Home » Archive by category "Gestão do Conhecimento"

PEREIRA, Andréa Karla. IDÉIAS, COMPREENSÃO E PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DOS LÍDERES EMPRESARIAIS NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ (SC). 2009.

Ressaltando a importância e atualidade da temática Responsabilidade Social
Empresarial, o presente trabalho busca analisar como os líderes empresariais de
Itajaí (SC) compreendem o tema, identificando os motivos que os levam a adoção ou
não de práticas socialmente responsáveis em suas respectivas organizações e a
importância que os mesmos atribuem a tais ações. A abordagem teóricometodológica
privilegia, neste trabalho, uma perspectiva interpretativa, pois nos
permite analisar líderes empresariais e organizações em suas representações como
um fluxo de ações que constroem a realidade local, sem considerar os fenômenos
econômicos como algo dado ou consolidado, reflexo de uma racionalidade abstrata.
Os dados foram coletados a partir de entrevistas, com a utilização de roteiros semiestruturados
permitindo uma melhor leitura desta temática. A partir das narrativas
dos entrevistados, foi possível analisar a interface entre conceito, prática e
importância que as lideranças empresariais atribuem ao tema. Como conclusão, o
presente trabalho identifica certa carência de conhecimento por parte das lideranças
pesquisadas sobre o tema, o que torna necessário a construção de debates para os
diferentes setores da econômica local, que não só promova um maior entendimento
e esclarecimento do assunto, mas, que vá de encontro às necessidades do
momento. Com isso, o estudo resgata a afirmativa de Ashley, Queiroz, Cardoso et al
(2003) de que é de fundamental importância o desenvolvimento do conceito de
responsabilidade social empresarial, através de um caminho alicerçado por visões
coerentes e conscientes quanto sua verdadeira função.

 

Link para download: Dissertação final

SORDI, Victor Fraile. TEORIA SUBSTANTIVA DOS FATORES INFLUENTES NA GESTÃO DE UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRO. Tese, 2018.

A pós-graduação brasileira tem papel fundamental na estratégia nacional de
ciência, tecnologia e inovação. É a principal responsável, dentro do modelo
adotado no Brasil, por produzir novos conhecimentos, gerando inovações
tecnológicas e buscando desenvolvimento econômico, através de suas interações
com governo e setor produtivo. Entretanto, mesmo com o aumento de
investimentos nas últimas décadas, o país apresenta resultados insatisfatórios
tanto na produção científica e tecnológica, como em relação à inovação. Como
um dos agentes fundamentais nesse contexto, a pós-graduação faz parte dos
problemas desse sistema, assim como também faz parte das soluções. Esta tese
buscou avançar na compreensão do fenômeno da gestão dos programas de pósgraduação,
investigando quais são os fatores envolvidos nesse processo e como
eles atuam. Utilizando os procedimentos metodológicos da teoria fundamentada
em dados em entrevistas com docentes e gestores de um programa de pósgraduação
brasileiro, foi possível inferir que os programas de pós-graduação
necessitam desenvolver algumas capacidades essenciais para responder às
condições estruturantes relacionadas ao contexto onde estão inseridos. Os
resultados sugerem que os principais fatores que influenciam o processo estão
relacionados ao comprometimento e à integração dos envolvidos, à capacidade
de aprender a gerir um programa de pós-graduação, à interdisciplinaridade, aos
mecanismos de cobrança, à liderança, à zona de conforto, às mudanças nas regras
do jogo e à avaliação da CAPES. É desejável que a gestão desses programas
desenvolva as capacidades de criar incentivos e recompensas, compor e manter
um quadro docente, exercer um papel político, gerenciar conflitos e reagir às
mudanças, executando-as com competência para alcançar os resultados
pretendidos. A teoria substantiva resultante do processo de pesquisa sugere que o
sistema nacional de pós-graduação pode não estar funcionando satisfatoriamente,
por não oferecer condições necessárias para os gestores e docentes buscarem
maior qualidade em suas atividades. Reformulações nos modelos de avaliação
docente, aprimoramento dos mecanismos de cobrança, reestruturação das
atribuições dos docentes e qualificação dos professores que exercem cargos
gerenciais, são possíveis melhorias sugeridas com base nos resultados alcançados
na pesquisa.

