Home » Archive by category "Engenharia do Conhecimento" (Page 13)

BIZ, Alexandre A. Avaliação dos Portais Turísticos Governamentais Quanto ao Suporte a Gestão do Conhecimento. Tese, 2009.

O objetivo dessa pesquisa visa avaliar os portais turísticos gerenciados pelas Organizações Públicas de Turismo quanto a sua capacidade de suporte à gestão do conhecimento. Justifica-se o foco nas Organizações Públicas de Turismo pelo papel que o Estado exerce no fomento da atividade turística. Ao todo foram avaliados vinte e nove portais turísticos gerenciados por Organizações Públicas de Turismo de instância de governança federal e estadual. Utilizou-se o método misto mediante a comparação triangular cruzada entre a construção de um modelo de referência de avaliação de portais turísticos com suporte à gestão do conhecimento baseado em conceitos e modelos de gestão do conhecimento, a mensuração de indicadores quantitativos desenvolvidos a partir do comparativo de três modelos de análises de portais turísticos e do modelo referencial de portal turístico; e a mensuração do instrumento qualitativo construído a partir do modelo de representação de fluxo de informação, no domínio da integração de sistemas de informação, no modelo de ciclo de vida do conhecimento e no modelo de arquitetura da gestão do conhecimento. Como resultado, pode-se perceber as deficiências administrativas e estratégicas das Organizações Públicas de Turismo brasileiras quanto ao uso dos portais turísticos como ferramenta estratégica para tomada de decisões. A ausência de integração entre os envolvidos no processo e do uso de ferramentas de tecnologia e de gestão inibem o processo de obtenção do conhecimento individual (orientação pessoal) e organizacional (orientação as tecnologias), prejudicando o mapeamento do conhecimento (individual e organizacional) bem como a construção de um repositório de conhecimento (memória organizacional). Como considerações finais, afirma-se que os portais turísticos analisados não foram arquitetados para dar suporte à gestão do conhecimento e que o seu uso é subtilizado enquanto ferramenta estratégica de gestão de destinos turísticos.

Link para download: Alexandre Augusto Biz

VALENTIM, Celso S. Modelagem de Conhecimento Estratégico nos Processos de Negócio: Proposta de um Modelo Suportado pela Metodologia CommonKADS. Dissertação, 2008.

Resumo:
Os processos de negócio abrigam conhecimento em diversos formatos e níveis de importância. Esse conhecimento necessita ser mapeado de acordo com as diretrizes estratégicas da organização. Desta forma, este estudo pretende resolver, através da Engenharia do Conhecimento, o seguinte problema: Como modelar o conhecimento estratégico presente nos processos de negócio? O objetivo geral é propor um modelo organizacional que permita priorizar o conhecimento estratégico presente nos processos de negócio, representando-o de forma a obter diretrizes que orientem os software a suportar a gestão do conhecimento, ampliando a performance organizacional. Os objetivos específicos são: identificar e definir critérios para determinar o que é conhecimento estratégico nos processos de negócio; alinhar a visão estratégica à formalização do conhecimento estratégico presente nos processos de negócio; estabelecer indicadores para a avaliação da aderência da modelagem do conhecimento estratégico com os sistemas de apoio às práticas de GC; estabelecer a aplicação da metodologia CommonKADS para verificação do modelo proposto. Este estudo classificasse como uma pesquisa exploratória, com a aplicação do modelo criado através de estudos de caso nas empresas Docol Metais Sanitários e Claris Portas e Janelas. Como resultados alcançados têm-se a formulação de um modelo com orientação estratégica, estruturado para modelagem de conhecimento nos processos de negócio; a aplicação do modelo através de estudo de caso e a contribuição para o desenvolvimento de propostas de modelos que   auxiliem as organizações a sustentar suas estratégias de Gestão do Conhecimento através de técnicas de Engenharia do Conhecimento.

Link para download: Celso Salazar Valentim

BEPPLER, Fabiano Duarte. Um modelo para recuperação e busca de informação baseado em ontologia e no círculo hermenêutico. Tese, 2008.

