Home » Archive by category "Gestão do Conhecimento" (Page 5)

BUCHELE, Gustavo Tomaz, Adoção de Métodos, Técnicas e Ferramentas para Inovação: um levantamento em organizações catarinenses. Dissertação, 2015.

A inovação tem sido considerada como um elemento essencial para criar vantagem competitiva de longo prazo nas organizações. Porém, estimular e apoiar esse processo ainda é um desafio. Por sua vez, o efetivo uso de Métodos, Técnicas e Ferramentas para Inovação (MTF-I) pode ser um fator importante para apoiar o processo da gestão da inovação, aumentando suas chances de sucesso. Dessa forma, o objetivo da presente pesquisa é descrever os Métodos, Técnicas e Ferramentas para Inovação adotados em projetos executados em organizações catarinenses. Para isso, a pesquisa foi conduzida por uma abordagem quantitativa de cunho exploratório e descritivo. Os dados foram coletados através de um levantamento (survey) em organizações catarinenses utilizando questionários fechados na internet. Como principais resultados, verificou-se que são conhecidos muitos MTF-I, porém poucos são utilizados. Além disso, observou-se, assim como na literatura, que eles são mais frequentemente utilizados no front end da inovação, mas que podem ser utilizados nas demais fases do processo, o que demonstra flexibilidade e iteratividade do processo de inovação. Percebeu-se, também, a ênfase para processos de captura e criação de conhecimento, demonstrando o elo existente entre a inovação e a gestão do conhecimento. Foi possível identificar que a utilização de MTF-I é importante para aumentar a competitividade e estes são utilizados principalmente para resolver problemas nas organizações. Nesse sentido, eles apresentaram alta satisfação após seu uso. Diante disso, a presente pesquisa contribui empiricamente com o tema, mesmo quando seus resultados não podem ser generalizados à todas as organizações catarinenses. Entretanto, tais resultados podem servir de ponto de partida para pesquisas futuras acerca do tema.

 

Link para download: Gustavo Tomaz Buchele

SILVA, Maria Emília da. A Relação do Marco Jurídico da Sapiens Parque S/A com o Processo de Inovação. Dissertação, 2015.

Sempre existiu uma busca por soluções que pudessem trazer uma vida melhor para a sociedade. O atual “século do conhecimento” não é diferente, no que diz respeito ao desenvolvimento científico e tecnológico, na busca por conforto e qualidade de vida. O desafio brasileiro, na atualidade, é tornar-se um país cujas atividades sejam intensivas em conhecimento, como instrumento de alavancagem para o desenvolvimento ambiental, econômico e social sustentáveis. O Estado de Santa Catarina conta com a UFFS, IFC, IFSC, EMBRAPA, UDESC, EPAGRI, com as instituições dos sistemas da ACAFE e da FIESC, instituições de ciência e tecnologia de excelência, empresas de tecnologia, incubadoras, institutos, fundações de apoio e educacional, que de forma pioneira vêm aplicando os mais diversos modelos para viabilizar o incentivo à inovação. Contudo, os empreendimentos existentes não possuem a segurança jurídica necessária, levando ao risco de responsabilizações pessoais, devido à ausência de normatização clara para o assunto. Será apresentado, neste estudo, o contexto dos parques tecnológicos em implantação/operação brasileiros, cujo objeto é abrir o leque de possibilidades de conhecimentos, informações, dados científicos e tecnológicos circularem no ambiente de pesquisa e desenvolvimento tecnológico. A Sapiens Parque está projetado para desenvolver-se com características comerciais, com alta atratividade para implantação de projetos privados, orientado e direcionado com foco no ser humano, no conhecimento e sabedoria. O modelo societário aplicado no parque é a Sociedade de Propósito Específico (SPE), forma de sociedade anônima, que permite captar recursos ainda dentro das suas alternativas próprias de gerar valores mobiliários e atrair investidores. Será exposto, por fim, os desafios relativos a implantação de Parques Científicos e Tecnológicos, políticas públicas brasileiras de incentivos, marco jurídico da Sapiens Parque como facilitador do processo de inovação.