Link para download: Victor Sordi

NASCIMENTO, Everton Ricardo do. METAFRAMEWORK DE COPRODUÇÃO EM AMBIENTES COMPLEXOS PARA A GERAÇÃO DE INSUMOS ESTRATÉGICOS. Tese, 2018.

Entende-se que um dos problemas enfrentados na sociedade reside na coprodução do conhecimento de uma forma sistêmica para a resolução de problemas nela encontrados, dada a percepção dos indivíduos, independente do ambiente aos quais estes pertencem. Mais do que isso, como o conhecimento coproduzido pode amparar estrategicamente, processos de tomada de decisão nestes ambientes. Para tanto, esta tese tem por objetivo a proposição de um metaframework que, por meio da coprodução do conhecimento, possibilita a geração de insumos estratégicos que venham a contribuir para o processo de tomada de decisão em ambientes complexos. Sendo assim, desenvolveu-se um metaframework, que foi definido como um conjunto de ações e subsistemas amparados por teorias que, associados e dentro de uma ordem de execução, possibilitam a geração de insumos estratégicos para a tomada de decisão em ambientes complexos. Um ambiente complexo caracteriza-se por sua constante mutabilidade, tanto de contexto quanto de entes a ele pertencentes. Dando suporte enquanto processo para a percepção dos indivíduos sobre questões que estão direta ou indiretamente ligadas a eles, este trabalho fez uso da análise de percepção para amparar a coprodução, que por sua vez, tem evoluído de um processo de participação cidadã em processos decisórios governamentais para um mecanismo de engajamento da sociedade como um todo na geração de novas ideias e novas formas de interação, seja na tomada de decisões, seja na construção de novos saberes. A Design Science Research enquanto abordagem metodológica, contribuiu para o processo de estruturação lógica da construção deste trabalho, dada sua possibilidade de congregação com outras abordagens na busca por soluções de problemas existentes no ambiente em estudo. As experiências relatadas a partir da pesquisa-ação colaborativa possibilitaram a descrição empírica das ações que foram cientificizadas neste trabalho, onde, dada a realização do projeto da V Conferência Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI) de Santa Catarina, que congregou mais de 1100 participantes do sistema de CTI catarinense, e um projeto piloto junto ao Sistema Departamental de Ciência, Tecnologia e Inovação de Cauca – Colômbia, com a participação de mais de 20 empresas de diferentes portes e níveis de atuação, permitiu como resultado a estruturação do metaframework, que pode gerar frameworks voltados para diferentes ambientes complexos, dada a flexibilização de sua composição.

Link para download: Everton Ricardo do Nascimento

CHANG, Daniel Lage. CSBC: UMA ESTRATÉGIA PARA PROMOVER CIDADES SUSTENTÁVEIS. Dissertação, 2018.

A humanidade se encontra em intenso processo de urbanização. Até 2050 serão mais de 2 bilhões de habitantes adicionais vivendo em cidades e ampliando a demanda por recursos naturais e infraestrutura. Esta tendência ocorre dentro de um delicado processo de mudanças climáticas onde a integridade da biosfera encontra-se em alto risco. A complexidade do meio urbano e a natureza interdisciplinar da sustentabilidade demandam uma visão sistêmica da vida e tornam a promoção de cidades sustentáveis um grande desafio para acadêmicos, formuladores de políticas, gestores públicos, empreendedores e líderes urbanos. As cidades concentram conhecimento e inovação para gerar o impacto necessário para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O desenvolvimento urbano baseado no conhecimento é um novo paradigma para desenvolver territórios a partir de atividades baseadas no conhecimento que resultem em maior nível de prosperidade compartilhada e qualidade de vida para seus habitantes. O objetivo deste trabalho é propor uma estratégia para promover cidades sustentáveis baseadas no conhecimento. A pesquisa qualitativa realizada envolve a revisão sistemática integrativa da literatura com as abordagens sobre avaliação de cidades sustentáveis e análise dos pontos fortes e limitações dos principais modelos e iniciativas levantados e a elaboração de estudo de caso sobre a implementação em Florianópolis dos indicadores de sustentabilidade da Iniciativa Cidades Emergentes e Sustentáveis. Os dados coletados por meio de análise de documentos e observação participante no Grupo de Trabalho de Indicadores da Rede Veracidade Florianópolis foram analisados e produziram subsídios para a elaboração da estratégia proposta. A Cidade Sustentável Baseada no Conhecimento é uma estratégia composta por três eixos interconectados: laboratórios de inovação urbana como direcionadores de implementação, desenvolvimento urbano baseado no conhecimento como abordagem integrada de gestão do conhecimento e sistema de capitais como estrutura de valor para o monitoramento e avaliação da sustentabilidade da cidade. A implementação desta estratégia pode ser estimulada por desafios urbanos definidos para orientar missões e mobilizar atores para acelerar a transformação urbana sustentável de cidades.

