porno
beşiktaş escort mecidiyeköy escort aksaray escort bahçeşehir escort
Home » Archive by category "Gestão do Conhecimento" (Page 2)

SILVA, Talita Caetano. Framework Ponte Tap: gestão da curva de aprendizagem para a efetivação da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. Tese, 2019.

“Como uma Universidade Corporativa em Rede pode gerenciar a curva de aprendizagem, efetivando a transferência de aprendizagem para a prática do trabalho?”. Tal problematização provocou o gatilho necessário para constituir o objetivo geral desta tese: propor um Framework para a gestão da curva de aprendizagem efetivando a transferência da aprendizagem para a prática do trabalho. A literatura mapeada sobre o tema e suas interrelações não evidenciam como a aceleração da curva de aprendizagem pode efetivar a aplicabilidade de um conhecimento (conceito da transferência de aprendizagem) após ações de TD&E. Além disso, focam suas ações unilateralmente em treinamento, não avançando para ações de desenvolvimento e educação). Sabe-se que, para gerenciar a curva e possibilitar a transferência, é importante compreender o processo de desempenho competente, o qual abrange condições externas e internas, os próprios CHAs, e as motivações dos colaboradores. Os elementos supracitados traduziram-se nos objetivos específicos deste estudo: a) identificar os elementos constitutivos e agentes envolvidos para se processar o desempenho competente; b) compreender o Modelo de Universidade Corporativa em Rede e seus processos estruturantes; c) identificar ações de aprendizagem que possibilitam a gestão da curva de aprendizagem; d) identificar o processo de avaliação multinível e a sua relação com a efetivação da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho; e) validar o framework de gestão da curva de aprendizagem efetivando a transferência da aprendizagem para a prática do trabalho em uma organização brasileira. Para responder à pergunta-chave evidenciada na primeira frase deste resumo, foi necessário debruçar-se sobre as teorias que alicerçam os estágios de evolução de um Sistema de Educação Corporativa, o qual dá à luz o Modelo de Universidade Corporativa em Rede. Este último, o mais recente, contemporâneo e emergente da Sociedade do Conhecimento. Além disso, foi necessário buscar em teorias de ensino e aprendizagem, premissas importantes na educação de alunos profissionais adultos, dando destaque aos conceitos de curva de aprendizagem e transferência de aprendizagem para a prática de trabalho. Ao se deparar com novas funções e responsabilidades, há a necessidade de desenvolver novas competências, habilidades e atitudes (CHAs) para alcançar o desempenho competente na nova tarefa. Essa problemática foi resolvida por meio do Framework Ponte TAP. Isto é, ao desenvolver CHAs, foi preciso gerenciar a amplitude e a profundidade da curva dos profissionais, antes durante e depois das ações educacionais, até que a aprendizagem seja processada a partir da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. O Framework Ponte TAP foi constituído por quatro camadas essenciais para o planejamento, execução e gestão das ações educacionais, a saber: a) desenvolvimento humano e organizacional e o processo “desempenho competente”; b) Universidade Corporativa em Rede e seus processos estruturantes; c) gestão da curva de aprendizagem por meio de ações de aprendizagem; d) processo de avaliação multinível e a transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. O framework foi validado em uma organização brasileira de tecnologia e demonstrou ser efetivo, alcançando resultados que confirmam a aceleração da curva de aprendizagem e efetivação da transferência de aprendizagem para a prática de trabalho. Pode-se destacar três vieses contributivos do framework: a) contribuição teórica, que ficou evidente a partir do diálogo teórico-empírico entre universidade acadêmica e universidade corporativa, com discussões colaborativas, integrando conhecimentos estruturados aos conhecimentos embasados na experiência, o que, segundo David Kolb, resulta no real percurso de desenvolvimento profissional; b) contribuição para a ação, a partir da continuidade do Programa de Integração na organização e também pela rede colaborativa, que se estabeleceu entre mais de 20 stakeholders, os quais atuaram, de forma ativa, em cada uma das camadas de aplicação. Além da própria aceleração da curva de 12 meses para 3 meses; e) e contribuições práticas, uma vez que o framework é compatível com quaisquer análises que envolvam gestão da curva de aprendizagem e transferência de aprendizagem para a prática do trabalho, não sendo único e exclusivo do público e ambiente em que foi aplicado. Além disso, esse framework pode ser aplicado em redes internas e externas de aprendizagem, sendo uma importante ferramenta para profissionais e pesquisadores da área.

