Home » Archive by category "Gestão do Conhecimento" (Page 3)

LASSO, Ana Laura. Método Para o Compartilhamento do Conhecimento do Especialista Usado no Processo de Tomada de Decisão. Dissertação, 2016.

A tomada de decisão é um processo chave para o cumprimento dos objetivos estratégicos da organização e demanda a aplicação de conhecimentos específicos por parte dos tomadores de decisão, em todos os níveis da organização. Logo, um novo colaborador, que ainda não adquiriu o conhecimento específico sobre o novo contexto, pode apresentar dificuldades para realizar a tomada de decisão, alinhada à visão estratégica da organização. Diante disso, aponta-se o potencial das estratégias de compartilhamento de conhecimento, para possibilitar que o conhecimento usado pelos especialistas nesse processo, seja utilizado por outros membros da organização. Neste cenário, realiza-se a presente pesquisa, com o objetivo de propor um método para sistematizar a identificação das lacunas de conhecimento dos novatos e o correspondente compartilhamento do conhecimento do especialista na organização – Método CCE –. Primeiramente, foram explorados os conceitos que levaram à compreensão de como o especialista toma suas decisões, as características do compartilhamento de conhecimento na organização e os diversos modelos de tomada de decisão organizacional. Dessa forma, foram adotados os conceitos da tomada de decisão naturalística, o uso do formato de cenários de situações críticas e o processo de compartilhamento de conhecimento por meio da elicitação, codificação e disseminação do conhecimento, como os elementos conceituais do Método proposto. Posteriormente, procedeu-se à operacionalização do método, por meio da estruturação em etapas, com o uso da metodologia CommonKADS e a construção de instrumentos específicos. Para verificar a aplicabilidade do Método proposto, realizou-se uma aplicação em um departamento de uma empresa de grande porte do setor de tecnologia, localizada em Florianópolis. Desse modo, comprovou-se a coerência e a funcionalidade das etapas e dos instrumentos do Método para o cumprimento dos objetivos estabelecidos. Conclui-se que o Método CCE
oferece uma solução à falta de conhecimentos específicos dos novatos para a tomada de decisão frente a uma situação não familiar, pois disponibiliza os recursos de conhecimento dos especialistas em um formato prático e objetivo, que pode melhorar as condições de tomada de decisão dos novos colaboradores.

Link para dowload: Ana Laura Lasso

CONSONI, Deizi Paula Giusti. COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS: Estudo de Caso em Uma Organização de Ensino Intensiva em Conhecimento. Tese, 2016.

Muito se tem falado sobre empreendedorismo ao longo dos últimos anos. Seu conceito vem conquistando o olhar de outras ciências, passando, assim, a figurar em espaços para além da organização. As competências empreendedoras passam a ser mais exigidas na formação profissional e valorizadas não somente no mundo do trabalho, mas na sociedade, no setor público, na iniciativa privada e na própria vida do indivíduo. Nessa conjuntura, entendendo que a escola pode ser um eventual ponto de partida do empreendedor para “o mundo” é possível que as competências empreendedoras dos professores dos cursos técnicos possam despertar nos alunos a “vocação empreendedora” ou as competências empreendedoras tão necessárias atualmente. Assim, o objetivo desta pesquisa foi analisar as competências empreendedoras presentes nos professores dos Cursos Técnicos Subsequentes do Campus Florianópolis-Continente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina – IFSC. Para isso, a pesquisa foi conduzida por uma abordagem qualitativa, de cunho exploratório e descritivo. No que tange aos procedimentos foi bibliográfica, documental, com estudo de campo e com estudo de caso. Para análise e interpretação dos dados coletados, utilizou-se a análise de conteúdo. A revisão sistemática integrativa permitiu verificar a inexistência de estudos que analisassem competências empreendedoras em professores, bem como que afirmassem a presença de tais competências nos docentes, tornando essa pesquisa relevante. A pesquisa empírica revelou que os professores pesquisados são empreendedores e que juntos possuem todas as características empreendedoras citadas no modelo de Cooley (1990), quais sejam: estabelecimento de metas, planejamento e monitoramento sistemático, persistência, comprometimento, busca de informações, busca de oportunidades e iniciativa, exigência de qualidade e eficiência, correr riscos calculados, persuasão e rede de contatos, independência e autoconfiança. Por fim, observou-se que as competências planejamento e monitoramento sistemático, comprometimento e exigência de qualidade e eficiência apresentaram-se
com maior frequência que as demais. E a competência busca de oportunidades e iniciativa apresentou-se com menor frequência.

