Zilli, Júlio Cesar Farias. Framework para a Governança Multinível do Sistema Portuário Brasileiro em direção ao Porto Inteligente

O sistema portuário é um dos principais elos na cadeia logística, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico das regiões nas quais está inserido. No caso brasileiro, com dimensões continentais, o setor portuário é amparado por um marco legal e institucional que direciona o modelo de exploração. Dada a sua complexidade e pelas múltiplas relações com stakeholders, verifica-se que o setor está imerso em desafios e deficiências. Para atender a demanda de governar múltiplos interesses, a literatura acadêmica sugere o modelo de Governança Multinível, mas não estabelece um framework à luz das diretrizes multiníveis para a implantação de um porto inteligente, considerando sistemas resilientes, eficácia e um nível de cooperação e participação dos stakeholders em plataformas tecnológicas. Nesse contexto, surge a questão “Como governar o sistema portuário brasileiro considerando a complexidade das relações entre os múltiplos stakeholders logísticos portuários, a fim de respeitar diretrizes multiníveis em direção ao porto inteligente?”. Para responder esta questão, definiu-se o objetivo “Propor um framework para a Governança Multinível do sistema portuário brasileiro em direção ao porto inteligente.” Foi realizada uma pesquisa teórica e aplicada com abordagem qualitativa, inserida no paradigma interpretativista, de objetivo propositivo, mediante análise bibliográfica e documental com etapas exploratória, descritiva e propositiva. Como técnica de pesquisa bibliográfica realizou-se a revisão narrativa e revisão integrativa da literatura. A primeira analisou o panorama das publicações sobre stakeholders logísticos portuários; estrutura portuária, métodos de classificação dos portos; modelos de titularidade, gestão e relações público-privado; modelos de governança e as experiências internacionais de governança portuária. A revisão integrativa realizou uma análise dos Modelos Conceituais de Governança Portuária, com busca realizada em base de dados eletrônica, internacional e interdisciplinar, acrescida de resultados da BDTD. A pesquisa documental compreendeu a estrutura e a evolução do marco legal institucional do sistema portuário brasileiro, contemplando a administração, planejamento, poder concedente, regulação, fiscalização e seus conflitos e diálogos necessários. Na etapa descritiva, foram descritos e inter-relacionados os elementos constitutivos da Governança Multinível e da Governança Portuária. Após a verificação prévia e interna de consistência dos elementos constitutivos e de suas inter-relações, originou-se o framework. Para a validação da proposta, foram realizadas duas etapas de verificação externa de consistência. A primeira contou com a participação de especialista não acadêmico, servidor público do setor, com experiência em múltiplos níveis de governança do sistema portuário brasileiro.  Em seguida foram entrevistados especialistas acadêmicos vinculados a um laboratório de transporte e logística e outro especialista não acadêmico, gestor de um dos maiores portos brasileiros, resultando na versão final do framework proposto para o cenário brasileiro e uma versão genérica para utilização em outro cenário similar. Os resultados desta pesquisa contribuem para o avanço da ciência a partir do próprio framework proposto e das análises dos modelos conceituais, nacionais e internacionais sobre governança portuária e da consolidação da análise histórica do marco legal que ampara o sistema portuário brasileiro. O framework e as diretrizes propostas contribuirão para o desenvolvimento e implantação de políticas públicas para a Governança Multinível do sistema portuário brasileiro em direção ao porto inteligente.

Palavras-chave: Sistema Portuário. Governança. Governança Portuária. Governança Multinível. Porto Inteligente.

Link: JULIO CESAR ZILLI – TESE ASSINADA

Kempner-Moreira, Fernanda. Governança Multinível: um framework para a Governança da Segurança Pública Brasileira à luz do paradigma das redes organizacionais

