Home » Archive by category "Engenharia do Conhecimento" (Page 3)

BORDIN, Andréa Sabedra. Framework Baseado em Conhecimento para Análise de Rede de Colaboração Científica. Tese, 2015.

Entender a configuração da colaboração científica em um ambiente de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) permite a tomada de decisão em vários níveis, desde o individual até o estratégico. Análise de Redes Sociais (ARS) é um dos métodos utilizados analisar redes de colaboração científica. Nele uma rede é usualmente representada como um grafo ou matriz, o que carece de semântica e não permite que sejam analisadas características adicionais dessa rede. Ao analisar exclusivamente a estrutura da rede através das métricas de ARS, não contemplando o conteúdo dos artefatos oriundos da colaboração, perde-se um insumo importante que pode contribuir nesta análise. Percebe-se também que tarefas de análise de rede de colaboração científica são intensivas em conhecimento, pois requerem o conhecimento de um especialista, nem sempre disponível, de como realizar as tarefas. Conduzido pela abordagem metodológica Design Science Research, este trabalho apresenta uma proposição de representação ontológica de conhecimentos necessários – conhecimento de domínio, conhecimento de tarefa e solução de tarefa – para a realização de um conjunto de dezoito tarefas de análise de rede de colaboração, juntamente com um conjunto de artefatos para armazenamento e recuperação de dados dessas representações combinados em um framework de conhecimento para análise de rede de colaboração científica. A abordagem de modelagem de conhecimento é inspirada na noção de Problem-Solved Method (PSM) e utiliza a técnica de decomposição de tarefa (task-structure). O framework oferece artefatos de representação de conhecimento e módulos de implementação que podem ser reutilizados em outros contextos ou aplicações. Ele foi avaliado junto a gestores de Programas de Pós-Graduação onde verificou-se que as tarefas são relevantes e que os resultados possuem um grau de confiança alto. As ações de gestão propostas para as tarefas indicam a aplicabilidade como instrumento de gestão pois seus resultados evidenciam a realidade de um contexto de colaboração científica, baseado em produções em coautoria, e podem ser utilizados como insumo para a tomada de decisão por gestores, pesquisadores e comunidade do ambiente analisado.
Link para download: Andrea Sabedra Bordin

VIEIRA, Priscila Rodrigues. Avaliação da Qualidade da Informação para Sistemas de Informação Estratégicas Voltados ao Judiciário Brasileiro. Dissertação, 2015.

Em uma sociedade do conhecimento, com uma vasta gama de informações disponíveis, como se pode garantir a qualidade e confiabilidade dessas informações prestadas. Os sistemas de informações estratégicas que tem como principal propósito prestar informações para tomada de decisão, disseminação e geração de novos conhecimentos dentro das organizações, tem como quesito fundamental a qualidade da informação. Este estudo tem o objetivo de desenvolverum framework para avaliar a qualidade da informação prestada por sistemas de informação estratégica, utilizando como base oframework de qualidade de serviço (SERVQUAL) e o framework de qualidade da informação de Eppler. Para validaçãodo framework proposto, foi realizado estudo de caso em um sistema de informação estratégica que atende ao Judiciário Brasileiro de Primeiro Grau.

 

Link para download: Priscila Rodrigues Vieira

SILVA, Thales do Nascimento da. Um Modelo Baseado em Ontologia para Suporte a Tarefa Intensiva em Conhecimento de Recomendação. Dissertação, 2015.

