Home » Archive by category "Tese" (Page 5)

CADORI, Aluízia Aparecida. A gestão do conhecimento aplicada ao processo de transferência de resultados de pesquisa de instituições federais de ciência e tecnologia para o setor produtivo: processo mediado pelo núcleo de inovação tecnológica. Tese, 2013.

O objetivo principal desta tese consistiu em propor um modelo para intensificar o processo de transferência de resultados de pesquisa de universidades federais para o setor produtivo via licenciamento dos direitos de propriedade intelectual. Para atender ao objetivo proposto, a estratégia de pesquisa adotada caracterizou-se quanto ao método como Estudo de Caso Único, quanto à abordagem como pesquisa qualitativa e quanto ao objetivo como pesquisa exploratória. A coleta e análise de dados e conteúdos para a pesquisa embasaram-se em categorias temáticas, previamente elaboradas, com base nas proposições iniciais do estudo/problema, objetivos e pressupostos da pesquisa. O modelo proposto com base nos resultados da pesquisa envolve, por parte da universidade e do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), ações estratégicas em distintas frentes de atuação. Não basta a universidade constituir um NIT para afirmar ter uma política de inovação implementada. Há a necessidade de a universidade elaborar sua política de inovação e que a mesma esteja em consonância com as políticas públicas federais para Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) e para a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), em nível federal e institucional respectivamente. O papel do NIT como interlocutor no processo de Transferência de Resultados de Pesquisa de Universidades Federais para o Setor Produtivo (TRP-UF-SP) foi apontando como de extrema relevância. No entanto, a pesquisa demonstrou que o NIT não cumpre integralmente esse papel. Em relação ao licenciamento dos direitos de propriedade intelectual, de acordo com o modelo proposto, o NIT possui duas frentes de atuação: o licenciamento dos resultados de pesquisa, protegidos pelos direitos de propriedade intelectual, provenientes do portfólio da universidade, e; o licenciamento dos resultados de pesquisa, protegidos pelos direitos de propriedade intelectual, provenientes da parceria para Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Em relação à equipe do NIT, os resultados da pesquisa salientaram sobre a necessidade de ações, por parte da universidade, para compor uma equipe com perfil multidisciplinar e com competência para atuar no mercado, selecionar pessoas do quadro efetivo da instituição e aumentar o número de colaboradores no NIT. No que se refere à gestão do conhecimento (GC), constatou-se que o NIT poderia utilizar-se ainda mais de práticas de GC para estimular a equipe a compartilhar o conhecimento e explicitar os procedimentos internos de gestão e as rotinas bem-sucedidas no processo de TRP-UF-SP. O modelo que emergiu dos resultados da pesquisa propõe ações para implementar práticas de GC na gestão do NIT, seguida de recomendações para inserir tais práticas no dia a dia da equipe, como: converter o conhecimento tácito em explícito; criar e aplicar o conhecimento organizacional; preservar a memória organizacional retendo o conhecimento das pessoas; compartilhar e transferir o conhecimento entre os colaboradores do NIT e que a GC seja utilizada como uma ferramenta que perpassa por todas as atividades do NIT e do processo de TRP-UF-SP.

Link para download: Aluízia Aparecida Cadori

MOTTER, Rose Maria Belim. My Way: Um Método para o Ensino-Aprendizagem da Língua Inglesa. Tese, 2013.

