porno
Home » Articles posted by secretaria

MELO, Michelle Bianchini de. Estratégias Empreendedoras para a Internacionalização em Instituições de Ensino Superior Brasileiras. Tese, 2020.

Por ano, é crescente o número de publicações realizadas sobre a internacionalização em instituições de ensino superior. Este dado, apresentado nessa tese, nos faz compreender a complexidade envolvida e perceber que em se tratando de um mundo globalizado, com políticas e conexões internacionais densas, há muito ainda o que se estudar e desenvolver para haver efetividade em tudo que se projeta para a área. Os setores de relações internacionais, nas instituições em que eles existem, apresentam disparidades quanto as suas estruturas, recursos e equipe dedicada. Seus gestores são quase que em sua totalidade indicados de forma política, construindo sua trajetória e conhecimentos de gestão da internacionalização institucional na prática. Eles ainda carregam, a imagem de que ocupam sua atividade viajando e realizam poucas ações, o que gera uma demora em fazer a comunidade acadêmica creditar confiabilidade a suas práticas. Somado a isso, é recorrente a descontinuidade do processo de
internacionalização pela rotatividade e relação política que exercem. Diante desse contexto, esta tese firma o objetivo de estabelecer estratégias empreendedoras para a internacionalização em instituições de ensino superior brasileiras. Para este fim, a pesquisa tem como pergunta: como os processos de internacionalização em instituições de ensino superior brasileiras podem ser empreendedores? A pesquisa percorreu cinco etapas para chegar as suas conclusões: iniciou explorando o referencial teórico, fazendo uso dos métodos de revisão integrativa e narrativa, abordando os conceitos de internacionalização no ensino superior, empreendedorismo no ensino superior e ensino superior brasileiro. Realizou coleta de dados com um estudo multicasos, com pesquisa documental e com entrevista semiestruturada com sujeitos da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC e do Instituto Federal de Santa Catarina – IFSC. A análise dos dados foi realizada usando o método da análise de conteúdo, ela possui duas categorias principais (internacionalização como estratégia das IES e internacionalização como um processo empreendedor) e oito subcategorias (gestão de relações internacionais atuando em nível estratégico, estratégias de comunicação, cultura de internacionalização das IES, capacitação dos atores da internacionalização, financiamento da internacionalização, a internacionalização projetando as IES no cenário mundial, evidências de sucesso nos processos de internacionalização das IES e aspectos restritivos nos processos de internacionalização das IES). O confronto da base conceitual com a análise dos dados coletados, deram suporte a criação de trinta e seis estratégias, distribuídas em oito eixos estratégicos (comunicação, cultura, capacitação, financiamento, políticas, currículo, colaboração e gestão). As estratégias elaboradas passaram pela validação de especialistas conceituados nos campos teórico e prático da internacionalização do ensino superior e os resultados da validação analisados. Por último as estratégias empreendedoras para a internacionalização em instituições de ensino superior brasileiras foram estabelecidas. A tese concluiu que é possível aliar internacionalização e
empreendedorismo no ensino superior, considerando as estratégias distribuídas nos oito eixos estratégicos.

Palavras-chave: Internacionalização. Internacionalização do ensino superior. Empreendedorismo no ensino superior. Estratégias de internacionalização. Ensino superior.

Link para Download: Michelle Bianchini de Melo

LEITE, Andre de Oliveira. Atividade de Definção do Conceito de Produto no Front End da Inovação: um Estudo Qualitativo em Organizações de Tecnologias em Florianópolis/SC. Dissertação, 2020.