A evolução da Web tem propiciado uma mudança no comportamento de seus usuários, de consumidores para produtores de informação. Esta mudança trouxe consigo alguns desafios, dentre eles, o aumento exponencial de conteúdo, o que em muitos contextos promove dificuldades de escolha por parte dos usuários. A partir deste cenário iniciaram-se estudos com a finalidade de contribuir na filtragem do excesso de informação, surgindo os Sistemas de Recomendação. Com a evolução dos Sistemas de Recomendações surgiram diversas abordagens com o intuito de atender as demandas existentes. Uma dessas abordagens utiliza-se de estruturas semânticas sendo classificada como Sistemas de Recomendação baseados em Conhecimento. Em sua maioria fazem uso de ontologias e realizam recomendações a partir do conhecimento de um domínio específico. Porém, utilizadas de forma isolada as ontologias de domínio não possuem a capacidade de suportar o processo de recomendação como um todo. Diante disso, o presente trabalho propõe um modelo de representação do conhecimento capaz de lidar com a tarefa intensiva em conhecimento de recomendação. A partir desta premissa uma metodologia de construção de ontologias foi utilizada para modelar uma ontologia de domínio. Adicionalmente, foi proposta uma ontologia de tarefa de modo que tarefas genéricas possam ser especificadas. A integração das ontologias possibilitou que algumas abordagens de recomendação fossem executadas. O modelo proposto demonstra-se consistente uma vez que foi capaz de responder as questões de competências elaboradas na fase de modelagem. Apresenta também, a capacidade de tratar itens de forma genérica, podendo ser aplicado em diversos contextos. Ressalta-se ainda que a integração entre as ontologias de domínio e tarefa se mostra adequada, propiciando recomendações que visam auxiliar no processo de decisão.

 

Link para download: Thales do Nascimento da Silva

VALCARENGHI, Emily Vivian. Impactos da adoção da certificação digital no Brasil. Dissertação, 2015.

Com a explosão do uso da internet para os mais variados fins, gerando um ambiente repleto de possibilidades e também de incertezas, há o aparecimento de diversas Tecnologias de Informação e Comunicação e uma preocupação com relação a segurança da informação e do conhecimento em transações eletrônicas nas organizações. Neste contexto, surge no Brasil, em 2001 a Infraestrutura de Chaves Públicas – ICP-Brasil, mantida pelo Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), autarquia federal, que regulamenta a certificação digital, tecnologia utilizada para garantir autenticidade, confidencialidade e a integridade de informações, conferindo-lhe validade jurídica. O presente estudo teve o objetivo de analisar o impacto percebido por especialistas na adoção da certificação digital ICP-Brasil. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, em que para coleta de dados foram realizadas entrevistas abertas. A técnica de análise de conteúdo foi utilizada, o que permitiu a extração dos dados das entrevistas quanto aos aspectos referentes às potencialidades e fragilidades da certificação digital no Brasil. Utilizou-se a visão sistêmica, através do modelo CESM, para identificar os atores, componentes, ambiente, estrutura e mecanismos, bem como a fronteira. Conclui-se que os benefícios ou potencialidades decorrentes do uso da certificação digital abrangem direta e indiretamente, desde agilidade nos processos, até a economia verde, pela redução do uso do papel; através da desmaterialização dos processos; segurança das informações e acessibilidade, beneficiando relacionamentos interorganizacionais; além de que ter sido verificado que o número de aplicações com uso de certificado digital está crescendo a cada ano e aos poucos vai sendo disseminado na sociedade. Como fragilidades aponta-se o alto custo do certificado; as questões culturais, onde muitos usuários têm receio com novidades; a dificuldade de instalação da cadeia de certificado; a própria estrutura da ICP; a falta de unificação dos sistemas, que dificulta a interoperabilidade. Acredita-se que o estudo traga grandes benefícios para que o ITI possa criar estratégias de difusão e adoção de certificados digitais que minimizem os impactos negativos da tecnologia (custo do certificado, cultura, dentre outros).

 

Link para download: Emily Vivian Valcarenghi

ZANCANARO, Airton. Produção de Recursos Educacionais Abertos com Foco na Disseminação do Conhecimento: Uma Proposta de Framework. Tese, 2015.

