Home » Archive by category "Mídia e Conhecimento" (Page 2)

NUNES, Cristina Colombo. CONHECIMENTO DA CIDADE: MODELO DE QUALIFICAÇÃO DA IMAGEM DA MARCA DO LUGAR URBANO. Tese, 2017.

O contexto teórico-prático deste estudo é a área de Engenharia e Gestão
do Conhecimento, considerando-se especialmente a aplicação dos
recursos de Mídia e Conhecimento em Gestão do Conhecimento no
sistema urbanístico. Juntamente com os autores pesquisados, observouse
que, além de suportar atividades diversas, a estrutura física dos
lugares urbanos, também, atua e é percebida como mídia, de acordo com
os modos de ocupação da cidade. Sendo significativamente informados
por seus ocupantes, os lugares urbanos também informam estética e
simbolicamente uma imagem de marca aos observadores, sejam esses
habitantes ou visitantes da cidade. Imagem do “lugar urbano” é,
portanto, o objeto deste estudo, considerando-se o conjunto socialmente
ativo de ocupantes e os arranjos urbanístico-paisagísticos, cuja
percepção resulta em uma identificação afetivo-simbólica por parte de
moradores e frequentadores. A tese que orientou este estudo considera
que: ao expressar os atributos de sua identidade, as características físicas
e as atividades do lugar urbano também comunicam uma imagem de
marca associada às lembranças de ideias e sentimentos específicos. A
partir disso, o objetivo deste estudo foi a proposição de um modelo, com
elementos e critérios, para o conhecimento da identidade e da imagem
da marca do lugar urbano. Isso implica na identificação e na
categorização dos atributos funcionais e estético-simbólicos que,
popularmente, foram atribuídos ao lugar. Além da busca por
informações técnicas e publicitárias, no modelo, propõe-se ainda a
interação com representantes da comunidade local e a configuração de
gráficos do sistema de ocupação e frequência do lugar urbano. Com
isso, busca-se oferecer aos gestores urbanos um recurso de coleta,
organização e interpretação de informações úteis ao planejamento e ao
desenvolvimento da gestão de localidades, regiões e cidades. Isso é
baseado no conhecimento das características socioculturais e no
potencial humano, produtivo e turístico de cada lugar que,
popularmente, é destacado no conjunto patrimonial da cidade.
Conhecendo-se a imagem da marca do lugar é possível considerar suas
características tangíveis e intangíveis, como recursos potencialmente
valiosos para a gestão urbanística sobre aspectos humanos, sociais,
produtivos, culturais e turísticos.

Link para download: Cristina Colombo Nunes

CRISTIANO, Marta Adriana da Silva. INTEGRAÇÃO TECNOLÓGICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: PERSPECTIVAS SOBRE OS CONHECIMENTOS TECNOLÓGICOS, PEDAGÓGICOS E DE CONTEÚDO DOS PROFESSORES DO SUL DE SANTA CATARINA. Tese, 2017.