 

Link para download: Maria Emilia da Silva

FRAGA, Bruna Devens. Conhecimento como Ativo Organizacional: Estudo de Caso em Programa de Pós-Graduação. Dissertação, 2015.

No contexto atual das organizações, vistas como entes cognitivos, cujo principal ativo é o conhecimento, torna-se fundamental compreendê-lo como recurso e geri-lo de forma sustentável. Logo, é necessário utilizar métodos e estratégias para identificar e compreender o conhecimento de forma sistemática e orientada aos re-sultados e objetivos organizacionais. Neste cenário, a gestão do conhecimento é vista como uma abordagem integrada por processos de identificação, criação, compartilhamento, armazenamento e aplicação do conhecimento como recurso valioso para as organizações. No que tange a estes aspectos, alguns autores afirmam que para gerenciar é preciso mensurar, da mesma forma que as iniciativas de gestão do conhecimento necessitam ser avaliadas, a fim de certificar quais ações estão em andamento, como são percebidas pelos seus colaboradores e, quando necessário, elaborar redefinições estratégicas relacionadas à gestão do recurso conhecimento. Neste contexto, este trabalho tem por objetivo analisar o recurso conhecimento como ativo organizacional em um Programa de Pós-graduação. Trata-se de uma pesquisa de natureza aplicada, de abordagem quali-quantitativa, que por meio de estudo de caso analisa as dimensões e práticas de GC e a caracterização dos eixos de conhecimento crítico. Para isso, foi proposto um procedimento metodológico adaptado ao estudo de caso, que permitiu analisar de forma transversal o recurso conhecimento e identificar como o mesmo é percebido pelos docentes do Programa. Como resultado da aplicação e análise da correlação dessas dimensões, foi possível inferir sobre o papel da tecnologia da informação como suporte para realizar os processos da gestão do conhecimento. De forma a corroborar esta visão, deve-se potencializar as práticas de GC identificadas de forma a contribuir com os resultados e objetivos do Programa. Neste sentido, faz-se necessária uma liderança voltada para gerir o recurso conhecimento e articular as práticas consideradas informais pela organização, de forma a promover um maior alinhamento transversal entre as diferentes áreas de pesquisa. Quanto à visão estratégica do recurso conhecimento como um processo é suportada pela identificação e caracterização dos eixos críticos de conhecimento, que estão alinhados aos resultados e objetivos do planejamento estratégico do contexto estudado.

 

Link para download: Bruna Devens Fraga

HELOU, Angela Regina Heinzen Amin. Avaliação da Maturidade da Gestão do Conhecimento na Dministração Pública. Tese, 2015.

