Home » Archive by category "Dissertação" (Page 26)

SANTOS, Cristina Souza. O acesso ao conhecimento em sistemas inteligentes de gestão e análise estratégicas – uma aplicação na segurança pública. Dissertação, 2006.

O grande diferencial apresentado pelos Sistemas Baseados em Conhecimento (SBC) foi a possibilidade de armazenar o conhecimento de um determinado domínio e fazer com que o sistemas considerassem este conhecimento para gerar seus resultados. Este consiste num nobre objetivo e numa idéia fascinante quando se fala de Inteligência Artificial. No entanto sabe-se que um dos grandes gargalos dos SBC é justamente a aquisição e a representação do conhecimento de uma forma eficiente para que ele possa de fato interferir nos resultados do sistema. Trabalhar com conhecimento de forma explícita limita as suas possibilidades de aplicação, uma vez que a grande maioria dos processos, heurísticas e sinapses do ser humano acontece inconscientemente no momento em ele adquire habilidade no que faz. Métodos como o da observação, permitem que alguns destes passos já internalizados possam ser abstraídos. No entanto, muita coisa ainda permanece desconhecida. Assim, percebe-se que a tarefa das equipes que desenvolvem SBC é bastante complicada, pois além de capturarem e representarem o conhecimento nos sistemas é preciso que os usuários entendam a forma como isso foi feito para conseguirem gerar resultados em cima do seu próprio conhecimento, repassado ao sistema. A capacidade de processamento de grandes volumes de informação agregada ao conhecimento representado indicam o próspero desenvolvimento de supersistemas que poderão identificar conhecimentos ocultos e apresentar conclusões inalcançáveis para a mente humana em um curto espaço de tempo. Para que isso seja possível, entretanto, não são necessários apenas sistemas computacionais inteligentes, mas sim, equipes altamente preparadas e capacitadas para manipular suas funcionalidades com a destreza de quem orienta seu próprio conhecimento ao resultado almejado. Uma nova tecnologia muitas vezes desperta mais resistência do que curiosidade, provavelmente pelo receio em não conseguir operar esta ferramenta da maneira mais adequada. A criação e manutenção da motivação nestes usuários são essenciais para que os sistemas sejam absorvidos pelos processos de trabalho já existentes, sendo necessário, para isso, ativar os mecanismos cognitivos da criatividade e curiosidade, além de desmistificar a tecnologia como instrumento poderoso e independente. A compreensão de que a tecnologia é extremamente dependente da ação humana e o pleno entendimento das formas de interação do usuário com o sistema geram um entusiasmo que ultrapassa os limites individuais e contagia toda a equipe. Este é outro fator que pode apresentar resultados surpreendentes. A integração da equipe de especialistas, gestores e usuários permite que o sistema perceba os problemas considerando todos os pontos de vista e gere respostas adequadas a cada um deles. Neste sentido é preciso identificar formas de acessar e aprimorar o conhecimento disponível no sistema adequando-o constantemente às novas necessidades da organização. Uma organização pública brasileira que hoje demonstra deficiências sérias na questão da gestão do conhecimento e da informação é a segurança pública. Este trabalho busca, ao final, apresentar uma estrutura tecnológica viável e eficiente de gestão inteligente de conhecimento, adequando a mesma à realidade existente nestas organizações, buscando aproximar ao máximo estas ferramentas dos seus usuários.

Link para download: Cristina Souza Santos

BECKER, Valdecir. Concepção e desenvolvimento de aplicações interativas para televisão digital. Dissertação, 2006.

Este trabalho apresenta um estudo sobre a relação da TV digital interativa com a convergência tecnológica em outras áreas, principalmente telecomunicações, e propõe uma metodologia de apoio para desenvolvedores de aplicações para TV interativa, com base no cenário brasileiro e na convergência tecnológica, considerando as tecnologias disponíveis na transição do modelo analógico para o digital. Para tanto, analisou-se a evolução da produção de conteúdo televisivo, bem como a participação do telespectador na programação, o que permitiu compreender a TV brasileira e suas características, algumas delas diferentes em relação à TV européia e americana. Além disso, fez-se um estudo conceitual e teórico sobre a interatividade, cujo conceito, apesar de amplamente usado, ainda não contempla visões paradigmáticas no que diz respeito à televisão. A partir desse embasamento teórico, propõe-se o conceito de “simbiose digital” para explicar a nova relação convergente entre as áreas de radiodifusão, telecomunicações e informática. Compreendidos todos esses conceitos, propõe-se também uma metodologia de desenvolvimento de aplicações e de serviços interativos para televisão digital.