Inovar faz parte das necessidades organizacionais, sendo considerada uma forma em que os empreendedores exploram oportunidades para o desenvolvimento de novos negócios, processos ou serviços. A inovação é composta por um processo de várias etapas, iniciando pelo Front End da Inovação (FEI), seguindo do Desenvolvimento de Novos Produtos (NPD) e da Comercialização. O FEI é o início deste processo, composto pelas atividades relacionadas à oportunidade, ideias e definição do conceito. A atividade de definição do conceito é a fase final do FEI, nela a atenção deve ser redobrada para evitar falhas nas fases seguintes do processo de inovação. Este trabalho tem como objetivo analisar como ocorre a atividade de definição do conceito em organizações de tecnologia no contexto de Florianópolis/SC. Para tanto, foi realizado uma pesquisa de cunho qualitativo, tendo como instrumento de coleta de dados a realização de entrevistas semiestruturadas com gestores de três organizações do setor de tecnologia. Como resultados foi identificado que nas organizações pesquisadas existem etapas, que se mostraram semelhantes ao abordado na literatura, em relação à situação final na apresentação de uma definição de conceito. Entretanto, existem particularidades referentes à forma de operação relacionada em cada negócio, com diferenças pontuais, em especial na maneira de estruturação de seus processos. Destaca-se que as etapas são compostas por elementos que participam ativamente na atividade de definição do conceito, sendo eles: atores, ferramentas, métodos e técnicas. Observou-se que alguns dos elementos fazem relação com os abordados pela literatura, mas não em sua totalidade, visto que a literatura trata esta atividade de forma genérica, sem considerar o contexto de cada negócio. Recomenda-se para trabalhos futuros o aprofundamento desta pesquisa em outros setores da economia, além da análise com maior número de organizações, para que se possa verificar se os resultados se repetem.


Palavras-chave: Inovação. Front End da Inovação. Atividade de Definição do Conceito.

Link para download: Andre de Oliveira Leite

ANJOS, Edilene Cavalcanti dos. Influência das Práticas de Gestão do Conhecimento no Desempenho Inovador da Indústria de Santa Catarina. Dissertação, 2020.

As rápidas mudanças pelas quais as organizações passam, evidenciam a necessidade de melhoria dos níveis de competitividade organizacionais. Para as empresas da indústria de Santa Catarina, esse cenário contempla uma série de desafios que precisam ser superados. Uma alternativa que as organizações podem utilizar para superar esses desafios e serem mais competitivas é alavancar o seu desempenho inovador. A inovação, portanto, é fator fundamental tanto para sustentar a competitividade das organizações quanto para fortalecê-la, mas depende do uso de determinados recursos para que seja bem-sucedida, dentre eles o conhecimento. É necessário sobretudo que as organizações sejam capazes de gerenciá-lo, por meio de suas práticas, para transformá-lo em insumo útil para se revestir em inovação. Diante deste cenário, o objetivo desta dissertação é analisar a influência das práticas de Gestão do Conhecimento no desempenho inovador na indústria de Santa Catarina. Para este estudo foi realizado um levantamento tipo survey, elegendo-se para a coleta de dados da indústria de Santa Catarina as empresas cadastradas junto à Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). Com a finalidade de verificar as hipóteses estabelecidas nesta pesquisa, e sua influência sobre o desempenho inovador, foi utilizada a modelagem de equações estruturais. Os resultados dessa pesquisa mostram que, das práticas de gestão do conhecimento avaliadas, apenas gestão estratégica do conhecimento e treinamento e desenvolvimento baseado no conhecimento apresentaram influência e significativa sobre o desempenho inovador no contexto industrial catarinense.

Palavras-chave: Práticas de Gestão do Conhecimento. Desempenho Inovador. Indústria. Santa Catarina.

Link para Download: Edilene Cavalcanti dos Anjos.

NUNES, Claudine Figueiredo. Rede Social Digital e Crise de Reputação: Sinais e Aspectos Estruturantes. Dissertação, 2020.