O movimento openness trata o conhecimento como um bem público, e os Recursos Educacionais Abertos (REAs), por sua vez, têm a intenção de promover a qualidade do ensino e levar a inovação para dentro do sistema educacional através de recursos disponibilizados abertamente, sob uma licença de uso. Uma análise da literatura sobre REA revelou não a falta, mas a dificuldade que os produtores de conteúdo têm para localizar os recursos desejados. Isto acontece pela carência de repositórios apropriados e/ou pela falta de padronização dos materiais por aqueles que os produzem. Neste sentido, esta tese tem o objetivo de elaborar e verificar um framework para a produção de REAs com foco na disseminação do conhecimento. Após uma busca sistemática da literatura, constitui-se um ciclo para a produção, composto pelas fases de análise e design, codificação, uso e avaliação, e publicação. Com base nos fatores de sucesso para a disseminação do conhecimento e confrontando-os com a literatura pesquisada sobre REA, chegou-se à proposição de um conjunto de requisitos para a produção de REAs com foco na disseminação do conhecimento, na forma de questões e objetivos. Esses requisitos foram verificados por um grupo de 16 especialistas, e as considerações foram analisadas e incorporadas ao framework. Posteriormente, houve o refinamento do texto das questões e dos objetivos com o auxílio de quatro não especialistas na temática REAs que analisaram a clareza e coerência destes, e novamente o framework sofreu ajustes. Por fim, o framework foi aplicado na prática com a produção de videoaulas por uma equipe interdisciplinar e foram realizadas as últimas adequações. Como principal resultado deste estudo tem-se um framework para a produção de REAs de modo a promover a disseminação do conhecimento. Além disso, três videoaulas que oferecem orientações para quem deseja fazer o caminho de Santiago de Compostela estão disponíveis na rede, demonstrando, assim, a ocorrência da disseminação do conhecimento. Produzir materiais respeitando as questões éticas e legais não é uma tarefa simples. Contar com um guia (meio) na produção de REAs possibilitará que novos materiais sejam reutilizados, revisados e recontextualizados, viabilizando a melhoria na qualidade dos materiais educacionais e provocando maior disseminação do conhecimento.

 

Link para download: Airton Zancanaro

JULIANI, Douglas Paulesky. Framework da Cultura Organizacional nas Universidades para a Inovação Social. Tese, 2015.

A ideia de inovação voltada exclusivamente para atender à competitividade do mercado tem perdido importância frente a uma outra que visa e gera mudança social: a inovação social. Esta inovação busca a resolução de problemas sociais e a melhoria da qualidade de vida das pessoas. O levantamento do estado da arte realizado revela a atualidade, o amplo interesse em âmbito internacional e a carência de pesquisas sobre o tema no Brasil. Ademais, evidencia-se o fundamental papel da universidade na promoção de inovações sociais, bem como a fragilidade de estudos que investiguem a sua atuação em prol de tais inovações, em especial, que examinem aspectos da cultura organizacional destas complexas instituições que contribuem para o fenômeno. O objetivo deste trabalho é, portanto, desenvolver um framework conceitual para potencializar a inovação social nas universidades sob o enfoque da cultura organizacional. A fim de se atingir este objetivo, realizaram-se três grupos focais. As interações e a diversidade dos participantes geraram novas concepções e ideias que serviram como insumos para a elaboração do framework conceitual. De modo iterativo e evolutivo, confrontando a teoria em cada grupo focal realizado, elucidaram-se o conceito, os elementos determinantes da cultura organizacional para a inovação social e como ela pode ser trabalhada para favorecer o desenvolvimento de inovações sociais nas universidades.

 

Link para download: Douglas Paulesky Juliani

MEZZAROBA, Mariana Pessini. Requisitos para a Avaliação de Portais de Governo Eletrônico do Poder Judiciário a partir das Resoluções de Metas do CNJ. Dissertação, 2015.