Link para dowload: Deizi Paula Giusti Consoni

DEPINÉ, Ágatha Cristine. Fatores de Atração e Retenção da Classe Criativa: O Potencial de Florianópolis Como Cidade Humana Inteligente. Dissertação, 2016.

O capital humano é um fator decisivo para o desempenho e o desenvolvimento urbano, tornando essencial atrair e reter pessoas inteligentes, talentosas e criativas às cidades. A presença da classe criativa demonstra ser um meio efetivo para melhorar o desenvolvimento regional, por meio da inovação e do capital humano. Dessa forma, o objetivo da presente pesquisa é analisar os fatores de atração e retenção da classe criativa à cidade de Florianópolis. Para isso, a pesquisa foi conduzida por uma abordagem quantitativa de cunho exploratório e descritivo. Os dados foram coletados através de uma survey, ou levantamento, desenvolvida por intermédio de um questionário online. O instrumento foi desenvolvido com base nos indicadores de capital humano em cidades inteligentes e nos fatores de atração da classe criativa. Como principais resultados, verificou-se que os principais fatores de escolha da classe criativa pela cidade foram respectivamente as oportunidades de educação e aprendizagem, relacionamentos pessoais, mercado de trabalho e razões profissionais, meio ambiente agradável e amenidades naturais e paisagens. Entretanto, os fatores de escolha da classe criativa pela capital catarinense se diferenciam em relação à atração e retenção no que diz respeito à ordem de escolha por fator, enquanto os fatores principais permanecem os mesmos. Diante disso, a presente pesquisa contribui empiricamente com o tema fornecendo um panorama da classe criativa na capital catarinense, tema este que ainda carece de pesquisas para elucidar diversas questões. Apesar de seus resultados não poderem ser generalizados, podem servir de ponto de partida para pesquisas futuras acerca do tema.

 

Link para dowload: Agatha Cristine Depiné

CONSONI, Deizi Paula Giusti. Competências Empreendedoras: Estudo de Caso em uma Organização de Ensino Intensiva em Conhecimento

Muito se tem falado sobre empreendedorismo ao longo dos últimos anos. Seu conceito vem conquistando o olhar de outras ciências, passando, assim, a figurar em espaços para além da organização. As competências empreendedoras passam a ser mais exigidas na formação profissional e valorizadas não somente no mundo do trabalho, mas na sociedade, no setor público, na iniciativa privada e na própria vida do indivíduo. Nessa conjuntura, entendendo que a escola pode ser um eventual ponto de partida do empreendedor para “o mundo” é possível que as competências empreendedoras dos professores dos cursos técnicos possam despertar nos alunos a “vocação empreendedora” ou as competências empreendedoras tão necessárias atualmente. Assim, o objetivo desta pesquisa foi analisar as competências empreendedoras presentes nos professores dos Cursos Técnicos Subsequentes do Campus Florianópolis-Continente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina – IFSC. Para isso, a pesquisa foi conduzida por uma abordagem qualitativa, de cunho exploratório e descritivo. No que tange aos procedimentos foi bibliográfica, documental, com estudo de campo e com estudo de caso. Para análise e interpretação dos dados coletados, utilizou-se a análise de conteúdo. A revisão sistemática integrativa permitiu verificar a inexistência de estudos que analisassem competências empreendedoras em professores, bem como que afirmassem a presença de tais competências nos docentes, tornando essa pesquisa relevante. A pesquisa empírica revelou que os professores pesquisados são empreendedores e que juntos possuem todas as características empreendedoras citadas no modelo de Cooley (1990), quais sejam: estabelecimento de metas, planejamento e monitoramento sistemático, persistência, comprometimento, busca de informações, busca de oportunidades e iniciativa, exigência de qualidade e eficiência, correr riscos calculados, persuasão e rede de contatos, independência e autoconfiança. Por fim, observou-se que as competências planejamento e monitoramento sistemático, comprometimento e exigência de qualidade e eficiência apresentaram-se com maior frequência que as demais. E a competência busca de oportunidades e iniciativa apresentou-se com menor frequência.