O propósito deste estudo é o de conhecer o perfil dos professores de Escolas de Educação Básica Pública da Região Sul de Santa Catarina no que tange a integração dos recursos tecnológicos em suas aulas. Nesse sentido, este estudo buscou entender as percepções de professores sobre suas habilidades para criar um ambiente de aprendizagem mediado por tecnologia. Utilizando uma abordagem qualitativa, foram abordados os conhecimentos tecnológico, pedagógico e de conteúdo para entender suas percepções docentes e averiguar estes diferentes conhecimentos entre os professores da rede pública do sul do estado, por meio de 2 pesquisas pré-estabelecidas: “Pesquisa Perfil Docente” e “Pesquisa TPACK”. Tais questionários foram aplicados a 2.191 professores da rede pública do sul catarinense. Ainda, a fim de aprofundar os conhecimentos em torno do tema, foi realizado um estudo de caso com 18 docentes de ensino fundamental participantes de um projeto de integração de tecnologias na educação. Com o estudo de caso se completou o inquérito sobre integração e percepção de uso da tecnologia pelos professores. Para tanto foi realizada entrevistas que ajudaram a evidenciar a precariedade da realidade docente frente às complexas atividades requeridas para o ensino do século 21. Os resultados indicaram uma diversidade consideráveis de habilidades tecnológicas. No entanto, mesmo com óbvia falta de habilidades, um número significativo de professores passou a fazer uso mais intensivo e qualificado das TIC após participarem das atividades de capacitações sobre recursos tecnológicos. Além disso, o estudo de caso evidenciou que antes das capacitações e incentivos à integração tecnológica os 18 professores apresentavam resultados aquém da média dos 2.191 docentes pesquisados, e que após estas atividades, o percentual sobre os conhecimentos tecnológicos, pedagógicos, de conteúdo e suas intersecções aumentaram, demonstrando que suas percepções sobre o uso de recursos tecnológicos para apoio às suas aulas tradicionais se alteraram. Quanto à percepção docente no processo de integração tecnológica, eles se auto avaliaram positivamente, a ponto de expressarem ter as aptidões necessárias para usarem estratégias adequadas neste processo, mas que as barreiras como a falta de infraestrutura escolar e o não direcionamento sobre o modo de o fazer os desestimula. O estudo destaca ainda a importância da formação docente e cursos de formação capazes de prepara-los para uma educação mais próxima da realidade do aluno.

Link para download: Marta Adriana

BERG, Carlos Henrique. FERRAMENTA PARA IDENTIFICAÇÃO DE EMOÇÕES A PARTIR DE ONOMATOPEIAS PARA PESSOAS COM DIFERENTES HABILIDADES VISUAIS. Tese, 2017.

Para identificar barreiras a compreensão de interfaces digitais são
feitas avaliações, entre as quais os testes de usabilidade. Porém, pessoas
com diferentes habilidades visuais não dispõe de uma ferramenta que
colete emoções especificamente desenvolvida para eles. A falta da
ferramenta diminui as chances dessas pessoas opinarem sobre sua
percepção de uso de uma interface digital. Assim, para levantar formas
análogas à visão, uma revisão sistemática de literatura identificou a
audição como um sentido similar a visão. Com base nesse conhecimento,
ponderou-se construir uma ferramenta que usasse onomatopeias de
emoções. Usando o Emocard, ferramenta usa expressões de emoções
humanas em uma cartela em que o usuário escolhe a que mais se
assemelha à emoção sentida durante um teste de usabilidade foi criado
um protótipo. A fim de validar a ferramenta foi feita uma pesquisa
quantitativa que levantou dados sobre sua usabilidade usando duas
ferramentas e foi feito um cálculo do χ², apropriado à verificação da
similaridade de duas fontes distintas de dados. O cálculo efetuado
apontou que o protótipo de ferramenta onomatopeica é similar à
ferramenta que usa estratégia visual. Os dados sobre usabilidade
coletados permitiram verificar a valência da ferramenta, indicada como
positiva. Com essa pesquisa foi desenvolvido um processo que pode ser
usado para criar ferramentas com base em outros modelos de
ferramenta, ou em outras línguas. Para pessoas com diferentes
habilidades visuais a ferramenta especialmente desenvolvida dá
oportunidade de opinar sobre emoções em testes de usabilidade. Para
desenvolvedores apresenta-se como mais uma ferramenta para testes de
usabilidade de interfaces ou produtos.

Link para download: Carlos Henrique Berg

Palomino, Cecilia Estela Giuffra. Aplicação de um modelo adaptativo de tutores inteligentes para disseminação do conhecimento em ambientes virtuais de ensino-aprendizagem. Tese, 2017.