Reconhecendo que o alcance da efetividade pelo controle de partes isoladas de um sistema não mais funciona, a literatura aponta a Governança Multinível (MultiGov) como um modelo, apoiado nas teorias de redes, de bem comum e de sistemas, é recomendado no enfrentamento de situações e de ambientes complexos. Considerando que na Segurança Pública as políticas públicas são decorrentes de interação complexa e contínua entre diversos atores internos e externos, públicos e privados, nos diferentes níveis de atuação das forças de segurança, o que demanda parcerias, coprodução, formação de redes, programas de colaboração e projetos comuns para o alcance dos objetivos coletivos, além do fato de a pesquisadora ter participado de diferentes projetos com essa área, definiu-se a Segurança Pública como contexto desta tese. O Guia da Política de Governança Pública aponta a Governança Multinível como um modelo a ser utilizado no Brasil, mas não responde como as duas propostas se relacionam, como implantar nem quais elementos efetivam a MultiGov. A falta de resposta para essas questões sinalizou a necessidade de estruturar e de apresentar os elementos do sistema de governança multinível e suas relações com a governança pública, para facilitar o entendimento e a aplicação do modelo, e decretou a lacuna de conhecimento científico: Como estruturar um framework para implementar a Governança Multinível (MultiGov) para a governança da segurança pública brasileira? Para contribuir com a busca de respostas para essa questão, estabeleceu-se como objetivo geral propor um framework de Governança Multinível Pública para sua aplicação na Segurança Pública Brasileira. Esta é uma pesquisa de coprodução transdisciplinar, que se utilizou do Framework KAD (Knowledge Acquisition Design) para garantir a robustez requerida por uma pesquisa científica. A coprodução transdisciplinar ocorreu com os atores da segurança pública: a Rede de Universidades e Academias da Segurança Pública, a Polícia Rodoviária Federal; e o Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial de Santa Catarina, sendo este o campo de construção e validação do framework proposto. Entre as principais entregas apresenta-se um conceito de Governança Multinível (MultiGov), bem como determina e descreve seus elementos contextuais, teóricos e de estruturação; os cinco estágios de maturidade das redes organizacionais, que compõem o pressuposto da MultiGov; relacionase os elementos da Governança Pública e da Governança Multinível, apresentando um framework conceitual dessa inter-relação. A partir do entendimento de que a MultiGov respeita e amplia as boas práticas da governança pública, foi possível elaborar o framework de Governança Multinível para a Segurança Pública (MultiGov_SP), que contextualiza a
governança multinível para a segurança pública brasileira. A construção desse framework foi realizada em um trabalho de coprodução entre a pesquisadora e os especialistas não acadêmicos da segurança pública de Santa Catarina, o que garante a validade de sua aplicação prática.
Conclui-se que a MultiGov_SP é um framework inovador que se apresenta como
intrinsecamente aderente ao que preconiza a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social e o Sistema Único de Segurança Pública (Susp) e pode ser adotado como o modelo de governança para a segurança pública no Brasil.

Palavras-chave: Redes Organizacionais. Redes de Aprendizagem. Governança Multinível.Governança Pública. Segurança Pública.

Link: Tese Fernanda-Kempner BU Final

Lapolli, Paulo Cesar. ESTRATÉGIAS PARA A CONCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS À LUZ DO SISTEMISMO NO CONTEXTO DA INDÚSTRIA 4.0

Foram necessários 70 anos para que uma nova Revolução Industrial acontecesse. A Terceira Revolução Industrial, iniciada após a Segunda Guerra Mundial, propiciou a utilização de novas tecnologias, contribuindo para que as organizações se tornassem mais competitivas. Esse cenário consolidou as tecnologias como um recurso fundamental e estratégico para as organizações. A evolução tecnológica continuou avançando, obtendo o reconhecimento por parte dos governos, da sociedade e das indústrias, culminando em um novo paradigma – a Indústria 4.0. A utilização dessas novas tecnologias, em larga escala, está permitindo às organizações promover um ambiente quase impossível de se imaginar há alguns anos. A internet das coisas, o big data e os sistemas ciberfísicos vêm permitindo as conexões M2H (machine to human) e M2M (machine to machine) em tempo real. Esse panorama disruptivo necessita de pessoas com novas competências a fim de garantir a adaptabilidade delas e das organizações. Neste contexto, a presente pesquisa tem como objetivo estabelecer estratégias para a concepção de competências essenciais no contexto da Indústria 4.0 à luz do sistemismo. Para tal, utilizou como procedimento metodológico uma abordagem qualitativa de cunho exploratório e descritivo. Dessa forma, a coleta de dados foi sustentada por uma revisão da literatura, pela aplicação do modelo adaptado de Lichtblau et al. (2015) para identificação do nível de maturidade das empresas para a Indústria 4.0 e pela aplicação do modelo CEI4.0 desenvolvido com base nos modelos de Javidan (1990) e Pacheco (2010),  o que deu o suporte para a criação das 40 estratégias de concepção de competências essenciais no contexto da Indústria 4.0, que foram submetidas à verificação e consolidação por cinco especialistas com expertise sobre o tema das competências. Do total de 40 estratégias verificadas pelos especialistas, realizadas as suas contribuições, foram consolidadas 39.