A informação e o conhecimento têm se tornado fatores importantes dentro da sociedade que está cada dia mais complexa. Dessa forma, tanto governo, como cidadãos buscam se atualizar utilizando as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC’s) como um instrumento para o acesso à informação, à justiça e a outros bens tangíveis e intangíveis. Neste contexto surge o Governo Eletrônico que é uma forma de desburocratizar os serviços públicos realizados pelas instituições e órgãos governamentais utilizando a tecnologia. Porém, ainda há muitas lacunas na oferta de informações e serviços no que diz respeito à sua disponibilização em meio eletrônico, como em portais na Internet. A presente pesquisa tem por objetivo levantar requisitos para avaliação de portais de Governo Eletrônico no Poder Judiciário, baseando-se no fato de que muitas pesquisas nessa área estão voltadas somente aos Poderes Executivo e Legislativo. A definição de requisitos para o Poder Judiciário vem ao encontro de uma lacuna encontrada através de uma revisão sistemática da literatura. A modelagem dos requisitos se dá através da elaboração de Mapas Conceituais para a representação do conhecimento das Metas e Resoluções do Conselho Nacional Justiça (CNJ) condizentes como o foco desta pesquisa. Após o levantamento dos requisitos, que são interligados com os Estágios evolutivos de Governo Eletrônico, foi desenvolvido um instrumento de avaliação e a aplicação foi realizada nos portais dos Tribunais de Justiça Estaduais, que soma 26 estados mais o Distrito Federal. A modelagem dos requisitos e a posterior transformação em instrumento para avaliação se mostrou satisfatória perante o objetivo da pesquisa podendo-se concluir que mais de 30% dos portais analisados apresentava lacunas no estágio evolutivo Informacional de Governo Eletrônico, o mais primordial dos estágios.

Link para download: Mariana Pessini Mezzaroba

PIZZOL, Leandro Dal. Uso da Web de Dados como Fonte de Informação no Processo de Inteligência Competitiva Setorial. Dissertação, 2014.

Aproximadamente oitenta por cento da informação necessária em um processo de Inteligência Competitiva (IC) pode ser obtida de fontes abertas. Porém, a falta de semântica desse tipo de fontes dificulta a dedução dos objetos e de seus relacionamentos. Essas dificuldades restringem a tarefa de recuperação de informação, fazendo da captura de conhecimento uma atividade particularmente difícil. A Web of Data avança nesse sentido ao possibilitar um espaço global de dados com conexões explicitas entre os conjuntos e com mecanismos padrão para acessar e processar os dados. Assim, este trabalho propõe alinhar o processo de IC à esta fonte de dados. Para tanto, é proposto um modelo composto por tarefas estruturadas de identificação, seleção e classificação da informação baseado em setores econômicos, que objetiva facilitar a recuperação e o uso da informação na etapa de coleta do ciclo de IC. Espera-se com isso que organizações possam explorar novas fontes de conhecimento, diminuir os esforços de coleta devido à estruturação da informação, e consequentemente, obter melhor posição estratégica. A verificação do modelo se deu pela sua aplicação no setor de Eletricidade e Gás, pela identificação dos requisitos de IC e pela coleta dos dados pertencentes ao setor escolhido.

 

Link para Download:Leandro Dal Pizzol

NAZÁRIO, Débora Cabral. CUIDA – Um Modelo de Conhecimento de Qualidade de Contexto Aplicado aos Ambientes Ubíquos Internos em Domicílios Assistidos. Tese, 2015.