O objetivo desta pesquisa é descrever sinais e aspectos estruturantes que indicam potencial crise de reputação de empresas, personalidades e instituições em geral em redes sociais digitais. Para alcançar o propósito, utiliza o método de estudo de casos múltiplos, contemplando oito crises consideradas relevantes e que foram atendidas por agências de comunicação especializadas em gestão de crise. A fase de campo envolve a realização de entrevistas abertas e aplicação de formulário on-line. A seleção dos participantes obedeceu ao critério de presença no ranking das maiores agências de comunicação com atuação no Brasil, por faturamento, do Anuário da Comunicação Corporativa 2017, publicado pela empresa Mega Brasil. Os resultados indicaram como sinais de uma potencial crise de reputação a alta velocidade de comunicação e grande volume de informação por recorrência durante o processo de propagação de informação em rede social digital. Os aspectos que oferecem as condições para a evolução de uma crise são, de forma sequencial: 1) a comunicação em rede, intermediada pela tecnologia digital e com suporte de mídia propagável; 2) escalada da propagação, impulsionada pela organização da rede, perfis propagadores e contexto. Este último engloba motivações pessoais, influência social, aspectos de conteúdo, fatores externos que funcionam como aceleradores ou redutores da escalada da propagação; 3) Convencimento. A disseminação de informações se relaciona com a crise de reputação quando o usuário da rede muda sua percepção e se convence do teor da propagação. Para que isto aconteça, dois fatores são importantes, a diversificação de fontes e o reforço social promovido por relações próximas.

Palavras-chave: Mídia digital. Propagação de informação. Crise de reputação.

Link para Download: Claudine Figueiredo Nunes.

CAVALHERO, Alexandre. Qualidade da Informação no Setor Público: Aplicação da Casa da Qualidade na Secretaria de Estado da Administração de Santa Catarina. Dissertação, 2020.

No setor público cada vez mais se discute a efetividade, a eficiência e a eficácia da gestão pública; em que se observa que a efetividade orienta as ações públicas para o atendimento ao cidadão, a eficiência ocorre por meio da busca pela otimização dos recursos dos contribuintes e a eficácia é afetada pela melhoria da qualidade dos serviços. A ideia da qualidade, definida na literatura como “adequação ao uso”, deixou de ser aplicada e vinculada exclusivamente à indústria e manufatura para estar presente também nas organizações prestadoras de serviços, incluindo os entes públicos. O conceito de qualidade começa a ser utilizado para avaliar a informação, que é fundamental para a tomada de decisão, reduzindo incertezas, riscos e erros dos gestores. Acompanhando as transformações globais e para se manter competitiva, a administração pública brasileira precisou se adaptar às novas tecnologias gerenciais e aos modelos de gestão da qualidade, da mesma forma que o setor privado o fez. A Qualidade da Informação (QI) busca levar ao usuário informação com relevância, bem delineada e com precisão. O objetivo deste trabalho é propor uma abordagem para avaliar a QI no setor público mediante a seleção e utilização de uma das ferramentas desenvolvidas, o Quality Function Deployment – QFD (Desdobramento da Função Qualidade), mais especificamente através da sua matriz, a Casa da Qualidade. Este método tem a característica de “ouvir a voz do cliente”, já que possibilita verificar a relação entre as necessidades destes e os requisitos técnicos dos produtos ou, como no caso do setor governamental, dos serviços públicos. Esta pesquisa adaptou modelo e abordagem da Casa da Qualidade para avaliar a QI na Secretaria de Estado da Administração de Santa Catarina. A aplicação ocorreu por meio de duas fases, sendo a primeira a partir da elaboração da matriz 1, com a análise das informações estratégicas em correlação com as dimensões da QI; e a segunda fase, com a matriz de análise entre as dimensões da QI e as práticas de orientação à informação. É através da análise das matrizes que se identificou as lacunas na QI e pôde-se elaborar propostas de melhoria nos processos, rotinas e sistemas da instituição pesquisada, para que esta ofereça um serviço de melhor qualidade, aumentando sua eficácia e suprindo as demandas da gestão pública e da sociedade.

Palavras-chave: Qualidade da Informação. QFD. Desdobramento da Função Qualidade. Casa da Qualidade. Setor Público.

Link para Download: Alexandre Cavalhero.

BARBI, Dalner. Processo de Acoplamento Estrutural: O modo Operativo do Aprender. Dissertação, 2020.