Palavras-chave: Indústria 4.0; competências essenciais; sistemismo.

Link: Estratégias para a concepção de competências essenciais à luz do sistemismo no contexto da indústria 4.0

VERAS, Valéria. DIMENSÃO PEDAGÓGICA DA TECNOLOGIAL SOCIAL: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA GESTÃO DA ÁGUA

A Tecnologia Social é fundamentada no domínio das interações, no qual espaços de trocas e de criação coletiva de conhecimentos são gerados. Desenvolvida a partir de demandas sociais, na busca de resolver um problema por meio da interação com a comunidade, a Tecnologia Social opera com o equilíbrio entre o saber local e o conhecimento técnico-científico. Este diálogo é marcado por uma articulação de atores e saberes a partir da qual se constroem abordagens integrais a problemáticas reais, em um contexto sócio-histórico territorializado. Embora a dimensão pedagógica seja transversal a todas as ações que envolvem a Tecnologia Social, estudos sobre o tema são escassos e, em geral, restritos a entender como se acumulam os conhecimentos tácito e explícito em dinâmicas sociotécnicas. O objetivo deste estudo foi analisar a viabilidade da Tecnologia Social como estratégia de geração e disseminação de conhecimento. Visa estimular o debate em torno das possibilidades de utilização desta tecnologia como instrumento gerador de aprendizagem social, valorizando espaços de compartilhamento entre o conhecimento científico e o saber local e a construção de conhecimento dialógico e inclusivo. O estudo parte do marco analítico conceitual da Tecnologia Social, buscando em suas bases relações com geração, disseminação de conhecimento e aprendizagem. Dadas as características do objeto de estudo, optou-se pela abordagem qualitativa básica e exploratória. Com relação aos procedimentos metodológicos, foi desenvolvido um estudo de caso com foco no Projeto Tecnologias Sociais para Gestão da Água. A partir da realização de entrevistas semiestruturadas envolvendo 16 participantes, buscou-se identificar as estratégias de geração e disseminação de conhecimento adotadas no projeto e sua viabilidade. A análise temática, aplicada com auxílio do software NVivo, foi utilizada para selecionar e analisar temas relacionados com a questão de pesquisa. As estratégias pedagógicas identificadas foram: demanda comunitária, troca de saberes, aprender na prática, participação, acesso ao saber, reaplicação e redes. A viabilidade das estratégias foi verificada pelas falas dos entrevistados que descreveram o impacto do aprendizado em suas vidas, instituições e comunidades como uma experiência que gerou ampliação da visão de mundo, empoderamento, emancipação e protagonismo, e abriu caminhos em direção à transformação social e à sustentabilidade.

 

Palavras-chave: Tecnologia social. Conhecimento científico. Saber local. Educação em rede. Sustentabilidade

 

Link: dissertação.

Carvalhares Ferrari, Ângela. O uso da Media Architecture naexpografia da sociedade em rede: Experienciando museus interativos