Lins para Download: Deizi Paula Giusti Consoni

MELO, Michelle Bianchini de. Cultura Empreendedora na Universidade Federal de Santa Catarina: o Centro Técnológico Como Espaço de Práticas Empreendedoras. Dissertação, 2014.

Esta dissertação, construída em torno da percepção de gestores do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina, sobre os espaços da universidade propícios ao desenvolvimento de práticas empreendedoras, tem como pano de fundo uma sociedade em plena turbulência, com características empreendedoras e inovadoras baseada em tecnologia e no conhecimento. Trata-se da sociedade do conhecimento, que tem como fundamento principal a criação e o compartilhamento de conhecimento e a necessidade de novos trabalhadores que promovam o desenvolvimento da sociedade de forma abrangente, sob mudanças de paradigmas e da estrutura produtiva. Assim, considerando o empreendedor aquele que possui o perfil mais adequado a esta sociedade e a universidade como um espaço de formação destes profissionais, está dissertação tem como objetivo analisar a percepção dos gestores do CTC sobre os espaços de práticas empreendedoras no Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina. Como específicos tem-se: conhecer espaços para o desenvolvimento de práticas empreendedoras no CTC; mapear as principais práticas empreendedoras existentes nos respectivos departamentos ligados ao CTC; identificar os fatores determinantes e restritivos para o desenvolvimento de espaços para a prática de empreendedorismo no Centro Tecnológico. A pesquisa é do tipo exploratória e com o tratamento de dados qualitativos e interpretativos. A população do estudo é formada por gestores, representados pelas chefias dos departamentos do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina e o Diretor do Centro, em razão de os mesmos exercerem funções de gestão, ou estarem em contato direto com as questões relacionadas as práticas empreendedoras. Os dados foram obtidos por meio de pesquisa bibliográfica e documental, bem como, por entrevistas semiestruturadas, sendo que para a análise dos dados utilizou-se análise de conteúdo. Os resultados da pesquisa apontam que as práticas empreendedoras estão presentes nos departamentos, mas um pouco fragmentadas e ganham pouca visibilidade. Os gestores percebem que seus departamentos são empreendedores, na medida que possuem pessoas empreendedoras e práticas que remetem a necessidade de um perfil empreendedor. O estudo evidencia, ainda, que todos os envolvidos beneficiam-se com o desenvolvimento dessas práticas. Os alunos que tem a oportunidade do aprendizado e aquisição de novas competências na relação com empresas ou pesquisas inovadoras, como também, os professores que compartilham o conhecimento, inovam e desenvolvem parcerias para realizar pesquisa de ponta. Fica evidente que as práticas tornam os departamentos mais dinâmicos e inovadores, proporcionando parceria com o setor produtivo, produzindo conhecimentos importantes e preparando profissionais para esta nova sociedade.

 

Link para download: Michelle Bianchini de Melo

MULLER, Jactania Marques. Análise Comparativa de Artefatos para Preservação da Memória de Trabalho. Dissertação, 2016.

Ao longo da vida as regiões do cérebro que contribuem para o desempenho da memória sofrem alterações e umas das regiões cerebrais que exibem forte mudança relacionada com a idade em estrutura e função é o córtex pré-frontal. Por isso, grande parte dos déficits de memória observado em idosos saudáveis envolve a memória de trabalho. Para avançar o conhecimento científico disponível sobre a memória de trabalho, foi desenvolvida uma revisão integrativa da literatura sobre o tema, com o objetivo de identificar categorias de análise de artefatos para a preservação da memória de trabalho. A partir das categorias de análise, elaborou-se um modelo analítico que foi utilizado para a análise comparativa de três artefatos para preservação da memória de trabalho distintos, tratando-se dos modelos BrainHQ, CogniFit e Lumosity. As três propostas foram apresentadas e analisadas com base nos critérios: fundamentos orientadores; concepção de memória adotada; abordagem para treinamento da memória; e estratégias do processo de treinamento. Foi possível perceber na análise que os três modelos partem da mesma orientação teórica acerca do mecanismo envolvido no processo da formação cognitiva, assim como na compreensão da memória humana que apresentam aspectos comuns no que diz respeito ao que a memória representa. Quanto a abordagem para treinamento da memória, as propostas se diferem e, ao analisar as estratégias para gerar resultados, trazem mais pontos de convergência do que divergência quanto às condições para alcançar resultados reais e duradouros.

