Home » Archive by category "Gestão do Conhecimento"

SCHREINER, Tatiana. Os Processos de Liderança na Implantação de um Centro de Inovação a partir da Perspectiva Construcionista. Dissertação, 2017.

Apesar da extensa literatura sobre liderança, pouco se tem usado a
perspectiva construcionista para estudar grupos que buscam trabalhar de
forma colaborativa para a construção de ambientes de inovação, como é
o caso do Centro de Inovação – instituição criada pela Secretaria do
Estado de Desenvolvimento Econômico e Sustentável de Santa Catarina
(SDS). Esta pesquisa teve como objetivo compreender, a partir da
perspectiva dos atores, como um grupo envolvido com a implantação de
um Centro de Inovação cria visão, coordena o trabalho coletivo e
constrói motivação e confiança nesse processo. Para atender ao objetivo,
foi realizada uma investigação narrativa com 11 atores (dez
representantes da tríplice hélice da região selecionada e um
representante da SDS), cujas histórias foram analisadas segundo o
modelo DAC – direção, alinhamento e comprometimento. Essa
perspectiva propõe que o foco não esteja na maneira como a liderança é
praticada, mas no que as pessoas esperam conquistar com a liderança.
As histórias dos atores de cada hélice foram analisadas, para se
compreender como a tríplice hélice produz DAC na implantação de um
Centro de Inovação. Os resultados mostram que o elemento direção vem
sendo elaborado a partir da relação histórica dos atores com uma
fundação de pesquisa e seus desdobramentos, como a criação de uma
incubadora visando a mudança da matriz econômica da cidade. Além
disso, com a chegada do Centro de Inovação, um vasto conteúdo
referenciado em experiências sobre habitats de inovação e modelos de
gestão foi transmitido pela SDS. Em relação ao alinhamento, a
coordenação do trabalho se dá por meio das reuniões do grupo, em que
os membros discutem os problemas e definem as soluções. Essa prática
de liderança gerou resultados como, por exemplo, a criação do modelo
de governança para viabilizar a produção de ações conjuntas. O
elemento comprometimento vem sendo construído por meio de ações
voluntárias e da participação de alguns atores em outras instituições da
tríplice hélice. Por fim, a análise dos dados permitiu sugerir que o
processo de liderança será fortalecido à medida que o grupo conseguir
revisitar e ajustar a visão compartilhada, desenvolver instrumentos de
apoio à coordenação dos trabalhos e compreender as necessidades de
cada instituição envolvida. Além disso, será necessário o estreitamento
da relação com o Governo do Estado.

Link para download: Tatiana Schreiner

REZENDE, Maurício Seiji Cesar. A Gestão do Conhecimento em uma Organização de Software: Construção de uma Teoria Substantiva. Tese, 2017.

As organizações de software estão entre as principais responsáveis pelo crescimento econômico e pela globalização da economia. Os produtos e serviços dessas empresas, presentes no dia a dia da maioria das pessoas, estão entre os principais indicadores da importância que o conhecimento, na forma de ativo intangível, atingiu nas últimas décadas. Considerando-se essa importância e o fato de que o próprio processo de desenvolvimento de software é uma atividade de uso intensivo do conhecimento, este trabalho visa aprofundar o conhecimento científico quanto à gestão do conhecimento através de uma pesquisa realizada em uma organização de software. Para isso, foram adotados procedimentos metodológicos da grounded theory como método qualitativo de pesquisa e seguidas as orientações de Strauss e Corbin (2008). Guiados pelo método descrito pelos autores, foram realizados ciclos de coleta e análise de dados no período de 2013 a 2015 em uma organização de software da cidade de Florianópolis. O objetivo desta tese foi a criação de uma teoria substantiva composta por um conjunto de categorias e subcategorias identificadas em análises cíclicas dos dados coletados. Os resultados da pesquisa mostraram que a gestão conhecimento na organização de software é importante para a segurança e retenção do conhecimento organizacional, assim como para o planejamento e controle das atividades realizadas pelos colaboradores. Além disso, são consequências dessa gestão, na empresa estudada, o apoio ao desenvolvimento dos funcionários e a organização do conhecimento. A pesquisa revelou também que os frutos da gestão do conhecimento na organização analisada foram colhidos através da aplicação de técnicas como: criação de uma cultura de documentação e atualização dos procedimentos organizacionais; realização de reuniões periódicas e com objetivos claros dentro e entre as diferentes equipes; participação em projetos de pesquisa e utilização de ferramentas tecnológicas destinadas ao apoio da gestão do conhecimento.