Palavras-chave: Transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. Universidade Corporativa em Rede. Desempenho competente. Curva de aprendizagem.

Link para Download: Talita Caetano Silva.

FIGUEIREDO, Leonardo Souza Reis. Práticas de Gestão do Conhecimento e Barreiras à Aprendizagem Organizacional. Dissertação, 2019.

Nos ambientes contemporâneos, onde o acúmulo de competências técnicas e mercadológicas é essencial, a mudança é um elemento chave para que as organizações tenham seu amadurecimento empresarial e consequente permanência no mercado. A mudança de pensamentos e atitudes por parte dos indivíduos, dos grupos e da organização é tratada aqui pela alcunha de aprendizagem organizacional, e como inúmeras outras mudanças, estão sujeitas à resistências e barreiras. Essas barreiras à aprendizagem se espalham por todos os processos da aprendizagem, desde o insight do indivíduo até a institucionalização de um conhecimento. Como forma de mitigá-las, apresentam-se as práticas de gestão do conhecimento, um conjunto de atividades relativas ao conhecimento, ligadas aos processos de identificação, criação, armazenamento, compartilhamento e utilização de conhecimentos voltados para o aperfeiçoamento da gestão do conhecimento nas organizações. Desta forma o objetivo desta pesquisa é estabelecer as relações entre barreiras à aprendizagem organizacional e as práticas de gestão do conhecimento em uma organização de base industrial tecnológica. Esta é uma pesquisa de natureza descritiva, que se utiliza de uma abordagem qualitativa na forma de um estudo de caso único em uma organização industrial de base tecnológica. A coleta de dados deu-se por meio de entrevistas semiestruturadas com diretores e gerentes e observações dentro de uma organização escolhida. A análise destes dados foi realizada por meio de um cruzamento das informações contidas na literatura sobre os temas e as respostas obtidas nas entrevistas. Os resultados apontam a presença da aprendizagem organizacional na organização alvo, assim como barreiras a esta aprendizagem e a realização de práticas de gestão de conhecimento. Subsequentes análises permitem relacionar as barreiras à aprendizagem organizacional encontradas com as práticas de gestão do conhecimento consolidadas pela literatura. Mobilizando este conhecimento, pôde-se montar uma proposta que concilia práticas de gestão do conhecimento alinhadas com as necessidades da organização, visando atuar nos processos de aprendizagem organizacional considerados deficitários e levando em consideração os tipos de conhecimentos envolvidos. Acredita-se que a realização das ações propostas pela organização estudada contribuirá para a eficiência da aprendizagem organizacional e consequente renovação estratégica.

Palavras-chave: Práticas de Gestão do Conhecimento. Aprendizagem Organizacional. Barreiras à Aprendizagem Organizacional.

Link para download: Leonardo Souza Reis Figueiredo.

FOSSARI, Ivana Maria. Estratégias para o Compartilhamento do Conhecimento nos Processos de Hospitalização Pediátrica visando o Cuidado Resolutivo. Tese, 2018.