Link para download: Jactania Marques Muller

SANTOS, Fernanda de. Qualidade da Informação Estratégica Organizacional Utilizando a Casa da Qualidade. Dissertação, 2016.

Viver na Era do Conhecimento significa viver em busca de inovação, informações com qualidade e conhecimentos com alto valor agregado que possam levar as empresas e pessoas a ter destaque frente ao mundo hipercompetitivo. As informações são consideradas matéria-prima para criação de conhecimento, este, por sua vez, agrega valor, proporciona inovação e dá destaque às organizações. Informações estratégicas organizacionais são aquelas que a direcionam para o alcance de suas metas. Quando definidas as informações estratégicas, faz-se necessário certificar que tenham qualidade, permitindo que as decisões tragam benefícios para a organização. Assim, têm-se como objetivo deste estudo propor uma ferramenta para analisar a qualidade da informação estratégica organizacional utilizando a Casa da Qualidade. A Casa da Qualidade é o nome dado à Matriz do QFD (Quality Function Deployment), por seu formato de apresentação, ela torna visível a relação existente entre as necessidades dos clientes e os requisitos técnicos utilizados no desenvolvimento de produtos. Sua aplicação varia desde a agroindústria até o setor de serviços, passando pelo desenvolvimento de produtos e melhoramento de processos. Neste estudo, ela foi adaptada para avaliação da qualidade da informação estratégica organizacional. Como resultado, tem-se a proposta de uma ferramenta para avaliar a qualidade da informação estratégica organizacional com duas fases. A primeira fase é composta de duas matrizes, na primeira é possível fazer a análise de informações e suas fontes, e na segunda matriz faz-se a análise das informações estratégicas. Na segunda fase a análise acontece entre as dimensões da qualidade da informação e as práticas de orientação à informação. Proporcionando à organização uma análise criteriosa para melhorarias em seus processos e ferramentas que de fato transformem sua informação estratégica em vantagem competitiva.
Link para download: Fernanda dos Santos

MARQUES, Jamile Sabatini. Reforming Technology Company Incentive Programs for Achieving Knowledge-Based Economic Development: A Brazil-Australia Comparative Study. Tese, 2016.

Esta tese busca demonstrar a importância do fomento para empresas de base tecnológica como estratégia para promover o desenvolvimento econômico baseado no conhecimento (DEBC). As empresas de base tecnológica para que se mantenham competitivas devem inovar e buscar novos mercados, neste sentido a pesquisa tem por objetivo propor um modelo de fomento às empresas de base tecnológica como estratégia para a promoção do desenvolvimento urbano baseado no conhecimento. A pesquisa é de natureza exploratória e descritiva com uma abordagem qualitativa. Foram feitas pesquisas por meio de entidades de classe com representatividade nacional que representem empresas de base tecnológicas no Brasil e na Austrália. Após análise dos questionários foram feitas entrevistas estruturadas com representantes do governo, entidades de classe e empresários que já receberam aporte financeiro por parte do governo federal. Após feito o comparativo entre os dois países percebe-se a importância do fomento de forma direta por meio de incentivos fiscais, como um processo menos burocrático, rápido e direto para as empresas. É sugerida a inclusão do termo fomento no framework de desenvolvimento urbano baseado no conhecimento, como um dos pilares que contribuem para o desenvolvimento econômico baseado no conhecimento.

 

Link para download: Jamile Sabatini Marques

RAMOS, Tais Leite. Comunicação da Marca na Gestão do Conhecimento nos Institutos Federais: Estudo de Caso. Dissertação, 2016.