Esta pesquisa tem o objetivo de desenvolver um método de ensino-aprendizagem para a Língua Inglesa, ancorado na gestão do conhecimento, proporcionada pela Tecnologia de Comunicação Digital, no contexto da educação formal. Os postulados teóricos eleitos estão no campo dos domínios cognitivo, tecnológico, biológico, filosófico e linguístico, nos quais, pelo entrelaçamento de disposições, tecem a categoria conceitual maior – emoção e linguagem – para propor o método. No domínio cognitivo, aborda-se a questão de mente e corpo como fenômenos inerentes um ao outro, com foco central na enação – ação construída e guiada pela percepção. No campo tecnológico, entende-se que a tecnologia digital, inserida na vida das pessoas, é responsável pela mediação das ações da sociedade contemporânea e impulsiona a produção e disseminação do conhecimento. No aspecto biológico, destaca-se a implicação do experienciar – a interação e o conhecer. Na esfera da Filosofia aproxima-se do conceito de corporeidade como o corpo dotado de inteligência própria e o conhecimento rizomático que não se constitui de unidades, mas de dimensões. No domínio linguístico, o estudo se ampara na Linguística Cognitiva que defende as experiências pessoais e coletivas como a base para os sistemas conceituais e trata o significado como resultado de relações intra e extralinguísticas, englobando aspectos textuais, cognitivos e interativos. O objeto de estudo é a transposição didática dos professores no ato da elaboração dos Objetos Digitais de Ensino-Aprendizagem.  A metodologia de pesquisa baseia-se nos princípios da Pesquisa-Ação e envolve 25 professores de Língua Inglesa da Educação Básica de Escolas Públicas da região oeste do Paraná e 5 estudantes do último ano de um curso de Letras (Português/Inglês). A análise dos dados priorizou um enfoque dedutivo qualitativo, substanciando um diálogo entre as teorias, a interpretação das informações extraídas dos protocolos e a observação do resultado prático da transposição didática efetivada pelos participantes na elaboração dos Objetos Digitais de Ensino-Aprendizagem.  Os resultados emergem dessa análise e sustentam a proposição do método MY WAY: um método para o ensino-aprendizagem da Língua Inglesa.  O foco do método está no desenvolvimento da consciência fonológica e nas experiências individuais – metáforas – base para o desenvolvimento linguístico do estudante. Observa-se o modelo de prototipicidade na aquisição do vocabulário e entende-se que a audição, a oralidade e a apropriação do vocabulário antecedem a leitura e a gramática. O método aposta na potencialidade da Tecnologia de Comunicação Digital como uma das condições essenciais para o ensino de línguas no contexto atual. A pesquisa indica a necessária e urgente atualização dos professores no sentido de que suas ações estejam voltadas para mudança do quadro atual de ensino-aprendizagem de inglês.

Link para Download: Rose Maria Belim Motter

CARVALHO, Marisa Araújo. Framework Conceitual para Ambiente Virtual Colaborativo das Comunidades Virtuais de Prática nas Universidades no Contexto de e-Gov. Tese, 2013.

A evolução da mídia Internet tem favorecido a reunião de pessoas com interesses comuns na aprendizagem situada e coletiva, facilitando a formação, comunicação e colaboração entre as Comunidades Virtuais de Prática (VCoPs) por meio da interface digital interativa. As VCoPs tornam-se mais visíveis a partir do uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), tais recursos disponibilizados pela mídia Internet ampliam a condição da Rede no contexto das aplicações de Governo Eletrônico (e-Gov), especificamente as Universidades. Ressalta-se que a Rede promovem as tecnologias colaborativas e, por conseguinte formas de comunicação adequadas ao perfil e conhecimento específico das VCoPs. O Ambiente Virtual Colaborativo é chamado de espaço Ba onde se estabelece as interações e a criação, organização, aquisição, disseminação, acesso, compartilhamento do conhecimento novo, por conseguinte, as melhores práticas colaborativas das VCoPs. Entretanto, pouco se investiga como formalizar e representar os processos estruturantes- formação, comunicação e colaboração- das VCoPs nas Universidades e sua contribuição efetiva na interação com o Governo. Esta Tese tem como objetivo propor um framework conceitual do Ambiente Virtual Colaborativo para formalizar  e representar os processos estruturantes das VCoPs, e assim especificar uma metodologia projetual da interface digital interativa, na promoção do acesso e compartilhamento do conhecimento entre as VCoPs as Universidades. As abordagens utilizadas nesta pesquisa são Interação Humano-Computador (IHC) e Design Centrado no Usuário (DCU) e apóia-se na convergência interdisciplinar de vários modelos teóricos das VCoPs, Colaboração 2.0, Comunicação em Rede e Criação do Conhecimento, expandindo assim a Teoria da Cognição Situada. Respondendo questões referentes aos aspectos comunidade, ambiente e conhecimento como conceitos-chave gerados a partir da inter-relação e integração conceitual destes modelos. O entendimento destes aspectos contribuiu para elaborar e verificar os requisitos-orientações que dão suporte à metodologia projetual na concepção da interface digital interativa. Para isso apresenta-se as telas da interface digital do Ambiente Virtual Colaborativo.