Na sociedade em rede as tecnologias são empregadas na comunicação e mediação de diálogos, ainda assim, ainda há uma resistência às TICs, no campo da museologia. No entanto, a pandemia de COVID-19 possibilitou a aceleração das inovações digitais no espaço dos museus. Assim, os museus abrem os debates em torno das inovações tecnológicas, considerando sua função social educacional. Sendo assim, os museus interativos empregam as TICs na disseminação do conhecimento, almejando que o os insights adquiridos no museu, possam ser transformados e retornados em forma de inovação e novos objetos. Enquanto isso, no campo da arquitetura e urbanismo, iniciam os estudos de uma nova disciplina, que alia as faculdades da arquitetura com as das novas mídias. Esta nova arquitetura, conhecida como Media Architecture, é efêmera, performática e comunicativa, aplicada na face pública das edificações, a fim de promover o diálogo das questões sociais. Assim, considerando a os museus interativos como dialógicos, a exposição a face pública do museu e o design de exposições um meio de comunicação, tem se observado soluções inovadoras como Realidade Aumentada e Virtual, Inteligência Artificial e comunicação online para disseminação dos acervos de museu. Logo, esta pesquisa propõe o estudo de como a Media Architecture (MA), aplicada a museus, amplia a narrativa, estimula a interatividade e interação e proporciona a memorabilidade, por isso, foi adotado o estudo de caso como modalidade de pesquisa. Em um primeiro momento, a pesquisa bibliográfica identifica o contexto dos museus da sociedade em rede e os atributos da Media Architecture quando aplicada à expografia. Em seguida, os museus do Amanhã, Musehum, do Futebol e Mis Experience foram experienciados nos ambientes online e real. Na primeira etapa, a autonetnografia foi empregada para identificar a existência de conteúdo educacional na rede de internet. Em seguida, o ambiente real foi observado, a partir do método conhecido como corpografia, quando foram anotadas as impressões e sensações vivenciadas. Como resultado, um conjunto de mapas, gráficos e tabelas que identificam duas aplicações para a Media Architecture. Na primeira, a narrativa expográfica é aumentada com o emprego das tecnologias que ampliam as sensações. Em uma segunda via, o alcance da informação torna-se universal com a oferta de conteúdo complementar em rede e a possibilidade de diálogo aberto entre instituição e visitante. Assim, esta pesquisa integra os debates a respeito das tecnologias propondo como trabalhos futuros os estudos da memorabilidade dos ambientes Media Architecture ou a efetividade da ferramenta quando aplicada à expografia. Ademais, propõe-se como trabalhos futuros pesquisas para viabilidade de ferramentas e soluções para os museus.

Palavras-chave: Expografia; Media Architecture; Mídia do Conhecimento; Sociedade em Rede; Design de Experiências; Museu Interativo

Link: [EGC DISS] – dissertação angela ferrari

CANTO, Cleunisse Aparecida Rauen De Luca. Framework conceitual de representação do conhecimento sobre o modelo de graduação dual.

A finalidade maior dos modelos de graduação dual é a integração organizacional, social e curricular dos estudos ao trabalho, resultando em aprendizado híbrido, com conhecimento baseado na experiência. Estes modelos combinam uma fase teórico-prática de aprendizado nas instituições de educação superior a uma fase prática desenvolvida dentro das empresas parceiras, com foco no desenvolvimento de problemas reais, promovendo a cooperação entre instituições acadêmicas e negócios. São modelos educacionais que partem da ideia de que o que os alunos aprendem começa na sala de aula, mas requer que estes conhecimentos sejam aplicados em um trabalho compatível aos seus objetivos educacionais. Além da Alemanha, países como Áustria, Dinamarca Finlândia, França, Holanda e Suíça são os que possuem o maior número de programas de formação dual implementados. Com base na literatura, o modelo dual tem grande aderência para o Brasil, já que existe no país um modelo consolidado de formação profissional por meio da Educação Profissional e Tecnológica, que é um tipo de modalidade que foca na educação para o mundo do trabalho, conforme preconiza a legislação vigente, com um amplo programa de extensão curricularizado que traz o viés social preconizado no modelo. Neste sentido, o presente estudo tem por objetivo propor um framework conceitual de representação do conhecimento sobre o modelo de graduação dual, à luz do modelo alemão de estudo dual. Para tanto, o percurso metodológico da pesquisa foi conduzido por meio do Design Science Research Methodology (DSRM), sendo a etapa de intervenção dividida em três fases, a saber: 1) foco na identificação de dimensões, categorias e indicadores que pudessem nortear a construção do framework conceitual, com a validação de especialistas de domínio; 2) foco na descoberta de conhecimento em texto, por meio da mineração dos textos, para identificação do corpus do estudo; e 3) consolidação dos conhecimentos a partir da identificação dos elementos constitutivos que compõe o framework conceitual. O modelo possui nove atividades chave subdivididas em categorias, que por sua vez conduzem a seleção dos indicadores norteadores das questões importantes, que foram acoplados em quatro distintas capacidades (definir, implantar, monitorar e aprimorar), com níveis crescentes de aplicabilidade. As questões foram validadas por um grupo experimental composto por cinco experts na construção de itens. Um instrumento de avaliação foi estruturado no Excel 365® e passou por aplicação piloto, sendo as categorias validadas pelos gestores da IES e da Empresa, que avaliaram a usabilidade do instrumento, a construção dos itens, a abordagem das questões e a organização das capacidades. Considerando-se a estrutura do framework conceitual e a síntese da representação dos conhecimentos sobre o modelo de graduação dual, correlacionados com o projeto piloto, concluísse que os elementos constitutivos resultantes da proposição do framework conceitual fornecem todo o suporte para IES e Empresa na implantação de cursos superiores de tecnologia, permitindo assim um olhar mais específico para as diferentes realidades vivenciadas pelos dois stakeholders.