Ambientes virtuais de ensino-aprendizagem são utilizados tanto no ensino a
distância quanto no presencial e em ambientes corporativos como ferramenta de
apoio no processo de compartilhamento de conhecimento. Os professores ou
responsáveis pelo espaço da turma adicionam o material relativo ao domínio do
conhecimento envolvido e, também, elaboram e propõem atividades de mediação
pedagógica para os participantes. Esse processo, de um modo geral, resulta em um
espaço que se apresenta da mesma forma para todos os participantes, sem levar
em conta as diferenças que existem entre cada um deles, tanto em desempenho
quanto em comportamento no ambiente. A proposta deste trabalho é aplicar um
modelo de ambiente inteligente adaptativo, baseado em agentes, de modo a
permitir a disseminação do conhecimento entre os participantes, utilizando os
recursos e ferramentas disponíveis no ambiente, levando em conta os critérios
definidos pelos professores ou responsáveis da organização da turma, junto com
os dados de desempenho dos estudantes e demais dados obtidos a partir dos
acessos ao ambiente. Neste modelo, os recursos e atividades são disponibilizados
para os participantes de forma individualizada e adaptativa. Para isso, foi
desenvolvido um sistema que utiliza o Moodle como estudo de caso e foi criado
um curso de cálculo básico para fazer o estudo de caso com participantes. Foram
realizados testes com 12 participantes, 4 deles participaram em uma etapa de prétestes
e 8 em uma etapa final de testes do sistema. Os resultados indicam que o
modelo adaptativo funciona como esperado, disponibilizando os materiais de
forma diferenciada para os estudantes, e que o modelo proposto é aceito pelos
participantes. Além disso, este trabalho inclui também a proposta de uma técnica
de design instrucional para ambientes adaptativos, considerando que o professor
da turma realiza o papel de designer.

 

Link para download: Cecília Estela Giuffra Palomino

NUNES, Carolina Schmitt. GESTÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UM FRAMEWORK BASEADO EM BOAS PRÁTICAS. Tese, 2017.

A Educação a Distância emerge cada vez mais como uma possibilidade de acesso e democratização da educação no Brasil. As especificidades da modalidade tornam imperativa a utilização de formas apropriadas de gerenciamento de cursos. A escassez de pesquisas sobre práticas de gestão de sistemas de educação a distância deixa um campo aberto a novas descobertas e reflexões. Portanto, esta tese propõe um framework para a gestão da educação a distância baseado em melhores práticas. A abordagem desta pesquisa é qualitativa. Os procedimentos metodológicos adotados foram: revisão narrativa da literatura, estudo de caso com análise temática, revisão sistemática e validação com especialistas. O estudo de caso foi realizado no curso a distância de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina (membro do Sistema Universidade Aberta do Brasil), entre 2006 e 2016, e os participantes foram oito gestores do curso. A revisão sistemática aportou uma relação de boas práticas em nove categorias: gestão de pessoas, tutoria, comunicação, planejamento, design instrucional, tecnologia, institucionalização, gestão financeira e qualidade. A partir dos resultados do estudo de caso e da revisão sistemática, foi elaborado o framework, posteriormente validado com os especialistas, com 11 dimensões de boas práticas: tutoria, comunicação, planejamento, pessoas, institucionalização, pesquisa, relacionamento com stakeholders, tecnologia, qualidade, gestão financeira e design educacional. O objetivo do modelo desenvolvido é – potencialmente – ser um guia para gestores e coordenadores de cursos a distância que desejem melhorar a qualidade dos seus cursos.

 

Link para download: Carolina Schmitt Nunes

SIMON, Rangel Machado. ADAPTAÇÃO COMO MÍDIA PARA O CONHECIMENTO: UMA ANÁLISE DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM UTILIZADOS EM DISCIPLINAS DE GRADUAÇÃO. Dissertação, 2017.