download: Daniel Chang

PALANDI, Fernanda Elisa Demore. THE CULTURAL PROCESS OF DEMATERIALIZATION FOR ACHIEVING SUSTAINABLE OUTCOMES IN KNOWLEDGE SOCIETIES. Tese, 2018.

Desde o nosso surgimento no planeta Terra, utilizamo-nos de ferramentas como extensores de nossas funções humanas, o que nos levou a evoluir através das novas descobertas na ciência dos materiais, os quais moldaram o mundo e a forma como a sociedade interage com ele. Isto nos levou à tecnologia moderna, que nos permite fazer mais (intangível) com menos (tangível). A desmaterialização, que caracteriza a transição para a era do conhecimento, já está acontecendo em nossa sociedade. A consequência da ação do ser humano no planeta mostra visível um declínio na qualidade ambiental. O período de tempo geológico proposto em que estamos, o Antropoceno, é caracterizado por catástrofes ambientais e pela busca pela sustentabilidade. A sociedade precisa ser alertada para uma necessária transformação cultural. Sociedades do conhecimento devem obedecer à tendência de redução sistemática de insumos materiais. Assim, a desmaterialização pode ser vista e adotada como o elo entre a variação das manifestações econômicas no volume de materiais processados e os modos de viver e compreender o processo cultural da desmaterialização. Para responder à pergunta de pesquisa de ‘como as sociedades do conhecimento podem adotar estilos de vida mais desmaterializados?’, o objetivo geral foi definido como ‘desenvolver compreensão do processo cultural de desmaterialização para adotar práticas sustentáveis nas sociedades do conhecimento’. A análise segue uma abordagem metodológica qualitativa para a investigação empírica. Quanto à coleta de dados, adotou-se a abordagem de entrevista semiestruturada. Um total de 12 atores-chave de associações comerciais, sociais, academias e governamentais foram selecionadas por seu envolvimento com práticas sustentáveis, de desmaterialização e ou conhecimento sobre economia e sociedades do conhecimento. Optou-se por uma revisão integrativa da literatura. Como resultado, o modelo interpretativo do processo cultural da desmaterialização para alcançar resultados sustentáveis em sociedades do conhecimento está representado com a elaboração de um framework sobre o processo cultural da desmaterialização. O Estágio zero inicia com a motivação pessoal; o Estágio 1 é a atmosfera do conhecimento; o Estágio 2 é a consciência nasce no indivíduo; o Estágio 3 é o metabolismo social; o Estágio 4 é a ética do ciclo de vida.; e o último e quinto estágio é o da desmaterialização. A ideia do framework é de que ele seja navegável, forma dinâmica e cíclica, como a teoria dos hiperlinks, ou seja, o usuário pode adentrar nos níveis que por hora deseja de forma a desenvolver suas qualidades naquele sentido e depois navegar para outro nível até que todos estejam alcançados. Este framework acima de tudo, é um framework de indução: ele induz que o indivíduo ou a comunidade, ou a organização busque o melhoramento nos níveis que julga necessário melhorar. Não traz uma obrigatoriedade de seguir um padrão, mas induz que se busquem práticas que levem a uma cultura mais desmaterializada.