O conceito de Autopoiese é uma explicação do que é o viver e o processo de acoplamento estrutural é a operação do vir a ser, pela dinâmica (perturbação x adaptação) que materializa a existência (Maturana e Varela, 1995). A questão que move o estudo é: quais os fatores do processo de acoplamento estrutural precisam ser considerados como essenciais na expressão da aprendizagem? Esta é uma pesquisa de caráter teórico e se baseia no método de análise conceitual de Walker e Avant, apresentado por Fernandes et al. (2011). Tem por objetivo analisar os fatores do processo de acoplamento estrutural que expressam a aprendizagem e possam ser aplicados na elaboração de um artefato digital. A análise conceitual proporcionou um entendimento mais profundo do processo de acoplamento estrutural como o modo de operar para o aprender. O processo de acoplamento estrutural pode ser observado em um gráfico de encurvamento – nominado neste estudo de Processo de Agenciamento Acoplamétrico. Esta proposição está fundamentada nos dois fatores pilares do processo de acoplamento estrutural, domínio relacional e domínio cognitivo, que se interconectam pela congruência operacional, atributo essencial que concorre no processo de aprendizagem como expressão do processo de acoplamento estrutural. Este é o postulado que se toma por axiomático para a elaboração do processo de aprendizagem a ser aplicado no desenvolvimento do artefato digital de aprendizagem musical em ambiente virtual – Spintone Harmony.

Palavras-chave: autopoiese, acoplamento estrutural, aprendizagem, artefato digital, agenciamento acoplamétrico.

Link para download: Dalner Barbi.

SÉRGIO, Marina Carradore. Modelo de Avaliação de Potenciais Ideias Alinhadas ao Contexto Organizacional. Tese, 2020.

O volume de dados textuais gerados em plataformas de gestão de ideias tem tornado a avaliação destas informações, realizada de forma manual, demorada e dispendiosa. Embora a literatura relate a importância da utilização de ferramentas de mineração de dados e texto para a avaliação de ideias, poucos trabalhos utilizam tais mecanismos para apoiar os gestores na tomada de decisão. O objetivo desta pesquisa é avaliar o potencial de implementação de ideias alinhadas ao contexto organizacional, propondo um modelo com base nestas ferramentas. Para a determinação da relevância de cada ideia foram utilizadas fontes de informação externas visando auxiliar na geração de índices, entre eles: o índice de aderência ao contexto organizacional, o índice de atualidade, o índice de originalidade e o índice de tecnologia. Estes quatro índices compõem ao final o índice de potencialidade da ideia. A representação do domínio ocorreu através de uma ontologia, validada por um conjunto de especialistas. Para a etapa de avaliação do modelo proposto foi desenvolvido um protótipo aplicado em dois cenários de estudo, bem como foram realizados testes com modelos supervisionados e elaborado um questionário avaliado por especialistas. O primeiro cenário de estudo foi composto por ideias coletadas do programa Sinapse da Inovação® e informações extraídas do edital de fomento para compor o contexto organizacional. Neste cenário, na etapa de mineração de texto o modelo proposto produziu uma assertividade de aproximadamente 70% na seleção de ideias implementadas e obteve 80% de assertividade na indicação de grupos de potenciais ideias quando analisados os principais agrupamentos. O segundo cenário de estudo envolveu ideias que constam na coletânea #MosquitoNão promovida pelo Ministério da Educação. Neste cenário, o objetivo da análise foi identificar as características da formação dos agrupamentos e, a partir disso, analisar os índices gerados pelo protótipo independente do contexto organizacional, enfatizando a generalidade e aplicabilidade do modelo. Com os resultados obtidos pode-se afirmar que o modelo proposto permite avaliar o potencial de implementação das ideias alinhadas às temáticas estratégicas relacionadas ao contexto organizacional. Isso ocorre em aspectos como a redução do esforço durante a avaliação de ideias, bem como a promoção de indícios sobre o potencial de implementação das mesmas, com o intuito de suportar os especialistas na avaliação e seleção de quais ideias serão colocadas em prática, otimizando os recursos organizacionais.

Palavras-chave: Gestão de Ideias. Representação de Conhecimento. Mineração de Texto.

Link para Download: Marina Carradore Sérgio.

ELEUTHERIOU, Vanessa Cardoso Santos. Identidade e Pertencimento em Cidades Humanas Inteligentes: o caso de Santa Maria/RS. Dissertação, 2017.