Link para download: Valdecir Becker

COSTA, Filipe Corrêa da. Centro Nacional de Gestão de Bionegócios – CENABIO: uma estrutura de fomento para biocombutíveis. Dissertação, 2006.

O presente trabalho pretende descrever o modelo de desenvolvimento do Centro Nacional de Gestão de Bionegócios – CENABIO voltado para o fomento da cadeia de biocombustíveis. Essa estrutura é alimentada por um software, um Portal na Internet e um escritório físico. O software é o Sistema Inteligente para Organização e Recuperação do Conhecimento em Bionegócios – SISBIO. Desenvolvido com técnicas de Inteligência Artificial e Engenharia do Conhecimento e Ontologias, o sistema é um software capaz de recuperar, processar e armazenar informações para identificar oportunidades para realização de potenciais bionegócios na área de biocombustíveis. No sentido de fomentá-los, propõe-se ainda a concepção de um portal na Internet como forma de disponibilização dessas informações. Para assegurar a viabilidade dos bionegócios, criar-se-á uma estrutura com especialistas de caráter multidisciplinar, capaz de garantir a segurança ambiental, jurídica, econômica e social. A aplicação da gestão do conhecimento apoiada no uso da tecnologia da informação e comunicação (TIC) e voltada para o desenvolvimento sócio-econômico aliado à conservação do meio ambiente é a área de atuação do presente estudo.

Link para download: Filipe Costa

URIARTE, Flavia Maia da Nova. Portal Corporativo como canal para Gestão do Conhecimento. Dissertação, 2006.

A Era da Informação traz um novo contexto ao mundo empresarial, no qual o conhecimento passa a ser visto como fonte de riqueza. A partir daí, a Gestão do Conhecimento torna-se um dos recursos utilizados por empresas que buscam potencializar seu capital intelectual via integração interna e colaboração de seus funcionários e, principalmente, compartilhamento e disseminação de informação e conhecimento. Para tanto, são necessários canais de comunicação e de  informação para esta gestão e o portal virtual, com suas ferramentas tecnológicas, é uma das opções utilizadas por empresas que visam à Gestão do Conhecimento. Este trabalho apresenta os elementos e características que um portal deve ter para ser um eficiente canal de comunicação e de informação da Gestão do Conhecimento. Para tanto, é realizado um levantamento bibliográfico acerca do tema e assuntos afins, além de entrevista semi-estruturada com uma empresa renomada em desenvolvimento de softwares corporativos. São também citados alguns exemplos de portais brasileiros. As informações, extraídas tanto da literatura quanto do mercado, são cruzadas e geram duas listas finais, com elementos e características que um portal deve ter para ser um canal da Gestão do Conhecimento.

Link para download: Flavia Maia da Nova Uriarte

SCHMITT, Valdenise. A infografia jornalística na ciência e tecnologia: um experimento com estudantes de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação, 2006.

Este trabalho tem por objetivo aferir o efeito da infografia na compreensão de matérias jornalísticas de divulgação científica. Para tal estudo, primeiramente foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre os aspectos conceituais do tema, sobre seu surgimento e sobre seus campos de aplicação, com foco na infografia jornalística no suporte impresso e on-line. Em seguida, foram enfatizadas a importância da divulgação científica e a relevância da infografia nessa modalidade jornalística, como um meio de transmitir leis, processos e teorias científicas ao público não especializado, de forma clara e simples. Abordou-se também o processo de compreensão de texto e algumas teorias cognitivas que investigam como os indivíduos processam e recuperam informações. Na seqüência, foram estabelecidas as bases metodológicas para investigar se a infografia melhora a compreensão de matérias jornalísticas de cunho científico e tecnológico, visto que as imagens ajudam os leitores a construírem modelos mentais funcionais. Por meio da experiência, aferiu-se o recall de informação de uma matéria jornalística de divulgação científica referente à escassez de água potável e aos processos de dessalinização, apresentada em duas versões diferentes – ‘só texto’ e ‘texto e infográfico’ – no suporte on-line. Os resultados da experiência demonstram que os estudantes universitários que receberam para leitura a versão ‘texto e infográfico’ apresentaram um recall de informações levemente superior ao grupo que foi submetido à leitura da versão ‘só texto’. Da mesma forma, aquele grupo considerou o conteúdo mais claro e menos confuso do que o dos que receberam somente a versão textual.

Link para download: Valdenise Schmitt