelectual transformar-se em vantagem competitiva nas organizações onde informações e conhecimento são rapidamente articulados em redes. Nas organizações hospitalares, o modelo biomédico estabelecido é beneficiário desse processo dinâmico e complexo que se reflete, além das prescrições informatizadas, no acesso a exames laboratoriais e de imagens mediatizados pelo avanço tecnológico, que, diante do ritmo acelerado de seu desenvolvimento, coloca-se à frente, muitas vezes, do desenvolvimento das pessoas que habitam os espaços hospitalares. A medicina das conquistas científicas e tecnológicas, em contrapartida, perde gradativamente o olhar clínico generalista. No processo de hospitalização em pediatria, várias pesquisas nas áreas das ciências da saúde, humanas e sociais evidenciam que a abrangência da assistência à criança e acompanhante necessita do trabalho em equipe multidisciplinar para viabilizar o compartilhamento dos saberes na busca de uma visão sistêmica de saúde. A presente tese tem como objetivo estabelecer estratégias para o compartilhamento do conhecimento nos processos de hospitalização pediátrica visando o cuidado resolutivo. Para atingir o objetivo proposto, foi utilizada uma abordagem metodológica qualitativa e, em relação a sua classificação geral é do tipo exploratória e descritiva, utilizando como estratégia de pesquisa, o estudo de caso. A coleta de dados ocorreu por meio dos métodos: revisão bibliográfica; pesquisa documental; grupos focais; e entrevista semiestruturada. A revisão bibliográfica ocorreu em dois momentos, a revisão sistemática da literatura com buscas em três bases de dados: Scopus, Web of Science e Medline e a pesquisa bibliográfica. Para caracterizar as duas organizações hospitalares escolhidas, foi utilizada a pesquisa documental priorizando os documentos pertinentes ao tema proposto. Assim como, a aplicação das técnicas de grupo focal com profissionais da saúde, e de entrevistas semiestruturadas com os acompanhantes das crianças hospitalizadas, para compilar dados advindos dos sujeitos de pesquisa. Os dados coletados foram analisados sob a ótica da análise temática, dando suporte à criação de vinte e nove estratégias que, posteriormente, foram validadas por especialistas, por meio do método Delphi, em três rodadas consecutivas. Ao final da terceira rodada, obtiveram-se vinte seis estratégias, sendo estas as estabelecidas para o compartilhamento nos processos de hospitalização pediátrica visando o cuidado resolutivo.

Palavras-chave: Processo de Hospitalização. Hospitalização Pediátrica. Compartilhamento do Conhecimento.

Link para download: Ivana Maria Fossari