O aumento da utilização de dispositivos portáteis vem gerando uma demanda de informações do ambiente e do usuário, o contexto. Contexto pode ser definido como a relação entre o texto e a situação em que ele ocorre. Em informática, o contexto é formado pelas circunstâncias as quais se utiliza um determinado dispositivo. O uso do contexto pode prover serviços mais dinâmicos e personalizados, sendo um aspecto essencial à garantia da Qualidade de Contexto (QoC), para atender a satisfação dos usuários. A QoC descreve a qualidade da informação que é usada para caracterizar o contexto. Através do levantamento de literatura, foi observada a falta de uniformização de nomenclatura e definições de parâmetros de QoC, além de diferentes formas de quantificação dos parâmetros. Estas dificuldades são refletidas nos modelos de representação, o que prejudica o entendimento e compartilhamento de informações de contexto e QoC. Neste sentido, a Engenharia do Conhecimento pode auxiliar na representação de conhecimento deste domínio, com a utilização de ontologia. Sendo assim, o objetivo desta tese foi pesquisar e desenvolver um modelo de conhecimento de qualidade de contexto, aplicado a um ambiente denominado CUIDA – Contexto Ubíquo Interno em Domicílios Assistidos. A utilização de ontologias como modelo de conhecimento é incentivada, visto que as ontologias representam conhecimento para a comunicação entre os seres humanos, primam pela estruturação, pela organização e pela integração de conhecimento. Desta forma, esta pesquisa contribuiu com um Modelo de Conhecimento de QoC para apoiar pesquisadores e desenvolvedores de computação sensível ao contexto, facilitando o entendimento e acesso aos conceitos deste domínio, permitindo sua reutilização. Com base no modelo desenvolvido foi proposta uma abordagem de avaliação de QoC aplicada a um cenário Ambient Assisted Living (AAL), chamado nesta tese de CUIDA. O objetivo foi demonstrar o uso da avaliação de QoC proposta, avaliando alguns parâmetros. Esta demonstração ocorreu inicialmente com uma prova de conceito através de simulação e em seguida com a certificação dos resultados obtidos através de um estudo experimental que utilizou um cenário real com sensores e-Health. A prova de conceito e o estudo experimental utilizaram sensores biomédicos como pressão arterial, pulso, temperatura corporal, com ênfase no monitoramento da saúde do usuário. O estudo experimental confirmou os bons resultados obtidos na prova de conceito. Foi possível demonstrar que vários casos de qualidade de contexto insuficiente podem ser detectados, assim como as prováveis causas relacionadas, gerando alertas, inclusive para possíveis problemas de saúde. Estes alertas podem com sucesso proporcionar o atendimento de um profissional de saúde de maneira diferenciada, em um tempo reduzido, essencial em casos de emergência.

Link para Download: Debora Cabral Nazario

SANTOS, Paloma Maria. Framework de Apoio à Democracia Eletrônica em Portais de Governo com Base nas Práticas de Gestão do Conhecimento. Tese, 2014.

Graças a sua capilaridade e facilidade de acesso, os portais de governo são tidos como um dos canais mais importantes para a prestação de serviços públicos e para a interação entre o governo e o cidadão. Muito além de um mero cartão de visitas ou um palanque eletrônico, um portal de governo deve permitir o exercício da cidadania e o aperfeiçoamento da democracia. Dessa forma, deve fomentar iniciativas que aumentem a participação cidadã nos debates e decisões governamentais, além de buscar a accountability na gestão pública. A Gestão do Conhecimento pode contribuir para a realização desses objetivos da democracia eletrônica. Assim, é de fundamental importância desenvolver um portal de governo que seja capaz de atendê-los. O presente estudo, de caráter aplicado, descritivo e exploratório, parte da identificação, análise e representação dos constructos-chave no domínio da democracia eletrônica, para a proposição de um framework que dê suporte a sua realização em portais de governo. A partir da explicitação das dimensões de análise, dos indicadores e das variáveis capazes de fomentar a democracia eletrônica, foi estruturado um framework que mostrou ser consistente tanto do ponto de vista teórico quanto do empírico. Sua aplicação prática revelou que os portais avaliados não estão sendo utilizados como ferramentas em prol do avanço na construção e no aperfeiçoamento da democracia, e que os processos fomentados com mais intensidade são o uso, o armazenamento e o compartilhamento de conhecimento.

 

Link para Download: Paloma Maria Santos