Link para download: Fernanda Elisa 

BURGER, Fabrício. FRONT END DA INOVAÇÃO: FATORES QUE CARACTERIZAM O FEI INCREMENTAL E RADICAL. Dissertação, 2018.

O front end da inovação (FEI) é a primeira etapa do processo de inovação. Nela são geradas, selecionadas, enriquecidas e priorizadas ideias que podem se tornar conceito de produtos e tecnologias. O conhecimento é o elemento catalisador da inovação, e o seu compartilhamento e socialização contribuem para construção de novos saberes no universo organizacional. As empresas que buscam se diferenciar no mercado podem colher bons resultados ao atentarem-se à essa fase de pre-desenvolvimento. É possível estratificar a inovação em alguns aspectos, entre eles o grau, onde a literatura aponta existir inovações incrementais e radicais/disruptivas. Por outro lado, existem poucos estudos que versam sobre o front end alinhados ao grau da inovação e os fatores que o caracterizam. Nesse sentido, o presente trabalho objetivou analisar os fatores que caracterizam o processo do front end da inovação incremental e radical nas organizações. Para tanto, foi realizado um estudo multicaso em organizações inovadoras catarinenses do segmento de máquinas elétricas. Os dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade. Na análise dos dados foi utilizado o método da análise temática. Os resultados apontam a existência dos seguintes fatores: atitudes dos colaboradores, conhecimento, liderança, capacidade criativa, cultura organizacional, formalização do processo, fluxo de informações no processo, adequação tecnológica, uso de MTF’s, tempo de execução, estratégia da organização e estratégia do negócio.

Link para download: Fabrício Burger

COUTO, Rogéria Moreira. GOVERNANÇA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ANÁLISE DOS MECANISMOS DE GOVERNANÇA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA À LUZ DO MODELO MULTILEVEL GOVERNANCE. Dissertação, 2018.

A presente pesquisa tem como objetivo analisar os mecanismos de governança na Universidade Federal de Santa Catarina à luz do modelo multilevel governance. Para alcançar esse objetivo foi necessário analisar as características dos diferentes modelos de governança, descrever o modelo de governança utilizado na UFSC, verificar a existência de mecanismos multilevel governance na gestão da Universidade estudada e, por fim, sistematizar e analisar os elementos e mecanismos principais que caracterizam as práticas da multilevel governance. Quanto aos procedimentos metodológicos, foi executada uma pesquisa documental, bibliográfica e de campo, cuja a unidade de observação foi a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Por meio da investigação bibliográfica realizada, observou-se que, no Brasil, estudos sobre a adoção de práticas de governança nas universidades são recentes e pouco significativos. A literatura pesquisada despontou no campo internacional, mas ainda assim, incipiente, justificando, na perspectiva acadêmica, o esforço empreendido para analisar a realidade das universidades públicas brasileiras à luz dos modelos de governança, principalmente pelo atual cenário de mudanças e desafios estruturais. Quanto à dimensão de análise do constructo multilevel governance, a grande maioria dos estudos identificados trata de sua aplicação em questões territoriais e ambientais. Particularmente no Brasil, não há estudos sobre a aplicabilidade da Multilevel Governance no âmbito universitário, o que corrobora o ineditismo deste estudo. A etapa de campo desta pesquisa, caracteriza-se por um estudo de caso, tendo como fonte de informações as entrevistas semiestruturadas realizadas com os gestores envolvidos no processo de desenvolvimento das políticas institucionais e na implementação de estratégias na UFSC. A pesquisa revelou que a Universidade já dispõem de alguns mecanismos de governança. A maioria dos gestores demonstrou que a prática existe, porém de forma não institucionalizada. Ficou evidente, no entanto, a partir dos resultados obtidos, que foram encontrados instrumentos que se referem às práticas da multilevel governance. Entretanto, em relação ao que se pretende obter na implantação de um sistema de governança compartilhada na instituição, esses instrumentos encontram-se em estágio inicial, uma vez que, apesar da reconhecida importância acerca da governança na gestão da UFSC, a discussão sobre sua evolução ainda é limitada e suas práticas ainda não estão efetivamente internalizadas pela organização.