Uma das maiores críticas ao modelo tradicional de smart cities é a aparente falta de conexão com o elemento humano e a “homogeneização” e “robotização” de cidades que um desenvolvimento focado em tecnologia pode trazer. Nesse sentido, surge a visão das cidades mais humanas, inteligentes e sustentáveis (CHIS), que percebe a importância do investimento em capital humano e social e de processos participativos de governança para o estabelecimento de uma smart city. Uma das maiores dificuldades no tema das cidades inteligentes é, ainda, como promover de fato esse envolvimento dos cidadãos no processo. Sugere-se, então, o fortalecimento da imagem da cidade em conexão com a identidade local para fazê-lo funcionar e ser sustentável a longo prazo, principalmente através das mídias do conhecimento. Os temas se conectam através da relação entre o sentimento de pertencimento com o lugar e o comprometimento da população em trabalhar por sua melhoria, além da atração de investimentos e turismo e retenção de talentos. A pesquisa revelou que ainda não há muitos estudos relacionando os conceitos de identidade e imagem da cidade com o de humane smart cities; destaca-se, porém, o projeto europeu My Neighbourhood, que considera o senso de pertencimento na criação de uma plataforma de colaboração para CHIS. Assim, o objetivo deste estudo é trazer para o debate, principalmente para o gestor público, a importância deste fator na melhoria do bem-estar e da qualidade de vida de uma cidade, tornando-a mais humana. Utilizado o método qualitativo com entrevistas semiestruturadas, realizou-se o estudo de caso em Santa Maria/RS, com o propósito de investigar como atores locais enxergam a identificação com a cidade e quais potencialidades podem ser trabalhadas para o fortalecimento de sua imagem. A cidade foi selecionada por possuir um interesse no tema das CHIS e ter passado por uma tragédia que não só afetou sua imagem externamente, mas como ainda é uma memória vívida e dolorosa na mente de seus moradores e no próprio território, já que o prédio da boate se mantém em escombros tal como foi deixado após o incêndio em 2013. Através da comparação das falas dos entrevistados com os conceitos relacionados à identidade, percebeu-se que ainda falta um cuidado da administração pública com relação ao tema, especialmente na ausência de compensação pela tragédia – tanto de indenização para as famílias das vítimas, quanto na definição do que fazer com o prédio destruído -, mas também a falta de visão que considere os conceitos de identidade como fatores para o desenvolvimento. Por fim, a autora sugere o uso de workshops para o entendimento e captura da imagem da cidade por participação direta de seus cidadãos, através de ferramentas de design thinking.

Palavras-chave: Cidades humanas inteligentes. Identidade. Senso de pertencimento.

Link para Download: Vanessa Cardoso Santos Eleutheriou

FLORIANI, Eduarda Vieira. Processos de Aprendizagem de uma Equipe de Projeto que Utiliza Metodologia Ágil: Um Estudo de Caso. Dissertação, 2020.