Os sistemas de busca, mesmo com avanços quanto à organização da informação e taxas de precisão e recuperação, ainda são baseados apenas na comparação de termos de busca, que ignora o possível aprendizado que existe nas iterações subseqüentes à primeira busca. Com base nesta constatação, propõe-se um modelo de recuperação e busca de informação com base nas teorias referentes ao círculo hermenêutico, information seeking, recuperação de informação e ontologias. Uma ontologia de domínio é usada para a construção de indexadores da base de conhecimento e para viabilizar a metáfora do círculo hermenêutico, ou seja, permitir que usuários naveguem nos conceitos da ontologia e nas instâncias desses conceitos em uma forma de vai e vem. A demonstração de viabilidade do modelo é realizada por meio do framework Hermeneus, que dá suporte à construção de sistemas de busca que alternam diferentes tipos de estratégias para o refinamento das buscas, e pela comparação com outros modelos de recuperação e busca de informação. Hermeneus atua como um intermediário entre o usuário e a informação requerida, conectando as questões que o usuário tem em mente às respostas que são encontradas nas iterações de busca com contextualização em ontologia. Dessa forma, o modelo proporciona que a dinamicidade requerida por sistemas de busca seja alcançada, pois em um processo de busca o significado está sempre sendo criado e recriado.

link para download: Fabiano Duarte Bepler

BRAGA, Marcus M. Especificação dos Serviços Essenciais a uma Plataforma de Software para Comunidades de Prática. Dissertação, 2008.

Em diversas organizações, Comunidades de Prática reúnem, periodicamente, grupos de pessoas para compartilhar conhecimentos em um determinado domínio do saber humano. Tais comunidades são um poderoso recurso para a gestão do conhecimento nas organizações. Nas suas necessidades de interação, seus membros apoderam-se dos recursos proporcionados pelas tecnologias da informação e comunicação para suprir necessidades decorrentes de fatores, tais como tempo e distância, diferentes entre seus integrantes. Entre os softwares atualmente existentes no mercado, há uma grande variedade de aplicações ou serviços que visam atender às necessidades de uma Comunidade de Prática. O presente estudo parte da análise das necessidades básicas de suporte de tecnologia para as comunidades virtuais, identificando os diversos serviços de software que podem atendê-las, para especificar quais deles são essenciais a uma plataforma de software que possa cobrir as principais necessidades de uma Comunidade de Prática. Para a realização desse objetivo, foram identificados os serviços atualmente disponíveis através de uma revisão de literatura e da análise dos principais produtos existentes no mercado, para a concepção de uma especificação que foi validada através de uma pesquisa aplicada a uma comunidade de prática de gestão do conhecimento. Os resultados aqui discutidos podem ser aplicados no desenvolvimento de uma plataforma de software para Comunidades de Prática ou, ainda, contribuir para a melhoria das plataformas atualmente existentes, agregando os serviços que foram identificados como essenciais.

Link para download: Marcus de Melo Braga

JULIANI, Jordan Paulesky. A SOCIALIZAÇÃO DE CONHECIMENTO ENTRE CONSUMIDORES NA BUSCA DE MELHORES ALTERNATIVAS DE COMPRA. UM MODELO TECNOLÓGICO. Tese, 2008.