Link para download: Mauricio Seiji Cesar Rezende

ANDERLE, Daniel Fernando. Modelo de Conhecimento para Representação Semântica de Smart Cities com foco nas Pessoas. Tese, 2017.

Devido ao inchaço das cidades e a crescente demanda por soluções de
problemas cada vez mais críticos, oriundos da recorrente falta de
planejamento e de recursos cada vez mais escassos, o conceito de Smart
Cities está sendo cada mais disseminado pelo mundo, ainda através das
TICs propor soluções aos sérios problemas sociais como: saúde, educação
e segurança. No entanto as pesquisas apontam que para uma cidade se
tornar inteligente e ser bem-sucedida antes de qualquer coisa, a mesma
deve possuir uma estreita relação com seus habitantes, onde deva existir
uma troca bilateral de conhecimento entre seus habitantes e os provedores
de tecnologia, para que possam alinhar-se convergindo de forma mútua
na solução dos referidos problemas. Uma Smart City é muito mais que
tecnologia, é uma cidade onde o centro das soluções são as pessoas e não
as TICs. Uma cidade para ser considerada Smart City, deve garantir aos
seus habitantes acima de tudo qualidade de vida e bem-estar, onde a
tecnologia é apenas meio e não o fim. Desta forma, a presente tese
ocupou-se em estudar e apresentar um Modelo de Conhecimento baseado
em tecnologias como: ontologias, padrões de projeto e análise de
sentimento, que pudessem representar semanticamente e de forma
genérica as dimensões de uma Smart City, buscando colocar sempre como
cerne as pessoas assim como as suas demandas. Partindo desses
pressupostos, desenvolveu-se, o escopo do problema, o levantamento
bibliográfico, a construção de quadro conceitual e dos constructos de uma
Smart City, uma ontologia que buscasse representar as pessoas que
habitam uma cidade, a elaboração de um ferramental onde possibilitasse
analisar a satisfação dos habitantes em relação as dimensões propostas,
propõe-se modelos de padrão de projeto pautado na bibliografia existente.
Por fim, verificou-se a viabilidade do modelo através da opinião de
especialistas de domínio que compõem a tríplice hélice mais a sociedade
civil, é realizado uma análise das suas contribuições para o
desenvolvimento de uma Smart City com foco nas pessoas. O resultado
da tese foi um modelo de conhecimento que através da representação
semântica aponte possíveis trajetórias de aplicações de Smart Cities com
foco nas pessoas.

Link para download: Daniel Fernando Anderle

FERNANDES, Roberto Fabiano. FRAMEWORK CONCEITUAL PARA O PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES DO FRONT END DA INOVAÇÃO. Tese, 2017.