A aprendizagem de equipes é um fenômeno crítico e tem sido objeto de pesquisa em várias áreas de conhecimento. A aprendizagem de equipes de projetos em organizações de tecnologia da informação é especialmente relevante porque essas organizações têm atuado em torno de projetos e equipes de projetos para o desenvolvimento de seus produtos e serviços. Uma forma de gerenciamento de projetos que visa governar os processos de trabalho em equipe é a metodologia ágil, que é caracterizada por alta adaptabilidade à mudança. Esta pesquisa busca compreender como ocorre o processo de aprendizagem, baseado em comportamentos de ação e de reflexão, de uma equipe de projeto de uma organização de tecnologia da informação que utiliza metodologia ágil. A perspectiva teórica utilizada foi a de processos de equipes, que considera a aprendizagem como o processo iterativo de comportamentos de reflexão e de ação entre os membros da equipe. Aprofundar no entendimento da aprendizagem de equipes que agem sob padrões da gestão de projetos constitui um aporte teórico ao hiato de pesquisas sobre a aprendizagem de equipes em contextos complexos específicos. Para compreender a realidade da equipe de projeto em seu contexto de trabalho, realizou-se um estudo de caso, onde foram observadas reuniões diárias e quinzenais da equipe. Utilizou-se a técnica de análise temática para a análise dos dados. Os resultados permitiram categorizar os comportamentos de aprendizagem baseados em reflexão em oito subcategorias e 28 códigos, enquanto os comportamentos de ação tiveram sete subcategorias e 12 códigos. As subcategorias dos comportamentos de reflexão são: compartilhar percepção, falar sobre erros e problemas, tirar dúvida, estimular a percepção, fazer questionamentos, procurar feedback, oferecer ajuda e pedir ajuda. Já as subcategorias dos comportamentos de aprendizagem de ação são: direcionar ação, tomar decisão, compartilhar melhorias no desempenho, efetuar mudanças, realizar experimentação, estruturar planos de ação e solucionar problemas. A análise dos resultados reforça que os comportamentos de reflexão promovem comportamentos de ação e que a interface entre os comportamentos de aprendizagem é retroalimentada. Dos 1027 trechos de falas categorizados como comportamentos de aprendizagem, 64% referem-se a comportamentos de reflexão e 36% a comportamentos de ação. Esta pesquisa evidencia a dinâmica dos comportamentos de aprendizagem dentro do contexto ágil, ao salientar a importância das reuniões da equipe, o papel de facilitador do aprendizado do coordenador da equipe e o potencial da metodologia ágil na promoção de ciclos de reflexão e ação no contexto do projeto. A metodologia ágil auxilia na composição de um ambiente de aprendizagem ao promover uma distribuição eficiente de responsabilidades, incentivar a comunicação entre membros da equipe e dividir o trabalho em tarefas e entregas regulares. Para avanços científicos no construto aprendizagem de equipe, sugere-se estudos longitudinais, estudos de caso em diferentes contextos organizacionais e estudos quantitativos ou qualitativos que apontem as interfaces da aprendizagem da equipe com os temas transversais que emergiram desta pesquisa.

Palavras-chave: Aprendizagem de equipes. Equipes de projetos. Metodologia ágil. Aprendizagem de equipes de projetos.

Link para download: Eduarda Vieira Floriani.

ANJOS, Edilene Cavalcanti. Influência das Práticas de Gestão do Conhecimento no Desempenho Inovador da Indústria de Santa Catarina. Dissertação, 2020.

As rápidas mudanças pelas quais as organizações passam, evidenciam a necessidade de melhoria dos níveis de competitividade organizacionais. Para as empresas da indústria de Santa Catarina, esse cenário contempla uma série de desafios que precisam ser superados. Uma alternativa que as organizações podem utilizar para superar esses desafios e serem mais competitivas é alavancar o seu desempenho inovador. A inovação, portanto, é fator fundamental tanto para sustentar a competitividade das organizações quanto para fortalecê-la, mas depende do uso de determinados recursos para que seja bem-sucedida, dentre eles o conhecimento. É necessário sobretudo que as organizações sejam capazes de gerenciá-lo, por meio de suas práticas, para transformá-lo em insumo útil para se revestir em inovação. Diante deste cenário, o objetivo desta dissertação é analisar a influência das práticas de Gestão do Conhecimento no desempenho inovador na indústria de Santa Catarina. Para este estudo foi realizado um levantamento tipo survey, elegendo-se para a coleta de dados da indústria de Santa Catarina as empresas cadastradas junto à Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). Com a finalidade de verificar as hipóteses estabelecidas nesta pesquisa, e sua influência sobre o desempenho inovador, foi utilizada a modelagem de equações estruturais. Os resultados dessa pesquisa mostram que, das práticas de gestão do conhecimento avaliadas, apenas gestão estratégica do conhecimento e treinamento e desenvolvimento baseado no conhecimento apresentaram influência e significativa sobre o desempenho inovador no contexto industrial catarinense.

Palavras-chave: Práticas de Gestão do Conhecimento. Desempenho Inovador. Indústria. Santa Catarina.

Link para download: Edilene Cavalcanti dos Anjos.