Link para Download: Marisa Araújo Carvalho

NUNES, Israel Honorino. Diretrizes estratégicas para o desenvolvimento de comunidades de prática na área comercial de uma empresa de distribuição de energia elétrica. Tese, 2012.

Esta pesquisa tem por objetivo definir diretrizes estratégicas para constituição de comunidades de prática nos departamentos da área comercial das Centrais Elétricas do Estado de Santa Catarina – CELESC, visando encontrar meios que assegurem o cumprimento das metas estabelecidas nos contratos de resultados entre os departamentos e a área comercial. A partir da identificação do status do processo de gestão do conhecimento daqueles departamentos, com base na metodologia OKA (Organizational Knowledge Assessment), verificou-se a inexistência tanto de processos de gestão de conhecimento, controle de métricas e monitoramento, quanto de comunidades de prática e de processos consequentes de compartilhamento de conhecimentos em empresas do setor elétrico. A fim de que as comunidades de prática fossem utilizadas como recursos para melhoria do desempenho dos departamentos da área comercial, foram correlacionados os indicadores gerais de desempenho específicos de cada um deles com os 19 (dezenove) fatores críticos de sucesso levantados na literatura para mensurar os níveis de impacto dos respectivos fatores sobre os indicadores de desempenho, considerando o cumprimento das metas dos contratos de resultados. Os resultados finais apresentaram as principais lacunas em termos de domínios de conhecimento, comunidades e práticas que deverão ser criadas a partir do estabelecimento das diretrizes estratégicas para tornar possível um processo de gestão de melhoria do desempenho organizacional. As diretrizes estratégicas propostas a partir do levantamento de dados realizado demonstram a necessidade de procedimentos de curto, médio e longo prazo na Diretoria Comercial da CELESC. Dessa forma, a explicitação de domínios, comunidades e práticas pelos gerentes dos departamentos da área comercial evidenciou um conjunto grande de variáveis que precisarão ser objeto de gestão para que o cumprimento das metas tenha resultados da ação dos domínios e das práticas a serem utilizados pelas comunidades futuramente criadas. Tanto a fundamentação adotada quanto a metodologia utilizada possibilitaram identificar, a partir dos indicadores levantados, as não conformidades que resultaram no descumprimento das metas nos contratos de resultados dos anos analisados. Os impactos levantados demonstram efetivamente o quanto a implantação das comunidades de prática nos Departamentos da Diretoria Comercial acelerará o processo de cumprimento das metas nos contratos de resultados. As contribuições resultantes da pesquisa para a área da gestão do conhecimento em comunidades de prática demonstraram a necessidade de gestão estratégica do conhecimento em empresas do setor público visando à melhoria do seu desempenho.

Link para Download:Israel Honorino Nunes

RISSI, Maurício. A confiança e as relações interpessoais assegurando o compartilhamento do conhecimento no ambiente virtual de aprendizagem. Tese, 2013.