O presente trabalho de tese de doutorado aborda a questão da maturidade da gestão do conhecimento em organizações públicas. Para o seu desenvolvimento, a partir de uma busca sistemática de literatura, procurou-se identificar modelos referenciais já desenvolvidos, de avaliação da maturidade da gestão do conhecimento em organizações públicas, que pudessem servir de base para a concepção de um framework , adaptado à realidade brasileira, o qual foi submetido à uma verificação de consistência e de aplicabilidade em múltiplos estudos de caso. Nesse sentido, formulou-se o seguinte pergunta de pesquisa: “Como avaliar a maturidade da gestão do conhecimento em organizações públicas”? Para responder a este problema de pesquisa foi realizada, preliminarmente, uma fundamentação teórica, alicerçada em três temas: (i) Administração Pública (principais abordagens e Administração Pública brasileira); (ii) Gestão do Conhecimento na Administração Pública (conhecimento organizacional e modelos de gestão do conhecimento); e, (iii) Maturidade de Gestão do Conhecimento na Administração Pública (maturidade da gestão do conhecimento e revisão dos modelos de maturidade). Da mesma forma, foi delineado um procedimento metodológico, baseado nas seguintes perspectivas: (i) Quanto a lógica de pesquisa: em uma perspectiva indutiva; (ii) Quanto a abordagem: em uma perspectiva mista (qualitativa e quantitativa); (iii) Quanto aos objetivos: considera-se exploratória e descritiva; e, (iv) Quanto aos procedimentos técnicos: trata-se de um estudo multicaso com pesquisa empírica em onze organizações públicas: ANAC, ITA, DCTA, IPEA, Correios, SEPLAG-MG, Secretaria da Educação-MG, Polícia Militar-MG e Polícia Civil-MG, FIOCRUZ nas unidades: Vice Presidência de Ensino, Informação e Comunicação; Diretoria de Recursos Humanos; Bio-Manguinhos e Casa Oswaldo Cruz, Ministério público de Goiás, Os resultados alcançados evidenciaram os seguintes aspectos: (i) As barreiras e os facilitadores de implantação da gestão do conhecimento, de cada organização; (ii) os fatores críticos de sucesso da implantação da GC em cada organização; e (iii) o framework para a Avaliação da Maturidade da Gestão do Conhecimento na Administração Pública Brasileira; e, sobretudo, (iii) A importância da gestão do conhecimento para o desenvolvimento das organizações públicas brasileiras.
Link para download: Angela Regina Heinzen Amin Helou

MANHÃES, Mauricio Cordeiro. Innovativeness and Prejudice: Designing a Landscape of Diversity for Knowledge Creation. Tese, 2015.

O interesse organizacional contemporâneo a respeito da inovação levou a várias tentativas de domá-la por meio de amplas chamadas para as práticas de criatividade e design. Na maioria das vezes, essas chamadas fogem do confronto entre o processo de renovação contínua do efêmero de um lado; e a tradição e o preconceito, por outro. O objetivo deste estudo é fazer sentido de um discurso para aumentar o potencial de criação de conhecimento de grupos, de modo a atuarem na direção do futuro, para um melhor desempenho e longevidade. Baseado no conceito de Necessidade de Enquadramento (Need for Closure), a partir de uma perspectiva hermenêutica e inspirado por uma abordagem metodológica reflexiva, o presente estudo lança luz sobre os impactos do preconceito nos esforços inovadores de grupos. Os dados e resultados apresentados respondem positivamente à pergunta de pesquisa da tese, indicando que existe uma relação entre a tendência de motivação cognitiva de indivíduos em um grupo (NFC Mean) e o potencial desse grupo de criar produtos percebidos como inovativos (OUP Mean). Esses resultados habilitam a descrever o NFC Mean como uma variável preditora (ou explicativa) positiva e significativa do OUP Mean.Apoiado por um estudo empírico e análise quantitativa de dados. Assim, este estudo propõe uma heurística baseada em determinantes de inovatividade relacionados a preconceito (denominada Prejudice Related Innovativeness Determinants Heuristic – PRIDHe), para aumentar efetivamente o potencial inovativo de grupos sociais. A heurística sugere formas de alocar pessoas em e define uma política de governança para grupos, a fim de proporcionar um ambiente criativo onde o preconceito não somente limita as ações como sugere novas oportunidades de atuar em direção ao futuro. A principal contribuição teórica deste trabalho reside nas reflexões sobre os impactos positivos do preconceito nos esforços inovativos. Em seu núcleo, o discurso proposto neste texto pode ser resumido como: organizações cientes de seus preconceitos possuem maior probabilidade de apresentar um melhor desempenho.

 

Link para download: Mauricio Cordeiro Manhães

JAPPUR, Rafael Feyh. Modelo Conceitual para Criação, Aplicação e Avaliação de Jogos Educativos Digitais. Tese, 2014.