A dinamicidade das relações entre fornecedores e consumidores e a percepção, por estes últimos, do poder de barganha e de influência que exercem sobre os primeiros, fazem surgir a demanda por uma ferramenta para melhor gerir o processo de compra, de forma a proporcionar aos consumidores o compartilhamento de informações de consumo que envolvam todas as etapas do referido processo, desde o reconhecimento da necessidade de consumir, passando pela busca de alternativas de compra, seguida da avaliação da melhor alternativa e, finalizando, com a compra propriamente dita, até o processo de avaliação da satisfação dos consumidores com a compra realizada. Os consumidores eletrônicos, diferentemente dos consumidores do mercado tradicional (físico), quando do reconhecimento da necessidade de consumo, buscam informações por meio de sistemas de e-procurement. Tais sistemas representam um poderoso mecanismo para a cotação de preços de produtos e serviços, em que os fornecedores cadastram seus produtos e disponibilizam aos consumidores os preços dos produtos por aqueles comercializados. O modelo de rede social proposto terá uma carga inicial de informações coletadas dos sistemas de e-procurement já existentes, após o que será abastecido: pelos consumidores, com as informações obtidas por eles durante o processo de compra – ainda que não a tenham efetivamente realizado –; pelos fornecedores que queiram cadastrar seus produtos e oportunidades de compra; e, ainda, pelos institutos de pesquisa de preços e de opiniões sobre produtos. Somadas as informações, estas serão processadas e depois disponibilizadas para consultas públicas de outros consumidores usuários ou, então, de fornecedores que tenham por objetivo realimentar seus processos de produção, marketing e de vendas utilizando-se das informações constantes do modelo.

Link para download: Jordan P. Juliani

PALADINI, Suenoni. A utilização da experimentação remota como suporte para ambientes colaborativos de aprendizagem. Dissertação, 2008.

O ensino a distância está evoluindo a cada dia e constantemente em busca de novos meios, novas formas, ou ainda, novas ferramentas que possam beneficiar estudantes de toda parte do mundo com um bem muito valioso: o conhecimento. As novas tecnologias envolvidas no processo de aprendizagem evoluem em alta velocidade. Isso significa que, a cada dia, novos mecanismos, para desenvolver o conhecimento, estão sendo colocados em prática e utilizados como principal instrumento didático utilizado pelos professores. O presente trabalho surgiu pela necessidade de prover, para alunos que tenham necessidade de estudar a fundo o funcionamento de experimentos de física e tem uma estrutura precária para praticas de ensino de física, e que possa ser colocado em prática o conteúdo aprendido em sala de aula. Para tanto, fez-se necessário pesquisar o estado atual da tecnologia educacional que se constitui em passo prévio para exposição dos modelos e metodologias que constituem os principais aportes desta dissertação. Iremos mostra que A experimentação remota poderá ser usada preferentemente quando o experimento real é difícil de observar por razões de tempo, seja perigoso ou por ser muito caro financeiramente. Neste projeto vamos utilizar experimentos no ensino de física em laboratório on-line utilizando a Internet.

Link para download: Suenoni Paladini

LEHMKUHL, Giuvania Terezinha. Gestão do Conhecimento no Setor Elétrico: Proposta para o Setor de Manutenção de Linhas de Transmissão da Eletrosul – Centrais Elétricas S.A. Dissertação, 2008

O presente trabalho objetivou desenvolver uma proposta de Gestão do Conhecimento (GC) na área de manutenção de linhas de transmissão (LT) de energia elétrica da Eletrosul Centrais Elétricas S/A para retenção, disseminação e utilização do conhecimento crítico. Focalizou-se o estímulo e a transformação do conhecimento tácito em explícito e sua contribuição para o aprendizado contínuo e o desenvolvimento de competências. Foi descrita a transformação do conhecimento crítico sob o ponto de vista dos compartilhamentos ou interações que comporta os processos de socialização, externalização, combinação e internalização. Os componentes do processo de GC, as práticas adotadas e as respectivas categorias nas quais essas práticas foram classificadas objetivam a melhor utilização da GC na área de manutenção. A metodologia adotada é caracterizada como exploratório-descritiva, de natureza qualitativa, estudo de caso e coleta de dados com utilização de entrevistas semi estruturadas e questionários estruturados. O estudo foi realizado no Departamento de Manutenção do Sistema – DMS, que inclui a unidade Regional de Manutenção de Santa Catarina – RMSC, por ser a mais expressiva em manutenção de LT em sua área de atuação e geograficamente melhor acessível. Este estudo se estendeu à Regional de Manutenção do Oeste – RMRO, à Regional do Paraná – RMPR, à Regional de Mato Grosso do Sul – RMMS e à Regional do Rio Grande do Sul – RMRS. A amostra é não probabilística intencional, com entrevistas a empregados do setor de manutenção de LT da Palhoça – SMPAL, de Capivari de Baixo -SMCAP e de Joinville – SMJOI e questionários enviados eletronicamente aos empregados dos setores de manutenção de LT de Farroupilha – SMFAR, Laranjeiras – SMLAR, Santo Ângelo – SMSAN, Campos Novos – SMCNO, Guarapuava – SMGUA, Londrina – SMLON, Curitiba – SMCBA, Campo Grande – SMCGR, e Dourados – SMDOU. Para análise e interpretação dos dados, as informações foram levantadas nos documentos formais e comparadas com o efetivamente praticado e compartilhado. concluiu-se que o modelo atende os objetivos propostos contribuindo para o aprendizado contínuo e o desenvolvimento de competências. Desta forma, recomenda-se que a empresa faça uso da proposta apresentada pela autora sobre Gestão do Conhecimento para a Eletrosul, possível de implantação e utilização, com foco na melhoria dos resultados.