Esta pesquisa tem como objetivo apresentar quais fatores interferem nas relações interpessoais e na confiança para o compartilhamento de conhecimento em ambientes virtuais de aprendizagem. Como diretriz conceitual utilizou-se principalmente os autores: Nonaka e Takeuchi, Davenport, Prusak, Terra, Aretio, Mattar, Park, Nakayama, e Vygotsky. Como principal referencial metodológico tem-se a teoria fundamentada em dados (Grounded Theory) de Strauss e Corbin (2008). Quanto ao tipo de estudo, caracteriza-se como teórico-empírico, descritivo, aplicado, bibliográfico e estudo de caso. Em relação à abordagem, esta pesquisa classifica-se como predominante qualitativa, com análise interpretativista, sendo feitas um total de 29 entrevistas. Os principais resultados dessa pesquisa indicam que a gestão do curso busca padronizar os elementos e ferramentas utilizadas nas disciplinas e essa ação diminui as possibilidades de interação. Sobre as ferramentas do AVA, percebeu-se que o curso utiliza um número limitado de ferramentas, porém, das ferramentas disponíveis muitas são concorrentes entre si. Também se verificou que a equipe envolvida não possui conhecimento de todas as ferramentas existentes no AVA, o que limita a utilização de novas ferramentas no Curso. Das características individuais descreve-se que afetam positiva ou negativamente as possibilidades de interações, mas que a pró-atividade, quando observada nos tutores presenciais e/ou coordenadores de polo é responsável por oportunidades de interações. Quanto às interações, percebeu-se que elas geram um ciclo de mútua influência, onde um tipo de interação favorece o surgimento de mais interações. Porém, ressalta-se o paradoxo, que apesar das interações se estimularem mutuamente, elas concorrem entre si em tempo e esforço do acadêmico. Por fim, detectou-se que o estabelecimento da confiança entre os indivíduos do curso, facilita o surgimento de interações. Reforçando o ciclo virtuoso, onde as interações são causas de relações interpessoais, e as relações interpessoais por sua vez, possibilitam o estabelecimento da confiança, e, fechando o ciclo virtuoso, a confiança facilita o surgimento de mais interações.

Link para download: Maurício Rissi

FREIRE, Patricia de Sá. Engenharia da Integração do Capital Intelectual nas Organizações Intensivas em Conhecimento Participantes de Fusões e Aquisições. Tese, 2012.

As fusões e aquisições (F&A) são caminhos utilizados pelas empresas como alavancas para rápido crescimento em mercados competitivos. Porém, essas operações têm incluído dificuldades pós-operatórias na consolidação dos ativos intangíveis do capital intelectual levando à perda do valor das marcas e das ações das empresas participantes. A mensuração do capital intelectual faz-se necessária para todas as empresas participantes de F&A e, para as organizações intensivas em conhecimento (OIC) esta necessidade apresenta um maior impacto visto que o valor na sua cadeia de transformação é advindo de ativos intángíveis.  Para estas organizações é importante mensurar a aderência do capital intelectual da adquirente e adquiridas. Esta constatação gerou a questão de pesquisa de como mensurar a aderência do capital intelectual das OICs envolvidas em F&A, diminuindo-se as incertezas da fase de integração. E, consequentemente, delimitou-se o objetivo de propor um método para mensuração dessa aderência. Identificou-se que as pesquisas científicas estão focadas no desenvolvimento de modelos para a mensuração do capital intelectual, mas, no contexto das F&A, é preciso ir além, mensurando a aderência dos ativos intangíveis do capital intelectual das áreas correlatas da adquirente e adquirida. Em um estudo interdisciplinar foram elaborados três pressupostos: cria-se valor às adquirentes e adquiridas por meio da gestão do capital intelectual; é possível gerenciar os problemas de integração se a empresa adquirente levar em conta a gestão dos ativos intangíveis do capital intelectual e; quanto maior a aderência entre os ativos intangíveis a serem integrados, menor será a taxa de incerteza de sucesso da operação. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, mediante levantamento bibliográfico, documental e percepção de especialistas com base em entrevistas para aplicação de questionários. Foram identificados os ativos intangíveis, definidos pelo modelo referência Intellectus nas OIC da área de Tecnologia da Informação (TI), mapeando-os por área corporativa como elementos e subelementos do capital intelectual. A análise dos dados caracteriza-se como multiparadigmática descritiva, diagnóstica e propositiva. Foram alcançadas sete contribuições teórico-empíricas para a área de F&A entre OIC do setor de TI: (1) contrução de visão multiparadigmática sobre os problemas de integração de F&A ampliando as explicações disciplinares da área de administração e gestão; (2) utilização da dimensão interdisciplinar da engenharia e gestão do conhecimento (EGC)  para entendimento do conhecimento a ser integrado e gerenciado nas OIC, entendendo-o como processo e produto; (3) revisão do modelo Intellectus e a sua adaptação à OIC participantes de F&A; (4) consolidação de lista de ativos intangíveis agregadores de valor aos bens e serviços das OIC do setor de TI;  (5) proposições de práticas de gestão do conhecimento para a fase de integração das OIC após F&A, como a formação de Grupo Colaborativo e a participação pro ativa de um gestor do conhecimento e dos líderes;  (6) definição de princípios e orientações para as OIC seguirem durante as três fases de F&A – due dilligence, negociação e integração; (7) proposição da Engenharia da Integração, o método para a mensuração e gestão da aderência futura dos ativos intangíveis das áreas correlatas entre adquirente e adquirida determinando a taxa de incerteza da operação. Esta pesquisa foi validada nas concepções relacionadas às fases de formulação, de desenvolvimento  e de resultados da pesquisa.  O método proposto, chamado de Engenharia da Integração, teve sua aplicabilidade conferida ao contexto organizacional analisada por  especialistas participantes de F&A.