Os jogos educativos digitais têm o potencial de agregar valor ao processo de ensino e aprendizagem de conteúdos em sala de aula. Todavia, os professores ou mediadores desse processo enfrentam dificuldades para a aplicação desses jogos no contexto da sala de aula, seja pela falta dos princípios pedagógicos na sua criação, seja pela falta de mediação na sua aplicação, ou até mesmo da avaliação da eficiência e eficácia do uso desses jogos. Nesse sentido, este trabalho buscou desenvolver um modelo conceitual para a criação, aplicação e avaliação de jogos educativos digitais para o contexto do processo de ensino e aprendizagem em sala de aula. Os procedimentos metodológicos utilizados foram preponderantemente a pesquisa bibliográfica e de campo, com a utilização do Design Science Research Methodology (DSRM) para o desenvolvimento do modelo conceitual. O início desta pesquisa, conforme apresenta o DSRM, foi o projeto e desenvolvimento do jogo educativo digital denominado de Simulador Ambiental (SA). A partir da experiência realizada com a criação do jogo, concomitantemente com os avanços das pesquisas bibliométricas e aleatórias, foi concebido o modelo conceitual desta tese. O modelo conceitual foi aplicado em sete turmas na Faculdade Senac, no município de Florianópolis (SC), totalizando 125 alunos. Constatou-se que houve melhora na percepção dos alunos quanto ao seu nível de aprendizado no conteúdo do jogo utilizado (SA). Portanto, os resultados alcançados nesta pesquisa demonstraram positivamente a consistência do modelo conceitual, oferecendo aos desenvolvedores de jogos, assim como aos mediadores da prática pedagógica e às demais partes interessadas no processo de ensino e aprendizagem com o uso de jogos educativos digitais em sala de aula, um caminho pelo qual eles possam criar, aplicar e avaliar a qualidade dos jogos e a didática de aplicação destes.

 

Link para download: Rafael Feyh Jappur

MUÑOZ, Denise Leonora Cabrera. Processos de Conhecimento Associados à Gestão para Sustentabilidade: Um Estudo Baseado na Revisão Sistemática de Literatura. Dissertação, 2013.

A presente pesquisa, a partir de revisão sistemática de literatura, teve
como objetivo identificar e analisar os processos de conhecimento que
tem sido utilizados na gestão para sustentabilidade, buscando elucidar
como esses processos contribuem para o desenvolvimento da gestão do
conhecimento para sustentabilidade. No planejamento da pesquisa, definiu-
se como termos chaves iniciais: gestão do conhecimento, os dez
processos de conhecimento mais citados em frameworks de gestão do
conhecimento baseado no estudo de Heisig (2009), combinados com
os termos sustentabilidade e desenvolvimento sustentável. Foram coletados
226 artigos nas bases de dados Social Sciences Citation Index
(SSCI) e Science Citation Index Expanded (SCI-EXPANDED), pertencentes
à plataforma de pesquisa ISI Web of Knowledge, no período de
1945 a 2012, e selecionados 94 artigos, entre estudos empíricos, tecnológicos,
teóricos e de revisão de literatura. Os resultados apresentam
análises descritivas quantitativas e qualitativas, além de análises
do campo teórico, questões, objetivos e lacunas de pesquisa. Também
foram identificados outros processos de conhecimento além daqueles
selecionados na etapa de planejamento, que ampliam e enriquecem a
visão do tema da pesquisa. Como maior aporte de uma revisão sistemática,
a síntese é expressa em um framework conceitual, que reúne os
elementos e as relações que dizem respeito à gestão dos processos de
conhecimento associados à gestão para sustentabilidade. Nas considerações
finais, a discussão aborda as contribuições e os limites da pesquisa,
as implicações sociais e as sugestões para futuros estudos

 

Link para download: Denise Leonora Cabrera Muñoz

ESPER, Aulina Judith Folle. Análise Comparativa de Programas de Desenvolvimento de Líderes. Dissertação, 2015.