O presente trabalho questiona como ambientes virtuais de aprendizagem (AVA)
adaptativos conseguem aperfeiçoar a capacidade de codificação, disseminação e
aplicação do conhecimento pelo usuário, nas diferentes mídias, bem como o que
difere um ambiente adaptativo dos demais. Para isso, foi dividido em: a) pesquisa
exploratória, b) levantamento bibliográfico da literatura, c) observação
sistemática, d) pesquisa-ação quantitativa e qualitativa, e) análise e discussão dos
resultados e f) conclusão e trabalhos futuros. Na pesquisa-ação (quarta e principal
etapa deste trabalho), foi dividida em quatro ciclos, iniciando com a construção do
conhecimento pelos participantes; aplicação dos critérios na amostra por aqueles
e pelo pesquisador; aplicação e fixação do conhecimento adquirido pelos
primeiros e feedback dos participantes por meio de questionário de questões
objetivas e dissertativas. Como principais resultados, constatou-se que os
ambientes virtuais de aprendizagem adaptativos conseguem codificar dados com
mais eficácia em relação aos tradicionais (não-adaptativos), já que possuem
tecnologia voltada para isso. Essa codificação amplia a possibilidade de melhoria
na disseminação e aplicação de conhecimentos de maneira eficiente, já que a
análise de dados faz com que se conheça o estudante e se crie um espaço mais
propenso para a aprendizagem, melhorando o processo de construção de
conhecimento.

 

Link para download: Rangel Machado Simon

SILVA, Andreza Regina Lopes da. DESIGN EDUCACIONAL PARA GESTÃO DE MÍDIAS DO CONHECIMENTO. Tese, 2017.

A concepção de um curso na modalidade a distância envolve diferentes desafios, entre os quais se destaca a elaboração da mídia do conhecimento, pois esta exerce a função de mediação pedagógica. Converge com esta realidade a intersecção dos temas “design educacional” e “gestão”. Assim, o objetivo desta tese de doutorado é propor um modelo de design educacional como processo de gestão para elaboração de mídias do conhecimento em projetos de educação a distância. Para atender a este objetivo, a pesquisa classifica-se como científica, de natureza teórico-prática, com finalidade aplicada, trabalhada segundo uma abordagem exploratório-descritiva. Para a coleta e a análise de dados, utilizou-se da técnica de métodos mistos, empregando-se práticas de pesquisa quantitativa e qualitativa. A interpretação da análise resultou de uma interlocução triangulada a partir do tripé conceitual: design educacional; gestão do conhecimento e gestão de projetos. Os resultados encontrados permitiram a construção de um modelo teórico-conceitual de design educacional denominado Ariadne. Este modelo apresenta-se como sendo uma direção flexível que valoriza as competências, os processos e as tecnologias necessárias para a elaboração de mídia do conhecimento na modalidade a distância e está organizado de modo a direcionar esta produção de modo que se atinja o objetivo desejado. Dada a crescente complexidade dos projetos educacionais, conclui-se que processos de gestão de projetos e gestão do conhecimento integrados à prática do design educacional contribuem para atender aos princípios de ensino-aprendizagem a partir da gestão de elaboração de tais mídias.

 

Link para download: Andreza Regina Lopes da Silva

CARDOSO, Alexandra Sombrio. A Pedagogia Psicodramática como Forma de Construção do Conhecimento: Uma Experiência na Disciplina Metodologia de Pesquisa no Ensino Superior. Dissertação, 2017.