Palavras-chave:Modelo dual. Graduação. Educação cooperativa. Prática integrada. Educação Profissional e Tecnológica.

Link: Tese_Cleunisse Rauen De Luca Canto – VF_ago_2022

Zandavalli, Carla. Aprendizagem Interorganizacional: a organização como aprendiz de uma rede, da extensão à internalização

Os desafios externos têm provocado as organizações a repensarem sobre suas formas de aprender, motivando-as a buscar novos conhecimentos além das suas fronteiras organizacionais. Nesse sentido, a procura por diferentes formas de relacionamentos interorganizacionais vem se apresentando como estratégia viável para o enfrentamento de mudanças constantes nesses ambientes. Essas relações podem ser estabelecidas por meio de redes interorganizacionais. As redes interorganizacionais são definidas como uma rede de laços complexos que pode servir como um canal por onde fluem informações, conhecimento e ideias, tornando-se uma arena para aprendizagem entre as organizações. A aprendizagem que ocorre por meio de redes interorganizacionais pode ser chamada de aprendizagem interorganizacional (AIO). a AIO é um processo, no qual uma organização a partir da interação e contato com as experiências de outras organizações adquire novos conhecimentos e habilidades que são incorporados em seus sistemas, estruturas e/ou rotinas organizacionais. Nesse processo de aprendizagem existem dinâmicas que ocorrem no ambiente organizacional e no ambiente interorganizacional (rede), pouco estudado  na literatura e que podem auxiliar no processo de gerenciamento da AIO interativa. Nesse sentido,  a presente pesquisa propõe-se a compreender como as dinâmicas de extensão, interação e internalização da aprendizagem interorganizacional ocorrem em organizações inseridas na mesma rede interorganizacional. Para isso, a pesquisa utiliza-se da abordagem qualitativa em um estudo de caso de uma rede interorganizacional. A coleta de dados ocorreu a partir de dez entrevistas semiestruturadas com os representantes institucionais (da organização), documentos (públicos e privados) e a observação do pesquisador em encontros da rede. Os dados foram analisados a partir da análise temática que resultou em um total de cinco temas, trinta e oito categorias e oitenta e quatro códigos dedutivos e indutivos. Os principais resultados da pesquisa sinalizam que as dinâmicas são interdependentes, ou seja, dependem da anterior para ocorrerem. A dinâmica de extensão traz o nível organizacional em voga e as ações que englobam a abertura e preparação para a organização participar da rede. A dinâmica de interação traz o nível interorganizacional (a rede), no qual as organizações interagem e compartilham conhecimentos. Por fim, a dinâmica de internalização, que se volta para o nível organizacional novamente, traz o desafio de absorver e realizar o processo de mudança para aplicar o novo conhecimento na organização-aprendiz. Entre as principais contribuições podem-se destacar: a compreensão do fluxo da AIO, desde uma informação ou conhecimento restrito a uma organização até o conhecimento novo aplicado em outra organização, que perpassam pelas três dinâmicas; as conexões entre os ambientes intra e inter, na perspectiva multinível; e os fatores e mecanismos que influenciam as dinâmicas da AIO. Essas contribuições auxiliam tanto na criação de redes para AIO como no aprimoramento de redes já existentes. Sugere-se como pesquisas futuras: comparar redes de aprendizagem a partir das dinâmicas de AIO apresentadas neste estudo; aprofundar estudos sobre a influência da capacidade absortiva, da organização-aprendiz, no processo de AIO; estudos que abranjam as questões relativas à explotação e exploração em processos de AIO e suas dinâmicas.

Palavras-chave: Aprendizagem interorganizacional. Dinâmicas da AIO. Fatores de influência Episódios de Aprendizagem..