Link para download:Giuvania T. Lehmkuhl

RAMOS JÚNIOR, Hélio Santiago. Uma ontologia para representação do conhecimento jurídico-penal no contexto dos delitos informáticos. Dissertação, 2008.

O objetivo primordial desta dissertação é propor uma ontologia para representar o conhecimento jurídico-penal sobre delitos informáticos com o intuito de esclarecer ao cidadão acerca da tipicidade destes crimes. O conhecimento compartilhado deste domínio no tocante à aplicabilidade da lei penal brasileira aos crimes informáticos será extraído a partir de uma pesquisa sobre o entendimento jurisprudencial dos tribunais pátrios e de um estudo da doutrina dos principais especialistas sobre a legislação penal vigente aplicável aos delitos informáticos realizado pelo autor da dissertação. Embora o cidadão leigo seja o principal destinatário da ontologia, ela também será útil aos estudantes de Direito, advogados, promotores de justiça e juízes que necessitem obter auxílio na indicação de obras científicas que contenham um determinado assunto dentro do domínio dos crimes informáticos e ainda permitir a consulta acerca do entendimento de um tribunal pátrio acerca de um delito específico cometido através da informática. Além disso, ela pretende explicitar os conceitos utilizados neste domínio quanto à natureza jurídica dos crimes informáticos e identificar as condutas criminosas que podem ser cometidas contra ou através dos sistemas informáticos com a indicação de um verbo que conste no tipo penal de diversas leis penais que sejam potencialmente aplicáveis em se tratando de um delito informático. O procedimento metodológico adotado para construir a ontologia está baseado na metodologia Ontology Development 101, proposta por Noy & McGuiness (2000), definindo-se as classes, propriedades, instâncias e, ao final, são formuladas questões de competência as quais a ontologia deverá ser capaz de responder. Destaca-se que esta ontologia apenas considera a legislação penal atualmente vigente no Brasil e que a validação da ontologia foi realizada através de questionário e entrevista com dois especialistas da área. Ao final, conclui-se sobre a importância do uso da ontologia desenvolvida, principalmente por facilitar o acesso do cidadão leigo a conceitos e conhecimento jurídico sobre crimes informáticos.


Link para download:
Helio Ramos

SUZUKI, Erika. Uma abordagem de engenharia do conhecimento à gestão estratégica da inovação. Dissertação, 2008.