As transformações ocorridas nos últimos anos decorrentes de uma nova política nacional de expansão da Educação Profissional no Brasil implicaram mudanças na forma de gestão e no posicionamento dos institutos federais (IF). No âmbito do estado de Santa Catarina, isso acarretou a alteração na identidade do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC) com modificações relevantes em seus objetivos e metas, de forma a atender o reposicionamento corporativo em nível federal. Inclusive houve a substituição do nome oficial e da marca gráfica que até então representavam a Instituição. Isso implicou a necessidade de reposicionamento de suas unidades de atendimento frente às novas demandas de comunicação e integração com públicos de interesse e a sociedade em geral. Este trabalho trata de estratégias e ações de mediação e comunicação usadas para promover, em consonância com o perfil nacional, o conhecimento e o posicionamento da nova marca institucional representada pela sigla IFSC. A pesquisa, realizada em parte das dependências da instituição e da documentação produzida no âmbito estadual e federal, é de natureza exploratória, descritiva e qualitativa, servindo para identificar e descrever estratégias, procedimentos e instrumentos de informação e comunicação que foram usados no processo de gestão do conhecimento da nova marca institucional. Trata-se de um estudo de caso, cujos resultados ressaltam as implicações de um processo de gestão direcionado ao conhecimento e à comunicação necessários ao reposicionamento e à adequação estratégica da identidade institucional, visando o alinhamento interno, a apresentação pública e a atuação externa do IFSC de maneira coerente com o perfil federal. Considera-se que a pesquisa realizada, além de refletir os objetivos do estudo de caso, reúne subsídios que futuramente, podem contribuir na configuração de um modelo de Gestão do Conhecimento para a adequação da identidade e do posicionamento de organizações regionais ou setoriais ao perfil de sua marca gestora.

 

Link para download: Tais Leite Ramos

LAPOPLLI, Juliana. CONEXÃO FCEE (físico, cognitivo, emocional e espiritual) como um Processo de Autoconhecimento para o Desenvolvimento de Líderes. Tese, 2016.

Diante da rapidez nas mudanças, imprevisibilidade e competitividade do ambiente no qual as organizações estão inseridas, é necessário possuir como diferencial a gestão eficaz e eficiente das pessoas que as compõem. As ferramentas, abordagens ou métodos de desenvolvimento de líderes são numerosos e formam um conjunto de técnicas que têm evoluído ao longo do tempo. A busca pelo autoconhecimento permite ao indivíduo perceber que enxerga o mundo através de seus próprios pontos de vista, e que eles são somente seus e não verdades universais. Essa consciência permite a compreensão das diferenças entre as pessoas e a consequente diminuição do egocentrismo do líder, aumentando em muito a sua capacidade e do seu grupo. Neste contexto, este trabalho tem como objetivo: Criar estratégias para o processo de autoconhecimento em líderes, fundamentadas nos aspectos físico, emocional, cognitivo e espiritual, utilizando como base a Teoria Geral de Sistemas. Para os fins a que se propõe este estudo, o procedimento metodológico seguiu a linha da Pesquisa Quantitativa e Qualitativa, de cunho Exploratório e Descritivo, sendo que utilizou instrumentos como questionário fechado, análise estatística, questionário aberto, análise de conteúdo e o método Delphi. A abordagem utilizada está de acordo com o pensamento sistêmico, pois leva em consideração o ambiente externo/sociedade, o mercado, a organização, os processos e as pessoas, todos esses como subsistemas interligados. Como resultado da pesquisa foram criadas estratégias CONEXÃO FCEE (físico, cognitivo, emocional e espiritual), validadas por especialistas (método Delphi). Salienta-se que todas as estratégias apontadas fazem parte de um processo muito pessoal, e que cabe a cada líder a forma de trabalhá-las. Assim, o caminho adotado para um líder não fundamentalmente deverá ser o mesmo adotado por outro, cada um iniciará em um ponto de partida, que diz respeito ao nível de autoconhecimento que se encontra e trilhará caminhos de acordo com suas necessidades, prioridades etc.

 

Link para download: Juliana Lapolli