A educação está mudando. A cada dia exige-se um ensino de qualidade e, sobretudo, transformador e construtor do conhecimento humano. Como consequência desse contexto, as instituições educacionais, nelas incluídas as universidades, estão e precisam cada vez mais de aperfeiçoamento e de expansão, tanto prezando pela qualidade da educação quanto pela manutenção e aumento no número de alunos. Assim, a adoção de métodos inovadores pedagógicos se faz necessário. Uma possibilidade é a Pedagogia Psicodramática, criada pela pedagoga argentina Maria Alicia Romaña. O objetivo desta dissertação analisar a Pedagogia Psicodramática como forma de construção do conhecimento na disciplina de metodologia de pesquisa no ensino superior.  Metodologicamente este estudo é uma pesquisa qualitativa, que buscou dados por meio de uma pesquisa-ação, com uma de amostra de trinta (30) acadêmicos da segunda fase do curso de Psicologia do UNIBAVE. Em relação aos procedimentos, primeiramente aplicou-se um questionário investigativo inicial (dezenove perguntas-informações socioeconômicas acerca da metodologia de pesquisa), ainda foram elaboradas e desenvolvidas três aulas sobre metodologia de pesquisa com a utilização de recursos didáticos característicos da pedagogia psicodramática.  Após a análise, foi possível perceber que recursos como o lúdico, as técnicas teatrais, a espontaneidade, a expressão corporal, a interação social, a criatividade, o jogo dramático e técnicas psicodramática facilitaram o entendimento sobre o conteúdo exposto pelo docente da referida disciplina. A aplicabilidade do método também permitiu uma maior interação entres os integrantes, e o rompimento de algumas conservas culturais, em relação ao ensino tradicional. Como consequência da aula expositiva, mais a aplicabilidade dos recursos da referida pedagogia, pode-se perceber que os acadêmicos se apropriaram dos conteúdos metodologia de pesquisa, principalmente reconhecendo a importância e relevância da mesma para vida acadêmica e profissional.

 

Link do Download: Alexandra Sombrio Cardoso

PEPULIM, Maria Elizabeth Horn. DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DAS BARREIRAS CULTURAIS À EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS. Tese, 2017

A proposta do presente estudo foi contribuir com o gerenciamento das barreiras culturais à efetivação da gestão do conhecimento nas organizações públicas. Partindo do pressuposto que definir diretrizes de gerenciamento destinadas a essas barreiras, em conjunto com os seus usuários, pode ajudar a dirimi-las e, por conseguinte, auxiliar a efetivação da gestão do conhecimento neste tipo de organização, a ideia foi compor um conjunto de diretrizes de gerenciamento para esse fim, dessa maneira. A premissa que induziu a essa temática foi que a diversidade cultural, oriunda da singularidade de cada um dos atores das organizações, em convívio, pode originar barreiras culturais a vários processos, entre eles à efetivação da gestão do conhecimento. Para verificar a relevância e a juventude dessa proposição foram realizadas: uma revisão de literatura, pesquisas bibliográficas e uma pesquisa de campo, usando o método Observador Participante apoiado por entrevistas, reuniões informais, que abrangeram cento e oito servidores da organização pública eleita para essa pesquisa, e por uma ferramenta informática que foi constituída em conjunto com o corpo técnico da organização. No processo de definição das diretrizes do conjunto inicial, à efetivação da GC, foram usadas algumas técnicas inclusivas, colaborativas e centradas no usuário, conjunto de características identificadas como recurso para torná-las mais permeáveis à organização. Constatada essa permeabilidade foram definidas as diretrizes do conjunto final, da mesma maneira mas, desta vez, destinadas especificamente ao gerenciamento das barreiras culturais à efetivação da GC nas organizações públicas. Para validá-las foi utilizado o método Delphi com a participação de sete especialistas. Entre os resultados obtidos, no presente estudo, encontram-se: um conjunto com doze diretrizes destinadas ao gerenciamento das barreiras culturais à efetivação da GC nas organizações públicas, que representam uma inovação social no contexto organizacional deste tipo de organização; a assertiva que problemas relacionados com a compreensão de proposições, com o acolhimento delas, com a capacidade de entender e de se adaptar a mudanças, problemas de comunicação, de relacionamento etc., provenientes da diversidade cultural dos integrantes de uma organização, que impedem ou possam vir a impedir, em alguma instância, qualquer tipo de integração e de colaboração esperada “em”, “por” e “de” uma equipe, são considerados e podem ser nomeados como barreiras culturais; a constatação de que para transpor as barreiras supracitadas e para que os servidores públicos trabalhem em grupo, independente das suas diferenças culturais, a abordagem deve ser top-down no que tange ao princípio organizacional que determina um ambiente para que isso aconteça, inclusiva no que diz respeito à equipe, humana no que diz respeito à comunidade que compõe a organização e colaborativa no que diz respeito ao trabalho a ser realizado.

 

Download do link: Maria Elizabeth Horn Pepulim