Diferentemente dos estudos da liderança, as pesquisas sobre o desenvolvimento de líderes são bastante recentes. Diversos fatores contribuíram para esse fato, sendo bastante relevante a predominância, durante longo tempo, das abordagens dos traços, que considerava que uma pessoa já nasce líder, não sendo necessário desenvolvê-lo, e ainda da abordagem comportamental, que trabalhava com o aprimoramento de habilidades específicas, sem adentrar na dimensão do desenvolvimento de adultos envolvida com o tema. Como forma de contribuir com as pesquisas sobre o desenvolvimento de líderes, desenvolveu-se uma revisão integrativa da literatura sobre o tema, com o objetivo de desenvolver um modelo de análise de programas de desenvolvimento de líderes. Com base nesse modelo analítico, este trabalho desenvolve uma análise comparativa de cinco propostas do desenvolvimento de líderes, tratando-se das propostas do Center for Public Leadership, do INSEAD Global Leadership Centre, do International Masters in Practicing Management e do Center for Creative Leadership, além do desenvolvimento de líderes autênticos (ALD). Os cinco modelos foram apresentados e analisados com base nos critérios: o discurso orientador do modelo, os fundamentos do modelo; do conceito de líder; conceito de liderança; fundamentos da concepção de aprendizagem; processo de aprendizagem, composto pelo objetivo e pelo processo de desenvolvimento; e ainda o nível de profundidade da aprendizagem, com base na classificação proposta por Day e Sin (2011). Os modelos analisados partem de bases distintas para a promoção do desenvolvimento de líderes, mas têm em comum, em sua grande maioria, a compreensão de que o processo de desenvolvimento de líderes ocorre principalmente com base nas experiências de vida dos participantes e no envolvimento em atividades em grupos, sendo esse o caminho para que as mudanças comportamentais possam se consolidar na vida dos líderes e na forma como estes atuam nas suas organizações.

 

Link para Download: Aulina Judith Folle Esper

WILBERT, Julieta Kaoru Watanabe. Características de VCoPs que Influenciam Processos de Inovação: Estudo de Caso em uma Empresa Pública Brasileira. Dissertação, 2015.

No século 21 grande parte das organizações, sejam públicas ou privadas,
buscam a inovação como fator de sobrevivência. A inovação pode decorrer
da recombinação de conhecimentos existentes, ou da criação de novos, em
situações de compartilhamento de conhecimento. Este último tem, por isso,
um papel destacado em contexto de inovação. Dentre as estratégias de
compartilhamento de conhecimento, as Comunidades de Prática (CoPs) e as
Comunidades de Prática Virtuais (VCoPs) se destacam pela possibilidade
de suas atuações como catalisadoras de processos de inovação. O objetivo
da presente pesquisa é identificar características de VCoPs que influenciam
processos de inovação em uma empresa pública brasileira. Para isso, foi
conduzida uma pesquisa qualitativa exploratória, do tipo estudo de caso, em
três VCoPs que realizaram inovações incrementais na Empresa Brasileira
de Correios e Telégrafos. Os dados foram coletados em entrevistas
semiestruturadas junto a membros das VCoPs pesquisadas. Como
resultado, ao se comparar as características identificadas no estudo de caso
com as encontradas na literatura revisada, concluiu-se que características de
VCoPs que influenciam processos de inovação podem estar relacionadas a
sua configuração estrutural, ao seu domínio, à sua dinâmica e às pessoas
que as compõem – membros e moderadores. O presente estudo mostra que
a maior parte dessas características estão associadas à presença de pessoas
abertas a compartilharem o que sabem, e a criarem algo novo. Por isso, a
temática VCoPs para inovação enseja uma abordagem antropocêntrica. A
dissertação contribui para o campo teórico a partir do estudo para a
compreensão de como VCoPs apoiaram processos de inovação em uma
empresa pública brasileira. A pesquisa pode contribuir igualmente para
aplicação prática da gestão da inovação com emprego de VCoPs em
organizações, ainda que o estudo apresente como limitação principal o fato
de os resultados não poderem ser generalizados. Contudo, os resultados
obtidos podem contribuir com elementos para futuros estudos que busquem
generalização na temática apresentada.

 

Link para Download: Julieta Kaoru Watanabe Wilbert