A sociedade do conhecimento vê o capital intelectual transformar-se em vantagem competitiva nas organizações onde informações e conhecimento são rapidamente articulados em redes. Nas organizações hospitalares, o modelo biomédico estabelecido é beneficiário desse processo dinâmico e complexo que se reflete, além das prescrições informatizadas, no acesso a exames laboratoriais e de imagens mediatizados pelo avanço tecnológico, que, diante do ritmo acelerado de seu desenvolvimento, coloca-se à frente, muitas vezes, do desenvolvimento das pessoas que habitam os espaços hospitalares. A medicina das conquistas científicas e tecnológicas, em contrapartida, perde gradativamente o olhar clínico generalista. No processo de hospitalização em pediatria, várias pesquisas nas áreas das ciências da saúde, humanas e sociais evidenciam que a abrangência da assistência à criança e acompanhante necessita do trabalho em equipe multidisciplinar para viabilizar o compartilhamento dos saberes na busca de uma visão sistêmica de saúde. A presente tese tem como objetivo estabelecer estratégias para o compartilhamento do conhecimento nos processos de hospitalização pediátrica visando o cuidado resolutivo. Para atingir o objetivo proposto, foi utilizada uma abordagem metodológica qualitativa e, em relação a sua classificação geral é do tipo exploratória e descritiva, utilizando como estratégia de pesquisa, o estudo de caso. A coleta de dados ocorreu por meio dos métodos: revisão bibliográfica; pesquisa documental; grupos focais; e entrevista semiestruturada. A revisão bibliográfica ocorreu em dois momentos, a revisão sistemática da literatura com buscas em três bases de dados: Scopus, Web of Science e Medline e a pesquisa bibliográfica. Para caracterizar as duas organizações hospitalares escolhidas, foi utilizada a pesquisa documental priorizando os documentos pertinentes ao tema proposto. Assim como, a aplicação das técnicas de grupo focal com profissionais da saúde, e de entrevistas semiestruturadas com os acompanhantes das crianças hospitalizadas, para compilar dados advindos dos sujeitos de pesquisa. Os dados coletados foram analisados sob a ótica da análise temática, dando suporte à criação de vinte e nove estratégias que, posteriormente, foram validadas por especialistas, por meio do método Delphi, em três rodadas consecutivas. Ao final da terceira rodada, obtiveram-se vinte seis estratégias, sendo estas as estabelecidas para o compartilhamento nos processos de hospitalização pediátrica visando o cuidado resolutivo.

Palavras-chave: Processo de Hospitalização. Hospitalização Pediátrica. Compartilhamento do Conhecimento.

Link para download: Ivana Maria Fossari

CEMIN, Xênia. Sistemas de Memória Organizacional: um Estudo de Caso. Dissertação, 2018.

Os sistemas de memória organizacional podem ser entendidos como um conjunto de dispositivos de retenção de conhecimento que coletam, armazenam e proveem acesso à experiência organizacional. Este  trabalho objetivou analisar a percepção da efetividade dos sistemas de memória organizacional baseados em computadores, utilizados pelos jornalistas do Instituto Federal de Santa Catarina. Para tanto, foi realizada uma revisão sistemática nas bases de dados Scopus e Web of Science e uma revisão narrativa a fim de se compreender as temáticas de memória organizacional e sistemas de memória organizacional. Foram escolhidas 17 publicações que satisfazem ao escopo da pesquisa e estão compreendidas entre o período de 1995 e 2017. A percepção da efetividade dos SMO baseados em computadores, utilizados pelos jornalistas do Instituto Federal de Santa Catarina, considerou as características de conteúdo, estrutura e processos de coleta, manutenção e acesso ao conhecimento experiencial. Verificou-se que o site institucional, e-mail institucional, repositório de arquivos e as mídias sociais são os SMO baseados em computador utilizados pelos jornalistas no apoio às suas atividades de comunicação institucional, sendo todos esses sistemas acessados por meio da tecnologia. Foram consideradas como efetivas as características relacionadas ao conteúdo dos SMO em suas atividades laborais. Já em relação à estrutura de indexação, percebeu-se que a maioria dos SMO são pouco efetivos, retratando negativamente sua utilização e recuperação. No que se refere aos processos operativos de coleta, verificou-se que a maioria dos SMO pesquisados foi classificada como não filtrada. De modo geral e em relação à manutenção dos conteúdos nos repositórios pesquisados, em sua maioria foi classificada como formal, e teve a percepção comprometida em relação a essa característica do sistema devido a não haver uma política de manutenção relacionada à atualização e gerenciamento dos arquivos nos repositórios. Por fim, verificou-se que mesmos os sistemas de memória organizacionais sendo diferentes, há uma ligação entre eles em relação à sobreposição de conteúdo.

Palavras-chave: Memória organizacional. Sistema de memória organizacional. Instituição de ensino superior pública.

Link para download: Xênia Cemin

BERMEJO, Paulo Henrique de Souza. Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação com Ênfase em Conhecimento. Tese, 2009..