A constante busca das organizações pela vantagem competitiva, consolidação no mercado e pela própria sobrevivência ocasiona mudanças, adoção de métodos, ferramentas e conceitos que auxiliam  na conquista dos objetivos almejados. Entretanto, a simples adoção não garante a diferenciação da empresa. Atualmente, é preciso inovar, entender as necessidades e oportunidades do mercado, empregando e alinhando o conhecimento para oferecer novos produtos e serviços com alto valor agregado. O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma modelagem de um sistema de conhecimento para a gestão estratégica da inovação. Tal demanda surge a partir da dificuldade das empresas em aplicar na prática os conceitos de inovação estratégica, gestão e engenharia do  conhecimento, gerenciamento de portfólio e desenvolvimento de sistemas de conhecimento; decorrente muitas vezes pela falta de uma sistematização, integração e uso do conhecimento. A modelagem proposta utiliza como base conceitual a etapa de planejamento estratégico da inovação apresentada no modelo NUGIN de gestão da inovação, onde foram analisadas as entradas, atividades, ferramentas e saídas do processo, os pontos fortes, e os pontos de melhorias necessárias. Os três primeiros modelos da metodologia CommonKADS foram utilizados neste estudo para  auxiliar na identificação de processos, tarefas e agentes envolvidos, facilitando desta forma, o levantamento dos conhecimentos necessários para o sistema. A modelagem tem como principal saída a definição do portfólio de projetos através da priorização baseada no planejamento estratégico da inovação, análise de cenários e envolvimento da alta direção, comitê inovativo e stakeholders. Como resultado, o presente trabalho apresenta um comparativo entre o modelo NUGIN de gestão da inovação e a modelagem proposta, além disto, o desenvolvimento da modelagem proposta proporciona um melhor entendimento sobre as dificuldades que as empresas enfrentam com a adoção de metodologias e conceitos de inovação, pois definir em detalhes as tarefas, dependências e pessoas envolvidas são algo que não é facilmente alcançado por empresas que não possuem maturidade sobre os conceitos a serem trabalhados.

Link para download: Erika Suzuki

CISLAGHI, Renato. Um Modelo de Sistemas de Gestão do Conhecimento em um Framework para a Promoção da Permanência Discente no Ensino de Graduação. Tese, 2008.

A chamada era do conhecimento tem provocado mudanças nas organizações e  na sociedade como um todo. Quase que simultaneamente, gestores de  Instituições do Ensino Superior (IES) e governos de todas as  nacionalidades e esferas têm dedicado crescentes esforços na busca do  chamado sucesso acadêmico, sintetizado por uma trajetória na qual o  discente ingressa num determinado curso, recebe uma formação de  qualidade e é diplomado. O desafio tem sido, para as IES públicas,  aplicar bem os recursos públicos assegurando o esperado retorno social  e, para as privadas, manter sua clientela formada por estudantes. Em  ambos os casos buscam-se a redução da evasão discente e a promoção da  permanência. Esta tese tem como objetivo a construção de um modelo de  sistema de gestão do conhecimento baseado num /framework/ desenvolvido  para a promoção da permanência de estudantes no ensino de graduação em  IES brasileiras. Foram levantadas as causas para a evasão discente no  contexto nacional e, com base num abrangente levantamento de teorias e  modelos de desgaste, abandono e permanência discente, foi construído um  modelo de permanência discente compatível com o alcance das intervenções  das IES. Com base nas variáveis deste modelo foram estabelecidos  indicadores, sensores e procedimentos, constituindo um /framework/ para  apoiar a gestão institucional pró-ativa visando à permanência discente.  Complementarmente foi construído um modelo de gestão do conhecimento  para potencializar os resultados do uso deste /framework/, cuja  aplicabilidade foi analisada por meio de um estudo de caso realizado na  Universidade Federal de Santa Catarina. Entre as conclusões a que se  chegou merece destaque a de que o suporte político e as lideranças  institucionais são o elemento-chave mais relevante entre todos e, ao  mesmo tempo, ainda são o maior obstáculo a ser vencido para o sucesso da  GC em IES brasileiras. Também constatou-se que, apesar de freqüentemente  desenvolverem pesquisas e serem geradoras de conhecimento, as IES não  têm o mesmo empenho nem agilidade em fazer com que o conhecimento por  elas gerado seja utilizado em suas atividades meio ou fim.

Link para download: Renato Cislaghi