Link para download: Rogéria M Couto

KRAEMER, Rodrigo. MODELO DE MATURIDADE DO SISTEMA DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA. Dissertação, 2018.

A pressão para o desenvolvimento de pessoas tem se intensificado e as organizações têm investido em atividades de treinamento, desenvolvimento e educação em uma taxa crescente. Unidades organizacionais dedicadas foram criadas e evoluíram de meros departamentos de treinamento para instrumentos de transferência integrada de conhecimento, intercâmbio e inovação, tanto intra quanto entre organizações. As atividades educacionais no contexto organizacional, que chamamos de Sistemas de Educação Corporativa, podem ser configuradas por diferentes visões e apresentar diferentes estágios de evolução. Identificar a maturidade do estágio que se encontra pode auxiliar e orientar os gestores para futuras melhorias. Modelos de maturidade existem para diferentes domínios mas para as atividades educacionais no contexto organizacional, seu desenvolvimento ainda é incipiente. Com o objetivo de elaborar um modelo de avaliação de maturidade do Sistema de Educação Corporativa com foco na visão de aprendizagem em rede, foram analisados alguns modelos e apresentado um framework para a sua construção. Uma análise da literatura propiciou uma descrição de cada estágio – Departamento de Treinamento, E-Learning, Educação Corporativa, Universidade Corporativa, Stakeholder University e Universidade Corporativa em Rede – além da descoberta de três visões distintas, que guiam a implementação e funcionamento dessas unidades – Treinamento, Alinhamento Estratégico e Aprendizagem em Rede. O modelo possui cinco níveis de maturidade – não iniciado, iniciado, em andamento, prontidão e maduro – que permitem classificar a maturidade de cada estágio. Foi desenvolvida uma ferramenta de avaliação autoaplicável e o modelo foi implementado em uma organização. Como contribuição teórica temos a descrição dos estágios e uma nova classificação – as Visões do Sistema de Educação Corporativa. Como contribuição prática, o instrumento disponibilizado permite um diagnóstico simples e rápido.

Link para download: Rodrigo Kraemer

MASSAD, Daniela de Oliveira. A INFLUÊNCIA DAS COMPETÊNCIAS DO EMPREENDEDOR SOCIAL EM PROJETOS DE INOVAÇÃO SOCIAL. Dissertação, 2017.

A importância das inovações para o aumento da vantagem competitiva de organizações e nações vem sendo destacada por diversos estudiosos e profissionais. Quanto ao aspecto econômico, as inovações podem aumentar os níveis de emprego e renda da população. No entanto, em meio à concepção de inovações exclusivamente para criação de valor econômico surgem as inovações sociais, cujo objetivo principal é resolver problemas sociais. Com a característica principal de alcançar uma missão social, essas inovações podem produzir mudanças significativas nas comunidades em que estão inseridas, compensando as faltas cometidas pelo mercado e as necessidades não atendidas pelas organizações governamentais. As ideias inovadoras partem muitas vezes de empreendedores ou se valem de suas características intrínsecas para implementá-las e alcançar o sucesso. As competências empreendedoras e o papel do empreendedor social são considerados como aspectos importantes no processo de inovação social. Com o objetivo de avaliar a influência das competências do empreendedor social em projetos de inovação social, foi realizada uma pesquisa quantitativa, exploratória e descritiva com empreendedores sociais responsáveis por negócios de impacto social. Os dados foram coletados por meio de um questionário para avaliar a competência empreendedora, elaborado por Colley (1990), validado em diversos outros estudos. Para avaliar a percepção sobre a positividade do impacto dos projetos de inovação social, os empreendedores sociais responderam a uma pergunta específica sobre a inovação social, validada com especialistas da área. Como resultado, evidenciou-se que os empreendedores percebem o impacto positivo dos projetos de inovação social. As competências empreendedoras que se apresentaram mais fortes nos empreendedores que participaram da pesquisa foram o comprometimento, a persistência e a busca de oportunidade e iniciativa. O planejamento e monitoramento sistemático e o estabelecimento de metas exibiram índices baixos entre os entrevistados. A busca de informações, a persuasão e rede de contatos, a característica de correr risco calculados e a exigência de qualidade e eficiência também exibiram resultados satisfatórios em mais da metade dos empreendedores sociais. O modelo estrutural elaborado demonstrou pouca relação das competências empreendedoras com a percepção do impacto positivo dos projetos de inovação social e a regressão linear revelou baixo poder preditivo para relacionar as competências empreendedoras com a inovação social. Entretanto, esta pesquisa empírica contribui para o avanço de estudos na área, pois apresenta um
quadro sobre as competências existentes em um grupo de empreendedores sociais, bem como uma análise da relação das competências com os projetos de inovação social e colabora para a ampliação do conhecimento da inovação social no âmbito acadêmico e no meio social.