O planejamento estratégico de Tecnologia da Informação (PETI) tem sido identificado como essencial para integrar a TI à organização e para alinhá-la aos negócios. Adicionalmente, a busca incessante pela vantagem competitiva tem despertado em muitas organizações a necessidade de explorarem o seu principal ativo intangível – o conhecimento. A ênfase na relação entre essas duas perspectivas tem sido desconsiderada por muitos estudos existentes envolvendo o PETI, o que pode comprometer os resultados e dificultar a operacionalização do planejamento. Este trabalho apresenta um método específico para PETI com ênfase em conhecimento. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, de natureza aplicada, com abordagem exploratória descritiva e fundamentada em estudos de casos. Preliminarmente, foram
realizados um estudo de caso piloto com características da pesquisa-ação e, na seqüência, um estudo de caso múltiplo. Com isso, ao final, obteve-se um método específico para PETI com ênfase em conhecimento, o qual foi verificado em 11 empresas de diferentes portes e de diversos setores da economia. O método resultante contempla práticas específicas da área de gestão do conhecimento voltadas para uso do conhecimento organizacional, além de caracterizar a gestão do conhecimento nas atividades do PETI por meio da identificação de subprocessos de conhecimento, relação de atores com os modos de conversão (socialização,
exteriorização, combinação e interiorização), tipos de conhecimento envolvidos no
planejamento estratégico de TI, assim como ferramentas e tecnologias. O método proposto permitiu um melhor uso do conhecimento organizacional no PETI e uma maior participação dos colaboradores das organizações, contribuindo diretamente para a eficácia e efetividade dos resultados dos planejamentos estratégicos de TI.

Palavras-chave: Planejamento estratégico de Tecnologia da Informação; Planejamento de Sistemas de Informação; Conhecimento aplicado ao Planejamento Estratégico de TI; Gestão estratégica de TI; Governança de TI.

Link para download: Paulo Henrique de Souza Bermejo

OTANI, Nilo. Universidade empreendedora: a relação entre a Universidade Federal de Santa Catarina e o Sapiens Parque. Tese, 2008.

O objetivo deste trabalho é demonstrar de que forma a relação entre a Universidade
Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Sapiens Parque pode promover a
emergência de uma universidade empreendedora. O Sapiens Parque é um parque
científico e tecnológico voltado ao fortalecimento da economia do conhecimento,
localizado em Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina; a UFSC, uma
entre as 53 universidades federais brasileiras. A universidade, criada na Europa no
século XI, e no Brasil, no início do século XX, possui desafios a superar e exercer
seu papel, sem romper com os princípios construídos como missão precípua, a
indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. A visão de uma universidade
empreendedora agrega mais um desafio: aproximar as universidades das demandas
sociais, posicionando-se como vetores do desenvolvimento econômico e social e
transformar o conhecimento criado em valor agregado. A presente pesquisa
classifica-se como acadêmica e aplicada; em relação aos objetivos, é descritiva e
exploratória; aborda o problema qualitativamente; quanto aos procedimentos para a
coleta de dados, é bibliográfica, de campo e documental. A amostra, não
probabilística e intencional, compõe-se de nove sujeitos publicamente reconhecidos
que representam a UFSC, o Sapiens Parque e os setores do governo e das
empresas de Santa Catarina. Os dados foram coletados por meio de entrevistas
estruturadas e de questionários. Com base nos resultados desta pesquisa e
limitados à amostra estudada, conclui-se que, a relação entre a UFSC e o Sapiens
Parque pode promover a emergência de uma universidade empreendedora: ao criar
uma cultura empreendedora; ao oportunizar aos estudantes desenvolverem idéias
empreendedoras com os professores, com base na Lei de Inovação n°.10.973/2004;
há uma convergência de interesses institucionais; e o Sapiens Parque é um novo
espaço para a UFSC exercitar sua cultura empreendedora, propiciando o ambiente e
uma dinâmica favoráveis ao desenvolvimento de uma universidade empreendedora.

Palavras-chave: Universidade Empreendedora. Universidade Federal de Santa
Catarina. Sapiens Parque. Parques Científicos e Tecnológicos.