Link para download: Patricia de Sá Freire

PAVANATI, Iandra. Tríptico: Modelo de Categorização Básica de Imagens Fixas para o Processo Didático-pedagógico de Ensino Médio. Tese, 2012.

No contexto das possibilidades oferecidas pela popularização do acesso à mídia eletrônico-digital interativa e aos recursos tecnológicos básicos para edição e apresentação de imagens, esta pesquisa propõe aos professores e a outros interessados, um modelo de seleção e apresentação de imagens no processo de ensino-aprendizagem. O modelo caracteriza uma típica contribuição da área de Mídia e Conhecimento à área de Gestão do Conhecimento, no processo de ensino-aprendizagem em ambiente escolar, com amplas possibilidades para ser aplicado em outras organizações sociais. O modelo proposto considera que as imagens apresentadas em situações de aprendizagem, tradicionalmente, atuam como mídias ou expressões do conhecimento. Porém, os diferentes tipos de imagem propõem experiências também diferenciadas. Assim, esses tipos devem atuar de maneira complementar no processo de ensino-aprendizagem, que é vivenciado pelos estudantes e orientado pelos professores. Os diversos tipos de imagens são basicamente categorizados no modelo proposto como: (1) “imagens propiciatórias”; (2) “imagens ilustrativas” e (3) “imagens explicativas”. É amplo o uso das imagens como ilustrações e, mais recentemente, foram ampliados e aprimorados os estudos sobre as imagens explicativas como gráficos e infográficos, entre outras. Porém, mais do que anteriormente, devem ser consideradas as imagens propiciatórias. Os estudantes “nativos digitais” cresceram no contexto da cultura multimídia-interativa ou hipermidiática. Portanto, eles estão envolvidos por uma amplitude e uma variedade de estímulos e demandas sensoriais, afetivas e imaginativas, que superam o imaginário desenvolvido nas escolas. De acordo com as condições encontradas para o ensino da disciplina História nas classes de Ensino Médio da rede estadual de educação de Santa Catarina, não é esperado em curto espaço de tempo, que as escolas tenham condições de competir com os recursos disponíveis em outras instâncias socioculturais. Contudo, considera-se que, assim como uma parcela significativa dos estudantes, os professores também têm acesso à internet e aos programas básicos de computação, podendo buscar, capturar e editar imagens, como parte dos recursos didáticos. Observou-se que as escolas costumam dispor de ambientes didáticos com sistemas tecnológicos, integrando computador, periféricos sonoros e projetor multimídia. Portanto, além de outras possibilidades, podem-se exibir imagens durante as aulas que ocorrem nos espaços equipados. Nesses ambientes, é possível exibir audiovisuais com imagens em movimento e, também, apresentar imagens fixas. Sem descartar os audiovisuais, indicam-se nas imagens fixas as vantagens de propor mais apelos à imaginação dos estudantes e de permitir a intervenção imediata do professor. Isso facilita o diálogo continuado entre o professor e os estudantes a respeito do que é percebido na imagem. Na observação das imagens, o amplo acervo de lembranças sensoriais, afetivas e cognitivas dos estudantes pode e deve ser estimulado e recuperado nas aulas, com exercícios de mobilização imaginativo-cognitiva. Constantemente, os resultados estético-simbólicos desses exercícios são direcionados pelo professor ao conteúdo proposto para o processo de ensino e aprendizagem. Isso salienta a necessidade e a relevância das imagens propiciatórias, cuja função é despertar o interesse e a imaginação dos estudantes que, em seguida, são direcionados ao conteúdo em estudo.