Link: tese Carla Zandavalli

Massad, Daniela de Oliveira. A CAPACIDADE ABSORTIVA DO CONHECIMENTO E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A PERFORMANCE SOCIAL E ECONÔMICA DE EMPRESAS SOCIAIS

O aumento de problemas relacionados com questões como pobreza, desemprego, violência, acesso a serviços de saúde e saneamento, dentre outros, resultantes de um crescimento econômico desordenado e falhas na atuação governamental, representam as possíveis causas do aumento no desenvolvimento de organizações destinadas a solucionar problemas sociais. Esses empreendimentos, configurados como empresas sociais, precisam superar a dicotomia de cumprir sua missão social de atender necessidades sociais e, ao mesmo tempo, apresentar resultados financeiros. A capacidade absortiva do conhecimento tem sido estudada na literatura como uma forma de gerar inovações e melhorar o desempenho das organizações, entretanto pesquisas com foco na criação de valor social e melhoria da performance em empresas sociais através da capacidade absortiva são ainda incipientes. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é analisar a contribuição do desenvolvimento da capacidade absortiva para a performance econômica e performance social em empresas sociais. Primeiramente foi efetuada uma busca na literatura sobre as empresas sociais e os conflitos e as tensões que experimentam para gerar valor econômico sem comprometer a missão social, bem como sobre a capacidade absortiva e seu potencial em criar valor e melhorar a performance das organizações. Posteriormente, foi realizada uma pesquisa de levantamento por meio de questionários para mensurar a capacidade absortiva e as performances social e econômica de empresas sociais e entrevistas semiestruturadas com gestores de empresas sociais verificar a presença de rotinas da capacidade absortiva em empresas sociais e analisar a contribuição das rotinas de capacidade absortiva para as performances social e econômica em empresas sociais. Concluiu-se que as empresas sociais mantêm rotinas de capacidade absortiva internas e externas e que estas rotinas, mesmo que informais, foram consideradas relevantes para que estas empresas pudessem superar as crises, se adaptar e continuar inovando em seus produtos e processos. O ambiente aberto favorecendo a mudança, regimes de seleção e práticas de reflexão e atualização orientados pelo propósito social, a atuação em redes de colaboração com diferentes atores, o estímulo à aprendizagem e a busca por novos conhecimentos, bem como o incentivo ao compartilhamento do conhecimento entre os colaboradores e com outras organizações, por meio de parcerias, se revelam como formas de as empresas sociais se adaptarem e atualizarem sua base de capacidades com vistas a melhorar a capacidade absortiva. Sugere-se que as empresas sociais ampliem sua participação em redes, colaborando com outras organizações, e que tenham o cuidado para não se tornarem autorreferenciais em suas atividades, procurando se comparar com outras empresas, sejam elas sociais ou não, para que continuem sendo impulsionadas a inovar constantemente e melhorar sua performance econômica e social.

Palavras-chave: Empresa Social. Performance Econômica. Performance social. Capacidade absortiva.

Link: Tese_final_Daniela_Massad

ABREU, Fabíola Assis de. A Rede do Conhecimento Tradicional Milenar da Linhagem Taoísta Pai Lin. DISSERTAÇÃO, 2021.

Nesta pesquisa procuro descrever e compreender a rede de relações pessoais do Mestre Liu Pai Lin e seu papel na preservação, corporificação e disseminação do Conhecimento Tradicional Milenar Taoísta, a partir da minha visão como pesquisadora participante-observadora da Linhagem Taoísta Pai Lin. Considero o extenso patrimônio cultural, sinestésico, filosófico e social de saberes ancestrais ensinados por Seres Verdadeiros, e trazidos para o Brasil pelo Grande Mestre Liu Pai Lin. Descrevo e apresento novas dimensões da rede em sua ascendência e descendência, complementando a rede atual com ocorrências não documentadas em pesquisas anteriores sobre o Mestre Liu Pai Lin e seus descendentes. Nesta investigação caracterizo os domínios dos conhecimentos taoístas como: Shin, o Espírito, o Caminho em busca da iluminação; I, a Medicina Tradicional Chinesa; e Chuan, as Artes Marciais Internas. Descubro entendimentos do papel da mídia nessa transmissão do conhecimento tradicional da linhagem no contexto anterior à pandemia de COVID-19, com breve atualização para o contexto após o seu primeiro ano, que vai desde as mídias impressas a algumas digitais. Como resultado dessa busca, além de melhor caracterizar os domínios do conhecimento taoísta, pude: resgatar a história do Mestre Liu Pai Lin, compreender a rede de relação pessoal do Mestre Liu Pai Lin e sua importância para a transmissão do Conhecimento Tradicional Taoísta, aprofundar o entendimento do Caminho do Tao 道之道 (Dào zhī dào), e reconhecer a eficácia das práticas do Tai Chi Pai Lin para a Biossegurança e Prevenção na Saúde Pública.