Link para download: Nilo Otani.

FURLANI, Thiago Zilinscki.ENGAJAMENTO DE CORPORAÇÕES COM STARTUPS NA QUARTA ERA DA INOVAÇÃO: RECOMENDAÇÕES E SUGESTÕES. Dissertação, 2018.

Novos modelos de iniciativas de inovação para grandes corporações
surgiram nos últimos anos e têm obtido destaque frente à volatilidade,
alta concorrência e disputa por novos conhecimentos e vantagens
competitivas. Vivemos em um momento guiado pela economia do
conhecimento onde a inovação é parte fundamental para o
desenvolvimento econômico e social de nossa sociedade, e no âmbito
empresarial, é fundamental para a sobrevivência das empresas. Estamos
na porta da chamada quarta era da inovação onde a maioria das
inovações será fruto do engajamento entre organizações estabelecidas e
startups, diferentemente das chamadas eras anteriores onde as principais
fontes de inovação eram laboratórios corporativos e empreendedores
investidos apenas por capital de risco. Dentro desse novo ecossistema de
inovação, iniciativas de engajamento ganham cada vez mais atenção das
grandes corporações por significaram oportunidades para inovar,
realizar parcerias e suprir necessidades estratégicas internas. A partir de
uma revisão dos trabalhos mais relevantes sobre o tema e da coleta de
dados através de entrevistas com gestores de diferentes iniciativas
existentes no país, essa dissertação caracteriza os diferentes modelos de
engajamento e analisa como diferentes corporações abordam o tema,
contribuindo ao fim, com orientações para melhorar a gestão de
iniciativas existentes e fornecer conhecimentos para as corporações que
desejam ingressar no movimento. Os modelos de Hackathons, Open
Innovation, Incubadoras, Aceleradoras e de Investimento direto variam
entre si de acordo com os objetivos e resultados esperados. Para
corporações que iniciam seu movimento de engajamento recomenda-se
estratégias de aproximação para evoluir o conhecimento acerca do tema
e preparar a organização para iniciativas futuras de maior risco.
Empresas com processos mais estruturados e experiência em inovação
devem desenvolver iniciativas mais robustas variando o modelo de
acordo com seus recursos, interesses temporais, adesão a risco e
comprometimento interno.

 

Link para download: Thiago Zilinscki Furlani

MENEGAZZO, Carolina. PARQUES TECNOLÓGICOS – SUSTENTABILIDADE ECONÔMICO FINANCEIRA: UM ESTUDO DE CASO NO SAPIENS PARQUE. Dissertação, 2018.

A inovação tecnológica tem requerido novas formas de organização no mundo do mercado globalizado. A criação de outros espaços organizacionais incluiu o modelo dos parques tecnológicos. Estes, como políticas públicas, têm como propósito estimular o empreendedorismo e a inovação, aumentar a competitividade das empresas e proporcionar a dinamização do desenvolvimento econômico nas regiões em que são implantados. A problemática desta pesquisa tem como foco a sustentabilidade econômico financeira destes empreendimentos. O objetivo é analisar os componentes do modelo de negócios que influenciam na sustentabilidade econômico financeira do Sapiens Parque e como esses componentes podem servir de referencial para outros parques tecnológicos. A metodologia básica baseia-se em um estudo de caso, de natureza descritiva e análise qualitativa. Os procedimentos se limitam à revisão de literatura e análise de modelos de negócios, em especial do modelo de negócio do Sapiens Parque – objeto do estudo de caso. A base teórica aprofunda o conceito de modelo de negócio em Parques Tecnológicos e sustentabilidade econômico financeira. Como resultado, fica demonstrado que, segundo os modelos estudados, o modelo de negócios do Sapiens Parque é sustentável econômico financeiramente e, deste, pode-se extrair algumas premissas para orientar um modelo de negócio, até certo ponto, aplicável para outros Parques Tecnológicos, abrindo-se outras questões de pesquisa e produção científica nessa área.

 

Link para download: Carolina Menegazzo

TEZA, Pierry. FATORES DETERMINANTES DA ADOÇÃO DE MÉTODOS, TÉCNICAS E FERRAMENTAS PARA INOVAÇÃO. Tese, 2018.