A inovação, quando entendida sob a ótica de processo, é muito mais que gerar boas ideias, é sim uma atividade complexa, na qual há a interação de diversos componentes, alguns mais explorados na literatura, como é o caso do desenvolvimento de produtos, e outros, como a identificação de oportunidades, geração de ideias e conceitos, ainda pouco explorados. Entretanto, a etapa inicial do processo de inovação, também chamado de Front End da Inovação (FEI), vem ganhando importância estratégica por parte das empresas e universidades. A inovação, assim como o FEI, é um processo que requer ferramentas, regras e disciplina específicas e o mapeamento de todas as partes interessadas e a compreensão de seus interesses são conhecimentos críticos que ajudam a identificar os fatores de sucesso e dos gargalos ocultos. Apesar disso, o FEI ainda é definido como a mais incerta e confusa etapa, pois pouco se sabe ainda sobre como suas atividades são constituídas, quem são os atores, quanto tempo é necessário para executá-las e como é feita a sua gestão. Para mitigar a necessidade de clareza do que está envolvido na etapa inicial do processo de inovação, especificamente, sobre a identificação de oportunidades, esta tese objetiva desenvolver um framework conceitual para o processo de identificação de oportunidades no contexto do Front End da Inovação. Ao investigar sobre fatores de sucesso, há autores que declaram que há uma significante correlação entre eficiência e eficácia de empresas que possuem processo de inovação com o FEI definido. Motivado por esta justificativa, esta tese utilizou uma abordagem qualitativa, amparada por revisões sistemáticas da literatura que permitiram a composição de um portfólio de 170 artigos que compuseram a coleta dos dados secundários. Nesse portfólio foram identificados e analisados 17 modelos/frameworks relacionados à identificação de oportunidades. Na coleta de dados primários, utilizou-se como instrumento as entrevistas em dois momentos: primeiro com seis gestores de empresas inovadoras e, posteriormente, com três especialistas no processo de inovação. Para o tratamento dos dados primários e secundários, utilizou-se a análise de conteúdo. Como resultado, construiu-se um framework conceitual que representou o processo de identificação e oportunidades na visão macro e detalhada. Este framework apresenta a combinação de vários aspectos dos modelos e frameworks analisados, porém avançando na representação visual, no detalhamento de sua execução, fornecendo um processo estruturado para o gerenciamento do Front End da inovação.

 

Link para download: Roberto Fabiano Fernandes

SAMPAIO, Thali Leal. MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO NOS PROCESSOS DE ROTINA DE LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Dissertação, 2017.

A presente dissertação aborda o Mapeamento do Conhecimento como ferramenta de descrição do Fluxo do Conhecimento existente nos processos de rotina do Setor de Microbiologia Clínica, a partir de um estudo de caso em um Laboratório Clínico. Esta estrutura prestadora de serviço especializado, está presente na grande maioria das instituições de assistência médica, e tem a finalidade de fornecer recursos diagnósticos complementares. O Setor de Microbiologia Clínica desempenha um importante papel na prevenção, diagnóstico, controle e terapia de doenças infecciosas, bem como para a epidemiologia em saúde pública. O estudo apresenta uma revisão da literatura, ressaltando o Mapeamento do Conhecimento, e teve como objetivo geral mapear o Conhecimento nos processos de rotinas organizacionais do Setor de Microbiologia Clínica com foco nos fatores ‘processos’, ‘pessoas’ e ‘tecnologia’, visando sua otimização, qualidade e sustentabilidade. Os objetivos específicos da análise se concentram nas práticas dos processos do Setor, na identificação do Fluxo do Conhecimento relacionado à etapas dos processos de rotinas organizacionais do Setor, na avaliação da influência do Fluxo do Conhecimento sobre a otimização dos processos de rotina, na descrição do processo de rotina mais realizado e na sugestão de um fluxograma e layout de processo como ferramenta de Mapeamento do Conhecimento. A técnica da coleta de dados utilizada foi o estudo de caso, tendo como unidade de análise o Setor de Microbiologia Clínica de um Laboratório de apoio ao diagnóstico de grande porte. O estudo de caso abordou uma descrição detalhada do cenário e das pessoas no ambiente pesquisado, seguida pela análise de dados. Na observação da sistematização da rotina da Organização estudada, foi realizado o mapeamento do processo de Urocultura, onde observou-se o fluxo, demonstrado no formato de Fluxograma e Layout de Processo. Para o diagnóstico das etapas do processo foi sugerida e desenvolvida a ferramenta ‘Folha de Verificação de Processo’, no formato de formulário, onde questões seriam respondidas sempre que se evidenciou etapa não conforme. Para o formulário respondido, ao final, deveria ser preenchido um ‘Relatório de Rastreabilidade’, comum a Folha de Verificação, com a conclusão das respostas obtidas. As ferramentas não foram aplicadas devido a questões internas do Laboratório estudado. Inicialmente, a hipótese deste estudo mapear o Conhecimento incorporado nos processos de rotina organizacional do Setor, com foco nos fatores ‘processos’, ‘pessoas’ e ‘tecnologia’. Porém, após coleta dos dados e suas respectivas análises, observou-se que, o fator ‘pessoas’ era o relevante, não se distinguindo o Conhecimento tácito e explícito, tradicional e científico. A ferramenta apresentou grande potencial na sustentabilidade do Conhecimento sobre os processos de rotina. Portanto, determinou sua grande influência positiva na otimização dos processos, sua qualidade e sustentabilidade, mapeando as etapas de cada processo e o Conhecimento tácito e explícito envolvido, respondendo a questão de pesquisa. A ferramenta ‘Folha de Verificação de Processo’ desenvolvida e seu ‘Relatório de Rastreabilidade’ auxiliam na rastreabilidade de não conformidades de cada processo e seus subprocessos e, mesmo sem aplicação no presente estudo, as ferramentas são capazes de indicar, localizar e confirmar as não conformidades e suas origens.