Palavras-chave: Linhagem Taoísta Pai Lin; Mestre Liu Pai Lin; Conhecimento Tradicional Milenar Taoísta; Rede do conhecimento tradicional milenar taoísta.

Link para download: Fabíola Assis de Abreu

PERIN, Adenilson. Mitigação de potenciais desperdícios de conhecimento em sistemas gerenciadores de banco de dados: proposta de diretrizes. TESE, 2021.

A presente tese de doutorado apresenta como problema de pesquisa, o seguinte questionamento: “como fazer para mitigar potenciais desperdícios de conhecimento no uso de sistemas gerenciadores de banco de dados”? Como contribuição científica, a tese propõe um conjunto de diretrizes para mitigação de potenciais desperdícios de conhecimento no uso de sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD). A associação dos termos ‘desperdício de conhecimento’ com ‘SGBD’ é uma lacuna identificada pelo pesquisador, e a pesquisa tem o objetivo de fazer essa aproximação. Este estudo não localizou literatura que associe diretamente os referidos termos. Mas, para caracterizá-lo, entende-se que é possível fazer uma aproximação com o auxílio das literaturas de desperdício de desenvolvimento de software e de maturidade analítica. Para verificar a relevância da proposta, foram realizadas: revisão da literatura, pesquisas bibliográficas e uma pesquisa de campo no IBAMA, com a aplicação de um questionário, respondido por 37 servidores que operam o sistema gerenciador do banco de dados do Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Naturais (CTF/APP). A apuração foi realizada com auxílio da estatística, mais especificamente por meio de análise fatorial exploratória, onde as respostas foram organizadas, codificadas e tabuladas com a ajuda do software estatístico Statistical Package for the Social Sciences (SPSS). A metodologia para proposição das diretrizes foi baseada no Design Science Research (DSR). Os resultados da apuração deram origem a um instrumento preditivo de diagnóstico de potenciais desperdícios de conhecimento em SGBD. Dentre os desperdícios encontrados, podem ser destacados os seguintes: deficiências na comunicação interna; baixo uso dos dados para a tomada de decisões; falta de clareza dos objetivos estratégicos da organização; desperdício de reinvenção; problemas com a confiabilidade dos dados; precariedade das ferramentas de trabalho; necessidade de melhorias no SGBD; os dados precisam ser mais bem explorados. A pesquisa de campo serviu de base para, em conjunto com o referencial teórico, propor 8 (oito) diretrizes mitigadoras de potenciais desperdícios, divididas entre os três pilares da Gestão do Conhecimento; pessoas, processos e tecnologia. As referidas diretrizes tiveram a consistência verificada por um usuário-chave. Por fim, foram indicados caminhos para a implementação das diretrizes propostas, tais como: utilizar o conceito de “Ba” para a criação de um ambiente virtual de aprendizagem; uso das mídias sociais para melhorar a comunicação com os usuários dos sistemas; considerar as técnicas de Planejamento de Sistemas de Informação (PSI), ao adquirir ou desenvolver um sistema;  criação de comunidades de prática, respeitando os padrões da International Organization for Standardization (ISO); utilizar software de automação de marketing, para melhorar a comunicação externa; criar padrões no SGBD, que permitam a interoperabilidade da comunicação entre os sistemas de informação (SI). O estudo é destinado sobretudo aos planejadores e desenvolvedores de SI, para que estes, ao adquirir ou criar um SGBD, levem em consideração as diretrizes e caminhos propostos e, assim, procurem mitigar potenciais desperdícios de conhecimento na exploração desses sistemas.

Palavras-chave: Conhecimento. Desperdício de conhecimento. Sistemas gerenciadores de banco de dados. Desperdício de desenvolvimento de software. Maturidade analítica.

Link para download: Adenilson Perin