O uso efetivo de métodos, técnicas e ferramentas para inovação (MTF-Is) tem sido considerado um fator importante para o sucesso da gestão da inovação, sendo essencial para as organizações. Embora esteja clara a importância da adoção de MTF-Is, poucos trabalhos têm buscado identificar os fatores que influenciam a adoção deles pelas organizações. Essa lacuna de entendimento em relação à forma como acontece a adoção de MTF-Is, impossibilita, por exemplo, a construção de mecanismos que possam auxiliar as organizações a adotarem MTF-Is adequados aos seus contextos de atuação. A pesquisa aqui exposta responde à seguinte questão: que fatores determinam a adoção, pelas organizações, de métodos, técnicas e ferramentas para inovação? Especificamente, objetiva-se analisar os fatores determinantes da adoção de métodos, técnicas e ferramentas para inovação em processos de desenvolvimento de inovações. Como resultado, a partir do levantamento e análise da literatura foi proposto e verificado um modelo teórico acerca dos determinantes da adoção de MTF-Is. O modelo proposto sugere que a adoção de MTF-Is está relacionada à cinco grupos de fatores: à organização, ao projeto de inovação, ao ambiente externo, às características dos MTF-Is e ao uso de MTF-Is. Desenvolveu-se também um conjunto de hipóteses e suas respectivas medidas a serem testados empiricamente por meio de um levantamento tipo survey, que é um tipo particular de pesquisa quantitativa empírica, e modelagem de equações estruturais, que é uma técnica de análise estatística.

 

Link para download: Pierry Teza

LIMA, João Carlos Damasceno. UMA ABORDAGEM DE RECOMENDAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO PARA APOIO A AUTENTICAÇÃO IMPLÍCITA EM AMBIENTES MÓVEIS E PERVASIVOS BASEADO EM CONHECIMENTO COMPORTAMENTAL DO USUÁRIO. Tese, 2013.

Muitas empresas começam a adaptar-se às tecnologias e aos dispositivos
móveis, incorporando no seu cotidiano, os benefícios proporcionados
pela mobilidade e a possibilidade do Trabalho Móvel. Os serviços acessados
pelos dispositivos móveis, geralmente, utilizam processos de autenticação baseado
em credenciais (por exemplo, senha), que se mostram vulneráveis e
inadequados. Logo, abordagens alternativas de autenticação devem considerar
as características ambientais (consciência do contexto), restrições dos
dispositivos, privacidade das informações armazenadas e informações provenientes
dos muitos sensores que estão presentes no espaço pervasivo. Esta
pesquisa propõe uma abordagem de recomendação baseado em comportamento
do usuário para autenticação implícita no espaço pervasivo em que
este se encontra. O comportamento dos usuários é modelado através de um
conjunto de características de contexto e de atividades, que os usuários executam.
Os usuários possuem atividades diárias, semanais e mensais que formam
um conjunto de hábitos executados regularmente. O monitoramento
destes hábitos permite indicar se um usuário legítimo está executando as suas
atividades ou se outra pessoa está acessando sem autorização os serviços e
informações do dispositivo móvel. Portanto, a combinação das características
contextuais e as atividades (hábitos) auxiliam o processo de reconhecimento
e certificação do usuário. Os processos de filtragem do sistema de
recomendação, permitem a adição de novos filtros que calculam a similaridade
dos comportamentos dos usuários. Os filtros são classificados em: i)
filtros locais, que trabalham com algoritmos de baixa complexidade devido
aos recursos computacionais limitados dos dispositivos móveis, e ii) filtros
remotos, que trabalham com algoritmos mais complexos e podem executar
ferramentas estatísticas nos servidores de autenticação. Os resultados experimentais
indicam com sucesso: i) um mecanismo mais dinâmico (adaptável às
atividades executadas pelo usuário) e autonômico para autenticação de usuários
em um ambiente móvel e pervasivo, e ii) uma eficiência significativa na
detecção de anomalias de autenticação através da utilização de modelos de
similaridade e permutação espaço-temporal.

 

Link para download: Joao Carlos Damasceno Lima