Link para download:  Iandra Pavanati

BOTELHO, Louise de Lira Roedel. Aprendizagem Gerencial na Mudança em uma Organização Intensiva em Conhecimento. Tese, 2012.

Apesar da importância do assunto para os estudos organizacionais, atualmente encontra-se poucos materiais escritos sobre a aprendizagem de gerentes em situação de mudança organizacional, principalmente quando o universo de pesquisa trata de organizações intensivas em conhecimento. O presente trabalho objetiva compreender o processo de aprendizagem gerencial em uma organização intensiva em conhecimento, durante uma situação de mudança organizacional. Buscando descobrir as perspectivas dos respondentes sobre tal questionamento, um estudo funcionalista foi desenvolvido. Para esse estudo, seis gerentes de uma organização intensiva em conhecimento, a Embrapa Clima Temperado, foram selecionados. Tais investigados conduziram o processo de mudança organizacional naquela organização entre os anos de 2003 a 2006, quando a Embrapa Clima Temperado ascendeu no ranking nacional de desempenho e se tornou exemplo de boas práticas gerenciais no país. O principal método utilizado foi a entrevista em três tempos, a qual foi aplicada com cada pesquisado. Todas as entrevistas foram transcritas e a análise dos dados compreendeu na descrição e a interpretação de diferentes aspectos sobre o fenômeno investigado. A partir dos dados obtidos, categorias emergiram. Como resultado, esse trabalho indicou que os investigados aprenderam diferentes conteúdos durante o processo de mudança. Tais conteúdos foram encontrados em quatro dimensões de aprendizagem, sendo: individual, organizacional, do trabalho e contextual. O estudo apontou, ainda, que as principais formas de aprendizagem identificadas nas respostas dos entrevistados deste estudo foram: projetos de aprendizagem, aprendizagem em grupo, aperfeiçoamento, observação, reflexão e referência. Por fim, este trabalho indicou a presença de fatores facilitadores e inibidores de aprendizagem gerencial durante a mudança organizacional. Como fatores facilitadores destacam-se: pressão e crise, estrutura e estratégia, clima organizacional e liderança. Em nível individual, os fatores foram: humildade, proatividade e identificação com o outro. Em nível individual, a pesquisa apontou para a existência dos seguintes fatores inibidores: falta de tempo, acúmulo de atividades e agenda. Espera-se que esse trabalho contribua teoricamente para a área dos estudos organizacionais, por conduzir uma pesquisa num campo ainda pouco conhecido pelos pesquisadores: a aprendizagem gerencial na mudança organizacional.

Link para download: LOUISE BOTELHO

TOSTA, Kelly Cristina Benetti Tonani. A Universidade como Catalisadora da Inovação Tecnológica Baseada em Conhecimento. Tese, 2012.