 

Link para download: Thali Leal Sampaio

BELLO, Janine da Silva Alves. INTENÇÃO DE SAIR E INTENÇÃO DE PERMANECER EM ORGANIZAÇÕES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO: UM ESTUDO COM VARIÁVEIS DEMOGRÁFICAS E ATITUDINAIS. Tese, 2017.

O objetivo desta tese é examinar as relações entre o comprometimento afetivo, o comprometimento com a carreira, a satisfação no trabalho e a intenção de sair e intenção de permanecer na organização, no contexto dos profissionais que trabalham em Organizações Intensivas em Conhecimento – OIC, aqui representadas pelas empresas de tecnologia de Florianópolis. A originalidade consiste na análise dessas relações de forma conjunta e na aplicação da pesquisa no cenário brasileiro. Foram utilizados método quantitativo, pesquisa do tipo survey e instrumentos validados anteriormente: Escala de Intenções Comportamentais de Permanência na Organização, Escala de Intenção de Sair, Escala de Satisfação no Trabalho, Escala de Comprometimento Afetivo e a versão brasileira da Escala de Comprometimento com a Carreira. Os dados foram organizados e codificados para análise por meio do software Statistical Package for Social Science for Windows (SPSS). Com relação à análise dos dados, as variáveis “satisfação no trabalho” e “comprometimento com a carreira” apresentaram aderência à distribuição normal, porém o teste Shapiro-Wilk rejeitou a hipótese de normalidade dos dados das variáveis “idade”, “intenção de permanecer na organização”, “intenção de sair da organização” e “comprometimento afetivo”. E, como a intenção de sair e intenção de permanecer são variáveis resposta e não apresentaram a distribuição normal, foram utilizados testes estatísticos não paramétricos para verificação das hipóteses. Com relação aos resultados, foram confirmadas as hipóteses e as correlações positivas entre estado civil e responsabilidade de parentesco com a intenção de permanecer; escolaridade com a intenção de sair; satisfação no trabalho e comprometimento afetivo com ambas as intenções. Como contraponto, não foi verificada correlação positiva entre as seguintes variáveis: responsabilidade por parentesco e a intenção de sair da organização; pessoas com menor escolaridade (ensino médio ou técnico) e a intenção de permanecer na empresa; comprometimento com a carreira e a intenção de permanecer e a intenção de sair da organização. A variável idade se comportou de forma inesperada: contrariando estudos anteriores, não apresentou correlação significativa nem com a intenção de permanecer, nem com a intenção de sair e “descontruiu” as hipóteses em que foi usada como variável moderadora ou variável independente. Nas conclusões, as implicações teóricas e práticas são sintetizadas, os principais resultados são descritos e as contribuições para o campo de pesquisa são evidenciadas. Esta tese faz parte da pesquisa “Recompensas e retenção de profissionais em organizações intensivas em conhecimento, de base tecnológica, de Santa Catarina” e foi desenvolvida junto ao Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Conhecimento, Aprendizagem e Memória Organizacional (Interdisciplinary Research Group on Knowledge, Learning and Organizational Memory – KLOM).