Link para download: Daniela de Oliveira Massad

CANCELIER, Marilena Marangoni de Lorenzi. CONTRIBUIÇÕES DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS PARA PROMOÇÃO DA IGUALDADE DE GÊNERO: Conciliando a vida profissional e pessoal. Dissertação, 2017.

Mesmo com o crescente avanço tecnológico, com a importância e com a disseminação do uso de tecnologias para o desenvolvimento econômico mundial, são as pessoas os responsáveis imprescindíveis por criar, gerir e disseminar o principal fator de produção da economia atual: o conhecimento. Através da gestão de pessoas, a organização pode alinhar as expectativas e as necessidades dos indivíduos com as demandas exigidas pelo mercado em que está inserida, a fim de gerenciar o principal ativo gerador de valor, o capital humano. Contudo, a própria evolução humana atribui aos indivíduos novos papéis, sejam eles relacionados ao trabalho ou à vida pessoal, e promove mudanças sociais e comportamentais. A crescente participação das mulheres no mercado de trabalho é uma destas mudanças que impacta diretamente a necessidade de conciliação dos papéis profissionais e pessoais, colocando ainda em evidência a busca pela igualdade de oportunidade entre os gêneros. Neste contexto, as organizações, ao considerarem a relevância das pessoas no âmbito organizacional, tomam para si o papel de promotoras perante as demandas sociais, incluindo os movimentos que buscam a igualdade de gênero. Assim, esta pesquisa tem como objetivo verificar as contribuições das práticas de gestão de pessoas para a promoção da igualdade de gênero no que se refere à conciliação entre a vida profissional e pessoal. Para alcance do objetivo, definiu-se como metodologia construir o arcabouço teórico partindo de dados secundários obtidos na revisão sistemática da literatura e na pesquisa bibliográfica que resultou na revisão bibliográfica. Visando ao enriquecimento da pesquisa, foi realizada a coleta de dados empíricos, através do estudo de caso na empresa Imaginarium Comércio de Presentes e Decorações S/A. A estratégia utilizada para coletar os dados foi a pesquisa quantitativa, através do instrumento questionário enviado aos(as) colaboradores(as) da empresa. Também se trabalhou com a pesquisa qualitativa através da pesquisa documental e da entrevista semiestruturada realizada com o gestor de pessoas. Assim, a referida pesquisa caracteriza-se como exploratória, descritiva e aplicada. Como resultados, foi possível aferir que há consenso na literatura de que a busca pela conciliação dos papéis profissionais e pessoais é necessária diante do mercado atual de trabalho. Os estudos demonstram ainda que a realidade dessa desigualdade entre os referenciados papéis tem afetado em maior escala as mulheres. Também é identificado o consenso quanto à relevância da igualdade de gêneros no ambiente organizacional e
quanto à atuação da gestão de pessoas como promotora das práticas. Já a análise comparativa às informações do estudo de caso revela que, apesar da cultura organizacional considerar importante a conciliação entre os papéis profissionais e pessoais e promover a flexibilidade para atender as demandas dos indivíduos, ainda há distanciamento entre a cultura apresentada pela empresa e a percepção dos seus/suas colaboradores (as). A ausência de práticas formais por parte da empresa, a inclusão da igualdade de oportunidade entre os gêneros nas medidas adotadas e a crescente demanda, principalmente das mulheres, por práticas que promovam a conciliação da vida profissional e pessoal compõem o principal resultado desta pesquisa.

Link para download: Marilena Marangoni de Lorenzi Cancelier