O crescimento da importância do conhecimento e da informação enriquece o papel das universidades, que está em processo de mudança. Tradicionalmente as universidades são reconhecidas como produtoras de conhecimento por meio do ensino e da pesquisa. As universidades interagem com o governo e o segmento empresarial, formando o modelo da Tríplice Hélice, definido por Etzkowitz e Leydesdorff (2000). Por meio desta interação podem se criar estratégias de desenvolvimento, crescimento econômico e transformação social, consequentemente, inovação. Sendo assim, o objetivo geral desta tese é analisar o papel da Universidade como catalisador do desenvolvimento de inovação tecnológica baseada em conhecimento na região oeste de Santa Catarina. Para alcançá-lo foi conduzida uma pesquisa qualitativa, descritiva e estudo de caso, tendo como foco do estudo a região oeste de Santa Catarina. Foram conduzidas onze entrevistas junto a representantes das universidades da região e consultadas mais quatro fontes documentais a este respeito, duas entrevistas e análise de fontes documentais de outras três instituições representantes do segmento produtivo e mais duas entrevistas e quatro fontes documentais de representantes do Governo. Ainda foi aplicado um questionário com perguntas abertas e fechadas sobre o tema com especialistas de reconhecida contribuição na área como grupo de referência. Os especialistas foram selecionados por meio do Portal da Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Os dados foram analisados comparativamente. Entre os resultados encontrados estão a identificação de cinco fatores catalisadores de inovação tecnológica baseada em conhecimento sobre os quais a Universidade atua, que são: pesquisa e criação de conhecimento; criação e formação de capital humano; cultura de inovação; parceria universidade-empresa para compartilhamento do conhecimento; e investimentos e infraestrutura. As atividades de pesquisa estão mais relacionadas ao primeiro fator. As atividades de ensino ao segundo e as atividades de extensão, ao quarto fator. Foi detalhado o modo pelo qual a universidade interfere nesses fatores e ainda foram propostas diretrizes para a ação organizada da universidade no intuito de promover a inovação, e com isso sustentar o desenvolvimento da região estudada.  Esse papel foi consolidado na forma de um framework.

Link para download: Kelly Cristina Benetti Tonani Tosta

RAMOS, Magda Camargo Lange. Diretrizes para produção do conhecimento em Bibliotecas Universitárias. Tese, 2012.

O mercado de trabalho exige das bibliotecas e dos bibliotecários novos componentes, competências e princípios, em seus papéis educacionais e profissionais. Este trabalho teve como objetivo geral identificar quais competências são requeridas da direção, dos bibliotecários da BU e dos alunos da última fase do Curso de Graduação em Biblioteconomia da UFSC, na perspectiva da produção do conhecimento, orientado pelos conceitos da Information Literacy. A escolha dos alunos cursando a última fase deu-se pelo fato de ser neste momento que efetivamente se iniciam as disciplinas que trabalham as competências e habilidades técnicas e profissionais específicas e por estarem próximos de assumirem o mercado de trabalho, onde colocarão  em prática as habilidades e competências desenvolvidas no contexto acadêmico. Quanto aos fins, a presente pesquisa classifica-se como estudo descritivo e aplicado. Quanto aos meios de investigação, pode ser classificada como  pesquisa bibliográfica,  documental, e estudo de caso. Quanto às técnicas de coleta de dados foram utilizadas a pesquisa documental e pesquisa quantitativa com aplicação de questionários. Compreende também, uma revisão literária em bases de dados nacionais e internacionais. No que tange aos resultados verificou-se que a direção e os bibliotecários da BU da UFSC, reconhecem seu papel como agente social, responsável por ensinar as competências em informação, mas poucos apresentam competência informacional de acordo com os conceitos da Information Literacy. Preocupam-se com o desenvolvimento das competências e com a formação continuada, visualizam a BU como uma organização que aprende e  reconhecem que a biblioteca não possui ainda um sistema de avaliação de competências; destacam que os conhecimentos transmitidos no curso de graduação constituem o alicerce para que desenvolvam suas atividades profissionais, necessitando, porém, de uma maior contribuição acadêmica, para que as competências individuais sejam construídas. Ressaltam ainda, que para o exercício da profissão, faz-se necessário uma série de outros conhecimentos como: domínio de língua estrangeira, atualização contínua, assumindo o papel de educador, ensinando os indivíduos a aprenderem com a informação. Quanto aos alunos a pesquisa apontou que o curso de graduação em biblioteconomia bem como, o estágio obrigatório não os prepara para o mercado de trabalho. Os alunos pesquisados não possuem publicações científicas nem as competências pregadas pela Information Literacy. A pesquisa em questão possibilitou ampliar a compreensão sobre o desenvolvimento de competência informacional/IL em contextos de ensino/aprendizagem.

Link para download: Magda Camargo Lange Ramos