Link para download: Janine da Silva Alves Bello

PIMENTA, Rosângela Borges. Análise de maturidade da coprodução de conhecimento transdisciplinar: Um Estudo de Caso em uma Rede Agroecológica. Tese, 2017.

O agravamento da crise ambiental global tem exigido novas formas de
produção de conhecimento para soluções de sustentabilidade. Esse processo
científico tem na sua gênese a pesquisa transdisciplinar, que é resultado da
coprodução de conhecimento de múltiplos atores, além dos muros da
academia. Desta forma, é premente a necessidade da ciência, governo e
sociedade se unirem, diante de um cenário complexo e de incertezas, que
ultrapassa as fronteiras disciplinares tradicionais, para a resolução de
problemas socialmente relevantes do mundo real. As relações e interações
desses atores são desenvolvidas através de estrutura em rede, que se articula
em projetos de interesse e objetivos comuns. Nesta perspectiva, um dos
desafios substanciais é avaliar as práticas que envolvem o processo de
coprodução da pesquisa transdisciplinar. Um dos recursos, que pode ser
usado para esse fim, é o acompanhamento da melhoria contínua de
processos e práticas por meio da análise de maturidade. Com base neste
contexto, o objetivo desta pesquisa foi elaborar um instrumento de análise
da maturidade para o processo de coprodução de conhecimento em projetos
de pesquisas transdisciplinares. Para tanto, foi adotado um modelo de
maturidade transdisciplinar, adaptado para identificar o grau de maturidade
das dimensões que caracterizam as práticas de coprodução de
conhecimento. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de natureza básica e
aplicada, de abordagem quanti-qualitativa e de caráter exploratório, com a
aplicação de um estudo de caso em um projeto transdisciplinar da rede
agroecológica do estado do Paraná. Os respondentes das entrevistas fazem
parte de entidades públicas e organizações não governamentais. Como
resultado, o presente trabalho possibilitou, por meio do instrumento
proposto, a identificação e análise do nível de maturidade da equipe, bem
como propor ações para contribuir com a melhoria contínua de projetos
transdisciplinares.

 

Link para download: Rosângela Borges Pimenta

GÜTHER, Helen Fischer. PRÁTICAS DE LIDERANÇA NA ESCOLA PÚBLICA: UM ESTUDO COMPARATIVO. Tese, 2017.

As escolas e o trabalho pedagógico são de relevância social inestimável
e a liderança é um dos fatores que contribuem para a melhoria da
qualidade de um centro de ensino. Pelas peculiaridades das escolares
públicas brasileiras, a abordagem da liderança como prática se mostra
um caminho viável, promissor e alinhado ao enfrentamento dessa
realidade. Com esta tese busquei compreender o processo de liderança
em duas escolas públicas de ensino fundamental, sob a perspectiva da
liderança como prática, no município de Florianópolis (SC). Para tanto,
utilizou-se o método da pesquisa qualitativa, mediante anotações de
campo e entrevistas dos colaboradores que compunham a equipe de
gestão de cada escola: nove pessoas em uma escola e cinco pessoas na
outra. Sobre as transcrições e anotações de campo foi aplicada a análise
temática, a partir da qual foram identificadas 12 práticas de liderança:
“conjuntação”, criação e fortalecimento de vínculos, facilitação e
suporte, “formativação”, gestão de conflitos, gestão de urgências,
orientação, planejamento, gestão partilhada, acompanhamento, educação
por projetos e readaptação. As práticas que mais contribuem para a
dinâmica do processo de liderança e demonstram mais consistência são:
criação e fortalecimento de vínculos; readaptação; “conjuntação”; gestão
compartilhada; e orientação. As descrições das práticas de liderança
foram feitas com base em seus principais elementos: pessoas, ação,
modo, motivos e contexto. Percebi livre inter-relação entre esses
elementos e a massiva influência do contexto não institucional sobre
essas práticas. Concluí que o trabalho de liderança é em grande parte
emergente e baseado na experiência, pela influência e imprevisibilidade
que o contexto exerce sobre a prática. O diálogo, a conversa, o
acompanhamento, a união, a aproximação, o vínculo e o senso de
missão compõem a maneira pela qual a liderança escolar é efetivada.

 

Link para download: Helen Gunther

SARTORI, Viviane. InHab-Read – IHR Metodologia de Leitura de Entorno para Habitats de Inovação. Tese, 2017.

Os habitats de inovação são empreendimentos organizados sistematicamente para promover a inovação, propiciando a interação e a integração de diferentes atores. São fenômenos contemporâneos de grande relevância para o desenvolvimento de uma região ou de um país, pois operam com ativos de conhecimento. A implantação de um habitat de inovação implica, diretamente, no desenvolvimento socioeconômico e cultural da comunidade de seu entorno. Estes oferecem condições diferenciadas para desenvolver produtos e processos inovadores, com o propósito de fomentar as dinâmicas econômicas e sociais, locais e regionais, uma vez que tem a capacidade de reunir pessoas, tecnologias, recursos financeiros e conhecimento. A problemática levantada para esta pesquisa trata de como analisar as comunidades do entorno dos habitats de inovação em relação às suas necessidades, potencialidades e expectativas. O lastro teórico para esta tese está construído na intersecção entre os conceitos de habitats de inovação, parques tecnológicos, inovação, inovação social, tríplice e quádrupla hélice. O objetivo é elaborar uma metodologia para leitura e análise identificando, necessidades, potencialidades e expectativas das comunidades do entorno dos habitats de inovação. Esta pesquisa caracteriza-se como exploratória descritiva. Desenvolve-se a partir de uma revisão sistemática para levantar os conceitos básicos e um benchmarking para identificar práticas de leitura de entorno. Com estes elementos propõe-se uma metodologia de leitura de entorno desenvolvida em três fases: elaboração, prototipagem e aplicação. A elaboração constituiu-se em um instrumento online, que foi prototipada no entorno do Orion Parque, na cidade de Lages. A aplicação da metodologia para sua conformação foi feita no entorno do Sapiens Parque, em Florianópolis. Os atores envolvidos nesse processo foram gestores de 8 parques tecnológicos visitados, 10 gestores de organizações internas do Sapiens Parque, 201 gestores de organizações externas e 622 famílias situadas no entorno do Sapiens Parque. O resultado alcançado com este estudo foi a conformação de uma proposta metodológica adaptável para diferentes tipos de habitats de inovação, que possibilita realizar a leitura e a análise do entorno desses empreendimentos, gerando informações que caracterizam o perfil da população local em relação às suas necessidades, potencialidades e expectativas. Com a aplicação da InHab-Read – IHR – Metodologia de leitura de entorno para habitats de inovação é possível orientar políticas e ações conjuntas entre a população do entorno e as organizações internas dos habitats, potencializando a interação entre todos os atores, e ampliando as dimensões dos processos de inovação tecnológica e econômica para a inovação social.

 

Link para download: Viviane Sartori

DOROW, Patrícia Fernanda. COMPREENSÃO DO COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO EM ATIVIDADES INTENSIVAS EM CONHECIMENTO EM ORGANIZAÇÕES DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Tese, 2017.

O compartilhamento do conhecimento é considerado um fenômeno complexo e reconhecido como o processo mais importante na espiral de conversão do conhecimento. Assim, o objetivo desta tese é compreender o compartilhamento do conhecimento em atividades intensivas em conhecimento em organizações de diagnóstico por imagem. Para tanto, realizaram-se três estudos em organizações de radiodiagnóstico com 43 radiologistas (22 novatos e 21 especialistas). As formas de investigação foram: observações, entrevistas e confirmações dos resultados. Identificados os melhores ambientes e práticas, foi possível entender as particularidades existentes nos motivadores, inibidores e aceleradores. Os resultados revelam que uma cultura de cooperação e união favorece as interações entre os profissionais que, por sua vez, desenvolvem a perícia de modo mais rápido exatamente por compartilharem de maneira intensa os conhecimentos.

 

Link para download: PATRICIA DOROW